quarta-feira, 31 de março de 2021

Pequenas reflexões

Frases do dia: 31 de março e 1o. de abril – É sempre bom lembrar... 1 – Antes reclamavam que tinha pobres nos aeroportos, agora, além do pobres nos aeroportos, temos OS RICOS NO SUS... 2 – Ditaduras, golpes e torturas não se esquece. São estudadas para não serem repetidas. 3 – Na Páscoa, além dos presentes aos familiares, doe comida a quem tem fome... 4 – Quando até os maiores bancos publicam que há fome, vírus e desemprego no Brasil, realmente algo está errado. 5 – Quando você estiver junto com a Rede Globo defendendo a democracia e contra Bolsonaro, realmente alguma coisa está fora da ordem no Brasil.

terça-feira, 30 de março de 2021

E Deus perdeu a paciência com os brasileiros

Quando os brasileiros foram expulsos do Paraíso Diz a lenda que Deus, quando construiu o mundo, deixou tudo que tinha de melhor para o Brasil. São Pedro, como auxiliar direto de Deus, foi ficando assustado com tanta bondade divina e tanta preferência pelos brasileiros, que perguntou a Deus: - Mas Senhor, onde está o senso de justiça e de equilíbrio? Deus, com a voz calma respondeu: - Com o tempo você vai ver o que os brasileiros vão fazer deste Paraíso... No entanto, passaram-se milhões de anos e o Brasil continuava um paraíso. Para contrariar ainda mais as expectativas negativas, os brasileiros passaram a brilhar no futebol, na música, nas ciências, no turismo, na agricultura e em muitas outras coisas... A população brasileira foi crescendo, crescendo, e o povo não se dava conta que, se aumentasse demais a população, se acabassem com as florestas, se as cidades não tivessem saneamento, se as crianças não fossem para as escolas, se não vacinassem o povo, se não tivessem higiene, tudo isto levaria à destruição deste país continental e abençoado por Deus. O povo, ao ser cobrado, sempre respondia: Deus provê. Deus ajuda. Deus é brasileiro. Nós somos um país abençoado por Deus e bonito por natureza... E a população do Brasil passou de 210 milhões de habitantes, a indústria foi destruída, o país passou a importar muitas coisas que sempre produzia, acabaram com as florestas e estão acabando com a última e mais importante, que é a Floresta Amazônica, deixaram de fazer saneamento básico, as crianças começaram a ficar em casa e a estudar pouco, e o ricos começaram a mandar seus filhos para o exterior... São Pedro, agoniado, procurou Deus e fez um grande apelo: Deus, oh Deus, faça alguma coisa para salvar este continente. Deus, como gostava muito de São Pedro, ponderou: Está bem, Pedro, vamos fazer com os brasileiros o que nós fizemos com Adão e Eva, vamos expulsá-los do Paraíso das farturas e das belezas. Agora os brasileiros vão ter que trabalhar para comer, trabalhar muito para construir suas casas, suas escolas e seus meios de transportes. Os brasileiros vão voltar a ter epidemias e vão ter governos corruptos, irresponsáveis e mentirosos. O judiciário vai falar muito de direitos e de justiça, mas somente para os outros, porque muitos juízes e advogados não cumprirão o que prega para os outros. A imprensa vai se sentir a mais transparente do mundo e os políticos vão se sentir verdadeiros representantes do povo. E o povo, que sempre obedeceu os poderosos, obedeceu aos juízes, acreditou nos políticos, este povo vai perceber que, se o povo não der o exemplo, não botar ordem nas instituições, este povo vai sofrer de epidemias, de fome, de sede e de vergonha. E Deus foi passar uns dias na África, que Lhe demandavam mais... A epidemia tomou conta do Brasil; O desemprego está matando o povo de fome; A pobreza e as doenças se espalharam pelo interior; A Justiça diz que não tem culpa pelo que está acontecendo; A imprensa em pânico tem medo de pegar o vírus, tem medo de ser agredido pelo presidente louco que os brasileiros elegeram e as praias, além de sujas, são frequentadas pelos vírus... Até os religiosos, que faziam caridade, agora só sabem pedir dinheiro, em nome de Deus, mas usam boa parte deste dinheiro para comprar fazendas, aviões, barcos, prédios imensos e até BANCOS. Como os brasileiros gostam muito dos argentinos, Deus escolheu um papa argentino e que gosta do Brasil, assim, somando as experiências do Brasil e da Argentina, quem sabe o Continente Sul Americano volte a ser uma grande esperança. Mas, para aprender, os brasileiros vão ter que trabalhar, trabalhar e trabalhar. Afinal, quem não aprende no amor, aprende na dor e Democracia, fartura e qualidade de vida não caem do céu, têm que ser construidos e conquistados. E os brasileiros aprenderam que não tem almoço de graça. E os brasileiros precisam aprender que, Deus dá o continente, mas quem transforma este continente numa Nação é o povo que nele habita. E, Deus, para ajudar um pouquinho, ajudou a eleger o Biden nos Estados Unidos, para mostrar como se vacina todo mundo e como não se brinca de eleger loucos para governar...

segunda-feira, 29 de março de 2021

Como formar um governo de Centro no Brasil

A Constituição é a mãe da Democracia? Não basta ter uma Constituição, para que um país seja chamado de Democrático. O Brasil, por exemplo, viveu um processo de redemocratização nos anos 80 do século passado, passou por uma Assembleia Nacional Constituinte e depois passou a viver com eleições regulares em todos os níveis legislativos. O Federal, os Estaduais e Municipais. Passamos a viver sob uma Democracia consentida, onde as instituições eram geridas por civis, mas constatamos que os resultados das gestões sempre passavam e passam a impressão de fracasso e de insatisfação. Os empresários dizem que o Brasil precisa de um governo de centro. Um governo que traga estabilidade econômica, política e social. Mas, foram estes mesmos empresários que deram o golpe de Estado, em 2016, infringindo às regras do jogo democrático, aprovado na Constituição de 1988. Como evitar esta repetição grosseira e golpista dos setores dominantes nacionais? Apesar de ser uma “Constituição consentida”, nunca na história do Brasil tivemos tanta liberdade como estamos vivendo agora. Se a esquerda e os setores progressistas concordam em respeitar as regras do jogo democrático, porque a direita e os setores conservadores não concordam? A resposta é simples, porém, merece muito cuidado ao apresenta-la... Dos 500 anos de existência do Brasil, tivemos apenas 25 anos de democracia mais avançada como esta. Isto é, democracia como esta tivemos apenas 5% do tempo que existimos. Democracia com liberdade tivemos apenas em 5% da nossa história... Em homenagem às liberdades democráticas e ao Estado de direito, vamos caminhar olhando para frente e insistir em consolidar o que houver de melhor em nossa Democracia e em nossa Constituição. Se reconhecermos como referência prática a Constituição atual, podemos reconhecer que existem no Brasil tanto a Esquerda, como a Direita, com as suas variações mais leves e mais duras. A Esquerda simbolizando os trabalhadores do campo e das cidades; e a Direita, simbolizando o patronato e os conservadores. Assim, em vez de analisarmos a partir dos 35 partidos políticos já existentes e registrados no TSE – Tribunal Superior Eleitoral, devemos partir de uma representação partidária contida em cinco variações. Para que haja maior governabilidade e clareza entre o que o povo votou e o que os governantes praticam, estas variações são: 1 – partido do Centro; 2 – partido de centro-direita; 3 – partido de direita; 4 – partido de extrema direita; 5 – partido de centro-esquerda; 6 – partido de esquerda; 7 – partido de extrema esquerda. Se pegarmos os 35 partidos existentes no Brasil atual e compararmos com os 7 modelos de partidos acima, chegaremos a conclusão que há algo muito errado. Teremos 30 partidos de centro-direita-direita e extrema-direita, e apenas 5 partidos de centro-esquerda-esquerda e extrema-esquerda. Isto faz-nos crer que o povo brasileiro seja, por natureza de direita? De jeito nenhum. Se assim fosse não haveria necessidade de a direita dar vários golpes de Estado contra o povo. Se olharmos as experiências internacionais, nos tempos de guerras e nos tempos de paz, nos tempos de crescimento econômico e de distribuição de renda, podemos partir da comparação e dos reflexos das melhoras das condições de vida e as pioras nas crises econômicas e políticas. Em condições normais de temperatura e pressão, os governos e os períodos mais períodos apresenta-se assim representado nos parlamentos: A extrema-direita fica com 10% dos votos; - A extrema-esquerda fica com 10%; A direita fica com 20% dos votos; - A esquerda fica com 20% dos votos; O centro-direita fica com 20% dos votos: - A esquerda fica com 20% dos votos. Este seria o To, isto é, nosso ponto de partida comparativo. Se a economia piora, se o governo for de direita, o povo vai votar: ou nos extremos, ou na esquerda; Já em caso contrário, também se repete: se a economia piora, se o governo for de esquerda, o povo vai votar: ou nos extremos ou na direita. É da natureza pragmática do povo... Portanto, além de respeitar as regras democráticas, a sociedade precisa determinar que haja coerência entre os programas dos partidos, os programas de governo e o que os governantes estão efetivamente fazendo. Aqui não pode valer dar sinal para a direita e virar para a esquerda, nem dar sinal para a esquerda e virar para a direita. Devemos apresentar tabelas de estudos comparativos da vida parlamentar (legislativa), com a vida dos governantes (executivos), com a prática da Justiça (Judiciário). O mesmo valendo para as áreas como Saúde, Educação, Emprego, Trabalho, Habitação, Transporte, Cultura e Esporte, geração de trabalho e renda. Explicitados todos os problemas e desafios, partindo do princípio que ter um governo de Centro seja o melhor para todos, devemos definir um Termo de Compromisso com a Democracia, a Liberdade, e a construção de um Brasil de todos, com todos e para todos. Quando surgir impasses relevantes que envolvam princípios e segurança interna, devemos fazer como nos Estados Unidos, submetemos os impasses a plebiscitos nacionais, estaduais e municipais e o povo soberanamente decide. Podemos chamar este modelo como “consenso progressivo”, ou de parlamentarismo presidencial, presidencialismo com parlamento, governo democrático popular e nacionalista, o nome é importante mas não pode ser determinante. O imprescindível é que seja um governo do povo, com o povo e para o povo. O Brasil com mais de 210 milhões de habitantes, com 100 milhões de eleitores, não pode ser governado como está. Se desde 1989, vivemos uma crise permanente de governos enganadores, incompetentes, distantes do povo e dos compromissos internacionais, a culpa não é apenas dos presidentes eleitos, a culpa é de como está estruturado o sistema de governança nacional. O Brasil não pode abrir mão do seu compromisso histórico de uma grande Nação. O Brasil não pode jogar sua história no lixo. O povo deve ser o principal agente transformador deste país e ser seu principal objetivo. Sem medo de ser feliz!

domingo, 28 de março de 2021

Você também já foi clonado ou roubado no celular (2)

Você também já foi clonado ou roubado no celular (2) Tomado consciência que me fizeram de otário, saí correndo para minimizar os prejuízos... Liguei para o colegas do Sindicato que me deram dicas importantes. Depois liguei para o pessoal da CUT que, por ter passado por vários casos com dirigentes e funcionários, foram rápidos e eficientes. Mandaram uma mensagem relâmpago para a Facebook, responsável jurídica pelo zap, e imediatamente eles bloquearam o uso do meu zap. Avisaram a todos os grupos articulados que contavam meu nome, avisando que eu tinha sido clonado e que eu não estava pedindo dinheiro a ninguém. Tentei avisar a Vivo, ao banco, ao Datafolha e nada de conseguir falar com GENTE. Eram somente máquinas dizendo: se for isso, disque 2, se for aquilo disque 5, e mandando você entrar no site que lá é mais fácil... Tudo mentira... o site é uma merda. Você tenta fazer o que eles pedem mas a resposta dada no site nunca é o que você precisa. Recomendaram eu ligar para a Anatel. Nem tentei, porque de outra vez que fui reclamar da TIM eles nem responderam. E eu sempre pagando mais do que recebendo... Enfim, peguei o celular, o Ipad e o notebook, desliguei todos, dei um tempo e Depois abri cada um e fui bloqueando tudo que tivesse a ver com zap. Cansado e com grande expectativa, fui dormi e levantei-me as 5:00h da madrugada, angustiada e rezando para ver o estrago: 1 – reinstalei o zap,; 2 - olhei se meus arquivos estavam lá e estavam; 3 – olhei se o Itau estava ligado e vi meu saldo, estava ok 4 – mandei mensagens a todos pedindo desculpas e agradecendo. Mais tarde, ainda com muito medo, deletei o meu banco do celular. Conclusão: 1 - Não sei se os ladrões copiaram meus arquivos ou não; 2 - apesar de estar tudo funcionando, fiquei com medo do aparelho 3 – Amanhã vou saber se eles roubaram meu dinheiro ou não. 4 – Eu continuo com medo dos ladrões legalizados e dos não legalizados. RECOMENDO: 1 – Se você não conhece o número de chamada, não atenda ninguém. 2 – Se for pesquisa, não responda a nenhuma. 3 – Se for pesquisa tipo àquela que a Folha fez contra Lula, aí que você não deve responder. Depois de tanta confusão e de tanto trabalho, eu recebo uma nova mensagem: Mônica “x “, foi clonada hoje pela manhã. É mole? Que país é este?

Você já foi clonado ou chantageado no celular?

Clonagem de celular e a fragilidade humana O mundo moderno é bom, mas cobra caro e tem outros custos terríveis.... Além de gastar uma grana altíssima com celulares, ter que suportar o sistema de call center caótico, ficar refém das empresas, ser roubado de vez em quando por elas e, finalmente, ter nossos celulares clonados. Dá vontade de largar tudo... Você está trabalhando em casa por causa do vírus infernal, sem retaguarda de profissionais de computação, cada vez que surge um problema é um drama. No meio desta confusão toda, toca o telefone, você atende displicentemente, e uma voz mais educada do que o call center das empresas, lhe pergunta se você já foi vacinado, se você tem criança em casa e se toparia responder algumas perguntas para o Datafolha. Instintivamente você diz que sim, que responderá `as perguntas, afinal, todo mundo quer ser vacinado e a pesquisa é do Datafolha, tão honesto quanto a Folha... A voz educada diz que vou receber um número e que ele vai ligar de novo para confirmar o número. Trinta segundos e, com a mesma displicência de antes, você atende o telefone, ouve a voz lhe perguntar se recebeu o número e se é igual ao número que a voz me apresenta. Digo que é e desligamos amigavelmente. Pronto, aí começa mais um inferno, pior do que quando a Vivo, por exemplo, lhe telefona vinte vezes dizendo que você está devendo tanto e que ela vai suspender, bloquear tudo que eu tenho com a vivo... Alguém lhe telefona e diz: você está pedindo dinheiro? Você está clonado! O pânico é maior do que quando as velhinhas japonesas tinham suas casas invadidas por jovens bandidos atrás dos dólares trazidos do Japão pelos decasséguis... Liga para os amigos, para os técnicos, para a empresa do celular, para o banco e tudo mais. E os amigos vão telefonando por ter recebido pedido de dinheiro. E seu zap está bloqueado... E se eles tiverem acesso às fotos, às conversas indiscretas e ao banco? O inferno continua...

Pandemia e direita raivosa, duas doenças graves

A pandemia fez o mundo reconhecer suas fragilidades A crise econômica está obrigando o mundo a repensar suas relações. Com o fim da guerra fria, a pressão das empresas por cortar benefícios dos trabalhadores levou a um empobrecimento de consumidores americanos, europeus e nos países próximos. O argumento para os cortes de salários e benefícios era a corrência da China, com seus produtos sendo oferecidos por 1/3 dos preços dos concorrentes. Ou baixavam os preços ou a quebradeira seria generalizadaa. Uma meia verdade. A maioria das empresas que produziam na China eram as mesmas empresas americanas e europeias... Esta contradição levaria o mundo a um impasse ecinômico, social e político. A culpa era dos chineses? Em parte, porém a maior responsabilidade era dos governos ocidentais. A China deu uma grande cartada quando aceitou usar o seu sistema fechado para produzir barato para as empresas americanas e europeias, desde que, se liberasse ao governo chinês, o acesso ao conhecimento e à propriedade da tecnologia e das cartas patentes. O futuro estava escrito nas estrelas. Nas condições normais de temperatura e pressão, com mais de um bilhão de mão-de-obra e de consumidores, disciplinados e controlados pelo Estado chinês, o resultado era previsto e já aconteceu: A China passou os Estados Unidos na economia. Como resolver este dilema? Os americanos não podem confundir "o Império de Mao, com o Império do Mal". Será que os Estados Unidos de hoje vai perder espaço como a Inglaterra de antigamente? Só Deus sabe.... E a pandemia, o que tem a ver com isto? O descompasso entre o desenvolvimento de tecnologia de informática, a evolução da medicina e a capacidade do planeta Terra de continuar provendo mais de 7 bilhões de pessoas altamente destrutivas do meio ambiente, está pondo em risco a sobrevivência humana e do Planeta Terra. Pior do que faltar alimentos, é constatar o aparecimentos de virus até então desconhecidos ou controláveis pelos nossos governantes. O curioso é que, enquanto no início dos séculos anteriores as guerras humanas faziam o papel destruidor, neste século 21, as pessoas, em vez de se enfrentarem, tiveram e estão tendo que enfrentar um inimigo invisível: UM VIRUS. Já pensaram, se morrerem todos os humanos e o planeta ficar como está, porém sem humanos?

sexta-feira, 26 de março de 2021

Vamos estabelecer as regras para um governo de centro?

O que é e onde está o Centro ideológico no Bra Mesmo os empresários, sabendo que há mais de 30 partidos que adorariam ser cuidados ou financiados pelos patrões, os empresários não se dão por satisfeitos e querem construir novos partidos, tentando superar a morosidade. Nós, que sempre reivindicamos a liberdade de imprensa e o direito de livre organização tanto dos patrões como dos trabalhadores, topamos organizar critérios que identifiquem facilmente a ideologia de seus filiados, Transparência é o pricipal requisito. Não basta somente ter o documento com as milhares de assinaturas, tem que ter programa de governo, programa de partido e cumprir as prioridades dos programas. Organizar-se, não deve acontecer somente no desespero de não se sentir representado nos diversos níveis da sociedade e do país. Por exemplo: Quem não quer, nem Bolsonaro, nem Lula, deve ir “procurar sua turma” . Hoje existem 30 partidos de centro-direita, e cinco partidos de centro-esquerda. É uma geleia geral... Se definirmos regras claras, os empresários que sempre investiram no PSDB de FHC, e no PP de Maluf, vão ter que, procurar sua turma e a sociedade vai saber quem é quem. O cenário para as eleições do ano que vem – 2022 – está, cada vez mais, contaminado pelos vírus da Pandemia, pela crise econômica profunda e pelo risco de badernas no processo e na campanha política... Teoricamente, a grande crise e seus impactos no Brasil, têm muito a ver com o golpe de Estado que os tucanos, do PSDB e seus aliados, que controlavam as redes de TVs, Rádios, deram no Brasil. Deram uma de “dono da bola”. Se eles ganham, aí é só alegria, música e piscina. Mas se eles perdem várias partidas seguidas eles pegam abola e vão embora. Para combater este desvio empresarial, podemos definir regras que identifiquem cada partido, inclusive mecanismos que explicitem seus programas partidários e de governo. O melhor remédio para se combater corrupção, combater incompetência, e perpetuação de políticos nos mesmos cargos públicos, como se estes cargos já Fossem parte do patrimônio de suas famílias... Precisamos consolidar a democracia no Brasil e, como se fosse uma grande orquestra regida por um bom maestro e tendo centenas de músicos extraordinários. Vamos construir juntos este Brasil?

quinta-feira, 25 de março de 2021

Quando a mentira serve como pretexto para muitos crimes

Veja a lista dos que mentiram junto com Moro Para reflexão em todos os lugares: 1 – Moro? Foi parcial com Lula, diz STF Lula é inocente. 2 - Moro, usando e abusando da Justiça, foi parcial com Lula, Lula é inocente. 3 - Folha, utilizando-se de Moro e da Justiça, foi parcial com Lula, Lula é inocente 4 - Rede Globo, combinando com a Folha, foram parciais com Lula, Lula é inocente. 5 - Imprensa em geral, utilizando-se da Folha, foi parcial com Lula, Lula é inocente. 6 - Congresso Nacional, utilizando-se da Justiça e da imprensa, foi parcial com Lula, Lula é inocente. 7 - Igrejas, principalmente as Evangélicas Pentecostais, foram parciais com Lula, Lula é inocente. 8 - Empresários, que são contra a distribuição da renda, foram parciais com Lula, Lula é inocente. 9 - Especialistas do "Mercado", usando a justiça e a imprensa, foram parciais com Lula, Lula é inocente. 10 - Professores universitários, usando a justiça e a imprensa, foram parciais com Lula, Lula é inocente. 11 - Movimentos sociais e populares, usando Moro, foram parciais com Lula, Lula é inocente. 12 - A maioria da sociedade, usando a imprensa, foi parcial com Lula, Lula é inocente. TODOS SOMOS PARCIAIS... Daí a importância da DEMCRACIA e da LIBERDADE NEGAR AS DIFERENÇAS E BURLAR AS REGRAS DEMOCRÁTCAS, este foi o maior dos erros jurídicos e políticos cometidos.

quarta-feira, 24 de março de 2021

Moro mentiu, e foi parcial com Lula, diz o STF

Para reflexão em todos os lugares: Moro foi parcial com Lula, diz STF Lula é inocente. Moro, em nome da Justiça, foi parcial com Lula, Lula é inocente. Folha, utilizando-se de Moro, foi parcial com Lula, Lula é inocente Rede Globo, combinando com a Folha, foi parcial com Lula, Lula é inocente. Imprensa em geral, utilizando da Folha, foi parcial com Lula, Lula é inocente. Congresso Nacional, utilizando-se da Justiça e da imprensa, foi parcial com Lula, Lula é inocente. Igrejas, principalmente as Evangélicas Pentecostas, foram parciais com Lula, Lula é inocente. Empresários, que são contra a distribuição da renda, foram parciais com Lula, Lula é inocente. Especialistas do "Mercado", usando a justiça e a imprensa, foram parciais com Lula, Lula é inocente. Professores universitários, usando a justiça e a imprensa, foram parciais com Lula, Lula é inocente. Movimentos sociais e populares, usando Moro, foram parciais com Lula, Lula é inocente. A maioria da sociedade, usando a imprensa, foi parcial com Lula, Lula é inocente. TODOS SOMOS PARCIAIS... DAÍ A IMPORTÂNCIA DA DEMOCRACIA E DA LIBERDADE. NEGAR AS DIFERENÇAS E BURLAR AS REGRAS DEMOCRÁTCAS, este foi o maior dos erros jurídicos e políticos cometidos. A democracia, para ser democracia, precisa ser plural, reconhecer sua diversidade, suas diferenças e seus desejos. O maior mérito de Lula foi sempre respeitar a democracia. Para chegar à presidência, Lula disputou no voto, três eleições. Quando tinha força para propor fazer três mandatos, como Fernando Henrique fez, Lula se recusou e indicou a primeira mulher a disputar e ganhar a presidência da República. Entre tantos motivos que levaram Lula a ser reconhecido como o melhor presidente que o Brasil já teve, O RESPEITO À DEMOCRACIA E AO ESTADO DE DIREITO faz de Lula um guia a ser seguido e prestigiado. Sem ódio e sem rancor, fazemos um apelo aos representantes de todos os setores da sociedade brasileira, vamos disputar as eleições pelo VOTO. Nada de golpes de Estado. Nada de tentar arranjar jeitinho jurídico para impedir Lula de se candidatar em 2022. O Brasil merece respeito. O povo brasileiro precisa de VACINA CONTRA O VIRUS O povo brasileiro precisa de mais escolas e mais informação O povo brasileiro precisa ser respeitado.

terça-feira, 23 de março de 2021

Brasil pode chegar a 1,5 milhão de mortos. É genocídio?

Os matemáticos e economistas gostam de fazer exercícios com os números CALAMIDADE PÚBLICA TOTAL Com esta nova explosão de mortes no Brasil, ando meio assustado com minhas projeções matemáticas de mortes... Imaginem que, tomada a média móvel de mortes apresentada na imprensa hoje, que é de 2.298 óbitos/dia (óbitos aqui são mortes mesmo),se multiplicarmos esta média móvel diária pelos dias que faltam ou faltariam para acabar o mandato de Bolsonaro, o louco, como a posse será em primeiro de janeiro de 2023, ainda faltam 638 dias para a posse do novo presidente. Continuem fazendo contas, mantidas as mesmas codições que hoje, temos: a) 638 dias vezes 2.298 mortes/dia = teremos ou teríamos... 1.466.124 mortes, que somadas as 295,7 que morreram de ontem para trás, teremos um total de 1.761.824 óbitos ou mortes. b) Se tomarmsos como média móvel MIL mortes dia, teremos 638.000 mais 295.700 mortes já efetivadas, totalizando 933.700 mortes. c) Arredondando, poderemos ter entre 1,7 a um milhão de mortes em três anos, mantidas as condições normais de teperatura, pressão e governo Bolsonaro. Mantido este gráfico como referência comparativa, se fosse decretado um ACORDO DE SALVAÇÃO NACIONAL, onde se unissem representantesn de todos os setores da sociedade, deixasse Bolsonaro como presidente que não tenha poderes para boicotar a gestão da saúde nacional, poderemos fazer o seguinte: a) prioridade total e absoluta a vacinar o povo brasileiro em todo o territóri nacional b) para garantir o abastecimento de vacinas, em todo território nacional passa-se a ter poderes de intervenção local e nacional na prioridade do transporte de medicação, profissionais de saúde, de alimentos e de logística em geral; c) estes poderes também valem para estoques de empresas públicas e privadas, no território nacional; COM CERTEZA, como diriam os matemáticos e os economistas, quanto mais rápido for a distribuição e aplicação das VACINAS, e mantida a política de prioridade absoluta à ajuda aos contaminados, quanto mais rápido tivermos as duas variáveis, MENOS MORTES TEREMOS e assim, SALVAMOS MILHARES E MILHARES DE BRASILEIROS e brasileiras. a) O pessoal da saúde, os maiores heróis nacionais nesta conjuntura, estão fazendo milagres e morrendo pelos brasileiros e pela dignidade da profissão. b) A Folha, infelizmente, resolveu dar mais destaque para as eleições de 2023 que a calamidade pública que tomou conta do Brasil, embora a cobertura da Folha seja a melhor até agora; A imprensa tem sido fundamental, mas precisa evitar o caos geral; c) Os empresários e economistas neoliberais, constatando que a economia ficou inviável e sem solução enquanto não se resolver a pandemia, fizeram um abaixo assinado pedindo para priorizar a vacinação do povo brasileiro; Nada de querer privatizar neste período ou querer cortar verbas sociais... d) Os movimentos sociais têm a maior presença na população mais pobre e, se criarmos uma campanha de Salvação Nacional tendo o povo como única missão, ficando proibido campanha eleitoral durante este período de emergência, o Brasil agradece. e) como gostam de dizer os americanos, por último mas não menos importante, todos os níveis de governo e de Estado, devem estar integrados e subordinados aos desafios, às metas e à missão de salvar o povo brasileiro desta calamidade pública. Também está proibido de discutir eleições durante este período de emergêcia nacional. Já que estamos vivendo uma loucura nacional, presidida por um louco que nega a importância da vacina e da higiene, já que todos os dias recebemos notícias de amigos e parentes que estão morrendo, já que até os senadores, governadores, prefeitos, empresários ricos e poderosos estão morrendo, Vamos ajudar a salvar o povo em geral, principalmente os mais pobres. Vamos dar uma renda decente até o fim da campanha, quem come bem, vive melhor e fica menos doente, estuda melhor e absorve melhor o conhecimento adquirido. Vamos fazer uma grande homenagem ao Betinho e seu Comitê Nacional contra a FOME. Vamos fazer UM ACORDO DE SALVAÇÃO NACIONAL DO POVO BRASILEIRO. Eu não assino acordo neoliberal, mas dou meus dias e minhas noites para ajudar a viabilizar esta proposta. Voltando a citar os americanos, já que Biden está dando uma aula prática de como salvar o seu povo, nos Estados Unidos há sempre uma boa campanha: AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR. People First! E ninguém venha dizer que Biden é comunista nem que vacina é coisa do diabo. Aleluia e pimba na chulipa e sebo na gorduchinha, lembram disto? Nosso qauerido Osmar Santos e as Diretas Já... Vamos que o tempo não para, nem o virus nem as mortes param sozinhas. O povo brasileiro em primeiro lugar. O Brasil merece respito. Viva Betinho!

segunda-feira, 22 de março de 2021

Privatizações com reserva de mercado é fraude

No Brasil, a maior fraude eleitoral e financeira foram as privtizações com reserva de mercado e privilégios financeiros. As privatizações começaram no governo Fernando Henrique e, contaram com: 1- a reserva de mercado; 2 - em vez de uma empresa pública, o mercado passou a ser reserva de tres ou quatro; 3 - como a inflaçao real sempre foi maior que a oficial, as empresas privatizadas sempre tiveram critérios de correção de preços com outros índices melhores que a inflaçao oficial; 4 - Fernando Henrique criou as Agências de Regulamentação para proteger as empresas e, teoricamente para proteger os consumidores (os pobres brasileiros); 5 - Estas agências reguladoras também se mostraram tão custosas quanto o serviço público e criaram "castas". Com a criação de call centeres, estas empresas se escondem dos clientes, e usam o poder de concessionárias de luz, água, telefone, internet, TVs a cabo, etc. Estas empresas usam e abusam do poder suspender a prestação de serviço, protestar os clientes em função de pretensas contas atrasadas, mas quando elas cobram acima do que deveria, o cliente leva a mair canseira para recuperar seu dinheiro. Até para se conseguir falar com as Ouvidorias é outro inverno. Até agora não consegui falar com a ouvidoria de uma delas. Estou tentando há dois meses. Isto tudo sem contar que as empresas públicas foram privatizadas à preço de bananas. Lembram do Banespa? Lebram da Vale? Verifiquem todos os bancos estaduais... Uma vergonha! Quer viver no capitalismo de mercado? Tem que proibir os monopólios e os oligopólios. O Brasil tinha maisde 100 bancos. Quantos bancos existem hoje? 1 - Itaú, 2 - Bradesco, 3 - bancos do governo federal. Isto é uma mamata! Um país continental, com mais de 200 milhões de consumidores e tudo funcionando no esquema de reserva de mercado e sem atender bem o povo brasileiro. Enquato isso, nem comprar vacinas o governo federal consegue... Nos transformaram numa república de bananas.

Vexame da Folha - Dá o golpe contra Lula e faz pesquisa para dizer que está certa

A direita se movimenta contra Lula Folha faz campanha aberta para os juizes manterem Lula inelegível; Folha procura candidato de direita que consiga derrotar Bolsonaro e Lula; Se o quadro eleitoral não melhorar, a Folha fará campanha para Bolsonaro. Se a Folha diz que a maioria dos eleitores é contra Lula, porque a Folha não deixa o povo decidir? Os banqueiros, a Folha, os economistas neoliberais do PSDB, a imprensa e boa parte do judiciário já começaram a mostrar que vão jogar pesado para o PT não ganhar as eleições de 2022. Vamos ter três blocos disputando as eleições presidenciais? Extrema-direita com Bolsonaro; Direita com a Folha, os banqueiros e o PSDB; O PT, com Lula ou com Haddad, junto com os partidos de esquerda e os movimentos sociais. Ciro Gomes deve sair como vice da chapa do PSDB. Enquanto a direita só pensa em impedir que Lula ganhe as eleições, Lula, o PT e os movimentos sociais defendem o povo, lutam por melores condições de vida e trabalho, lutam pela soberania nacional e lutam, principalmente, por vacinar todos os brasileiros, derrotando a pandemia e voltando a ter aulas normalmente. O Brasil merece respeito. O povo brasileiro merece respeito. Na democracia, quem decide é o povo.

domingo, 21 de março de 2021

Sem saúde, sem segurança e sem comida, não há democracia

Sem saúde, sem segurança e sem comida, não existe democracia Equívoco mortal para a imprensa é querer se colocar como “a dona da verdade”. Que a TV seja mais à direita, vá lá, mas os jornais quererem posar de “centro”, quando na verdade são de direita, é brincadeira. O Estadão antigo era uma direita civilizada. Não negava que era conservador. O diabo é a Folha ter vergonha de assumir-se como “de direita”, e, ao mesmo tempo querer ser porta-voz da direita e não querer ser questionada. Folha quer um candidato de direita, com discurso de centro Folha continua procurando candidatos que possam derrotar Lula e Bolsonaro... E não está achando. Logo, continua apelando para o judiciário impedir, mais uma vez, que Lula seja candidato. Mesmo que o vencedor seja Bolsonaro, O fracasso dos governos civis, depois de logos anos de ditadura militar, está deixando o Brasil no caos. O Brasil sonhou que, com a campanha das Diretas Já, o país passaria a ser uma democracia, com seus defeitos, seria uma democracia que, aos poucos, iria solucionar as grandes contradições vividas como distribuição de renda, incorporação do Norte e Nordeste na economia moderna, tipo São Paulo, a melhoria do conteúdo das nossas escolas, melhoria da infraestrutura nacional e, Para que o povo visse tudo isto como conquista efetiva do regime democrático, os resultados dos governos civis deveriam ser igual ou melhor do que na época dos militares no governo. O resultado das diretas já foram eleições indiretas, que deu pose a Sarney com seu governo híbrido, que parecia um governo civil, mas, na verdade, era um governo tutelado pelos militares e grandes empresários. Depois de Sarney, o povo radicalizou no voto, sinalizando que não estar satisfeito com os partidos políticos existentes, elegeu Collor, o caçador de Marajás. Foi uma tragédia que levou seu governo a ser impedido, destituído e substituido por um vice conciliador. Depois de Itamar, veio Fernando Henrique, que mostrou-se como o melhor quadro nacional para fortalecer o Brasil no cenário internacional, sempre de forma subserviente ao neoliberalismo de Clinton, o presidente dos Estados Unidos na época. De alta relevância, FHC, só fez o Plano Real, que teve papel determinante no combate à hiperinflação. Em gratidão pelo enorme sucesso, o povo deu “carta branca ao príncipe”. Da mesma forma que Sarney e o PMDB se lambuzaram com o Plano Cruzado, FHC e o PSDB, se lambuzaram com o Plano Real, mentiu para o povo para ser reeleito, ganhou a reeleição e fez uma desvalorização cambial que quebrou a indústria nacional e o povo viu seu salário mínimo valer apenas 85 dólares. O povo deu o troco em 2002, elegendo Lula presidente. Para surpresa geral, Lula, mesmo não tendo diploma de faculdade, nem ter morado nem em Paris nem nos Estados Unidos, Lula fez o melhor governo da História do Brasil. Foi reeleito e concluiu o segundo mandato de forma brilhante, elegendo pela primeira vez uma mulher para presidente da República. Dilma fez um mandato “manco”, cheio de dificuldades internas e externas, e, mesmo assim foi indicada pelo PT e mais dez partidos, para concorrer a reeleição. Ganhou de Aécio Neves, o bibelô de luxo do PSDB, que declarou que não aceitaria a derrota e faria tudo para inviabilizar o segundo mandato de Dilma. O PT e Dilma subestimaram as ameaças de Aécio. Junto com a ira da direita nacional, veio a piora na economia nacional e internacional. Veio também a criação do BRIC e mais uma crise com o Irã. Os Estados Unidos elegeram um louco para presidente. Tudo isto ajudou a direita a organizar mais um Golpe de Estado no Brasil... A direita nacional e internacional resolveu “demonizar” Lula, o PT, Dilma e todos e tudo que impedisse retorno da direita ao poder nacional. Mais uma vez a democracia foi ignorada, o povo enganado e, economicamente o Brasil vai se desmanchando... Sem economia não tem emprego, salario e renda, sem isto, também não tem segurança e, sem segurança o povo vota e apoia qualquer militar ou arrivista que pregue a “ordem” como pré-requisito para se restabelecer o crescimento econômico e o bem estar de todos. A Folha e toda direita nacional e internacional apoiaram o golpe e depois do golpe, apoiaram Bolsonaro, um militar, contra o PT, de Lula, de Haddad e de Dilma... Agora, ante a tragédia generalizada do governo Bolsonaro, e a proximidade de novas eleições presidenciais, os golpistas, com pesquisas nas mãos voltam a procurar alguém que possa derrotar nas urnas, tanto Bolsonaro, o louco, como Lula, o melhor presidente que o Brasil já teve, mas que não aceita ser subordinado à uma casta de conservadores, elitistas e incapazes de governar combinando melhoria econômica com inclusão social, liberdade e qualidade de vida. A Folha, diariamente, vem repetindo: arranjem uma saída jurídica para impedir a volta de Lula e vamos arranjar um candidato que, no voto popular, possa derrotar tanto Bolsonaro, o louco, quanto Haddad e o PT, que seguirão Lula. Para quem lê a Folha há mais de 50 anos, ver a Folha fazer este papel golpista, é constrangedor. Poderia deixar de ler a Folha? Poderia. Mas não é fácil. Afinal, no Brasil quase que não há imprensa de centro e de esquerda. Ainda bem que resta um pouco de liberdade, temos as redes sociais e ainda temos eleições diretas, apesar da pandemia, do genocida e da nossa direita incompetente. Que Deus mande vacinas para todos. E que, nas próximas eleições, o povo dê o troco. Poderia até antecipar as eleições...

sexta-feira, 19 de março de 2021

O governo federal deve explicações sobre a morte do Senador Major Olímpio

O presidente da República deve explicações sobre a morte do Senador Major Olímpio. Morrer o Zé da Silva é normal, é um cidadão comum e, mesmo sendo bem atendido pelo SUS ou pela rede privada, está passível de morrer. Difícil, mas está acontecendo, é ver ricos e poderosos morrerem por causa do vírus, o Covid-19. São Paulo é o Estado mais rico do Brasil, é onde tem mais médicos especialistas, onde tem os melhores hospitais e onde tem mais dinheiro e poder. No entanto, não está conseguindo conter o vírus, nem evitar que alguns ricos e poderosos também morram. Mesmo com toda a arrogância do governador do Estado de São Paulo, mesmo considerando que ele tem feito um esforço imenso para combater o vírus, mesmo assim alguns poderosos também estão morrendo. Acompanhar a morte de um dos seus representantes no Senado Federal e não poder fazer nada é terrível. Um senador com mais de 9 milhões de votos, um senador que também é major da polícia militar do estado de São Paulo, morrer em função do vírus faz a gente se sentir pequeno. Faz a gente se sentir um nada. A morte do senador Major Olímpio, um jovem de apenas 58 anos de idade mexe com todo o Brasil. Onde estamos errando? Porque, em vez de castigar os que são contra a vacina, mata um jovem e promissor político que vinha defendendo todos os recursos para salvar o povo da morte? É evidente que, das 300 mil mortes já realizadas, 90% são pessoas comuns. Mas, como numa guerra mundial, a morte, depois que a guerra começa, atinge a todos, ricos e pobres, crentes e não crentes. Para morrer em quantidade, basta ter guerra. A luta mundial contra o vírus equivale a uma terceira guerra mundial. Onde o governador de São Paulo errou? Onde a Polícia Militar errou? Onde o Senado errou? Onde o Hospital onde ficou internado errou? Se é que alguém errou... Mas o momento é de solidariedade aos familiares do senador e de sofrer junto com todo o povo brasileiro, buscando, imediatamente, agilizar vacina para toda população. O governo federal não pode continuar atrapalhando o tratamento contra o vírus. De forma ingrata e grosseira, o presidente da República sequer enviou condolência para os familiares do senador. O Brasil não merece o presidente que tem. O Brasil merece respeito. O senador merece respeito. Os mais de 9 milhões de eleitores que votaram nele merecem respeito. Os mais de 200 milhões de brasileiros merecem respeito.

quinta-feira, 18 de março de 2021

Covid-19 - Pior do que as mortes, é não ter governo

O mundo, que admirava o Brasil, agora tem pena A CUT, Central Única dos Trabalhadores, atua em todos os continentes, ajudando a organizar os trabalhadores na busca de melhoria da qualidade de vida, bons empregos, bons salários, formaæção e liberdade. Não é pouca coisa mas a gente vinha conseguindo bons resultados... As "Forças Ocultas" conservadoras, vendo o crescimento do movimento sindical internacional e vendo a melhora na renda e na qualidade de vida, resolveram derrubar governos democráticos e nomear interventores para acabar com o Bem Estar Social e implantar o neloliberalismo. Afinal, se já não existia mais a União Soviética para proteger os países fracos, agora era hora do troco. Como desgraça pouca é bobagem, quando os movimentos sociais se mobilizavam contra o racismo, contra o 1x99%, onde o 1% da população controla 99% da renda, e por mais direitos, APARECEU O VIRUS QUE PAROU O MUNDO. Mortes, mortes e mais mortes... Tudo parou e os empregos desapareceram. Junto com o virus veio o desemprego e a fome. Agora, aos poucos vão surgindo as vacinas. Aos poucos o mundo vai se encontrando. Todo mundo? Não, o Brasil, em vez de melhorar, piorou e está ameaçando contaminar o mundo. Se antes, o povo estava viajando muito. Onde você ia ouvia conversas de brasileiros. E a alegria era geral... Agora, os países não querem receber brasileiros com medo de serem contaminados. E o governo brasileiro, em vez de se unir ao mundo para salvar o seu povo, briga entre si, não sabe enfrentar a pandemia e sequer consegue comprar vacinas. O meu blog é pequeno, mas sempre teve uma procura por pessoas de outros países. Chegamos a 845.586 acessos! E vejam quantos países nos visitaram nesta semana: 1 Hong Kong; 2 - USA; 3 - Brasil; 4 - Alemanha; 5 - Peru; 6 - França; 7 - Rússia; 8 - Azerbaijão; 9 - Portugal; 10 - Emirados Árabes; 11 - Austræalia; 12 - Quênia; 13 - Romênia; 14 - China; 15 - Ucrânia; 16 - Uganda; 17 - Argentina; 18 - Paquistão e 19 - Taiwan. No total, sÃo mais de 130 paises... Governar é para quem tem competência. Se o governo brasileiro não tem competência, que se eleja um novo governante.

quarta-feira, 17 de março de 2021

Por que, em vez de trocar ministros, não trocamos de presidente?

Na guerra, além de querer saber QUEM GANHOU, queremos saber qual foi o custo da guerra e se valeu à pena. Sabemos que, em quantidade de mortos e feridos, o Brasil levou um banho do virus. Nunca na história deste país, um virus causou tanta morte e tanto sofrimento. Se os governantes não souberam ou não quiseram dar a importância que o assunto merecia, o governo acabou perdendo a guerra, a quantidade de mortos acabou sendo tão importante quanto as perguntas "quem ganhou" ou se "valeu à pena". Pessoas são importantes, em qualquer país. People matter... As pessoas importam. Esta pequena frase, combinada com as milhares de mortes causadas pelo virus e a negação em priorizar a defesa da população americana levou o arrogante presidente dos Estados Unidos, Trump, a perder as eleições. Trump não priorizou sequer a vacina... Trump perdeu as eleições e os Estados Unidos está vendo seu novo governante priorizar cuidar de seu povo, acima de tudo nacional e internacionalmente. Enquanto era Trump oBrasil estava em segundo lugar em mortes, agora estamos em primeiro lugar em mortes. Enquanto o novo presidente americano diz qe, até junho, vacinara os mais de 300 milhões de amercanis, aqui, além de não ter governo, não temos vacinas. E as mortes continuam crescendo assustadoramente. Por que, em vez de se trocar ministros, nós não trocamos de presidente?

segunda-feira, 15 de março de 2021

A singularidade brasileira é a sua diversidade

XP faz milagres com dinheiro e Lula faz milagres com pessoas Quem lê os jornais sobre “a forma de ganhar dinheiro da XP fica entusiasmado. Quem ouve os discursos de Lula também fica contagiado. O Brasil precisa de gente como Benchmol, da XP, e de Lula, do PT e do Brasil. Já pensaram os dois trabalhando juntos por um Brasil de todos, para todos e com todos? Teríamos os 50 anos em 5, da época de Juscelino. Leiam a reportagem sobre as inovações da XP, que saiu no Valor de hoje. E depois, leia o discurso de Lula na semana passada. Se quiser tomar um banho de motivações, reveja em video o discurso de Lula. Deixe o preconceito de lado e imagine a gente formando um time de craques como estes, juntando gente como Fernanda Montenegro, Roberto Setúbal, os milhares de ótimos medicos que o Brasil têm, a turma do Magazine Luiza, Caetano Veloso, agronegócio, os pequenos produtores rurais, Chico Buarque e os milhares de anônimos que constroem o Brasil? A singularidade brasileira é a sua diversidade. Vamos combater a pandemia, dar agilidade na assistência aos doentes, e gerar mais trabalho e renda. Vamos ganhar dineiro e melhorar a qualidade de vida dos brasileiros. Vejam o bom trabalho da XP: XP mira ‘big techs’ com promoção de CTO a CEO Maffra assume comando e acelera agenda de tecnologia; mudança do tipo é inédita no setor no país Valor - Por Maria Luíza Filgueiras e Talita Moreira — De São Paulo 15/03/202 No dia 12 de maio, o diretor de tecnologia da XP, Thiago Maffra, assumirá o posto de CEO, na primeira mudança desde que a companhia foi fundada, há 20 anos. O anúncio na sexta-feira à noite surpreendeu - é a primeira vez que uma instituição financeira brasileira faz uma promoção do tipo - e atiçou a curiosidade do mercado no fim de semana sobre o perfil do executivo. Mineiro de Araxá que cresceu no interior de São Paulo, Maffra, de 36 anos, já queria seguir carreira no mercado financeiro quando se formou em administração no Insper, em 2006. Fez um MBA na Universidade de Columbia. A formação se deu em instituições estreladas, mas quem o conhece diz que foi suado. No Insper tinha bolsa parcial, o notebook obrigatório e o aluguel na república de sete vieram da venda do carro da mãe - o carro foi reposto quando ganhou o primeiro bônus no mercado financeiro. Inglês aprendeu na internet e no dicionário, traduzindo os livros também obrigatórios da faculdade paulista. Tirou CFA, a certificação de analista, e começou a carreira como “trader” nas corretoras na Bulltick e na Souza Barros - quando a corretora estava fechando as portas, o fundador Carlos Souza Barros foi quem fez a indicação para que Guilherme Benchimol desse uma oportunidade ao garoto. Sua entrevista de emprego quem fez foi Carlão Ferreira Filho, “head” da mesa institucional, e ele foi alocado na equipe de Bernardo Amaral - ambos sócios da XP desde os primórdios, caminho que já colocou Maffra sob os olhos vigilantes da “partnership”. Sua primeira missão na XP foi montar a mesa de algotrading e ele foi um dos sócios, em 2017, da corretora de criptomoeda XDEX. O projeto, estruturado pela XP Controle e fundo General Atlantic, acabou sendo encerrado em menos de dois anos - um stop curto típico da XP para negócios que não engrenam. Maffra passou dois anos e meio como gerente de equity no varejo. Nessa fase, sua personalidade ajudou a ganhar espaço na companhia. “O Maffra é um cara humilde, com trânsito na companhia, unânime na diretoria. Tem muita serenidade e muito bom senso”, afirma Benchimol, fundador da XP e único CEO da empresa até agora. Em dez anos, a XP teve cinco CTOs (principal executivo de tecnologia). Quando entregou a diretoria de tecnologia a Maffra, há três anos, Benchimol disse: “Cara, vou te dar um desafio que é o pior da sua vida. Os últimos cinco que entraram, rodaram”. Pelo reconhecimento atual, deu conta do recado. “Ele já era head de 40% dos funcionários e os outros 60% dependiam da área dele”, diz o fundador. Em uma das poucas entrevistas já dadas pelo executivo, há um mês, Maffra disse que a XP quer ser reconhecida “como a melhor companhia de tecnologia brasileira” e ser disruptiva em outros segmentos, “como fez em investimentos”. A estimativa da XP é contratar cerca de 180 funcionários da área de tecnologia no trimestre, voltados a desenvolvimento de software, ciência de dados e inteligência artificial. No ano passado, foram mais de 500 contratações de profissionais vindos de empresas como Facebook, Google, Amazon e Mercado Livre. A arquitetura das empresas está cada vez mais definida pela tecnologia - que deixa de ser uma “tiradora de pedidos” dos outros departamentos, como define Benchimol. Ainda assim, a chegada de Maffra à presidência da XP marca a inédita escalação de um executivo de TI para o comando de uma instituição financeira relevante. Tecnologia sempre foi uma área de apoio para os bancos, e os nomes fortes da área nunca assumiram os holofotes. Mesmo os bancos mais tradicionais começam a buscar formas de colocar a tecnologia no centro de seus negócios, dada a importância vital que ela assumiu na competição. Basta lembrar que um dos nomes que disputaram a presidência do Itaú Unibanco no fim do ano passado foi André Sapoznik, então vice-presidente de tecnologia. O cargo acabou ficando com Milton Maluhy Filho, mais experimentado em áreas de negócios. No rearranjo que se deu em seguida, Sapoznik assumiu a recém-criada estrutura de pagamentos do Itaú - onde tecnologia é vital - e ficou também com as áreas de operações, atendimento e marketing. O comando da TI passou para as mãos de Ricardo Guerra, que passou a compor o comitê executivo do banco. Outro exemplo é o do BTG Pactual, maior rival da XP entre as plataformas de investimentos. Roberto Sallouti, presidente da instituição, foi estudar programação alguns anos atrás enquanto o banco de investimentos preparava sua incursão no mercado de pessoas físicas. No Bradesco, a grande aposta é destacar estruturas mais baseadas em tecnologia para que elas não fiquem presas às amarras da estrutura tradicional. Com essa estratégia, o banco digital Next foi transformado numa empresa à parte e o Bradesco recentemente colocou um de seus principais executivos, Renato Ejnisman, à frente da operação com a missão dar mais escala ao negócio. Da porta para dentro, as equipes de TI também vêm ocupando mais espaços nos bancos. As principais instituições financeiras do país passaram a se organizar em “squads”, times multidisciplinares voltados ao desenvolvimento de produtos e à resolução de problemas de forma mais rápida. Foi um aprendizado trazido pela concorrência das fintechs, que já nasceram dessa forma. Se os bancos buscam inspiração nas fintechs, estas tentam fugir do rótulo de “bancos” à medida que ganham clientes e se tornam operações mais complexas. O Nubank, que tem mais de 30 milhões de clientes, costuma se definir como uma empresa de tecnologia que presta serviços financeiros. Na XP, Benchimol diz ter mirado nas “big techs” para propor o CTO para o cargo de CEO. “Estamos lutando para ganhar a guerra, não para ser mais um participante. E a guerra vai ser ganha com tecnologia, de cloud a inteligência artificial”, diz. “Nossa agenda de tecnologia vai para intensidade máxima.” Para Benchimol, muitos diretores de área nas empresas tratam “tech” como uma “software house” - “quero isso, preciso daquilo” - quando a tecnologia deveria estar na jornada do negócio. “Eu como CEO e Maffra como CTO estávamos o tempo todo falando dessa importância. Mas não tem forma mais clara de empoderar a tecnologia na empresa do que colocar o CTO de CEO.” No exterior, o movimento de promoção do CTO a CEO começou nas empresas de tecnologia, mas já tem sido visto em outros setores. Companhias como a telecom Verizon, as empresas de apostas Betfair e Willian Hill e a GE Digital colocaram os executivos de tecnologia no posto de presidente-executivo. Uma pesquisa da McKinsey mostra que, mesmo antes da covid-19, 92% das empresas já entendiam que a digitalização demandava mudança no modelo de negócio. Sinalização dessa rápida transformação no mundo dos negócios está na bolsa americana. As empresas que compõem o S&P 500 tem idade média de 22 anos - na década de 60, o índice era formado por empresas com 61 anos de existência, em média. Na XP, Benchimol assegura que não vai desacelerar no conselho, no cargo definido como chairman executivo. “No fundo, eu e Maffra estamos formando uma dupla. Ele é o CEO para dentro e eu sou o CEO da porta para fora”, diz. “Vou continuar na visão do negócio. E ele na visão do dia a dia, da execução, da tecnologia, da disrupção.”

domingo, 14 de março de 2021

Antecipar as eleições para salvar vidas

Eleições em 2023 pode ser tarde demais Mantendo-se o ritmo atual no trato com a pandemia, poderemos chegar em 1o. de janeiro de 2024, dia da posse do futuro presidente, com mais 66 mil mortes, totalizando mais de 336 mortes. O pior período da nossa história. O maior calote e a maior violência contra o povo brasileiro. Elegeram um presidente pensando que ia moralizar o país, e o resultado está sendo uma incompetência generalizada. Recuperar a saúde, o emprego e a dignidade nacional - A pandemia está matando mais que bala de revolver... são mais de 270 mil pessoas. Nunca morreu tanta gente como agora. - A pobreza e a falta de dinheiro estão destruindo mais que a pandemia... atingindo 80% da população. Vamos esperar até janeiro de 2024? A situação é tão desesperadora que, para salvar a vida do povo brasileiro, em vez de perder tempo discutindo se faz impeachment ou não, precisamos agilizar um grande acordo nacional onde a prioridade nacional seja o combate ao vírus e a defesa da saúde do povo. Se anteciparmos as eleições em 12 meses, estaremos ajudando a salvar 24 mil mortes. Quanto mais rápido for resolvida a questão da saúde, mais rápido podemos resolver a questão econômica com a retomada do crescimento, do emprego e das exportações. A solução para tudo isto é política. Os doentes e seus familiares não podem esperar.

sábado, 13 de março de 2021

XP, os bancos e o povo brasileiro

XP mostra que é possível ajudar o povo Mesmo priorizando ter como clientes pessoas de alta renda, a XP vem obrigando o “mercado financeiro” a se reestruturar e a correr atrás da concorrência. Desde o surgimento da XP, além de compartilhar os ganhos financeiros com os clientes, os estimula a serem seus próprios gestores nas aplicações – é a cogestão ou gestão compartilhada. Isto é si já é uma revolução no Brasil. Mas a XP não quer ser apenas uma financeira que aplica na Bolsa para ganhar dinheiro, o pessoal da XP quer ter um banco tipo Safra ou Santander, para disputar o mercado. O perfil atual da XP é mais para fazer do seu banco um tipo Banco Safra, mas a grande esperança é que o novo banco da XP venha para disputar todo o mercado financeiro, tanto no atacado como no varejo. A XP já está lançando seu cartão de crédito. Inicialmente será voltado para clientes com investimentos iguais ou superiores a R$.50 mil, e a XP vai oferecer juros inferiores à média do mercado, não terá anuidade e contará com Investback. O cartão tem um formato parecido com os modelos de pontuação e “cashback”, mas, em vez de devolver pontos ou dinheiro para o consumidor, a parcela é diretamente investida em um fundo de investimentos que tem retorno de 99,5% do CDI. A média de juros cobrados pelo rotativo de cartão da XP será de 5,9% ao mês – a média do mercado ficou em 12,9% ao mês. No parcelado do cartão, os juros cobrados pela XP serão de 3,9% ao mês – ante 8,3% ao mês cobrado pelo sistema financeiro tradicional. Para este ano, o banco da XP vai lançar conta digital, da função de débito e outras funcionalidades. Os juros cobrados no Brasil transforma este tipo de investimento uma agiotagem legalizada e protegida pelo Banco Central. É o segmento de investimento mais rentável do Brasil. Se a XP pode oferecer empréstimos e créditos pela METADE DOS JUROS DOS OUTROS BANCOS, significa que o Banco Central vinha e vem protegendo empresários e investidores que ganham muito dinheiro, enquanto o povo de média e baixa renda vem pagando juros assassinos, tipo cartão de crédito a 14% ao mês, cheque especial a 8% ao mês, enquanto estes bancos captam no mercado aplicações tipo poupança que não remuneram nem a inflação... O que vemos hoje é que “quem mais tem dinheiro são os que mais ganham”; enquanto que ”quem menos tem, além de não recebem, pagam muito”, aumentando assim a CONCENTRAÇÃO DE RENDA no Brasil. A tentativa de se criar bancos cooperativos de economia solidária enfrenta grande dificuldades em função da subordinação ao sistema tradicional dos bancos, aumentando os seus custos e suas estruturas, inviabilizando-os. Com a privatização dos bancos estaduais e o fim da maioria dos bancos de varejo no Brasil, regiões como Nordeste e Norte estão sem agências bancárias nos municípios menores e esta descapitalização leva ao aumento da pobreza e da desigualdade. Num país com 210 milhões de habitantes e mais de 5.500 municípios, obrigatoriamente precisamos ter Redes de Bancos de Atacado, redes de Bancos de Varejo e Redes de Bancos Solidários. Os bancos estatais como o BB e a CEF, precisam ter estruturas segmentadas separadamente, atacado, varejo e solidário e, estes bancos mais o BNB e o BASA, devem como missão principal estimular o crescimento, o desenvolvimento e a distribuição de renda. O BB opera em Bolsa, mais não precisa espelhar-se no Itaú e Bradesco para medir sua lucratividade e distribuição de dividendo, o resultado deste bancos devem ser medidos pelos impactos sociais, econômicos e culturais... Se um outro mundo é possível para a XP, seus acionistas e investidores, este mesmo mundo também pode ser possível para todo o povo brasileiro. Eu tenho um pouco de dinheiro na XP, tenho um pouco de experiência em economia solidária, estive em Bangladesh e outros países, como Holanda e Canadá, para estudar as experiências e ofereço-me para contribuir neste debate. Ser rico num país pobre é bom, mas, ser rico num pais rico e solidário, é muito melhor.

