quinta-feira, 21 de maio de 2020

A pandemia atual, a Gripe Espanhola e as guerras

O que leva as pessoas a erguer e destruir coisas belas?

Meu irmão que é físico, graduação e mestrado na USP e doutorado em Nagoya - Japão, costuma dizer que as pessoas "não inventam, as pessoas descobrem". Por exemplo, a lei da gravidade foi descoberta ao se observar uma maçã cair... ou que, quando entramos numa banheira cheia d'água, o nível da água sobe proporcional ao volume do nosso corpo...

Os homens descobriram as guerras, que começara pela sobrevivência e depois se generalizou para a disputa de poder, de dominação e de irracionalidade...

Vivemos momentos terríveis enfrentando uma pandemia que paralisou o mundo. Coisa que nenhuma pessoa tinha conseguido até agora... Os cientistas ainda não descobriram a vacina e os remédios necessários para combater a coronavirus...

Tivemos duas grandes guerras que "quase pararam o mundo ou destruiram o planeta Terra..."

Como castigo, por ainda não ter impedido o crescimento do virus, somos obrigados a ficar em quarentena. Estou desde o dia 05 de março em casa, saindo somente para ir até a esquina no mercadinho ou na farmácia da rua de baixo. Entre todas as tarefas diárias, leio todos os jornais, dou umas olhadas nos noticiários e escrevo "o resumo do dia"...

Uma das tarefas mais importantes, além de cuidar do jardim e das flores, é LER LIVROS... além de todas as outras leituras. O livro é uma das coisas sagradas, divinas, que a humanidade "inventou" ou "descobriu".

Por exemplo, estou trabalhando no quarto da nossa filha, que, mesmo já sendo casada e tendo sua própria casa, para nós, o quarto continua sendo dela. Mesmo porque ainda tem roupas, calçados... e livros. Entre tantos livros da nossa filha, deparei-me com um livro que é uma das maravilhas da humanidade: ODISSEIA Homero. Uma edição lindíssima da Cosac Naify.

Mas o livro, ou os livros que resolvi priorizar nestas férias compulsória e claustrofóbica é a coletânea de quatro volumes, A HISTÓRIA DA PRIMEIRA GUERRA MJUNDIAL, escrita por David Stevenson, professor inglês de grande sabedoria... Talvez influenciado pelo hábito atual de ler jornais de trás para frente, porque nos jornais, o fim é onde tem cultura e lazer, enquanto que o começo tem política medíocre, li o quarto volume "O LEGADO", que é muito bom e atual...

Hoje acabei o terceiro volume, e, que trata da guerra ou das guerras nos anos 17 e 18, isto é, 1917 e 1918... Devorei o livro, dia e noite lendo, lendo e lendo, tentando entender a lógica daquelas guerras e de seu poder de destruição...

Louco para saber como seria o final, como os vencedores comemoraram, como foram as festas, etc. Quando cheguei ao fim, levei um susto imenso.

Vou reproduzir uma boa parte das considerações finais do autor do livro, proféticas...

"Às 11h00 do dia 11 de novembro (de 1918), quando os canhões ao longo da Frente Ocidental por fim silenciaram. Foi um momento excepcional, embora celebrado com menos entusiasmo pelos soldados dos Aliados em campo, que pelas multidões febris em PARIS e LONDRES.

Contudo, no final de outubro, a PANDEMIA DA GRIPE ESPANHOLA matava 7 mil pessoas por semana na Grã-Bretanha, e no total, DIZIMOU 500 MIL VIDAS AMERICANAS, excedendo as mortes dos Estados Unidos em batalha nas duas guerras mundiais, na Coreia e no Vietnã, CONSIDERADAS COMO UM TODO.

No mundo todo o número de fatalidades EXCEDEU as mortes na guerra e pode ter atingido 30 milhões.

NÃO HAVIA DEFESA MÉDICA PARA A DOENÇA.

Suas vítimas morriam em meio a dores e amiúde à imundície.

Sua incidência não estava diretamente ligada ao conflito ou à má nutrição causada pela pela guerra.

Sua DISSEMINAÇÃO foi facilitada pela proximidade forçada de centenas de milhares de homens em serviço de trincheiras, hospitais, trens e navios de passageiros.

Contudo, a pandemia foi eclipsada pela guerra na época, pois ela talvez fosse uma calamidade natural, e não produzida pelos homens.

NOVEMBRO DE 1918, foi uma época estranha, triste, outro momento de HISTERIA em massa, mas muito diferente daquela de julho de 1914.

A matança agora cessaria, e isso parecia razão suficiente para celebrar... fazendo surgir esperanças não mais vistas desde 1848 e novamente até 1989.

Nenhum relato do impacto e do significado do conflito pode estar completo sem a abordagem do que se seguiu a ele e de seu legado ENVENENADO.""


Um livro tão impressionante, tão importante, e, a última palavra escrita é ENVENENADO.

Os Estados Unidos foram imprescindíveis para derrotar os alemães tanto na primeira como na segunda guerra mundial, a recompensa por tão importante missão foi tornar-se o mais importante país no século XX.

Nova pandemia tomou conta do mundo e o país mais afetado é exatamente os Estados Unidos. E o seu presidente não é nenhum líder histórico como muitos, o presidente que convive com tantas mortes nos Estados Unidos é um louco que está destruindo a boa imagem que os americanos construíram de seu país.

E este louco, chamado Trump, com medo de perder as eleições presidenciais, fica provocando a China e o mundo, querendo inventar novas guerras...

Nenhum comentário:

Postar um comentário