terça-feira, 15 de setembro de 2020

Governo Bolsonaro cresce nas pesquisas. Quem perde e quem ganha?

Pesquisa da XP mostra imagem positiva do governo Mesmo sendo uma pesquisa por telefone e com apenas mil pessoas, ela sinaliza uma realidade... é o quinto levantamento consecutivo em que há aumento no grupo que aprova o governo e redução no que reprova. Considerando que estamos começando formalmente as campanhas para prefeitos e vereadores, o fato de o tempo ser curtíssimo tende a beneficiar quem está no cargo. Há de se considerar a conjuntura volátil que vivemos. Seja em função da pandemia com as mortes, seja em função do desemprego e da recessão econômica. É uma pena que não tenha sido incluído na pesquisa consultas sobre o Judiciário. O sistema jurídico nacional está interferindo mais na política e na gestão do país do que o sistema legislativo e até mesmo o executivo. Vejam a íntegra da apresentação da pesquisa XP Ipespe: “A rodada de setembro da pesquisa XP Ipespe mostra que, pela primeira vez desde maio de 2019, a aprovação ao presidente Jair Bolsonaro está numericamente acima de sua reprovação: são 39% os que veem o governo como ótimo ou bom (2 pontos percentuais a mais que o levantamento de agosto) e 36% os que o veem como ruim ou péssimo (1 p.p. a menos). Este é o quinto levantamento consecutivo em que há aumento no grupo que aprova o governo e redução no que reprova. Foram realizadas 1.000 entrevistas de abrangência nacional, entre os dias 8 e 11 de setembro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. Os entrevistados voltaram a apresentar uma nota a diversas personalidades da política. Como destaque, caiu de 6,5 para 5,7 a nota atribuída a Sergio Moro e cresceu de 4,7 para 5,1 a de Bolsonaro. Em relação à pandemia de coronavírus, foi mantida a tendência observada desde junho, com aumento da fatia da população que considera que o "pior já passou" -- são 60% em setembro contra 52% em agosto. E, especificamente sobre a ação de Bolsonaro para enfrentamento à crise, foi mantida a tendência de alta nos que a consideram ótima ou boa (de 24% para 28%) e estabilidade nos que a veem como ruim ou péssima (de 50% para 49%). REFORMAS Os entrevistados foram questionados também sobre a reforma administrativa em discussão no Congresso. Desde novembro de 2019 -- último levantamento em que a questão foi feita -- cresceu o grupo favorável à flexibilização de regras sobre a estabilidade do servidor público (52% antes e 56% agora) e diminui a fatia favorável à manutenção das regras atuais (39% para 32%).”

Nenhum comentário:

Postar um comentário