terça-feira, 8 de junho de 2021

No Peru a eleição está cabeça a cabeça

Eleição no Peru agita o mundo Os ricos já comemoravam a vitória , mas o tempo foi passando e o candidato dos pobres foi resistindo, pegando voto aqui e acolá e os ricos comemorando. Na medida que foram apurando os votos das cidades pequenas, votos das comunidades indígenas, e dos camponeses moradores das montanhas, Castillo, o candidato do povo foi crescendo, crescendo, fazendo os ricos diminuírem as festas. De repente o povo aumentou a festa. Finalmente conseguiram passar na frente de Keiko Fujimoro, a candidata dos ricos e dos não índios... Apuradas 96,795% das urnas, o candidato do povo estava com 50,254% e a candidata dos ricos com 49,746%. E Castillo cegava a quase 100 mil votos de frente. O mundo acompanha ansioso quem ganhará e com qual diferença. Os votos dos moradores do Peru ja definiram que Castillo vai chegar na frente. No entanto, foram autorizados a votar 750 mil pessoas. Imaginem que, como a diferença é de apenas 100 mil votos, esta diferença pode ser revertida, estragando a festa do povo. Também pode acontecer de a disputa ser acirrada no exterior e Keiko Fujimori não conseguir virar o resultado. Se com 10% de votos de diferença já obriga a se dizer que o Peru estaria dividido, imaginem com apenas 0,25% de diferença! O mundo está realmente dividido. O mundo anda tenso, os países estão reagindo às imigrações, o desemprego está maior do que o aceitável e a pandemia continua matando gente em todos os lugares e de todas as etnias. O grande desafio é encontrar soluções para as crises ameaçadoras sem precisar acabar ou suspender a democracia. A saúde está em primeiro lugar, mas, com democracia podemos salvar mais gente; A economia está em segundo lugar, mas, com democracia podemos ser mais criativos e solidários; As imigrações são complicadoras, mas, com democracia podemos ter mais respeito às pessoas de etnias diferentes... Os ricos costumam ficar agressivos quando o povo contraria à vontade dos ricos e dos acomodados nas mordomias das instituições públicas. Respeitando e valorizando à democracia, devemos definir parâmetros de distribuição de renda, acesso às escolas e aos hospitais, além dos estímulos a mais cultura, mais esportes e mais liberdade para todos. A democracia pressupõe que quem ganha hoje pode perder amanhã e todos vamos aprendendo juntos. No Peru, que vença o ou a que tiver mais votos, sem fraude, sem violência e sem ressentimento. O Peru e o povo em primeiro lugar.

Um comentário:

  1. Castillo teve 140 mil votos a mais que Fujimori no Peru.
    No exterior ela deve ter 90 mil a mais que ele.
    O saldo fica 50 mil a mais para Castillo.
    Vivo o povo e o Peru

    ResponderExcluir