quarta-feira, 10 de março de 2021

Judiciário, eleições presidenciais e lava jato - Vamos antecipar as eleições?

Lava Jato e Eleições Presidenciais – informações relevantes Três assuntos pautarão a imprensa brasileira até 2022. 1 – A desmoralização da operação lava jato – a maior mentira jurídica. 2 – As eleições presidenciais, a direita golpista e a esquerda se enfrentam. 3 - Vacina contra o vírus – Nunca morreram tantos brasileiros como agora. Apresento a seguir algumas contribuições sobre a conjuntura atual e a importância da Democracia. 1 – A farsa da Lava Jato - Em primeiro lugar devemos lembrar que a operação lava jato foi criada como mecanismo jurídico-político para derrubar o governo do PT e impedir que Lula pudesse se candidatar à presidência. A partir desta definição, tudo que foi decidido pelos juízes e procuradores, foi feito para justificar o golpe de Estado. Para isto, era fundamental que se fizesse com o apoio da imprensa e que esta servisse de maio de convencimento do povo brasileiro. O tempo provou o quanto a operação lava jato foi uma farsa e a maior mentira jurídica que o Brasil já teve. E agora, até o STF – Superior Tribunal Federal reconhece isto e está processando o ex-juiz Moro. 2 – Eleições Presidenciais em 2022 - A direita golpista vai tentar simplificar a disputa como sendo entre a direita e a esquerda, quando na verdade a disputa será entre os golpistas e os democratas. Então, o que é ser de direita ou ser de esquerda? 2.1 – Um país à serviço da elite branca - A direita brasileira, identificada como a elite branca tradicional, aproveitou que controlava o aparelho do Estado brasileiro, e sempre escondeu que o Brasil já teve escravo, que o Brasil negros e mulheres quando conseguem empregos e salários, estes são melhores para os homens brancos; que no Brasil não havia liberdade organizacional nem partidária nem sindical. 2.2 - Um país governado para o povo, com o povo e com um governo do povo – isto é um país democrático. Um país com 35 partidos políticos e com eleições regulares pode ser chamado como democrático ou pode ser chamado de arremedo de democracia? Nestas próximas eleições, em 2022, como já foi dito, os golpistas tentarão pautar a campanha como sendo entre a direita e a esquerda. Tentando esconder os fatos relevantes que possibilitem comprovar os conceitos e as definições. 2.3 – Independente de como a direita chama a esquerda e a direita, como podemos identifica-las? Historicamente, estão mais próximos e são identificados, como direita ou esquerda àqueles que defendem mais os patrões como sendo de direita, e os mais próximos e identificados com os empregados e trabalhadores como sendo de esquerda. Estão identificados com a direita e centro direita: 1 – latifundiários, 2 – patrões em geral, 3 – judiciário, 4 – Forças Armadas, 5 – OAB, 6 – imprensa, 7 – religiosos... Estão identificados com a esquerda e centro esquerda: 1 – Movimentos populares, 2 – movimento sindical, 3 – movimento estudantil, 4 – Teologia da Libertação da Igreja Católica, 5 – profissionais liberais, 6 – artistas e intelectuais, 7 – professores. Quais são as bandeiras dos conservadores e dos progressistas: - As bandeiras conservadoras da direita são: 1 – politicamente são conservadores e contra projetos de reconhecimento social, 2 – economicamente são neoliberais e privatistas, 3 – defendem vender nossas empresas e nossas riquezas aos estrangeiros, 4 – subordinados aos Estados Unidos. - As bandeiras progressistas da esquerda são: 1 – politicamente estimulam as mulheres, os negros, os índios e os pobres a participarem da vida política e social, 2 – economicamente defendem o Bem Estar Social com políticas públicas para o povo, principalmente os mais pobres, 3 – defendem o fortalecimento da economia nacional, os empresários com mais empregos e trabalho para todos, 4 – são favoráveis a uma atuação internacional independente e com visão plural, ideologicamente atuam em movimentos socialistas e sociais democráticas. Porque a Folha se recusa a assumir que é um jornal de direita? Que já foi de centro direita, mas, a partir de FHC a Folha vem defendendo o neoliberalismo e sendo a porta-voz da direita brasileira. Na democracia, devemos ver com naturalidade tanto os partidos da direita como da esquerda. O que não é admissível é a prática do golpismo, da mentira e da manipulação. Isso vale para os dois lados. - Com 35 partidos políticos, quais são de direita, centro direita, centro esquerda e esquerda? Durante a ditadura militar só existiam dois partidos políticos: a Arena e o MDB. Os demais eram proibidos. Entre 1988 e 2014, tivemos o período de maior liberdade da nossa história, registrando todos os partidos que preencheram requisitos como lista de apoiadores por estado, etc. Em 2016 tivemos outro Golpe de Estado e novas restrições à democracia. Apesar do novo Golpe de Estado, podemos classificar os partidos brasileiros atuais como: PT, PC-B, PSOL como partidos de centro esquerda, PSB e PDT como centro direita, PSDB, DEM, e demais partidos como direita, e os pentecostais fazendo o papel de extrema direita e fascistas. Nos países democráticos, a questão econômica, com crescimento, geração de emprego e renda juntamente com as políticas públicas sempre prepondera sobre os debates ideológicos. Da mesma forma que os partidos conservadores chegam a 30 no Brasil, os partidos da precisam voltar a ter resultados econômicos mais estáveis, garantindo melhor qualidade de vida para todos. Por falar em Lava Jato, eleições presidenciais e pandemia, Lula fez nesta quarta-feira, dia 10 de março, um dos discursos mais bonitos da sua vida. A direita querer destruir Lula, o melhor quadro político que o Brasil já teve, é de uma estupidez nunca vista. Com Lula, o Brasil volta a ter dignidade e a ser respeitado internacionalmente. Agora as eleições de 2022 começam para valer. Se ogoverno não resolve a pandemia, se a economia não melhora e se o povo não acredita mais em Bolsonaro, vamos antecipar as eleições?

terça-feira, 9 de março de 2021

Eleições presidenciais e Lula

Lula está voltando? “Mercado” precisa de alguém para acalmar o Brasil. Lula errou quando não saiu candidato em 2014, apoiou a manutenção de Dilma, e assim facilitou a ação dos golpistas. Com Lula na presidência não teria havido o golpe? Com certeza não. Lula sempre foi um grande conciliador. Tanto que os empresários nunca ganharam tanto dinheiro… Mais do que ser de “esquerda”, Lula sempre respeitou às regras do jogo. Mesmo que Lula não seja liberado para ser candidato, ele já mostrou que tem sete-vidas e pode ajudar muito o Brasil. Vejam este bom artigo do jornal Valor… “Subestimam a força da esquerda e superestimam a rejeição”, diz Garman Para diretor da Eurasia, houve um erro de cálculo entre analistas político e pessoas do Mercado. Valor - Por César Felício — De São Paulo Atualizado há 6 horas Política 09/03/2021 Garman: esquerda é forte no Brasil, mas Bolsonaro tem tempo para reagir O mercado e analistas não precificaram a força da esquerda no Brasil e a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostra que uma candidatura deste campo ideológico em 2022 pode ser competitiva. Para o diretor executivo para Américas do Eurasia Group, Christopher Garman, não há porque o Brasil destoar do padrão latino-americano. “Quando os governos de centro-direita do México, da Argentina e do Equador entraram em crise de popularidade, quem se beneficiou politicamente foi aquele que estava na posição mais clara de oposição. Se as coisas com a direita andam mal, porque a esquerda não estaria forte na eleição seguinte?”, indaga. Segundo Garman, “estão subestimando há tempos a força de Lula e superestimando a sua rejeição, sem entender que o tempo passa”. De acordo com Garman, as preocupações do eleitor brasileiro mudaram nos últimos anos. O passivo do PT e de Lula, que é a associação com a corrupção, permanece, mas este não é mais um tema que emociona a sociedade como antigamente. “O eleitor agora quer renda, emprego e saúde, e não combate à corrupção. A agenda mudou e portanto não é possível achar que a rejeição a Lula é intransponível”. A Eurasia normalmente procura quantificar em porcentagem as chances de um determinado evento acontecer, mas em relação à eleição presidencial de 2022 Garman prefere não arriscar-se nesse exercício por enquanto. “Ainda há variáveis que não estão dadas”, explica. “É preciso verificar se a recuperação da economia virá no segundo semestre do ano. É preciso ver como se resolverá o drama sanitário do país, que está fazendo um enorme estrago na popularidade do presidente Bolsonaro, com tendência a piorar. O auxílio emergencial virá menor e não terá o mesmo efeito político”, diz. “Os próximos dois meses serão cruciais”, conclui. Garman concorda que o quadro do Brasil em 2021 está parecido com o dos Estados Unidos no ano passado, onde o tropeço na economia e sobretudo a incompetência do governo em lidar com a pandemia de covid-19 fez com que o então presidente Donald Trump perdesse uma eleição ganha. “A diferença é que Bolsonaro conta com um tempo que Trump não teve. Ele pode se recuperar em um ano e meio. A eleição não será em abril”, diz. Garman é cauteloso ao avaliar as chances do centro no Brasil. “O cenário pode mudar caso haja uma articulação que impeça uma fragmentação entre várias candidaturas”, pondera. Mas enfatiza que o centro não ocupa o espaço do antibolsonarismo com a clareza que Lula pode ter. “De um lado temos Bolsonaro. Do outro ex-ministros ou exapoiadores dele, com exceção do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). Por que não deveríamos achar que Lula não se beneficia da rejeição ao presidente?” Para o diretor da Eurasia, também não se pode descartar que estratégia política, dificuldades judiciais ou de saúde impeçam a candidatura de Lula. Neste caso, ele vê possibilidades de Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT) herdarem sua competitividade. Caso a candidatura presidencial de Lula se consolide, Garman acha possível que o expresidente, mais adiante, refaça suas pontes com o mercado. “O discurso dele tornou-se mais radical nos últimos tempos, mas as pessoas sabem o que o PT representa. Percebem a diferença entre o que significou o governo de Lula e o que representou o governo de Dilma Rousseff. A reação inicial é de aumento de risco, mas sempre é possível refazer ligações com o setor privado, sobretudo para ele”. Garman diz que a surpresa com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin aumentou o grau de incerteza no mercado. “Foi um evento completamente inesperado. Aparentemente, no empenho para salvar a Operação Lava-Jato, Fachin não hesitou em salvar o Lula. Não era previsível”, diz. Até a decisão de Fachin, o cenário tido como mais provável na cena política era que o Supremo Tribunal Federal (STF) colocasse em pauta a ação que pede a suspeição do ex-juiz Sergio Moro nos processos em que Lula foi condenado, o que poderia abrir portas para a anulação das sentenças, embora isso não fosse absolutamente claro.

segunda-feira, 8 de março de 2021

Lula, Bolsonaro, Judiciário, Centrão, militares e imprensa na confusão

Dólar dispara e bolsa desaba com anulação de condenação de Lula Míriam Leitão - O Globo https://blogs.oglobo.globo.com/miriam-leitao/post/dolar-dispara-e-bolsa-desaba-com-anulacao-de-condenacao-de-lula.html Por Alvaro Gribel • 08/03/2021 • 16:05 A decisão do ministro Edson Fachin, do STF, de anular todas as condenações do ex-presidente Lula derrubou o índice Ibovespa e pressionou o dólar. Com Lula agora elegível para as eleições do ano que vem, o Ibovespa cai 3% e o dólar sobe 1,5%, por volta das 16h. Segundo o economista Felipe Viana, da Valor Investimentos, o mercado reage ao aumento da incerteza, mas também está preocupada com o risco de uma guinada populista do presidente Jair Bolsonaro. A primeira reação do mercado acontece pelo aumento da incerteza. É um novo panorama político. É preciso entender se isso será julgado pelo plenário do STF, e se daria tempo de recomeçar o processo até as eleições. Temos que ver também como se comportará o presidente Jair Bolsonaro. Será que ele dará uma guinada populista? O país tem uma situação fiscal complicada, que precisa de respostas rápidas em termos de reformas fiscais. É um imbróglio político a mais que pode atrapalhar a racionalidade dos agentes políticos - explicou. Fachin anula condenações contra Lula e mantém direitos políticos do ex-presidente. Sérgio Cabral e Eduardo Cunha podem ser beneficiados Tudo agora está na mão do procurador Augusto Aras – escolhido e nomeado por Bolsonaro.

domingo, 7 de março de 2021

O caos do Brasil está em todos nós

Onde vamos parar? Economia em crise acentuada, pandemia matando em todo Brasil, políticos sem credibilidade, judiciário mais distante do povo e a imprensa tentando manter alguma credibilidade, apesar de seus erros ideológicos. Neste final de semana, alguns problemas mereceram destaques na imprensa: 1 - Como impedir que o presidente continue sua política de deixar morrer mais de 126 mil pessoas e a previsão é que poderá chegar a 160 mil? 2 - Como impedir a desmoralização plena da Lava Jato, já que, a cada dia aparecem mais gravações mostrando os juizes e procuradores agindo como vereadores desqualificados? A própria Folha gastou páginas com advogados escrevendo que a lava jato foi criada para combater a corrupção, quando na verdade, foi criada para impedir Lula de voltar a ser presidente e também para dar o golpe de Estado e tirar Dilma da presidência. As prisões de empresários foi o preço que os conservadores, incluindo o PSDB, pagaram para impedir a continuidade do PT no governo. 3 - Silenciosamente, a cada dia aumenta o noticiário de que o Brasil está ficando insolvente economicamente. Isto é, vai ficar sem crédito interno e externo, tendo que renegociar suas dívidas, tendo que aumentar o desemprego e contaminando a campanha de vacinação... 4 - Já que se avalia que não há condições de se fazer um impeachment de Bolsonaro, empresários, intelectuais, juristas e imprensa em geral, vem defendendo "uma obstrução" realizada pelo STF, o judiciário. Um outro "golpe branco". 5 - Enquanto os ricos e poderosos não se entendem com as loucuras de Bolsonaro, a vida das pessoas vai virando um inferno. Ora é a pandemia que mata ou atrofia, ora é o desemprego, outra ora é a renda mensal se transforando em pó, em função da grande desvalorização da nossa moeda - real - e a inflação invisível. 6 - Para o bem do povo em geral, aos poucos Guedes, o ministro da Fazenda, vai caindo em descrédito e o proprio governo vem restringindo as irresponsabilidades econômicas, como o aumento da gasolina e de tantas outras coisas. 7 - Enquanto a crise aumenta, cresce a quantidade de militares nos cargos federais. Dizem os analistas que é uma forma de Bolsonaro se garantir pelas armas, já que ele vem perdendo apoio dos empresários, do judiciário, da imprensa e do povo. 8 - A cada dia, a democracia vai se fragilizando em função da insegurança, do desgoverno e da falta de um grupo de interlocutores que apresente uma alternativa. Sabemos que democracia não enche barriga, mas ajuda a buscar soluções mais consensuais. Historicamente, a tendência, é piorar. E no ritmo que vai, chegaremos em 2022 numa situação bem pior do que a atual. Com pandemia ou sem pandemia, precisamos fazer alguma coisa mais efetiva...

sexta-feira, 5 de março de 2021

Um ano de pandemia, de virus e de tragédias...

Um ano de sofrimento e reclusão Desde o dia 05 de março de 2020, portanto há um ano estou recluso, saindo apenas para fazer coisas essenciais como supermercado, farmácia e padaria... Um ano de sofrimento, angústia e dificuldades. Sempre fica o medo do vírus. O vírus que parou o mundo e fez as pessoas diminuírem a arrogância e prepotência. A reclusão enlouquece as pessoas. Sem perceber, começamos a brigar com os parentes, a reclamar de tudo e a se transformar numa pessoa desagradável. Os pobres sentiram a falta de dinheiro desde o início, como também sentiram a precariedade dos hospitais públicos e o agito das crianças dentro de casa 24 horas por dia , todos os dias. A classe média começa a entrar em pânico... as reservas financeiras começam a desaparecer, o poder de compra está virando pó com o aumento generalizado dos preços, água, luz, telefones, gasolina, diesel, comida em geral, tudo, tudo, tudo está subindo, menos os salários e as aplicações. Os pobres estão ficando mais pobres e a classe média está ficando pobre e desamparada. O noticiário no rádio e na TV diariamente só tem tragédia. O presidente maluco diz que a culpa é do mimimi da imprensa. Não sei quem é mais louco, o presidente da República ou as autoridades que não deram um jeito nele. Será que vão reagir só quando houver quebra-quebra? Será que o povo vai esperar até as eleições de 2022? Também, o pouco que tinha de Justiça no Brasil, caiu em descrédito com as informações sobre a forma desonesta que foi a operação Lava Jato. Se o presidente é um louco varrido, o legislativo é um bando de loucos, tarados em dinheiro, o judiciário é um bando de fingidos – dizem uma coisa e fazem outra; a imprensa também se comprometeu na Lava Jato e só melhorou com a boa cobertura sobre a pandemia. E o povo, está se sentido agredido, enganado, violentado e sem perspectiva... O povo gosta de dar o troco nas urnas... o brasileiro não gosta de briga, nem de guerras. Parafraseando Euclides da Cunha, “o brasileiro é, antes de tudo, um forte”, ou um otário, ou um Mané, ou uma mãe Joana... Da mesma forma que sofro na minha reclusão, passando dias mal humorado, rabugento, ranzinza e reclamando, faço um esforço imenso para não brigar com a família. Estou aprendendo a conviver com as doenças coletivas – o vírus – e com as doenças individuais – o Parkinson. Não sei qual é pior. Conviver com as duas ao mesmo tempo não estava no meu planejamento de vida. Até as VACINAS, que deveriam ser obrigação dos governos, virou politica de favores e de disputas eleitorais entre o presidente e os governadores... Enquanto isso o povo morre aos milhares... Já são mais de 125.000! E faço tudo para não perder a fé e a confiança. Fé e confiança nas instituições, nas pessoas, na família e na vida. Os que sobreviveram à segunda guerra mundial, estão achando que a pandemia é fichinha, mas, para nós que fomos criados vendo o Brasil crescer e distribuir riqueza, hoje, só vemos tragédias, doenças e politicagem. O tempo vai ter um papel importante na recuperação da vida individual e coletiva. Nada será como antes.

quarta-feira, 3 de março de 2021

China acaba com a pobreza e garante Saúde e Educação para todos

China tem muito a ensinar, fazendo... Brasil passou a ser “um negócio da China”? Jornais econômicos no mundo dizem que o Brasil está ficando INSOLVENTE! Aumento do dólar destrói a economia brasileira. Pandemia expõe fragilidade do governo federal no combate ao vírus. Nem comprar vacinas o governo consegue. O Brasil perdeu o rumo, a competitividade internacional e a capacidade de dar condições básicas de qualidade de vida para seu povo. Enquanto isso, a China vai mostrando ao mundo como deixou de ser um país faminto, com mais de um bilhão de habitantes, para ser o melhor exemplo de busca de soluções para os problemas que aparecem. A China se dá ao luxo de publicar matéria paga no principal jornal do Brasil, uma página inteira explicando como erradicou a pobreza. Em apenas 40 anos! Como chinês adora contar casos, vejam as historinhas do combate à pobreza na China: 1 – Estabelecimento de arquivos focados na resolução do problema da pobreza. A população pobre deixou de ser mera estatística e as pessoas passaram a ter NOME e endereço... Através do fornecimento de registros completos e bases reais para assistência precisa, é possível garantir que se saia realmente da situação pobreza, que se saia da pobreza real; 2 – Erradicação da pobreza direcionada permite o renascimento da fênix na aldeia de Shibadong. Os moradores da aldeia identificaram as condições locais, desenvolveram a economia através de gastronomia étnica, alojamento familiar, turismo, bordado e aquicultura nas montanhas. A renda per capta das famílias aumentou de 1.825 yuans, em 2014, para 12.483 yuans, em 2019. 3 – Cooperação entre o leste e o oeste para o alívio da pobreza. Os ricos ajudam os pobres... Na luta contra a pobreza, os distritos desenvolvidos no leste, ajudaram os distritos ocidentais pobres e realizaram a cooperação no alívio da pobreza entre leste e oeste. Ao orientar um grande número de empresas para investir e iniciar negócios no oeste, os produtos agrícolas do oeste passaram a ser vendidos continuamente no leste. A EDUCAÇÃO e a assistência à SAÚDE foram implementadas para promover o desenvolvimento regional coordenado e o avanço rumo à prosperidade comum. 4 – O alívio da pobreza depende da gestão meticulosa de recursos Melhorar a construção do sistema de crédito rural e definir o botão de liga e desliga da concepção de crédito; fortalecer a ligação entre o investimento de crédito e o desenvolvimento industrial, prevenir e controlar riscos e transformar as vantagens financeiras do microfinanciamento orientado para o alívio da pobreza em vantagens industriais e reais. 5 – Mais de 80.000 estações fotovoltaicas iluminam o caminho para a redução da pobreza. Usar a energia solar em áreas atingidas pela pobreza para construir projetos de geração de energia fotovoltaicas de erradicação da pobreza. Foram estabelecidos subsídios para o desenvolvimento industrial em aldeias pobres, subsídios paraa manutenção de instalações públicas no nível das aldeias e postos de assistência social para mobilizar o entusiasmo dos mais pobres. 6 – O comércio eletrônico encurta a distância espaço-tempo para interligar o mercado. Com o apoio das redes de comercio eletrônico, desenvolveu-se um sistema de vendas on-line para produtos agrícolas como nozes, pimenta, azeitona, produtos medicinais chineses e mel. Com a ajuda de novas formas de internet, a erradicação da pobreza através do comércio eletrônico passou a abranger um maior número de pessoas. O que permitiu à China ERRADICAR a pobreza absoluta? Na China de hoje tudo é importante. Desde a garantia de escola e posto de saúde nas regiões distantes, até produzir e enviar foguetes para a Lua ou para Marte. Como dizem que os chineses chegaram nas Américas antes dos ingleses, mas não se interessaram em explorar estas regiões, por ser continental, agora os chineses querem chegar em Marte e em outras galáxias antes dos Estados Unidos. Hoje em dia, não dá para duvidar de nada destes chineses...

Ser vacinado. Quando o direito e o dever deixam de existir

O mundo em crise e o Brasil só vacinou 3% da população. Comemorar o quê? No começo era o caos. Como enfrentar este inimigo que ninguém vê? O Brasil, que sempre foi zeloso em defender o seu povo, de repente o país acompanha uma disputa política entre o presidente da República, os governadores e prefeitos. Todos reclamando da demora de o governo federal resolver as coisas... Antes ninguém tinha vacina. Estávamos todos no mesmo barco... Agora há várias vacinas e o Brasil continua com tão poucas vacinas que, cada vez que alguém na família consegue ser vacinado é uma festa na família, no bairro e nos locais de trabalho. Hoje em dia, ganhar na megasena tem menos importância que ser vacinado. Até os noticiários, onde os jornalistas apareciam sempre sorrindo e cheios de ânimos, agora, com o aumento das mortes nas filas dos hospitais, até os jornalistas aparecem tristes, sisudos com tanto sofrimento. Teremos que esperar até 2022 para trocar o presidente da República e eleger alguém mais sério, competente e que priorize o povo em vez da demagogia e a mentira? Vivemos uma mistura de descrença e desepero. Que país é este?

segunda-feira, 1 de março de 2021

Grupos de direita tentam inviabilizar a Campanha da Fraternidade

Igrejas na Campanha da Fraternidade em 2021 Um dos maiores méritos dos católicos é a capacidade de manter a unidade interna entre os católicos, combinando a importância dos Santos e Santas, pessoas que foram beatificadas por serviços prestados às comunidades e à Igreja Católica, assim a Igreja Católica consegue sobreviver há mais de dois mil anos. Nos tempos atuais, com o crescimento das igrejas Pentecostais, geralmente conservadoras em todos os sentidos, e com as dificuldades encontradas pelos grupos progressistas, a extrema direita cresce dentro da Igreja e também “sai do armário”, indo para a rua apoiada por empresários e politicos reacionários para combater os setores progressistas da Igreja Católica. A contaminação do ambiente nas Igrejas e comunidades chegou a um ponto que põe em risco a sobrevivência da Campanha da Fraternidade deste ano de 2021. O dilema entre o conservadorismo dos ricos e as carências dos pobres, faz parte das polêmicas milenares da Igreja. A influência “de fora para dentro” sempre foi mais forte do que “de dentro para fora” , isto é, à cooptação para estar perto dos poderosos sempre foi mais forte que a aproximação com as periferias… Veja esta boa material publicada no melhor jornal para os ricos e dominantes no Brasil: Polarização abala Campanha da Fraternidade Valor Econômico https://valor.globo.com/politica/noticia/2021/03/01/polarizacao-abala-campanha-da-fraternidade.ghtml - por Cristian Klein Arcebispos e grupos ultraconservadores boicotam edição por discutir supostos temas “revolucionários” Fruto da polarização política do país, a Campanha da Fraternidade deste ano está dividindo o meio religioso num acirramento entre as alas progressistas e conservadoras, diante do boicote que arcebispos e grupos mais radicais passaram a promover em dioceses, outdoors e redes sociais. A contracampanha prega a não utilização dos textos elaborados para os fiéis e a recusa para doações em dinheiro na tradicional coleta do Domingo de Ramos, que cairá em 28 de março. Grupos ultraconservadores, como o Centro Dom Bosco, de onde se elegeu a deputada federal bolsonarista Chris Tonietto (PSL-RJ), afirmam que a mobilização religiosa neste ano foi “capturada” e que “temas revolucionários” - como feminicídio, racismo, violência contra LGBTQI+ - ganharam projeção no lugar de conteúdos católicos. Ironicamente, o que era para ser um momento de comunhão durante a quaresma é motivo de discórdia e pode chegar à judicialização. Tudo muito distante do tema - “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor” - e do lema - “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” - propostos para este ano. A Campanha da Fraternidade começou a ser realizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em 1964, mas desde 2000 há edições ecumênicas quinquenais, como a deste ano, quando a organização fica a cargo do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic). Além da Igreja Católica e da Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia, a associação é formada por denominações do protestantismo tradicional, como as igrejas Episcopal Anglicana do Brasil, Presbiteriana Unida, Aliança de Batistas do Brasil e Evangélica de Confissão Luterana. Pastora luterana e secretária-geral do Conic, Romi Bencke é o principal alvo das agressões por ter incorporado a “alma” da comissão da campanha. “Eles dizem que elaborei o texto-base sozinha, o que é uma inverdade, e me pegaram como centro dos ataques”, afirma Romi, que analisa com advogados se levará o caso à Justiça. Em sua opinião, os ataques têm fundo político já que, em janeiro, ela foi uma das porta-vozes do Conic a protocolar pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, tendo como justificativa o descaso do governo com a pandemia. Em alguns municípios, como Itabira (MG) e Londrina (PR), grupos ultraconservadores espalharam outdoors contrários à tradicional mobilização da quaresma. Na cidade paranaense, o movimento Brasil Católico estampou a mensagem: “Atenção católicos - Campanha da Fraternidade 2021 com infiltração de abortistas e cumplicidade da CNBB - Tirem os comunistas do altar! Não doe dinheiro em 28/março”. Dos recursos doados 40% são destinados ao Fundo Nacional de Solidariedade (FNS), administrado pela CNBB, e 60% ao Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), gerido pelas dioceses, com o objetivo de financiar projetos sociais e caridade. Em 2019, a parte que cabe à CNBB foi de R$ 3.814.139,81. Em 2020, por causa da pandemia da covid-19, não ocorreu arrecadação. Com o boicote às doações e o quadro de agravamento da pandemia, a CNBB não arrisca nenhuma previsão para 2021. Secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado afirma que sua preocupação maior é com os efeitos da pandemia, do “lockdown” adotado em algumas cidades e do desemprego na vida das pessoas, o que aumenta a urgência de doações aos que mais necessitam. “O estímulo à não colaboração é um ato antievangélico na medida em que estimula a prática do egoísmo, da não caridade. Isso é muito grave, pois, em meio a polarizações, são os mais pobres que acabam, como costumamos dizer, pagando a conta ou, se desejar, não tendo com o que pagar suas contas”, critica o bispo auxiliar do Rio de Janeiro. Prejuízos organizacionais já podem ser sentidos. Um seminário de formação de lideranças que contaria com quase 300 pessoas foi cancelado no Paraná, relata Romi. Grupos comunitários da regional do Conic na Bahia também foram desmobilizados. Sobre ser defensora do aborto, a pastora gaúcha diz que se orienta pelo posicionamento de sua igreja, segundo a qual se trata de uma questão de saúde pública. “Como no Brasil há separação entre igreja e Estado, logo não cabe à igreja interferir numa questão relacionada à saúde pública”, afirma Romi, lembrando que atualmente a lei já prevê os casos em que o aborto é permitido. “Temos que fazer um debate sério na sociedade e depois coletivamente decidir se somos a favor ou contra e como se dá a implementação da política pública. Uma decisão complexa não pode ser tipo um jogo entre Grêmio e Internacional. Nenhum assunto é proibido”, afirma. Para integrantes da ala mais conservadora da Igreja Católica, porém, há temas e termos proibidos ou malvistos, como as menções do texto-base a racismo, necropolítica, “abordagens policiais violentas” e “derretimento das geleiras” - considerados “absurdidades”. Em comentários a vídeos publicados pelo Centro Dom Bosco, seguidores pintam a imagem de Romi como algo demoníaco. Uma fala da pastora sobre “os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres” é reprisada em tom de escândalo. Em vez de doações, a sugestão é que no dia da coleta os fiéis insiram nos envelopes a oração de exorcismo de São Bento. Numa das mensagens, a deputada federal bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF) chancela a contracampanha: “Gravíssimo!”. A abertura das igrejas em meio à pandemia - bandeira de líderes religiosos que se alinharam a Bolsonaro - é defendida em contraposição ao texto-base que prega o distanciamento social com evidências da ciência para evitar a propagação do vírus. “A Campanha da Fraternidade de 2021 pretende ser algo como o Psol ou o Partido Democrata infiltrados dentro da Igreja Católica”, afirma num dos vídeos Álvaro Mendes, vice-presidente do Centro Dom Bosco. Uma das grandes acusações à Campanha da Fraternidade Ecumênica está na própria ideia de ecumenismo, com rechaço à aproximação com outras denominações cristãs, pejorativamente chamadas de “seitas”. A Reforma Protestante de 1517, liderada por Martinho Lutero, é considerada por Mendes como uma “revolução demoníaca”, que “colocou metade do continente europeu a caminho do inferno”. A ausência de referência a documentos e a personalidades do mundo católico e a presença de “temas revolucionários” e de figuras do progressismo são contabilizadas e criticadas. No textobase, só há uma menção ao papa Francisco, nenhuma à Nossa Senhora, enquanto há duas citações a uma mãe de santo. O termo LGBTQI+ aparece oito vezes. Para Romi Bencke, numa Campanha da Fraternidade regular, feita apenas pela CNBB, possivelmente o texto tocaria em assuntos como racismo e agenda ambiental, mas não nos relacionados a LGBTQI+. “Isso [LGBTQI+] é o que eles [grupos ultraconservadores] estão mais atacando”, diz. Mas a pastora lembra que há muitos ataques devido à menção ao nome da vereadora Marielle Franco, incluído por ser o assassinato mais emblemático, ocorrido em anos recentes, de uma defensora de direitos humanos, e “que está sem resposta”, acrescenta. “Esses grupos reclamam que citamos a Marielle e, em nenhum momento, a Virgem Maria. Mas é que a campanha é ecumênica e não cabe”, justifica Romi, para quem “o movimento ecumênico latino-americano sempre se pautou pela responsabilidade social e os direitos humanos”.