domingo, 25 de abril de 2021

Brasil sofre com pragas, mortes, desemprego e governo incompetente

Brasil em números e em tragédias Duas grandes pragas caíram sobre o Brasil: 1 – a primeira é a praga da pandemia, conhecida também coo Covid-19, que está matando milhares de pessoas de todas as regiões do Brasil; 2 – a segunda é a praga do governo genocida de Bolsonaro. Além de sofrer com as mortes, sofremos também com o desemprego e o arrocho salarial. Alice Nakao e a história do Sol Nascente em São Luiz do Paraitinga. Neste domingo, ao ler o jornal Folha, descobri uma bonita matéria sobre a morte de Alice Nakao, publicada na pagina B6, com o título: “ Agregou sabor à cultura e amor a São Luiz do Paraitinga”. A autora é Patricia Pasquini. Alice é uma das 390 mil que morreram na Pandemia. E a falta de vacina e de governo continua matando por este Brasil todo. Na semana passada, entre tantos mortos, tivemos uma colega do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, depois a morte da secretaria geral da CUT Rio de Janeiro, tivemos também a morte do presidente do Sindicato dos Bancários de Rondônia... Dutra e Dalva, morreram no Maranhão. No final de semana fomos comunicado da morte de Dutra, um dos fundadores da CUT, foi também presidente da CUT Maranhão. Difícil foi saber que numa semana morreu sua companheira, Dalva, professora e militante sindical e partidária, depois foi a vez de Dutra. A morte, a fome, o desemprego e a falta de salário, tudo isto no Maranhão pesa mais... Quando se pega as estatísticas sobre a pobreza no Brasil, o último nome que aparece é do Maranhão. O mais pobre do Brasil, mesmo tendo Sarney como seu filho ilustre e ex-presidente do Brasil, além de escritor... Enquanto no governo Lula e Dilma, do PT, o mundo comemorava a diminuição da pobreza no Brasil, com a inclusão de 20 milhões de pessoas, o governo genocida de Bolsonaro só aumenta a pobreza extrema no Brasil. A famosa classe C, que a imprensa chamava de Nova Classe Média, agora está ficando longe para mais de 30 MILHÕES. Segundo a Folha de hoje, pesquisas de diferentes órgãos revelam não só que dezenas de milhões de brasileiros retrocedem a situações mais precárias desde o ano passado, mas que suas vidas podem continuar piorando em 2021. Milhões de brasileiros estão despencando diretamente da Classe C para a miséria. Agora já são mas de 35 milhões na POBREZA EXTREMA. Mesmo na capital de São Paulo temos casos de famílias com renda domiciliar de quase R$ 4.000,00 e que agora ninguém trabalha nem recebe ajuda financeira. Nem camelôs estão conseguindo ganhar dinheiro. Já o IBGE, avisa que a Renda Domiciliar per capita CAIU em 2020, para R$ 1.380. Brasília, onde está a nata dos políticos, tem a maior renda nacional per capita R$ 2.475. Já o MENOR RENDIMENTO foi no... MARANHÃO, onde foi de APENAS R$ 676 reais. O Piauí está melhor que o Maranhão, e o Ceará está melhor do que o Piauí. Sendo 676 para Maranhão; 859 para o Piauí e 1.028 para o Ceará... Alagoas só ganha do Piauí, ficando em segunda posição com 796 reais. Segundo o IBGE, o rendimento domiciliar per capita é o resultado da soma da renda recebida porcada morador, dividido pelo total de moradores do domicilio. O cálculo inclui pensionistas, domésticos e seus familiares. Não sei se choro de tristeza pelos mortos, ou se choro de ver tanta miséria econômica, política e social. Ainda bem que Lula vem aí. E, para retomar as esperanças, é sempre bom lembrar que hoje é 25 de abril, dia da derrubada da ditadura de Portugal. No ano que vem, ficaremos livres da praga que está destruindo o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário