domingo, 7 de março de 2021

O caos do Brasil está em todos nós

Onde vamos parar? Economia em crise acentuada, pandemia matando em todo Brasil, políticos sem credibilidade, judiciário mais distante do povo e a imprensa tentando manter alguma credibilidade, apesar de seus erros ideológicos. Neste final de semana, alguns problemas mereceram destaques na imprensa: 1 - Como impedir que o presidente continue sua política de deixar morrer mais de 126 mil pessoas e a previsão é que poderá chegar a 160 mil? 2 - Como impedir a desmoralização plena da Lava Jato, já que, a cada dia aparecem mais gravações mostrando os juizes e procuradores agindo como vereadores desqualificados? A própria Folha gastou páginas com advogados escrevendo que a lava jato foi criada para combater a corrupção, quando na verdade, foi criada para impedir Lula de voltar a ser presidente e também para dar o golpe de Estado e tirar Dilma da presidência. As prisões de empresários foi o preço que os conservadores, incluindo o PSDB, pagaram para impedir a continuidade do PT no governo. 3 - Silenciosamente, a cada dia aumenta o noticiário de que o Brasil está ficando insolvente economicamente. Isto é, vai ficar sem crédito interno e externo, tendo que renegociar suas dívidas, tendo que aumentar o desemprego e contaminando a campanha de vacinação... 4 - Já que se avalia que não há condições de se fazer um impeachment de Bolsonaro, empresários, intelectuais, juristas e imprensa em geral, vem defendendo "uma obstrução" realizada pelo STF, o judiciário. Um outro "golpe branco". 5 - Enquanto os ricos e poderosos não se entendem com as loucuras de Bolsonaro, a vida das pessoas vai virando um inferno. Ora é a pandemia que mata ou atrofia, ora é o desemprego, outra ora é a renda mensal se transforando em pó, em função da grande desvalorização da nossa moeda - real - e a inflação invisível. 6 - Para o bem do povo em geral, aos poucos Guedes, o ministro da Fazenda, vai caindo em descrédito e o proprio governo vem restringindo as irresponsabilidades econômicas, como o aumento da gasolina e de tantas outras coisas. 7 - Enquanto a crise aumenta, cresce a quantidade de militares nos cargos federais. Dizem os analistas que é uma forma de Bolsonaro se garantir pelas armas, já que ele vem perdendo apoio dos empresários, do judiciário, da imprensa e do povo. 8 - A cada dia, a democracia vai se fragilizando em função da insegurança, do desgoverno e da falta de um grupo de interlocutores que apresente uma alternativa. Sabemos que democracia não enche barriga, mas ajuda a buscar soluções mais consensuais. Historicamente, a tendência, é piorar. E no ritmo que vai, chegaremos em 2022 numa situação bem pior do que a atual. Com pandemia ou sem pandemia, precisamos fazer alguma coisa mais efetiva...

Nenhum comentário:

Postar um comentário