sábado, 11 de abril de 2020

Bolsonaro: Louco sob controle ou louco descontrolado?

Venderam "gato por lebre"

Durante a campanha eleitoral houve um acordo entre os apoiadores de Bolsonaro que "posto Ipiranga" faria o papel de conter os impulsos de loucura de Bolsonaro. Não era apenas na economia, mas valia também para as questões internacionais, as questões paramilitares, evangélicas, etc...

Mas, no meio do caminho tinha uma pedra, como disse Drumond, como exercer as funções de presidente, governador ou prefeito exige além de capacidade de discurso, exige muito mais capacidade de unir as pessoas buscando as melhores propostas para cada situação?

Nem Bolsonaro, nem seus apoiadores imaginaram que, no meio do caminho - ou do mandato, apareceria a maior epidemia dos últimos séculos. O homem que já é um doido médio, surtou de vez e, sob pressão, ataca a todos e mais desorganiza do organiza.

Agora, vivemos com o dilema: Enfrentamos o virus invisível, tendo que enfrentar também as provocações de Bolsonaro; ou, para salvar milhares de brasileiros, se agiliza um mecanismo que impeça Bolsonaro de atrapalhar ou prejudicar intencionalmente os esforços médicos.

Cada vez que Bolsonaro vai passear pelas lojas de Brasilia, cada vez que ele limpa o nariz e abraça seus apoiadores, os especialistas entram em pânico! Além de louco, Bolsonaro é provocador... E os mortos vão aumentando, para mais irritação do presidente.

E o quadro vai piorando porque, ante a dimensão da crise, a instabilidade do presidente e a recessão econômica profunda que tomou conta do Brasil, o "posto Ipiranga" mostrou-se como um "blefe", isto é, o ministro da Fazenda também entrou em pânico e correu para casa... abandonou o barco.

A questão do impedimento do presidente não é política,

É QUESTÃO DE CALAMIDADE PÚBLICA.

Também não é uma questão religiosa. Nem de preconceito.

É QUESTÃO DE VIDA OU MORTE.

Ou impedimos este presidente louco de atrapalhar a campanha contra o virus, ou muito mais gente vai morrer.

Até a imprensa internacional agora publica diariamente reportagens mostrando nosso presidente como insano...

Afinal, o Brasil comprou "gato por lebre".

O Brasil elegeu uma pessoa de personalidade forte, porém, incapaz de administrar o Brasil em situação de crise. Como Nero, o imperador romano, Bolsonaro quer mais é ver o circo pegar fogo, porque assim ele vai dizer que a culpa é da Folha, é da Globo, é do PT, é dos governadores...

Louco por louco, eu prefiro ouvir os especialistas, quero dar condições para os profissionais de Saúde terem segurança e condições de trabalho, quero voltar a trabalhar com os cuidados para evitar contaminação, quero voltar a dormir sem ter medo de mandar um abraço para os amigos e parentes.

SAÚDE É COISA MUITO SÉRIA.

Se se pode trocar de médico, primeiro eu quero trocar de presidente!




Nenhum comentário:

Postar um comentário