sábado, 8 de maio de 2021

Até as mães andam silenciosas

Quarentena das ruas e a violência da conjuntura O mundo anda esquisito. A Colômbia que todos achavam que estava sob controle, pipocou em manifestações, violência e mortes; Na Europa, vários países tiveram manifestações contra os governos e contra os patrões; e na Argentina, que sempre teve uma liderança importante, voltou à calmaria peronista. O Brasil anda estarrecido. Como uma Brasilia velha descendo a ladeira, ou uma Kombi de feirante subindo os morros para comprar verduras, vivemos num aparente perde-perde, mas, os neoliberais, os banqueiros e os especuladores financeiros não estão perdendo. Alguns bancos e algumas empresas estão apresentando balanços trimestrais com aumento escandaloso dos lucros. Numa crise desta, um banco informar que seu lucro cresceu em 74%, outro em 66%, uma indústria em 90%, e até uma mineradora que causou um dos maiores acidentes ecológicos do Brasil, tem um lucro de deixar qualquer analista constrangido. Será que chegamos ao fim do poço e o país vai começar a retomar sua vida normal? Será que, com o crescimento do número de pessoas que estão tomando vacinas contra o vírus, as pessoas estão indo aos shoppings e aos bares e restaurantes? Ou o lucro escandaloso das empresas e dos bancos não depende da reabertura das lojas? Não sei, sou sei é que, em outros tempos, esta chacina em Jacaréznho, provocaria uma onda de protestos e violência que nem as polícias impediriam. Muito menos o judiciário impediria. Então, como se explica esta letargia, este cansaço ou este medo? Estou achando que algo mais forte que 2013 está vindo por aí. Não sabemos quem vai ser o primeiro, mais vai aparecer um movimento de desabafo que vai tremer as estruturas. Vai deixar mais gente em casa do que a pandemia tem deixado. A soma de Jacarezinho com a CPI do vírus e das eleições, mais o desemprego, o alto custo de vida, os preços alucinados, uma recessão onde os preços sobem mesmo a população comprando menos, tudo isto assusta. Ao olhar as redes sociais, os jornais e os noticiários, as únicas duas coisas agradáveis que vi foram o aniversário de Gushiken, hoje, dia 08 de maio e amanhã o Dia das Mães. Gushi com sua verve marcante, era o líder que estava sempre buscando soluções para os desafios, e as mães, ah, para as mães, os filhos sempre estão com a razão. Portanto, amanhã, todo mundo vai dar um jeitinho para falar com a mãe ou para querer abraçá-la. De 2013 para 2021 são oito anos. Depois de 2013, Aécio quis derrubar o governo eleito, ele não conseguiu em 2014 mas a frente ampla da direita conseguiu derrubar o governo em 2016. Libertaram os demônios brasileiros e o resultado está em toda parte: tragédias, tragédias e mais tragédias. Como vamos conseguir botar o gênio do mal de volta na lâmpada? O Brasil não tem experiência nestas coisas de soltar os demônios ou entregar sua soberania aos estrangeiros ou entregar suas florestas... Enquanto os demônios andam soltos fazendo a maior confusão, vamos nos recolher neste Dia das Mães e compartilhar boas lembranças, belas histórias em volta da mesa ou na varanda da casa. As mães ainda são necessárias... Benção Mãe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário