quarta-feira, 27 de maio de 2020

Impressões da primeira guerra mundial

Quatro volumes de tragédias, que se repetem...

Ler os quatro volumes do livro "A História da Primeira Guerra Mundial", de autoria do historiador e professor David Stevenson é tomar um banho de informações, muitas delas que a gente está vendo pela primeira vez...

Como o clima no Brasil é de duas guerras simultâneas, uma contra o virus e os milhares de mortes, e a outra é a guerra declarada pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, contra o povo brasileiro, contra a imagem do Brasil a nivel internacional...

Por enquanto, estamos perdendo nas duas...

Hoje morreram mais de mil brasileiros, e ficamos sabendo de amigos e parentes que se contaminaram e outros que morreram... tudo em função da ausência do governo federal...

Hoje, além de poder ler os jornais sobre a concordata da LATAM, pudemos dar uma olhada nas notícias sobre o Rio de janeiro... 1 - a PF, a pedido dos amigos do presidente, está investigando a família do governador do Rio; 2 - ficando sabendo da notícia de que uma senhora foi assaltada num estacionamento de um supermercado; 3 - o presidente diz agora a PF começou a funcionar; 4 - os policiais do Rio mataram um jovem adolescente ao atirar indiscriminadamente numa casa...

Se estas guerras atuais que enfrentamos no Brasil são chocantes, imaginem como foi a primeira guerra mundial.

1 - Cada batalha morriam centenas de milhares de cada lado,
2 - jovens universitários, como voluntários, morriam com seus sonhos de liberdade e de defender sua pátria;
3 - conviveram com a gripe espanhola que matou tanto quanto a guerra;
4 - por demorar vários anos, muitos morreram por doenças e alimentação estragada;
5 - navios mercantes e navios de guerra eram bombardeados e seu tripulação morria aos milhares;
6 - os dois lados usaram bombas de gás contra as pessoas;
7 - a guerra começou, aparentemente, por birra, mas virou uma guerra mundial...

Alguns aspectos mais sutis, porém, tão importantes como os fatos:

1 - É vergonhoso quando lemos quais eram os objetivos de cada país para a guerra, breve vou relatar alguns exemplos...

2 - É muito curioso como os filmes e os livros são usados para reforçar imagens negativas de um povo ou de seus exércitos.

2.1 - "os italianos são ruins de guerra", mas ninguém registra que o império mais importante do mundo ocidental foi o Império Romano, que serviu de base para a cultura, o direito, as guerras, e língua falada. Além das massas, do povo bonito e alegre...

2.2 - O mesmo acontece em relação aos franceses. A imagem passada é que, sozinhos, eles perdem sempre, principalmente se a guerra for contra os alemães... Pouco se fala das Guerras Napoleônicas...

2.3 - Em relação aos alemães, sempre se passa a imagem de que eles são bárbaros, violentos por formação e só pensam em dominar o mundo...

2.4 - Quanto aos japoneses, a imagem é que são imperialistas por formação e oportunistas, negociando cada guerra conforme seus interesses, é como no futebol que se diz "vira casaca"... só querem levar vantagem...

2.5 - Os russos, ah, os russos, além de blefadores, Lênin é visto como oportunista, que só pensava em ficar no poder. Mas quem conhece a história da Rússia, sabe que eles tiveram mais vitórias que derrotas.


3 - Em relação ao resultado da guerra, a impressão que ficamos é que todos perderam, mas, houve alguns sucessos relevantes, por exemplo, foi o período final das monarquias imperiais e o crescimento das democracias parlamentar, com presidentes e primeiros ministros substituindo os reis. Como o processo foi mal resolvido, o principal resultado foi que, poucos anos depois, começou outra guerra mundial que repetiu tudo que aconteceu na primeira, de forma muito mais violenta e matando muito mais gente.


Conclusão:

A primeira guerra abriu caminho para a segunda guerra mundial, que deixou como resultado uma Guerra Fria, que deu lugar a uma "Guerra Invisível"...

Esta guerra invisível, que os governos dos países ricos preferem ditaduras servis à democracias autônomas, combinada com as pandemias e com a capacidade destrutiva das bombas atômicas, pode agilizar o nosso fim, como espécie. Ou o fim do Planeta Terra.

Alguns cientistas dizem que os humanos são metade racionais e metade irracionais. Que o homem continua a ser o lobo do homem.

Ainda temos muito o que aprender sobre a vida, sobre a individualidade e a coletividade, sobre o que é liberdade e o que é segurança. Precisamos refletir muito sobre as formas de governos e de sociedades. A ONU perdeu sua importância, mas devemos pensar em consolidar espaços coletivos de troca de experiências e de troca de conhecimento.

Só sei que, ao final de quatro volumes sobre a primeira guerra mundial, recluso na quarentena por causa do virus, não sei o que é mais difícil: enfrentar o virus ou enfrentar a violência humana...

Nenhum comentário:

Postar um comentário