domingo, 21 de fevereiro de 2021

Democracia como prática de liberdade

Democracia no dia a dia Há várias formas de se identificar se uma pessoa ou uma instituição pratica a democracia ou não. 1 - Na relação empregatícia, sempre quem paga, tem mais poder do que quem recebe. A não ser que haja um contrato escrito com os itens mais relevantes bem definidos. Jornada de trabalho, critério de remuneração e de progressão na empresa. 2 – Nas escolas, a tradição é que o professor tenha mais poder do que o aluno, embora, cada vez mais os professores tenham menos autoridade sobre os alunos. Principalmente pela intervenção dos governantes, tanto no conteúdo, como nas relações. 3 – Em casa, a tradição também é que, quem tem mais dinheiro tem mais poder, porém, há muitos casos em que as mulheres, mesmo sem ter emprego e ter a renda bem menor do que o marido, elas tenham mais autoridade e mais poder em casa. 4 – Nas relações com as instituições como judiciário, polícia e governantes, a regra é que o representante da instituição tenha mais poder que o cidadão envolvido. 5 – Atualmente, ganha força a necessidade de haver uma equidade entre as etnias, gêneros e opções das pessoas na representação. Aqui a ausência da democracia é mais evidente. O Brasil de hoje tem mais mulheres que homens, tem mais negros e pardos que brancos e quanto às opções a relação é mais gritante. As religiões também estão interferindo nas democracias. 6 – A imprensa atualmente vem tendo mais peso na formação das pessoas do que deveria e isto faz com que a imprensa sinta-se mais importante que a OAB, o Legislativo, o Judiciário e até os eleitores. Herança do iluminismo... Todos os itens anteriores devem fazer parte do quotidiano das pessoas, desde a infância. Sociedades autoritárias como as mais pobres, as religiosas e as fechadas etnicamente, como Japão e Israel, fazem com que a evolução do autoritarismo para a efetiva participação coletiva das comunidades seja mais lenta. No caso do Brasil e da América Latina, saímos de um período de ditaduras civis e militares, para um período democrático, com crescimento econômico e integração social. Este período democrático está sob ataque diário dos setores conservadores. Aproveitando-se das crises econômicas, os conservadores acusam os progressistas de incompetentes. E isto se faz visível em todos os setores citados acima. No golpe de Estado em Miammar, além de prender a presidente, os militares suspenderam o acesso à informática e às redes sociais. O Brasil, mais civilizado e desenvolvido economicamente, recorreu-se ao judiciário, ao legislativo e à imprensa. Não precisou dos militares, embora estes estivessem na espreita... Continuaremos melhorando nossa democracia no dia a dia, ou, nos deixaremos ser dominados explicitamente por ditaduras brancas, machistas e manipuladoras? A resposta para isto está nas pequenas atividades do dia a dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário