domingo, 31 de janeiro de 2021

O ministério da Saúde adverte: Não saber vacinar os brasileiros é crime

VACINAÇÃO: crimes de guerra não prescrevem Se querem um bom motivo para o impeachment de Bolsonaro, há o crime da vacinação Na Folha de hoje, no caderno Tendências e Debates, temos o artigo assinado pelos médicos especialistas Carla Domingues e Drauzio Varella, com uma relação de números assustadores. Este governo Bolsonaro, além de irresponsável e incompetente, é criminoso! O Brasil é o segundo país do mundo em mortes causadas pelo vírus, perdendo somente para outro louco chamado Trump, ex-presidente dos Estados Unidos. No Brasil já morreram mais de 220 mil pessoas. E vão continuar morrendo, já que a aquisição e distribuição da vacina em todo território nacional estão atrasadas e desorganizadas. O Brasil, sem Bolsonaro atrapalhando, já fez campanhas de vacinações que são reconhecidas pela OMS como das melhores no mundo. O Programa Nacional de Imunizações já chegou a vacinar 18 milhões de crianças contra a poliomielite num ÚNICO dia. Em 2010, vacinamos 100 milhões de pessoas contra a H1N1 em apenas três meses. Sem falar das campanhas anuais contra a gripe que, em 2020, proporcionaram a imunização de 80 milhões. Apesar da excelente experiência dos profissionais do Ministério da Saúde em todo Brasil, o governo atual distribuiu as poucas vacinas que temos entre os 5.570 municípios, mesmo sabendo que muitos deles não dispõem de hospitais nem de unidades de emergência, além de terem poucos casos da doença. Ainda não foi divulgado o número de pessoas vacinadas no país, dado que era publicado no site do ministério, diariamente, nas campanhas anteriores. O Brasil pode se transformar num imenso Manaus. E a gente ter que ouvir o presidente dizer que lamenta muito. Isto é incompetência, é crime. O povo não pode continuar morrendo diariamente e, ao mesmo tempo, o presidente andar sem máscara e sem priorizar a saúde e a vida dos brasileiros. Mais do que o impeachment, este é um caso de crime de guerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário