quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Itaú acerta na estratégia e erra na tática ao demitir funcionários

Itaú pensa grande, o que é bom. Mas demitir como vem demitindo é pensar pequeno... Itaúsa quer ter portfólio de 10 a 12 empresas nos próximos 4 anos, diz Setubal | Finanças | Valor Econômico https://valor.globo.com/financas/noticia/2020/09/23/itausa Por Talita Moreira, Valor — São Paulo 23/09/2020 12h38 · Atualizado Em busca de diversificação, a Itaúsa pretende ter entre 10 e 12 companhias em seu portfólio num período de três ou quatro anos, afirmou nesta quarta-feira o presidente da holding, Alfredo Setubal. Os investimentos almejados pelo grupo são grandes, na faixa de R$ 1,5 bilhão a R$ 2 bilhões, acrescentou o executivo durante evento anual da Itaúsa com investidores. De acordo com ele, interessam ao grupo empresas que tenham possibilidade de crescer, gerem caixa, paguem dividendos, e se encaixem nos valores de governança e socioambientais da Itaúsa. Outro requisito é que a Itaúsa possa entrar no bloco de controle e ter influência sobre a gestão. Investimentos no exterior também estão descartados. “Somos do Brasil e temos foco no Brasil”, disse. O executivo reconheceu que a combinação de todos esses elementos não é simples, mas ponderou que a Itaúsa não tem pressa e que se não for possível encontrar esses ativos a holding fica como está e distribui mais dividendos. Segundo o executivo, há dois ou três investimentos no radar neste momento. São operações cujo crescimento pode ser alavancado com aporte primário da holding, acrescentou, sem detalhar. De acordo com ele, a companhia está em busca de diversificação, mas não pretende que haja uma diluição relevante do peso que o Itaú Unibanco tem em seus resultados. “Vemos o Itaú como um grande ativo da Itaúsa. Não queremos diluição relevante”, disse. “O banco vai passar por essa onda de digitalização e vai sair fortalecido, com participação grande de mercado nos próximos anos.” Setubal explicou que o tíquete médio de R$ 1,5 bilhão a R$ 2 bilhões previsto para investimentos da Itaúsa não é algo engessado - pode ser maior. O importante, segundo ele, é que sejam investimentos no bloco de controle de empresas familiares brasileiras. Para o executivo, aportes nessa faixa são relevantes no Brasil, mas pouco significativos para adquirir ativos no exterior. Alfredo Setubal, presidente da Itaúsa, considera exagerado o desconto das negociações da holding na bolsa. Setubal descartou fazer investimentos em startups e fintechs e disse que tudo o que for do setor financeiro fica a cargo do Itaú Unibanco. “A Itaúsa está mais voltada aos setores industrial e de serviços”, afirmou. Ele apontou o segmento de energia como um dos que estão no radar da Itaúsa. A companhia aguarda a aprovação do Cade para o investimento que fez na Copagaz, que lhe dará 49% da empresa resultante, a NTS. Quando isso acontecer, o primeiro passo será reduzir o endividamento dessa operação, mas em três ou quatro anos será possível pensar em outros investimentos no setor de energia, e não apenas no segmento de GLP. O presidente da holding mencionou ainda os segmentos de educação, saúde e saneamento. De acordo com Setubal, a companhia participa neste momento de 18 a 20 processos não vinculantes (acordos de confidencialidade, ou NDA na sigla em inglês) de fusões e aquisições. Desses, a companhia tem a expectativa de que uns dois ou três resultem em investimento, o que não necessariamente acontecerá ainda em 2020. “Até uns anos atrás, a gente tinha um portfólio estático e não éramos vistos pelos bancos de investimento e pelos gestores de private equity como investidores”, afirmou a jornalistas. “Agora, a gente entrou no circuito.” 9/23/2020 Itaúsa quer ter portfólio de 10 a 12 empresas nos próximos 4 anos, diz Setubal . Setubal também apontou o setor de energia limpa como outro dos que interessam à Itaúsa. Nesse caso, eventuais investimentos deverão ser feitos por meio da Copagaz, que o grupo pretende transformar numa plataforma com atuação além do GLP. O executivo disse que, antes disso, a companhia aguarda a aprovação da transação envolvendo Copagaz e Liquigás pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Depois disso, deverá ser feita uma emissão de R$ 1,4 bilhão em debêntures. O executivo reiterou ainda que pretende fazer com que a Copagaz se torne, nos próximos anos, uma plataforma de energia - e não apenas de operações de GLP. Ainda de acordo com Setubal, o grupo tem interesse em exercer o direito de preferência na compra dos 10% do NTS colocados à venda pela Petrobras. Valor de mercado De acordo com Setubal, as companhias investidas “geram muito valor para o acionista” e, portanto, as ações da holding têm sido negociadas com desconto na bolsa. O executivo destacou que o valor líquido dos ativos do portfólio está em R$ 96,4 bilhões, enquanto o valor de mercado da Itaúsa é de R$ 79,3 bilhões, o que representa um desconto de 17,7%. Embora esse percentual venha se reduzindo, Setubal o classificou ainda como “exagerado” e o atribuiu a dois fatores. Um deles é tributário, pois a companhia recebe juros sobre o capital próprio das empresas do portfólio e acaba retendo impostos, o que acaba sendo menos eficiente para os acionistas. “A nova proposta do governo minimiza bastante esse impacto. Vamos ver como vai ser aprovada no Congresso”, ponderou. O outro motivo são os custos da própria holding, que neste ano devem girar entre R$ 350 milhões e R$ 400 milhões para manter a estrutura da empresa. “O desconto deveria ser muito menor, porque as companhias em que a gente participa estão criando muito valor para acionistas”, disse. Setubal destacou ainda que preocupações socioambientais estão presentes no grupo há décadas, e lembrou que o Itaú, a holding e as famílias doaram R$ 1,5 bilhão na pandemia. Em Política Itaúsa elogia programa de trainee só para negros do Magazine Luiza, Alfredo Setubal, presidente da Itaúsa, afirmou que projeto "será um gatilho de motivação para mais e mais empresas".

Nenhum comentário:

Postar um comentário