domingo, 26 de abril de 2020

Governo precisa chegar ao fim...

Como contribuir para combater o virus e o desgoverno...

O jornalista Marcelo Leite escreveu um bonito artigo na Folha deste domingo. Como ficou relativamente longo e o espaço neste blog é pequeno, tirei os dois primeiros parágrafos e reproduzi abaixo esta mensagem de sabedoria e bom senso.

"Governo desnaturado chega ao fim""

Artigo de Marcelo Leite, Folha, 26/04/2020.

Enquanto fazia o pronunciamento de sexta-feira (24) sobre "a verdade" acerca da debandada ministerial, o mundo se aproximava de 3 milhões de portadores de Covid-19 e 200 mil mortos. No Brasil, já eram mais de 53 mil infectados e 3.670 os mortos com o que o presidente teve a indignidade de chamar de "gripezinha".

Confiando em enganadores do quilate do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), comparou-a com o surto de influenza H1N1 em 2009. Nessa outra pandemia, morreram 18 mil pessoas em 2009/10, no mundo todo. Em apenas 4 ou 5 meses, o CoV-2 matou dez vezes mais, e nem sinal de parar.

Bolsonaro e seus filhos são sociopatas, gente sem responsabilidade moral nem consciência. Pouco lhes importa que garimpeiros estejam levando o Sars-CoV-2 para terras indígenas, ou que o vírus tenha tirado a vida de Alvanei Xirixana, 15.

Pouco lhes importa que tenham morrido Naomi Munakata, Moraes Moreira e Rubem Fonseca, enterrados sem uma palavra de luto presidencial. Pouco se importarão se a Covid-19 levar Aldir Blanc.

Pouco lhes importa que o coronavírus inicie sua marcha macabra sobre prisões superlotadas, bairros pobres e abrigos de idosos. Pouco lhes importa que os hospitais de Manaus e Belém se encontrem em colapso e que essas cidades arrisquem repetir as cenas tétrica de Guayaquil, no Equador.

Pouco lhes importa que o desmatamento esteja em disparada na Amazônia. Tampouco lhes importa que o sinistro ocupante da pasta do Meio Ambiente tenha anistiado, na calada da noite epidêmica, derrubadas ilegais em áreas de preservação permanente de mata atlântica que ajudam a regularizar recursos hídricos.

Natureza, índios, velhos, prisioneiros, médicos, enfermeiros "“que morram. O gabinete do ódio não é uma salinha do palácio do Planalto de onde o filho 02 comanda uma rede de robôs e boçalminions, mas o próprio coração do presidente.

Que outro governante se preocuparia, com uma epidemia a galopar, em suspender restrições para a importação de armas de fogo e a quantidade de projéteis que podem ser adquiridos no comércio? Ou em desfiar lamúrias sobre namoro não investigado do filho 04, no dia da maior crise de seu governo?

A cara de velório do ministro Nelson Teich durante o pronunciamento de Bolsonaro na sexta-feira diz tudo. Foi mais elucidador do que quando acacianamente explicou que, se a epidemia de Covid-19 exibir tendência de aumento, haverá mais casos a cada dia.

A pasta da Saúde é, no presente, a mais importante do governo federal. E o que há lá é um pau-mandado que tem a desfaçatez de anunciar ter dobrado de 23 milhões para 46 milhões os testes providenciados para detectar coronavírus ou anticorpos contra ele.

É uma besteira sem tamanho, mesmo que seja verdade. Nenhum país do mundo testou quase 1/5 de sua população, um despropósito. Mas nenhum país importante do mundo tem um presidente desnaturado como Bolsonaro.

Marcelo Leite
Jornalista especializado em ciência e ambiente, autor de “Ciência - Use com Cuidado”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário