segunda-feira, 22 de março de 2021

Privatizações com reserva de mercado é fraude

No Brasil, a maior fraude eleitoral e financeira foram as privtizações com reserva de mercado e privilégios financeiros. As privatizações começaram no governo Fernando Henrique e, contaram com: 1- a reserva de mercado; 2 - em vez de uma empresa pública, o mercado passou a ser reserva de tres ou quatro; 3 - como a inflaçao real sempre foi maior que a oficial, as empresas privatizadas sempre tiveram critérios de correção de preços com outros índices melhores que a inflaçao oficial; 4 - Fernando Henrique criou as Agências de Regulamentação para proteger as empresas e, teoricamente para proteger os consumidores (os pobres brasileiros); 5 - Estas agências reguladoras também se mostraram tão custosas quanto o serviço público e criaram "castas". Com a criação de call centeres, estas empresas se escondem dos clientes, e usam o poder de concessionárias de luz, água, telefone, internet, TVs a cabo, etc. Estas empresas usam e abusam do poder suspender a prestação de serviço, protestar os clientes em função de pretensas contas atrasadas, mas quando elas cobram acima do que deveria, o cliente leva a mair canseira para recuperar seu dinheiro. Até para se conseguir falar com as Ouvidorias é outro inverno. Até agora não consegui falar com a ouvidoria de uma delas. Estou tentando há dois meses. Isto tudo sem contar que as empresas públicas foram privatizadas à preço de bananas. Lembram do Banespa? Lebram da Vale? Verifiquem todos os bancos estaduais... Uma vergonha! Quer viver no capitalismo de mercado? Tem que proibir os monopólios e os oligopólios. O Brasil tinha maisde 100 bancos. Quantos bancos existem hoje? 1 - Itaú, 2 - Bradesco, 3 - bancos do governo federal. Isto é uma mamata! Um país continental, com mais de 200 milhões de consumidores e tudo funcionando no esquema de reserva de mercado e sem atender bem o povo brasileiro. Enquato isso, nem comprar vacinas o governo federal consegue... Nos transformaram numa república de bananas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário