quinta-feira, 30 de abril de 2020

Dia das Mães com 10 mil mortes no Brasil

Brasil caminha para mais de 10 mil mortes até dia 10 de maio

Finalizando o mês de Abril com média de 452 mortes por dia

Os números geralmente nos ajudam a prever situações boas ou ruins.
E não precisa ser carteado nem jogo de magia.

Vejamos números dos três últimos dias do mês de Abril/2020...

Dia 28 - terça-feira, morreram 474 - totalizando 5.017 mortes - QUANDO PASSAMOS A CHINA (4.643).

Dia 29 - quarta-feira, morreram 449 - totalizando 5.466 mortes;

Dia 30 - quinta-feira, morreram 435 - totalizando 5.901 mortes.


A soma dos três últimos dias é de 1.358 mortes, a média é de 452,66 mortes.

Se pegarmos esta média e multiplicar por 9 dias de maio chegaremos ao dia das Mães com 4.074 + 5.901 = 9.975 mortes.

E assim no dia 10 de Maio, estaremos passando de 10 mil mortes no Brasil.


As Mães não merecem isto!

As Mães merecem boas notícias!

As Famílias merecem boas notícias!

O Brasil merece boas notícias!


Vamos parar de brigar, e vamos trabalhar unidos pela Saúde, pela Família, pelo Emprego e pelo Brasil.

Displicência de Trump levou a morte de 60 mil americanos

A guerra do Vietnã ficou menor que a guerra contra o Virus

Lamentavelmente já morreram mais americanos em função do VIRUS, que o total de americanos que morreram na guerra do Vietnã.

Os soldados americanos que morreram no Vietnã tiveram grande significado na História dos Estados Unidos. Além de ser a primeira derrota militar sofrida pelas Forças Armadas americanas, foi a primeira guerra transmitida pela televisão. Muitas vezes, ao vivo...

Foram dois traumas para os americanos.

Além de engolir sua primeira derrota, o povo americanos e o mundo viram filmes, reportagens e fotos de seus patriotas sendo feridos, morrendo, perante o mundo... Lembram do filme Forest Gump? E tantos outros filmes...

Não sei quantos filmes os americanos farão abordando o coronavirus. Vai precisar de muitos...

Trump, com toda sua onipotência, morrerá e ficará para a história como o presidente do país mais poderoso do mundo que foi desacreditado por ter ignorado a importância e a capacidade de matar gente do coronavirus. Uma gripinha como disse seu amigo e colega brasileiro, presidente Bolsonaro.


Precisamos ser solidários com o povo americano e de todos os países que estão sofrendo com o Virus.

Mas, precisamos também aprender com a ciência e com os exemplos que a vida nos dá. Tudo indica que Trump não será reeleito nas eleições presidenciais deste ano.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Brasil aumenta a confusão entre os poderes

Todo mundo quer mandar e dar palpite

O STF empatou o jogo entre Bolsonaro e Moro.

Bolsonaro estava conseguindo trocar as pessoas no Ministério da Justiça e Moro estava ficando fragilizado, ou, como se dizia antigamente - com a brocha na mão.

As forças ocultas mais uma vez intervieram no processo e deram sinais para o ministro Moraes "acatar" um pedido de "suspeisão" sobre o candidato indicado por Bolsonaro.

É jogar na confusão.

O candidato é realmente amigo do filho do presidente que também é parte importante no processo. Bolsonaro forçou a mão, isto é, tentou impor o seu nome, aumentando a impressão que ele quer governar acima de todos e da lei...

Como diz José Simão: Também, com este nome! Ramagem, é isto?

Bolsonaro, o presidente, irritado diz que vai recorrer, mas já vai falando e hostilizando o ministro Moraes... Juiz calmo já é complicado, irritado é voto contra...

E vamos ficando com a sensação de viver num país onde todo mundo quer mandar, quer dar palpite...

Isto tudo é um aprendizado muito importante. Tem gente achando que Bolsonaro não sai, eu acho que "Está na mão de Deus",
se Bolsonaro se acalmar ele fica até o final do mandato, se continuar como anda atualmente, ele não acaba o mandato presidencial.

E aí vamos ter aguentar o Morão????

Vocês têm ideia de quem é o Mourão? Do que é conviver com ele todos os dias?

Estamos todos numa confusão só, o que é lamentável.

Eu toparia fazer um grande acordo nacional, com representantes de todos os setores da sociedade, e construiria um Plano de Pacificação Nacional, que priorize a defesa da Saúde, da Vida, da Educação e da infraestrutura de qualidade.

Falando sério, tanto o presidente, como o Congresso Nacional e o Judiciário estão jogando mais na confusão do que na pacificação do Brasil.

As Centrais Sindicais, neste primeiro de Maio estão fazendo uma grande manifestação on line conclamando a unidade nacional em defesa da Saúde, do Emprego e da retomada do crescimentos econômico.

Entrem nos sites das centrais sindicais, entrem no site da CUT, da Força, da UGT, da CTB, da Intersindical e vejam com seus próprios olhos.

Um outro Brasil é possível.

terça-feira, 28 de abril de 2020

Brasil passou a China em número de mortes com o virus

Brasil bate novo recorde!

Recordes NEGATIVOS...

Os tetos numéricos vão sendo superados a cada semana. Lembram dos números Mappim?

100, 200, 500, 1000, 1500, 2000, 2500, 3000, 4000, agora chegamos a 5000.

Ao superar as 5000, isto mesmo, 5 mil, mortes, o Brasil conseguiu bater dois recordes...

Bateu um recorde sobre se mesmo e bateu outro recorde ao SUPERAR A CHINA, em número de mortes.

A China teve até agora, 4.643 mortes, enquanto que o Brasil já chegou a 5.017...

Vamos trabalhar, rezar e ajudar a todos os brasileiros para diminuir o ritmo de mortes. Não podemos, nem queremos chegar a quantidade mortes dos Estados Unidos. Lá já passou de 53 mil mortes. Mais do que morreram na guerra do Vietnã.

Nós queremos Viver, saudáveis e felizes!

Não queremos morrer...

Vamos salvar o povo brasileiro!

Vamos salvar o Brasil...

Saiu Moro, entrou Mendonça. Bolsonaro ganhou a jogada

Rei posto, rei morto...

Tudo indica que, em poucos dias, Moro não fará tanta falta no Ministério da Justiça...

O novo nome, além de profissionalmente ser uma pessoa reconhecida, Mendonça não apresenta sinais de que vai querer fazer sombra ao presidente da República e nem vai ficar fazendo palestras como novo salvador da Pátria...

O Brasil precisa, em primeiro lugar, combater o virus, ajudar as pessoas doentes e seus familiares, dar condições de trabalho aos médicos e demais profissionais envolvidos no tratamento, agir para diminuir o número de infectados.

O Brasil precisa voltar ao normal, as Escolas precisam voltar a funcionar, sempre garantindo que os alunos NÃO corram riscos.

O transporte coletivo é o ponto fraco na maioria dos Estados. Normalmente há superlotação e atrasos, maltratando os usuários. Os poderes públicos, mas as empresas, devem exigir dos empresários de ônibus que haja onibus regularmente e que não precisa de passageiros em pé. No início, intercalar pessoas nos assentos, isto é, um assento cheio e outro vazio, como já fazem algumas empresas...

O Metrô, que sempre foi eficiente, precisa dar mais um exemplo, continuar eficiente e ajudar a evitar com os passageiros corram riscos. O mesmo vale para os funcionários do Metrô e das empresas de Ônibus.

O comércio precisa ser cuidadoso. O comércio de bairro, é mais fácil de ser monitorado e evitar concentrações de clientes. Já os shopping centers, precisam ser mais estudado como proceder.

A área cultural vai continuar sendo sacrificada. Cinemas, teatros, salas de concertos, continuarão inviáveis voltar ao sistema tradicional. Talvez possa ser pensado em apresentações públicas, em locais abertos e mantendo-se distância entre uma pessoa e outra.

As Igrejas precisam continuar socorrendo a população, mas as missas e atos religiosos com muita gente ainda não é recomendável.

Tudo isto pode ser pensado e analisado coletivamente, envolvendo os poderes públicos, as empresas, as associações de moradores e entidades representativas dos trabalhadores e da sociedade. É preferível errar juntos, que acertar sozinho. Vamos evitar autoritarismos e demagogias. Vamos respeitar as pessoas e as necessidades que a pandemia nos apresenta.

Já quanto as loucuras do presidente Bolsonaro, ele bem que poderia usar este exemplo de pequenas vitórias, e evitar criar mais problemas. Aos poucos o Brasil vai perceber que Moro teve seu papel, sua importância, mas o presidente é mais demandado e tem mais responsabilidade que o ministro da Justiça.

Aprender com os erros, faz parte da aprendizagem democrática.

Só para os que não sabem, o novo ministro da Justiça é protestante da Igreja Prebisteriana, comunidade que tem longa tradição de seriedade no Brasil e no mundo.

segunda-feira, 27 de abril de 2020

2020 tem a ver com 1929?

A comparação é inevitável

Considero a comparação apenas de ano com ano - 2020 com 2029 - muito simplificada. Podemos dizer que 1929 com a quebra da Bolsa de Nova York, o mundo chegou a um ponto de inflexão não previsto na época. 2020, se for comparado como sendo também um ponto de inflexão, podemos aceitar a ideia...

Os pontos críticos da Europa, e por tabela, do mundo, foram as unificações da Alemanha e também da Itália. Estes dois novos países passaram a exigir um espaço na economia mundial que, para conseguir tinha que TOMAR DOS OUTROS... E tomar naquela época significava ter que ir à guerra de fato.

A Alemanha declarou guerra a França em 1870 a venceu, indo até Paris... De 1870 a 1914, a Alemanha cresceu regularmente, enquanto a França tentava recuperar um espaço internacional, mas já não tinha o mesmo fôlego que antes. Para vencer a guerra de 1914, a França precisou da ajuda determinante da Inglaterra e dos Estados Unidos. O que não contou em 1870.

No mano a mano, a Alemanha foi mostrando que "um contra o outro na Europa", só a Inglaterra poderia impedir vitória fácil.

Depois de 1914, a Europa e o mundo passaram por transformações irreversíveis...

- Já na primeira guerra mundial, como ficou conhecida a guerra entre Alemanha e Império Turco de um lado e França e Inglaterra do outro, mas contando com a participação direta e decisiva dos Estados Unidos, a Alemanha viu sua vitória escorrer entre os dedos. Estes perderam a guerra militar mas ganharam a guerra moral.

- A Rússia como sempre, vindo pelas beiradas, entrou no cenário internacional com a sua experiência comunista que assustou todo mundo. Além de derrubar o governo do czar, matou toda sua família, assustando muito tanto os monarquistas como os republicanos... Nem Napoleão assustava tanto quanto o tal do comunismo...

- A quebra da Bolsa de Nova York, embora o marco referencial seja em Nova York, nos Estados Unidos, esta crise econômica levou a Europa ao endividamento e a falta de liquidez, abrindo as portas para outras experiências totalitárias como o fascismo e o nazismo.

- O trauma da I guerra mundial ainda não estava cicatrizado e o revanchismo nazista obrigava os países a entrarem em nova guerra. O que ninguém queria, a não ser os próprios revanchistas.

- A vitória dos comunistas russos na guerra civil contra os países aliados aos que tentaram derrubar o comunismo, mesmo morrendo sete milhões de pessoas, possibilitou a construção de uma máquina de guerra para defender o governo e ao mesmo tempo inibir futuras invasões...

- A guerra civil espanhola serviu de ensaio de armas (modernas) e de técnicas psicológicas de quebra-de-autoestima dos adversários. Nesta guerra, os Estados Unidos, a Inglaterra e a França estiveram juntos com os nazistas e os fascistas, apoiando Franco alegando que a República era controlada pelos comunistas pró Rússia.

- Os filhotes de 1929, como o desemprego, a fome, o frio e a falta de perspectivas estavam provocando suas guerras locais e internacionais...

Quem tem fome, está desempregado, com fome e sem segurança, apoia que lhes promete tudo isto, mesmo que tenham que fazer novas guerras. Mas, só os revanchistas - Alemanha - queriam a guerra.

- A grande contribuição logística que os nazistas receberam foi o Japão, que tinham decidido ocupar a Ásia, tornando-a sua área de influência e controle.

- Aparentemente o mundo estava se desenhando para uma nova correlação de forças e novo modelo: A Europa para os alemães, a Ásia para os japoneses, as Américas para os americanos, deixando a África e a Índia para os ingleses... E tudo isto em nome de se combater o comunismo, materialista, que matava os ricos e destruía as Igrejas...


E ASSIM O MUNDO CAMINHOU PARA A MAIOR TRAGÉDIA DE SUA HISTÓRIA - A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL.


Em 2020, com o VIRUS, estamos conhecendo uma nova mudança de hegemonia. A China, a Alemanha e a Rússia, deixam de ser países de segundo plano, para serem países com mais poderes que a Inglaterra ou a França.

O virus, entre outras coisas, vai mostrando o fraco desempenho do governo americano para impedir que houvesse mais de 50 mil mortes no país. O virus está matando mais americanos do que a Guerra do Vietnã. A primeira guerra perdida pelos Estados Unidos.

Estamos caminhando para 2029...

Dizem que até 2029, pode vir uma segunda onda do virus e talvez uma terceira onda...

Ou a gente descobre vacinas eficazes contra os virus, como fizemos com as outras vacinas e outras doenças, ou podemos ser dizimados ser dar um tiro sequer... Podemos perder a guerra, não para um marciano ou extraterrestre qualquer, podemos perder nossa existência como espécie para os virus, inimigos invisíveis e imprevisíveis...

Tudo indica que, o que sobrar desta pandemia atual, obrigará a humanidade a buscar novos entendimentos e novas formas de paz, saúde e interdependência...

Como dizia Eric Hobsbawm, o século 21 não vai começar em janeiro de 2001, vai começar em 2029. Tendo o planeta Terra como nossa Pátria, ou como nosso cemitério...

Da mesma forma que reconstruímos o mundo depois da segunda guerra mundial, mais uma vez, reconstruiremos o mundo a partir de 2020 até 2029, buscando a paz, a saúde, a educação e a felicidade para todos.

Ou buscamos a Felicidade para todos,

Ou sucumbiremos no salve-se quem puder.


domingo, 26 de abril de 2020

Governo precisa chegar ao fim...

Como contribuir para combater o virus e o desgoverno...

O jornalista Marcelo Leite escreveu um bonito artigo na Folha deste domingo. Como ficou relativamente longo e o espaço neste blog é pequeno, tirei os dois primeiros parágrafos e reproduzi abaixo esta mensagem de sabedoria e bom senso.

"Governo desnaturado chega ao fim""

Artigo de Marcelo Leite, Folha, 26/04/2020.

Enquanto fazia o pronunciamento de sexta-feira (24) sobre "a verdade" acerca da debandada ministerial, o mundo se aproximava de 3 milhões de portadores de Covid-19 e 200 mil mortos. No Brasil, já eram mais de 53 mil infectados e 3.670 os mortos com o que o presidente teve a indignidade de chamar de "gripezinha".

Confiando em enganadores do quilate do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), comparou-a com o surto de influenza H1N1 em 2009. Nessa outra pandemia, morreram 18 mil pessoas em 2009/10, no mundo todo. Em apenas 4 ou 5 meses, o CoV-2 matou dez vezes mais, e nem sinal de parar.

Bolsonaro e seus filhos são sociopatas, gente sem responsabilidade moral nem consciência. Pouco lhes importa que garimpeiros estejam levando o Sars-CoV-2 para terras indígenas, ou que o vírus tenha tirado a vida de Alvanei Xirixana, 15.

Pouco lhes importa que tenham morrido Naomi Munakata, Moraes Moreira e Rubem Fonseca, enterrados sem uma palavra de luto presidencial. Pouco se importarão se a Covid-19 levar Aldir Blanc.

Pouco lhes importa que o coronavírus inicie sua marcha macabra sobre prisões superlotadas, bairros pobres e abrigos de idosos. Pouco lhes importa que os hospitais de Manaus e Belém se encontrem em colapso e que essas cidades arrisquem repetir as cenas tétrica de Guayaquil, no Equador.

Pouco lhes importa que o desmatamento esteja em disparada na Amazônia. Tampouco lhes importa que o sinistro ocupante da pasta do Meio Ambiente tenha anistiado, na calada da noite epidêmica, derrubadas ilegais em áreas de preservação permanente de mata atlântica que ajudam a regularizar recursos hídricos.

Natureza, índios, velhos, prisioneiros, médicos, enfermeiros "“que morram. O gabinete do ódio não é uma salinha do palácio do Planalto de onde o filho 02 comanda uma rede de robôs e boçalminions, mas o próprio coração do presidente.

Que outro governante se preocuparia, com uma epidemia a galopar, em suspender restrições para a importação de armas de fogo e a quantidade de projéteis que podem ser adquiridos no comércio? Ou em desfiar lamúrias sobre namoro não investigado do filho 04, no dia da maior crise de seu governo?

A cara de velório do ministro Nelson Teich durante o pronunciamento de Bolsonaro na sexta-feira diz tudo. Foi mais elucidador do que quando acacianamente explicou que, se a epidemia de Covid-19 exibir tendência de aumento, haverá mais casos a cada dia.

A pasta da Saúde é, no presente, a mais importante do governo federal. E o que há lá é um pau-mandado que tem a desfaçatez de anunciar ter dobrado de 23 milhões para 46 milhões os testes providenciados para detectar coronavírus ou anticorpos contra ele.

É uma besteira sem tamanho, mesmo que seja verdade. Nenhum país do mundo testou quase 1/5 de sua população, um despropósito. Mas nenhum país importante do mundo tem um presidente desnaturado como Bolsonaro.

Marcelo Leite
Jornalista especializado em ciência e ambiente, autor de “Ciência - Use com Cuidado”.

A censura continua... mas o Brasil não pode parar.

Quarentena dificulta saber as coisas

Desde quando começou a crise da demissão do ministro da Justiça que meu blog caiu de mil acessos por dia para apenas 30 ou 40... Enquanto a crise era com o ministério da Saúde, não houve problemas...

Como vivemos num país cheio de loucos, fica tudo ainda mais difícil.

Por exemplo, o comportamento do presidente da República é de uma insanidade sem fim.

Mas, o comportamento do ex-ministro da Justiça também não é normal...

O ministro da Fazenda, ou da Economia, nem sei como se chama... também não demonstra sanidade...

Talvez o melhor seja realmente o presidente renunciar, negociar uma aposentadoria com benefícios de ex-presidente, e uma Comissão de Emergência assume junto com o vice atual e vamos priorizar o combate ao virus e ao desemprego...

Ainda precisa ser negociado com o Congresso Nacional, com o Centrão, com os presidentes da Câmara e do Senado, com o STF e as demais instituições democráticas...

Como hoje é domingo, o número de mortes caiu para 189, totalizando 4.205 mortes e 61.888 infectados.

A Folha de São Paulo continua dando ótima cobertura nacional, mostrando familiares, profissionais de todas as áreas e procurando ajudar os leitores a entender cada situação.

Quem souber como eu faço para desbloquear meu blog, por favor me envie notícias. Enquanto isto, eu vou escrevendo para registro...

sábado, 25 de abril de 2020

Jornal diz que Moro grampeou o presidente Bolsonaro

Os advogados dizem que Moro grampeia, edita, manda para imprensa e depois dá a sentença

Já estão questionando também os "sorteios de relatores" de processos no judiciário. O pessoal é bom nos resultados, ainda bem que eles não jogam na megasena...

O interessante é que as informações bombásticas de Moro sempre vão primeiro para Rede Globo. Aí você entende do porque o Jornal Nacional dá uma hora de defesa de Moro e de críticas a Bolsonaro. Isto em banco chama-se reciprocidade...

Vamos ver o que vai bombar amanhã na Folha, no Globo, no Fantástico, nas redes sociais...

Pior do que o virus corona, é a guerra dos políticos brasileiros.

Cadê o Boris Casoy?

Isto é uma vergonha!

Eu quero morrer amigo de Moro e da Globo...

E o Brasil chegou a 4.000 mortes

Enquanto o povo morre, os políticos brigam e se acusam...

Vejam os efeitos dos números Mappim.

Eu previ que ontem, dia 24, estaríamos chegando a 3.500 mortes. Hoje fomos informados pelo Ministério da Saúde que o número do dia é 357, totalizando 4.016 mortes e 58.509 infectados...

O curioso foi que, a variação dos números de mortes e a briga no governo, as Forças Ocultas censuraram meu noticiário no blog, derrubando de mil acessos por dia, para apenas 50...

Em época eleitoral no Brasil e nos Estados Unidos e em crise política interna, o Facebook e outras empresas que controlam o sistema on line conseguem fazer milagres...

Vamos ver quando eu vou voltar ao normal.

Hoje os jornais estavam de porre da briga de Moro com Bolsonaro.

O Jornal Nacional ontem deu mais de uma hora de defesa de Moro e ataques a Bolsonaro. Feito com muita categoria. Quanto será que estava o índice da audiência?

A Folha de hoje parecia um Diário Oficial, cheio de informações, tabelas, editoriais, mas eu não consegui chegar a conclusão de qual é a posição da Folha.

A Folha é a favor ou contra o impeachment de Bolsonaro?

Eu até aceito a ideia do impeachment, mas o Congresso Nacional, ouvindo o povo brasileiro, tem que melhorar o sistema de governo e de partidos politicos.

Este negócio de derrubar governo toda vez que é minoria vira baixaria e desonestidade.

Vamos salvar o povo brasileiro!

Vamos garantir testes para todos!

Vamos garantir leitos para UTIs!

Vamos salvar o Brasil!

Estados Unidos vê as mortes passarem de 50 mil

Tantos mortos quanto a Guerra do Vietnã

O que houve com os Estados Unidos?

Será que foi displicência de Trump?

Perder 60 mil pessoas numa guerra visível, com endereço e nomes conhecidos, como foi a Guerra do Vietnã, é triste mas é compreensível.

Agora, perder mais de 50 mil pessoas enfrentando um VIRUS? É de chorar...

Algo muito grave está se passando nos Estados Unidos...

A mania de Trump menosprezar os outros países, a mania de querer brigar o tempo todo, parecendo Bolsonaro.

Ainda bem que vai ter eleições presidenciais nos Estados Unidos... Se o povo mantiver sua sabedoria, não vai aceitar qualquer tentativa de Trump ser reeleito. O povo tende a votar num democrata, mesmo que seja um poste.

Como diz o folclore: "Ou os americanos abrem os olhos, ou os chineses, com seus olhinhos e seus sorrisos, vão tomando o lugar dos americanos no mundo. E quando os americanos abrirem os olhos, será tarde demais.

O que está acontecendo com os Estados Unidos?

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Até o Moro resolveu bater no Bolsonaro...

Virus provoca Abstinência e leva o Brasil à loucura

O Satanás está solto. Ninguém entende ninguém.

Moro chutou o pau da barraca e liberou os demônios contra Bolsonaro.

E se um resolver contar tudo que sabe do outro? Como fica?

E a turma do "deixa disso", vai deixar correr solto ou vai tentar segurar as coisas?

A culpa disto tudo é, em primeiro lugar, do Virus, depois vem esta tal de quarentena, que obriga as pessoas a ficar dentro de casa dividindo espaço com gato, cachorro, família, televisão e celulares... Resultado: ninguém aguenta mais ninguém.

Estão dizendo que Moro fez isso porque é candidato a presidente em 2022.

Será que em 2022 estaremos todos vivos? Ou, até lá vai, além de conviver com o virus atual, vai aparecer a tal da Segunda Onda do Virus que dizem que é bem pior do que a primeira?

Ah, Carmen Miranda, quer dizer que andam dizendo por aí que o mundo vai se acabar?

E que o Satanás anda solto? Que, em plena quarentena, os canais de TVs passam filmes com sexo de todo jeito em qualquer horário? E dizem que é virtual? Que é muito natural...

Agora cresce a discussão sobre o impeachment de Bolsonaro.

Que ele merece ser impeachado, bem que merece.. Mas esta história de em cinco eleições presidenciais, você derrubar três presidentes é muito esquisito. Por que a cada campanha de impeachment o Brasil para e o povo sai perdendo...

O diabo é que Bolsonaro é louco, é teimoso, é desaforado, é chato, não protege os amigos, só quer proteger os filhos e aí os amigos vão virando inimigos, os aliados sérios vão saindo de mansinho e até os milicianos ficam assustados com tanta confusão.

Talvez o melhor para o momento seja, botar o Bolsonaro em quarentena, fechado, sem poder trabalhar ou atrapalhar ninguém, e forma uma comissão responsável por administrar o Brasil e combater o virus. Bota o homem em "licença médica" por tempo indeterminado. Pronto, ninguém pode dizer que ele foi empichado, mantém as aparências, Mourão assume, como interino, mas governa em conjunto com os ministros, os dirigentes das instituições e ouvindo a sociedade...

E enquanto Bolsonaro vai para quarentena, os governadores e os prefeitos combinam com os empresários, os trabalhadores e o judiciário uma proposta de abertura do comércio, da indústria e dos serviços em geral. Tudo lento e gradualmente, fazendo-se avaliações cidade por cidade, bairro por bairro...

Quando estamos falando de gente, é melhor errar juntos é melhor do que se acertar sozinho.

Este negócio de "salvadores da pátria" não tem dado certo.

A minha gente hoje anda falando de rádio e olhando pro céu...

Amanhã vai ser outro dia...

Ou, pode ser outro dia... Depende de cada um de nós. Faça parte!




quinta-feira, 23 de abril de 2020

Moro saiu? Primeiro de Maio acabou? E o virus? E o Brasil?

Incertezas em todas as áreas

1 - Moro vai sair do governo?

Vai condicionar sua saída, se o chefe da Polícia Federal for tirado por Bolsonaro?

2 - Moro saindo, o próximo deve será o Guedes, ministro da Fazenda...

3 - Ficaremos com um governo de MILITARES, liderados por um louco?

4 - E o combate ao virus, como fica? Vão deixar o povo morrer?

5 - Além do virus, tem o desemprego, a redução dos salários e a falta de perspectivas.

6 - O Brasil está vivendo uma guerra contra o virus, uma guerra para garantir equipamentos e salvar o povo brasileiro, e o presidente Bolsonaro, em vez de ajudar, tem atrapalhado tudo.


Como vai ser a reação do povo?

Como vão reagir as instituições?


O que a imprensa está achando disto tudo?

O que a OAB e os juristas estão achando disto tudo?

O que as Igrejas estão achando disto tudo?

O que as Centrais Sindicais, os movimentos populares e a UNE estão achando disto tudo?

O que os partidos políticos estão achando disto tudo?

O que os empresários estão achando disto tudo?

O que os governadores estão achando disto tudo?


A Democracia está ameaçada!
Bolsonaro está destruindo a pouca liberdade conquistada.

Sem democracia não existe liberdade de imprensa;

Sem democracia não existe Estado de Direitos;

Sem democracia não existe liberdade religiosa;

Sem democracia os movimentos sociais ficarão a pão e água;

Sem democracia não existirão partidos políticos;

Sem democracia não existe liberdade e concorrência nos negócios;

Sem democracia não existe eleições.


Vamos fazer uma trégua pela Vida, pela Saúde e pelo Brasil.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

A imprensa "acordou" e voltou a mostrar os números?

Censura, autocensura, displicência...

O mundo moderno da informática torna muito mais difícil os governos e as instituições esconderem, omitirem ou censurarem informações...

Fiz um apelo público ontem, pedindo a imprensa que voltasse a divulgar os gráficos e tabelas com as mortes, as contaminações e as letalidades...

O "Senhor" escutou as nossas preces e os números voltaram na UOL, que é da Folha. Ainda não verifiquei O Globo e o Valor, nem o Estadão...

A UOL, além de divulgar o gráfico com todos os números, publicou a seguinte observação:

"O Ministério da Saúde tem somado ao balanço diário MORTES ocorridas DIAS ATRÁS, MAS com confirmação da Covid-19 NO ÚLTIMO DIA".

A FOLHA e a UOL precisam explicar melhor a situação porque, mesmo que o governo NÀO divulgasse os números, a Folha tinha e tem todas as informações muito bem analisadas. São estudos ótimos e eles também tinham sumido. Coincidência?

Vamos aos números de mortes desde dia 17 de abril, na verdade, vou mostrar os números desde o último dia 13...

Dia 13 - 105 mortes - segunda-feira - fortes boato da demissão do ministro da Saúde
Dia 14 - 204 mortes - terça-feira
Dia 15 - 204 mortes - quarta-feira -

Dia 16 - 188 mortes - quinta-feira - DATA DA DEMISSÃO DO MINISTRO

Dia 17 - 217 mortes, totalizando 2.141 mortes - sexta-feira - posse do novo ministro da Saúde
Dia 18 - 206 mortes - Sábado
Dia 19 - 115 mortes - Domingo

Dia 20 - 113 mortes, totalizando 2.575 mortes e 40.581 contaminados - segunda-feira
Dia 21 - 166 mortes, totalizando 2.741 mortes e 43.079 contaminados - terça-feira - publiquei meu apelo por informações

Dia 22 - 165 mortes, totalizando 2.906 mortes e 45.757 contaminados - quarta-feira - os números voltaram a ser publicados

Mantidas as condições normais de temperatura e pressão, isto é, se mantido o critério de divulgação do ministro anterior, a tendência era que na sexta-feira próxima chegaríamos a mais de 3.500 mortes. Um número que poderia criar mais medo na população.

Mesmo o critério divulgação das mortes tendo sido alterado, é quase certo que AMANHÃ - QUINTA-FEIRA, chegaremos a mais de 3 MIL MORTES, no acumulado. Se estamos com 2.906 mortes, e, desde o dia 13, portanto há 10 dias, todos os dias as mortes passaram de 100. Só muita magia ou vontade política vai fazer com que o total de mortes amanhã seja inferior a 100, portanto, com certeza passaremos de 3 mil mortes.

Gostaria muito de entender O POR QUE DESTE BRANCO QUE DEU EM TODA IMPRENSA... É claro que a Folha ter participado deste VAZIO é muito triste porque era e é o jornal que vinha e vem fazendo a cobertura mais ampla e com belas reportagens, como a de hoje com várias páginas de pessoas usando máscara.

Como o virus é invisível e o sofrimento é muito grande, quanto mais a população tiver informações didáticas, melhor será para todos. No mundo moderno não existe carta branca, fé cega, etc. Mesmo porque, infelizmente, os políticos e os responsáveis por instituições continuam mentindo, escondendo informações, levando vantagens, o que leva ao descrédito da Democracia e do Estado de Direito.

Eu antes de ser sindicalista, dava aula de Evangelho na Federação Espírita do Estado de São Paulo. E lá nós pregávamos a importância da Verdade... Ao vir para o Sindicato dos Bancários de São Paulo, eu me comprometi a defender a Verdade, como instrumento de formação de vida para a categoria bancária e para toda sociedade. A Verdade liberta...

Que adianta ter saúde sem liberdade? Seremos mortos-vivos...

Não é por acaso que "nas guerras", a primeira vítima sempre é a Verdade.

E Jesus disse aos seus discípulos... "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida".

terça-feira, 21 de abril de 2020

Sem ministro, sem número de mortes e sem presidente...

Se pode confundir, para que esclarecer????

No empurra-empurra para trocar o ministro da Saúde, saiu o ministro que falava muito e entrou um ministro que não fala nada. SUMIU!

Ou tomou posse para ocupar a cadeira, ter as honras do cargo, mas não mandar. Ser apenas um assessor do chefe, que neste caso, o chefe é o presidente Bolsonaro...

Na prática estamos sem ministro, mas os problemas continuam e até aumentaram...

Além de sumir o ministro, O GOVERNO MODIFICOU A APRESENTAÇÃO DO NÚMERO DE MORTOS...

E os número comunicados passaram a ser a metade dos anteriores à sexta-feira, dia 17. Ou o outro ministro estava errado, ou este ministro atual mudou a regra para apresentar resultados menores e tentar melhorar a imagem do governo...

Para não correr risco de fornecer números errados, eu percebi que os jornais começaram a não dar destaque para os números e passaram a priorizar a situação nos Estados... Todos em calamidade pública!

Como a Folha parou de publicar as tabelinhas com os números de mortes e de contaminação, tive que recorrer ao jornal O Globo, que tinha uns gráficos que, ao clicar em cima da data, aparecia a quantidade de mortos. Fui tentar conferir hoje e não encontrei a tabela nem na Folha, nem no Globo, nem no Valor... SUMIU!

Lembro-me que houve dois ou três dias que as mortes passavam de 200 por dia, foi quando eu dei o alerta no dia 17, sexta-feira passada. Eu alertava que, se se mantivesse os números de mortes diárias, de forma otimista, em 200 por dia, o que seria uma Progressão Aritmétrica, em uma semana, isto é, nesta próxima sexta-feira, o Brasil chegaria a 3.541 mortes.

E que assim chegaríamos aos números dos Estados Unidos...

Parece que o bode expiatório para baixar os números foi um hospital de São Paulo... Mas, quem vê a TV ou ler os jornais, continua sem as tabelas históricas...

Será que a Imprensa amarelou?

Prometo que, se eu achar as tabelas com os números ou, se alguém tiver a sequência do dia 17 até hoje eu fico eternamente agradecido e corrigirei os números desta edição.

Sexta-feira, dia 17 eram 2.141 mortes

Sábado, dia 18, não achei os números...

Domingo, dia 19, não achei mas creio que foi menor que 200;

Segunda-feira, ontem, dia 20, creio que foram 118 ou 113 mortes.

Terça-feira, hoje, dia 21, o governo veio com 166 mortes... e um total de 2.741 mortes.

OBSERVEM QUE:

Usando o total de mortes do dia 17 - 2.141 e usando o total de mortes desta terça-feira, 2.741, ao diminuir o maior pelo menor, teremos 600 mortes... ao dividir por quatro dias, teremos uma média de 150 mortes por dia. Significativamente menor que os 200 por dia que estava previsto.

Eu estou louco ou a imprensa esqueceu de fazer esta conta? Ou houve algum outro acordo para secundarizar o atacado - o Brasil - e priorizar o varejo - os governos estaduais com suas fragilidades e assim... facilitar um entendimento com Bolsonaro e seus aliados... Confesso que não consigo imaginar. Com tanta gente morrendo e sofrendo, será que os políticos fariam um acordo deste com o governo e relevaria o povo ao sofrimento?

Como não sou bom de computadores e pesquisas estatísticas, pode ser que eu esteja vendo chifre em testa de cavalo. Afinal, estou há 40 dias de quarentena e já ando falando com as flores, as jabuticabas...

Como diz o pessoal da Rede Globo - MEU SISTEMA DE SAÚDE ESTÁ ENTRANDO EM COLAPSO.

A cada dia que passa, mais amigos, colegas e parentes vão sendo contaminados e alguns morrendo... E tanto os mais próximos, como os desconhecidos por nós, são pessoas que mereciam estar vivos.

Eu estou de luto e muito cansado. Que Deus nos ajude e ajude os cientistas, os médicos, os enfermeiros, os coveiros, os motoristas, e todos que lidam diretamente com os doentes e os mortos.

Por favor, não deixem a qualidade do noticiário cair. Nós precisamos da Imprensa, como precisamos da Saúde, da Vida e do Brasil.

Frentes de batalhas contra o inimigo invisível

O início das guerras tem muitas festas, depois...

O que parecia uma gripezinha mostrou-se uma hecatombe que desestruturou o mundo.

Todos os países tiveram que parar o que esteavam fazendo e cuidar dos doentes e do virus.

Até os bancos, com seu poder de controlar o dinheiro, os investimentos e a vida de seus clientes, até os bancos começaram a entrar em pânico.

- Onde vamos parar?

- O que vai sobrar depois de tudo isto?

1 - O início da primeira guerra mundial parecia apenas que a Áustria queria mostrar à Sérvia quem mandava na região...

2 - O início da segunda guerra mundial parecia que bastava ceder pedaços de países aos nazistas e estes se dariam por satisfeitos...

3 - Nixon quando visitou a China, parecia que bastava transferir um monte de fábricas para lá, e estes ajudariam a segurar a Rússia...

4 - A União Soviética quando criou o Pacto de Varsóvia, parecia que não tinha medo de nada, nem da sua própria economia...

5 - A eleição de Trump também parecia que bastava ele criar empregos para os americanos...

6 - A eleição de Bolsonaro parecia que bastava deixá-lo ganhar a eleição e depois ele obedeceria aos tradicionais mandantes do Brasil...


Da mesma forma que, para os russos que enfrentavam os nazistas sozinhos, a abertura da segunda frente de batalha, com o dia D, era imprescindível, agora, além de enfrentar o inimigo invisível chamado de coronavirus, todos os países precisarão se preparar para a nova ordem econômica, ambiental, política e social que está afetando todas as frentes de batalhas...

Ainda não sabemos que Nova Ordem é esta que está chegando, mas já a sentimos em todas as áreas...

1 - o petróleo está virando pó, a indústria automobilística tende a intensificar a substituição do petróleo como combustível por energia limpa;

2 - os bancos tenderão a ser virtuais, isto é, o fluxo financeiro e do dinheiro se dará por cartões e tecnologias mais avançadas;

3 - o comércio cada vez mais será "on line" e as lojas serão substituídas por outras atividades. Será o fim dos Shoppings Centers?

4 - As Igrejas já não precisarão ser imensas, com suas Catedrais megalomaníacas representando a grandeza de seus deuses...

5 - O judiciário não precisará ser tão grande, bastando constituir Conselhos de Arbitragens, composto por voluntários reconhecidos pelas partes e pelos poderes constituídos...

6 - A imprensa será mais participativa e menos doutrinária...

7 - As Forças Armadas será composta mais por máquinas de última geração do que por pessoas... barateando os custos de manutenção.

8 - Da mesma forma que todo mundo acompanha as "Curvas das contaminações e das mortes em função do virus", aos poucos, a imprensa e as escolas vão mostrar que há uma curva mostrando a diminuição da população do mundo. No século 20 o população do mundo quadruplicou em bilhões; no século 21 a população no mundo vai diminuindo até chegar a um certo ponto de equilíbrio. Vários países já chegaram neste ponto. Japão, países nórdicos, e mesmo a China e a Índia irão reduzir sua população.

9 - Estamos vivendo um debate sobre a relevância da OMS - Organização Mundial da Saúde, na verdade, devemos discutir se ainda é necessária manter tão grande estrutura da ONU, com tanta inoperância?


10 - No século 20, as monarquias tiveram seu poder esvaziados e atualmente são mais objetos para turistas do que para governar de fato;

11 - No início do século 20, as mulheres não votavam, no final do século, mais do que votar, as mulheres são eleitas e governam, muitas vezes bem melhor do que os homens... O mesmo aconteceu com os negros nas Américas e na Europa...

12 - No século 21, os governos, os partidos políticos e os judiciários também serão reduzidos ao mínimo necessários, mantendo mecanismos de crescer ou diminuir conforme as necessidades, em vez de custos permanentes.

13 - No século 21, o voto universal, cada pessoa um voto, combinado com as gestões participativas, terão mais poder real do que as armas, os judiciários, a imprensa e as igrejas...

E tudo isto será visto como normal.

Você escolhe, você decide:

Vai contribuir na construção desta Nova Ordem, ou vai ficar a reboque?


segunda-feira, 20 de abril de 2020

Sem Páscoa, sem 21 de abril, sem 1o. de Maio...

Sem feriados e sem alegrias...

Passou a Páscoa, data importantíssima e quase não percebemos...

Amanhã, dia de Tiradentes, 21 de Abril, e também é um feriado importante...

Logo chegaremos no 1o. de Maio, dia que historicamente sempre há manifestações em todo o mundo, lembrando as conquistas e as lutas da Classe Trabalhadora. Serão lembradas mais uma vez as combatentes companheiras que morrerem queimadas nos Estados Unidos, estavam dentro da fábrica lutando por melhores condições de trabalho.

Como será o 1o. de maio deste ano, 2020?

Teremos panelaços, teremos falações nas redes sociais, mas vão ficar faltando as grandes manifestações...

Motivo para que houvesse as grandes manifestações temos de sobra, mas também temos que respeitar o risco de contaminação com o virus maldito.

O próprio presidente da República já seria motivo de sobra para as grandes manifestações... Bolsonaro provoca e desafia a todos. Bolsonaro é louco, louco de pedra, como se dizia antigamente.

Bolsonaro pode botar fogo no Brasil. Depois deste domingo, quando Bolsonaro foi para as ruas defender novo golpe militar, ele aumentar a instabilidade e o medo.

Vamos organizar todas as formas de manifestações possíveis neste primeiro de Maio. Vamos nos unir às Centrais Sindicais, aos movimentos populares, e ao conjunto de instituições democráticas.

Vamos defender a vida, a saúde e o Brasiul. Vamos fazer este 1o. de Maio num marco da nossa história.

domingo, 19 de abril de 2020

O Brasil desorganizado...e o povo com medo

Medo do Virus, medo do desemprego, medo da instabilidade política?

Uma sociedade com MEDO não é uma sociedade livre, nem com estabilidade econômica.

O medo existe quando as instituições não funcionam.

Houve uma vontade de melhorar o Brasil, quando o povo votou em FHC, em Lula, em Dilma e, ante as dificuldades de Dilma, houve mais um golpe de Estado e depois a eleição de Bolsonaro, este com um discurso de acabar com a "política velha" e garantir a meritocracia e o fim da corrupção.

Bolsonaro, além de não acabar com a "política velha", vem aprovando uma série de reformas que, na prática, ajudam os empresários, prejudicam os trabalhadores ao acabar com as aposentadorias, ao aumentar o desemprego e ao arrochar os salários...

Bolsonaro vem fazendo estas reformas e mantendo um discurso agressivo, paranoico e que deixa as pessoas e instituições intimidadas...

Com a chegada da epidemia com o virus - coronavirus - as mortes também chegaram e agora estão se espalhando por todo o Brasil, tanto nas capitais como no interior dos Estados.

Mantendo sua tática depânico tensionamento permanente, Bolsonaro trocou o ministro da Saúde e está pressionando para acabar com a quarentena, liberando o comércio para abrir sem critérios e, com isto, aumentar o risco de mais contaminação com o virus e consequentemente ter mais mortes...

Na sua linha de tensão permanente, Bolsonaro partiu para hostilizar Rodrigo Maia, presidente do Congresso Nacional. Aumentando o risco de mais crise política e mais mortes e mais desemprego.

As pesquisas Datafolha têm mostrado que Bolsonaro não tem o apoio da maioria da população. As pesquisas mostram que ele errou com a troca do Ministro da Saúde, como mostro também que há uma tolerância do povo brasileiro, dando um tempo para ver se Bolsonaro "deixa as instituições" funcionarem...

Bolsonaro não está resolvendo a crise do virus...

Bolsonaro não está resolvendo a política econômica, nem o desemprego...

Bolsonaro não está resolvendo os problemas de segurança e violência...

Bolsonaro não está respeitando a imprensa...

Bolsonaro hostiliza o STF - Supremo Tribunal Federal...

Bolsonaro hostiliza o presidente do Congresso Nacional...

Bolsonaro está deixando os pequenos e médios empresários em pânico...

Bolsonaro criou problemas com a China, maior importador de produtos brasileiros...

Bolsonaro está criando problemas para os militares, inclusive quando vai para manifestações em frente ao quartel de Brasilia...

Com esta desorganização toda, até as Igrejas estão sendo prejudicadas.

Além de os fiéis sofrerem com o virus, com o desemprego e com o arrocho salarial, Bolsonaro faz com que os fiéis contribuam com menos dinheiro para os dízimos, os programas de TV e Rádio, além de dificultar o crescimento das Igrejas.

Com ou sem Bolsonaro, como está o Brasil não pode continuar.

É preciso parar com esta confusão!

É preciso parar com esta incerteza e este medo!

Vamos fazer uma Trégua pela Vida, pela Saúde e pelo Brasil!

sábado, 18 de abril de 2020

A entrevista do ano: Governo Bolsonaro não tem capacidade de liderar

Compartilhamos o mesmo Brasil, o mesmo planeta, a mesma pandemia

Leiam importante entrevista!
Vejam que forma interessante de pensar o Brasil e o mundo.

Se o Datafolha fizer uma pesquisa nacional perguntando o que o povo acha das afirmações desta entrevista, com certeza mais de 70% dirão que concordam com o que é dito nesta entrevista.

Como "o milagre é mais importante que o santo", vocês verão que, neste caso, tanto o milagre como a santa são importantíssimos.

Leiam, leiam e comentem depois.

‘Governo Bolsonaro não tem capacidade de liderar’

“Em 2019 houve uma desqualificação de áreas fundamentais no Brasil:
- desqualificação da educação, desqualificação das universidades, desqualificação da ciência, desqualificação das áreas de proteção social, do meio ambiente, das populações tradicionais e indígenas”...

Há um vácuo político deixado pelo Executivo tem sido ocupado pelo Congresso, por alguns governadores e prefeitos e por políticos de diversos partidos que estão buscando dialogar e encontrar pontos de convergência.
“Fiquei muito feliz com a iniciativa do Itaú Unibanco de doar R$ 1 bilhão em iniciativa de apoio à saúde no combate à crise anunciada esta semana, mas afirma que “só isso não resolve”.

Defendo a necessidade de políticas públicas em saúde, educação e proteção social, além do apoio continuado do setor privado depois que o pior tiver passado.

“As pessoas estão passando fome e vão continuar passando fome depois.”
Fim do isolamento requer estratégia de saída, diz especialista · Na área da educação, a preocupação também é com o momento da volta às aulas. Serão necessários programas de reforço escolar e de aceleração da aprendizagem para alunos da rede pública.

Várias soluções emergenciais estão sendo pensadas para ajudar famílias na periferia que têm pouco crédito em seus celulares e não têm acesso a internet boa e gratuita. “Estão se buscando alternativas com a TV aberta. Se as teles abrissem a banda larga para o acesso na periferia seria de grande ajuda”.

O mundo pode se tornar mais xenófobo, mais controlador e mais totalitário com a pandemia. “Mas está mais forte a consciência de que nós somos totalmente interligados. E que dividimos um planeta comum. Se não olharmos para isso estamos condenados.”.
Você menciona nunca ter visto uma mobilização empresarial como esta antes, no Brasil. O que motiva o setor privado neste momento?

Nunca vi esta movimentação em 30 anos de atuação na área social. Muitas pessoas que não estão ligadas a nenhuma organização institucionalizada estão tentando contribuir. É um aporte muito maior de recursos.
O Brasil tem uma tendência de se mobilizar nos dramas, nos deslizamentos, nas enchentes. Mas agora, como todos se sentem pessoalmente atingidos, a resposta é muito diferente.

Há uma demanda grande por cestas básicas. Já há muita gente passando fome? Quem são essas pessoas?

Há uma demanda emergencial, que é assistencial, por cestas. Um degrau a mais em termos de cidadania são os cartões, porque é uma maneira de dar autonomia às famílias e movimentar a economia local. Ambos são válidos e é preciso fazer isso.

Quando se veem os vídeos das pessoas que recebem estas doações, são pessoas miseráveis, infelizmente. As pessoas já estão passando fome e ao sair desta crise irão continuar a passar fome.

O Estado tem que ser forte o suficiente para dar políticas públicas nas áreas de saúde, educação, proteção social”

Os empresários continuarão a apoiar na retomada?

O setor privado não pode se abster de continuar com esse processo de reduzir a fome e ajudar na saúde e na educação. Mas se o setor privado tem papel muito importante, o maior papel é do Estado.

Fico muito feliz com a doação de R$ 1 bilhão do Itaú Unibanco esta semana, mas R$ 1 bilhão não vai resolver o problema da saúde no Brasil. Foi importantíssimo, uma grande decisão, mas só isso não resolve.

O que vai resolver é que o Estado tem que ser forte.

Não é maior, menor, mínimo, não é isso. O Estado tem que ser forte o suficiente para dar políticas públicas nas áreas de saúde, educação e proteção social.

Como vê a atuação do governo Bolsonaro nesse sentido?

Infelizmente acho que esse governo não tem capacidade de liderar o que seria necessário em termos de políticas públicas. Demonstrou o ano passado inteiro que não tem, pelo contrário.

Em 2019 houve uma desqualificação de áreas fundamentais. Desqualificação da educação, das universidades, da ciência, das áreas de proteção social, do meio ambiente, das populações tradicionais e indígenas.

Ameaçou sair do Acordo de Paris e não saiu por conta de pressão externa, dos próprios ruralistas e da ministra de Agricultura, Tereza Cristina, que manteve firmeza nesse ponto. Então, a experiência de um ano mostrou que esse governo não tem capacidade de liderança para articular políticas públicas, que o Brasil precisaria em condições normais. No momento da crise, menos ainda.

Mostrou-se completamente impotente e sem liderança para assumir as decisões e orientações que o país precisa neste momento.
Então enfrentamos a maior crise desta geração em um país com graves desigualdades e sem liderança?

Neste momento acredito que vamos depender de governos estaduais, das Prefeituras das grandes capitais. E de alguns ministros, como foi na atuação de Mandetta [Luiz Henrique Mandetta, demitido ontem por Bolsonaro]. Ele teve questões, desfez o Mais Médicos [programa lançado pelo governo Dilma e que levou 11 mil médicos cubanos em áreas carentes de profissionais] mas não vou entrar neste mérito.

No momento que foi necessário, Mandetta teve liderança forte, clara e firme. Fez um trabalho sério e comprometido, com ótima comunicação. Não conheço Nelson Teich [o novo ministro da Saúde)], sei apenas que é oncologista, então não posso emitir opinião. Mas espero que continue o trabalho do ministro Mandetta.

A crise atual diluiu a polarização política dentro do setor privado?

Diria que sim. Mas não sei dizer se empresários mais de apoio bolsonarista estão contribuindo com alguma coisa. Não vi, mas não quero ser injusta, eu não sei.

O que posso dizer é que não vejo politização nas doações.

Teme-se convulsão social?

Sim. É bom lembrar que antes disso tudo - parece ter sido em outra era - havia as manifestações no Chile. Os empresários estavam atentos àqueles movimentos. E aqui não faço nenhum julgamento de valor: tem gente que contribui e faz doações por uma questão humanitária e de solidariedade, e há outros que o fazem por uma questão pragmática, para que não haja risco de invadirem “a minha casa, o meu supermercado”.

Tem crescido o debate em torno da taxação das grandes fortunas, há projetos tramitando no Congresso. O que pensa disso?
Falei isso publicamente, em 2014.

É um ponto de vista completamente pessoal: eu sou publicamente a favor da tributação das grandes fortunas, a favor da tributação de dividendos, a favor de uma reorganização progressiva do Imposto de Renda, que é regressivo. Também acho que essa é uma discussão dentro de um quadro maior. Mas não dá para de um dia para o outro fazer isso, porque em alguns países que fizeram assim, as grandes fortunas foram embora.

Eu acho isso urgente, mas não sou da área de economia.

É preciso ter uma visão do todo da tributação e ir fatiando, porque talvez o pacote todo não possa ser votado de uma vez.

O imposto progressivo irá atingir a classe média também.

O que quero dizer é que sou a favor, é urgente mas tem que ver quais os impactos e as consequências.
Dividimos/compartilhamos um planeta. comum. Humanos, árvores, animais. Se não olharmos para isso estamos condenados”

O espaço da política é onde se consegue fazer mudanças mais estruturantes.

Hoje o que vemos é uma falta de liderança do Executivo.

O Congresso, que se diz que é formado por políticos todos ruins e medíocres, acho que é um reflexo da sociedade. E foi quem conseguiu, desde o ano passado, tomar uma direção e onde se conseguiu estabelecer diretrizes para o país.
Estamos vendo algumas articulações de um grupo de conservadores liberais para a esquerda. Políticos de diferentes partidos estão buscando alguma conversa neste vazio político.

O que está acontecendo hoje com os estudantes do ensino público?

Escolas que atendem a classe média e a classe alta tiveram que se reinventar. Os pais estão mais perto das crianças menores e dos jovens e também passaram a valorizar mais os professores, perceberam que não é fácil. Tem que ter muita ajuda dos pais. Falo isso pra mostrar a quase impossibilidade de a gente transformar este modelo para as populações mais vulneráveis.
Está havendo um grande esforço, das fundações, dos secretários de educação, do Conselho Nacional de Educação e outros para oferecer algo aos alunos.

Tem Whatsapp, criaram apps, e é verdade que todo mundo tem celular. Só que nas favelas e nas periferias, o crédito do celular é muito pequeno. Não dá conta de um vídeo de uma aula por mês.

Está se buscando alternativas com a TV aberta. Se as teles abrissem a banda larga para o acesso das escolas de periferia, seria de grande ajuda, mas não sei se isso é possível.

Há diversos modelos em estudo. Não dá para fazer o mesmo modelo do Amazonas para comunidades ribeirinhas com o pessoal do Rio Grande do Sul. Está tendo uma mobilização rápida, ordenada e coordenada.

Algumas prefeituras começaram a mandar lição de casa para os pais, queriam que imprimissem. Os pais não sabem ajudar e não querem usar o seu pouco crédito de celular para as lições das crianças.

Estamos preocupados com a volta às aulas. Está se pensando em programas de reforço escolar e de aceleração de aprendizagem.

O que há são grandes desigualdades educacionais.

A pandemia escancarou as desigualdades sociais.

O pesquisador Paulo Moutinho, do Ipam, disse em entrevista a “O Globo” que “desmatador não faz home office”. Os alertas de desmatamento do Inpe estão em tendência de alta.

Tem um desmonte que já vinha de governos anteriores, mas isso se acentuou de modo absurdo ano passado. Dá arrepio quando a gente olha e vê a destruição da Amazônia, a desqualificação das populações indígenas e a valorização do garimpo. É dramática também esta situação.

Povos indígenas, quilombolas, pessoas nas periferias estão mais vulneráveis porque não há política no momento para protegê-las. Mas eu queria falar também uma visão otimista.

Está mais forte a consciência de que nós somos totalmente interligados.

Não adianta subir muro porque o vírus vai ultrapassar.

A pandemia vai acelerar uma conscientização das mudanças climáticas, acredito.

Porque vai se perceber que uma coisa que aconteceu lá na China nos afeta aqui. O que acontece lá em Paraisópolis, também me afeta. Dividimos um planeta comum. Nós seres humanos, as árvores, os animais.
Tudo isso é parte de um sistema comum. Se não olharmos para isso estamos condenados. Espero que os ambientalistas também dialoguem mais com o ecossistema da economia.

Queremos que o Brasil se desenvolva, queremos uma sociedade mais inclusiva e para isso precisa economia e meio ambiente. Tem que ter a floresta em pé mas tem que ter a economia da biodiversidade.

O mundo pode se tornar mais xenófobo, mais controlador, mais totalitário. Isso está colocado. Há fechamento de fronteiras.
Mas o que eu quero falar é que a pandemia também traz um sentimento de pertencimento ao local onde se está, e isso é interessante.

Esta interessantíssima entrevista, que eu não identifiquei quem é a entrevistada para provocar os leitores. É muito comum a gente só ler artigos quando a gente conhece o autor, relevando o assunto...
Esta entrevista está publicada no jornal Valor, deste final de semana, 17/04/2020 e a entrevistada é Maria Alice Setúbal, conhecida como Neca Setúbal, socióloga, uma das herdeiras do Banco Itaú. Neca é presidente da Fundação Tide Setúbal e presidente do GIFE – entidade que representa 170 fundações empresariais. A jornalista Daniela Chiaretti, que a entrevistou está também de parabéns.

Muitos irão dizer que “dar entrevista é fácil, difícil é fazer”.

Imagino que, se a Datafolha fizer uma pesquisa nacional, perguntando se os brasileiros concordam ou não com as declarações de Neca Setúbal, com certeza 75% vão dizer que SIM.

Se sabemos o que o Brasil precisa, porque não podemos fazer uma “Trégua pela Vida, pela Saúde e pelo Brasil”, e constituímos comitês como foram feitos na Campanha contra a fome, organizada por Betinho, irmão de Henfil?

Para superar os impasses, alguém precisa dar o primeiro passo. Eu acho que Neca Setúbal, mais do que um passo, ela está disponibilizando uma vida para, juntos, construirmos um Brasil melhor... O Brasil dos nossos sonhos.

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Chegamos a 2141 mortes, novo recorde

Uma gripinha que já matou mais de dois mil brasileiros

Agora o presidente diz que se abrir o comércio e morrer mais gente, pode botar na conta dele, ou no colo dele. É mole?

As famílias estão perdendo avós, pais, filhos e filhas e o presidente brincando com a miséria do povo...

O que interessa é que já são mais de 2 MIL MORTES!

Mesmo considerando a hipótese mais otimista de que tenhamos daqui para frente 200 mortes por dia, na próxima sexta-feira, 24 de abril, já tenhamos passado de 3.500 mortes.

Os números, além de servir para contar, também criam fantasias, esperanças, etc.

Antigamente existia o úmero Mappin: 1,99; 149,00; 499,00; 999,99; com o tempo, os postos de gasolina passaram a usar os números Mappin para esconder o quanto a gasolina vai ficando cara no Brasil. Por exemplo: a gasolina aparecia no painel do posto de gasolina como sendo $3,99, mas o posto estava rancando 4,00 do seu bolso, ou conta bancária, ou ainda do cartão de crédito...

Sobre as mortes atuais os números destacados pela imprensa são: 10; 100; 200; 500; 1000; 1200; 1500; 1950: 2000!!!

Logo, logo chegaremos a 3000!!! Depois a 5.000!!! e mais tarde a 10.000!!!

E o presidente do Brasil vai poder dizer que o Brasil está parecendo os Estados Unidos, onde as mortes já passaram de dez mil.

E enquanto as mortes vão aumentando diariamente, o Congresso Nacional vai aprovando um tal de ORÇAMENTO DE GUERRA, onde, mais uma vez o governo Bolsonaro mete a mão nos bolsos do povo, principalmente dos mais pobres. Estas medidas que aumentam o desemprego e arrocham os salários estão sendo aprovadas sob o pretexto da guerra contra o virus, mais os próprios deputados e representantes do governo Bolsonaro já avisam que pretendem manter estas leis contra o povo durante mais alguns anos ou que fiquem até enquanto der...

Estes são verdadeiros enganadores do povo! Falsos profetas! Mercenários que prestam serviços aos empresários e aos estrangeiros.

E, enquanto os cães latem, o povo vai morrendo... até quando????

quinta-feira, 16 de abril de 2020

O Brasil numa guerra contra inimigos internos

Vejam como se destrói um imenso país...

1 - Um país, com mais de 200 milhões de habitantes, desmoralizado mundialmente

2 - Com a desmoralização vem a baixo autoestima, as pessoas se sentem incapazes de fazer mudanças.

3 - Ante a impunidade generalizada, todo mundo passa a querer levar vantagem e a colocar os interesses individuais acima dos interesses coletivos.

4 - Vejam como confundir ainda mais...

- Finalmente o presidente da República conseguiu demitir seu ministro da Saúde. O Brasil já estava parado há alguns meses, sangrando sua economia e paralisando todos os segmentos econômicos.

- Ao mesmo tempo que fez o possível e o impossível para derrotar o ministro da Saúde, os conservadores tentarão tudo que tentaram salvar desde o início do mandato.

- Enquanto os políticos e empresários tentaram de todas as formas destruir os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

- 17 de ABRIL de 2020, dia do aniversário do Sindicato dos Bancários de São Paulo. O maior e mais importante sindicato dos bancários do Brasil, completa 97 anos. 97 anos de muitas histórias, muitas greves locais e nacionais.

- 17 de abril de 2020, além de ser a data do aniversário do Sindicato dos Bancários de São Paulo,é o mesmo dia que foi demitido o ministro da Saúde do Brasil. Demissão que se efetiva no meio da guerra contra o virus, em defesa da vida e do Brasil.

- 97 anos de história dos Bancários do Brasil, no próximo dia 09 de maio de 2020, Dona Celina, mãe de Gilmar, Gildemar, Celia Maria, Maria Celeste, Gilton, Gildenor e Givaldo, completaria 97 anos de vida. E nosso pai, Otávio, continua vivo e forte em Serrinha - Bahia, com 96 anos de idade. Um século de vida, de muitas experiências positivas e negativas, uma vida que conviveu com a grande transformação do Brasil, que foi deixando de ser um país rural para ser um grande país urbano.

- Mas, enquanto o virus destruía o Brasil e o mundo, na Câmara Federal, os deputados e deputadas votavam contra o povo, contra os trabalhadores, contra os bancários e contra toda a classe trabalhadora. Com mais de 300 votos, os deputados votaram pelas reformas de emergência para ajudar financeiramente os governadores e os prefeitos. Em vez de usarem os mandatos para defender o povo e a classe trabalhadora, os congressistas votam motivados por interesses escusos, votam usando mecanismos de corrupção financeira, benefícios em nomeações em cargos públicos, etc.

- Traindo os interesses históricos do Brasil como Nação, os deputados querem é levar vantagens na base do salve-se quem puder.

Estamos envergonhados!

Estamos tristes. Mas não desistiremos. Lutaremos a longa luta dos heróis. Lutaremos pela Saúde do povo brasileiro. Lutaremos pela Vida e pelo Brasil.

O presidente do Brasil demitiu seu ministro da Saúde no meio de uma epidemia violenta, obrigando a haver uma mudança em toda cúpula do ministério.

Até quando aguentaremos?

Olhai os lírios do campo, já escrevia São Paulo em suas Epístolas, o grande escritor gaúcho - Erico Veríssimo também escreveu belo livro com o mesmo título. Nós acreditamos no futuro, nós sabemos que o futuro é feito a partir do presente.

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer...

Lembram da propaganda das bicicletas Caloi? Não se esqueça da minha Caloi?

Fica aqui o alerta: NÃO SE ESQUEÇAM DA BASTILHA. Não subestimem o povo brasileiro!

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Eu já estou de saco cheio deste virus...

Um mês dentro de casa com medo do virus é enlouquecedor...

Por mais que a imprensa queira passar uma imagem positiva, para nós que estamos há um pouco mais de um mês em casa, respeitando a quarentena, a vida cada vez mais vai ficando enlouquecedora.

Por ter mais de 60 anos e a esposa ser diabética, fui pressionado pela filha, que é médica, e pela esposa, para ficar em casa de quarentena. O primeiro passo foi liberar a empregada para evitar que ela tomasse ônibus e corresse risco de pegar o virus.

Aí fomos entrando na rotina: limpar banheiros, lavar roupa, lavar cozinha, passar roupa, tirar o lixo, levar o lixo ecológico, preparar o café-da-manhã, o almoço e a janta, lavar os pratos, enxugar e guardar... Quando chega a noite voc^está exausto e com sono. E no outro dia, começa tudo de novo...

E o virus?

Você liga a TV e o noticiário é só para saber a velocidade do crescimento das mortes. Dez por dia, 50 por di, 100 por dia e agora está em 200 mortes por dia, totalizando 1736 mortes até esta quarta-feira.

Como eu já estou de saco cheio deste virus e desta situação toda que ele nos colocou, vou dar um prazo até a semana que vem. Se a tal da curva vai baixar ou não, eu não sei. Mas a partir da outra semana eu volto a trabalhar mesmo que seja com a jornada menor. Nada de home-office, nada de quarentena. Vou evitar o transporte coletivo e o taxi, mas vou de carro, como em lugar com pouca gente, venho mais cedo para casa. E a vida vai normalizando... Com virus ou sem virjus.

Não bastasse a tensão com o virus, tem a tensão com a obsessão com limpeza, a dificuldade em conseguir comida boa, não tem futebol, não tem cinema, mesmo pagando caro, as TVs a cabo são um verdadeiro roubo, compram caro, só passam porcarias violentas. Mesmo com as pessoas a gente tamb[em vai se cansando...

E eu sumir, vocês já sabem: A culpa foi do virus!

terça-feira, 14 de abril de 2020

Tem gente dizendo que o Itaú doou foi para a Fundação Itaú

Verdade ou mentira?

- Tudo leva a crer que é maldade. Que os recursos serão carimbados, isto é, nem o banco, nem a Fundação decidirão sozinhos, todas as decisões passarão pelo Comitê Gestor, constituído por pessoas credenciadas na área de Saúde e que não são vinculados ao Itau.

- É uma forma de COGESTÃO. Eu acredito em cogestão...

Declarações sobre a doação do Itaú de um bilhão

Folha – 14/04/2020

- O lucro líquido do Itaú em 2019 foi de R$28,4 bilhões...

- Este um bilhão deve ser usado em ações para fortalecer o SUS NA PANDEMIA. Como compra de equipamentos de proteção para profissionais da saúde e a formação de gabinetes de crise para cidades em dificuldades, e ampliar a capacidade de testes de diagnóstico no país.

- Para Candido Bracher, acreditar que uma instituição vai ficar bem em um país que vai mal é um engano.

- Segundo Bracher, os recursos doados pelo Itaú, virão do balanço do banco e NÃO gozam de benefícios fiscais, assim como qualquer outra despesa da instituição.

- Trata-se de uma doação institucional, que passou pelo conselho de administração da maior instituição financeira do Brasil.

- O que mais me encantou foi que desde quando a proposta da doação foi apresentada ninguém questionou se deveríamos ou não doar, fomos direto tratar do como – formalizar a doação. “ disse à Folha Ana Lúcia Villela.

- Ao lado do irmão Alfredo Villela, Ana Lúcia Villela é uma das maiores acionistas da holding Itaúsa e anunciou no ano passado uma doação de US 28,6 milhões (R$ 110 milhões) ao MIT para a criação de um centro de pesquisa para síndrome de Down.

- O Itaú é extremamente eficiente em seu negócio, tem fundações que são exemplos para a sociedade , por que não colocar essa governança além do dinheiro, a serviço de um grupo formado por grandes cientistas brasileiros?” completa Ana Júlia.

- Os recursos da doação serão administrados por especialistas do setor público e privado de saúde.

- No setor financeiro foram computadas grandes doações do Bradesco, Santander, Itaú, BTG Pactual doou 50 milhões, BB Seguros 40 milhões, Safra, BV e Stone doaram 30 milhões cada um, XP doou 25 milhões e Nubank doou 20 mlhões.

- O nosso papel NÃO é competir com o Estado ou substituí-lo, mas sim, dar agilidade.

- Não é só questão de dinheiro; tem que saber para onde destinar os recursos, disse Drauzio Varella.


"O tempo passa, o tempo voa, e a saúde não pode esperar.

Todo apoio ao movimento Ëm defesa da Saúde", em defesa da Vida e em defesa do Brasil.

Sozinhos somos fracos, juntos somos imbatíveis!

Devemos todos aprender juntos e trabalhar unidos pelo bem do Brasil e pela saúde do nosso povo.

Para derrotar o virus, os bancos podem fazer a diferença.

Os recados que o Itaú e demais doadores nos dão

Cidadania é diferente de caridade, cidadania é ter direitos e deveres.

Não reconhecemos o governo como centralizador da campanha contra o vírus, em defesa da vida, da saúde e da economia.

Uma nova forma de governabilidade está assumindo dimensões que possibilita dizer sim ou não aos governantes e colocar as pessoas em primeiro lugar, principalmente em se tratando de salvar vidas...

Mas, somente doar dinheiro não é suficiente para salvar tantas vidas, é preciso garantir que este dinheiro todo esteja focado na guerra contra o vírus, que tenha como uso exclusivo salvar vidas, melhorar as condições de equipamentos hospitalares, remédios, máquinas, máscaras, etc.

E na guerra, a legitimidade vale mais do que a legalidade. O povo não pode esperar. E quem não tem competência não se estabelece. Precisa dar espaço para que surjam novas lideranças capazes de comandar e resolver as demandas e os grandes desafios...

O trono não faz o rei, é o rei que faz o trono.

Governo forte é diferente de Sociedade forte. E Sociedade forte é diferente de Estado forte. O Estado para ser forte precisa combinar a legalidade com a legitimidade, com o respaldo permanente da maioria do povo.

Não existem empresas fortes com Estado forte e Sociedade fraca. A aliança entre empresários e setores conservadores não pode servir de mecanismo para aumentar a pobreza e manter a maioria da população na ignorância e na miséria.

A vida privada precisa respeitar a incentivar uma boa relação com os poderes públicos, combinando políticas públicas com valorização da vida privada. Não existe somente o privado, nem muito menos somente o público.

O público para ser público precisa estar à serviço da Sociedade – do conjunto das pessoas e instituições.

O privado também precisa do público e não existe democracia se o privado e o público ignorarem as relações que definem o tipo de governo e de sociedade.

A melhor forma de se garantir esta interatividade entre o privado e o público é se garantindo uma boa relação entre legalidade e legitimidade.

Os ricos não podem viver impondo eleições com cartas marcadas, ou seja, todos precisam respeitar os resultados das urnas. Ou se define as regras antes das eleições, ou, não se pode mudar as pessoas eleitas por não serem as desejadas pelos ricos.

Como se garantir a existência de leis que sejam respeitadas, que tenham legitimidade e que todos ou, pelo menos, a ampla maioria concordem com estas leis?

É importante destacar que eleições são importantes, mas, nos intervalos entre as eleições o Brasil precisa ser administrado, gerido, governado. A vida das pessoas, das empresas e das instituições não podem parar em função de maus governantes e maus administradores...

A epidemia do vírus como inimigo invisível, mais a incapacidade do presidente da República administrar de forma aglutinadora e que possibilite todos os segmentos da sociedade se juntarem para salvar a vida de milhões de brasileiros, de forma mais rápida e mais econômica possível, além de um certo cansaço e desconfiança da população com a forma de governo que vem sendo praticada no Brasil.

A estrutura do Estado brasileiro está esclerosada, inoperante e dispendiosa. É mais do que necessário se construir uma nova forma de governabilidade e de gestão.

Enquanto perdurar a epidemia, vivemos um “Estado de Guerra”, e precisamos unir todos os segmentos, criar comitês de acompanhamento das políticas públicas e privadas, concentrando as prioridades na defesa da vida, da saúde do povo e do Brasil.

- O grande capital é imprescindível, mas sozinho, nem governa nem acaba com o vírus.

- As ONGs são importantes, mas não têm as dimensões da estrutura dos governos municipais, estaduais e federal.

- As religiões historicamente têm capacidade de combinar a fé com o acesso a grande parcela da população, mas as Igrejas, as Mesquitas e Sinagogas não substitui a rede pública nem o conjunto da sociedade.

- O judiciário precisa estar afinado com o conjunto da sociedade, sem tentar sobrepor-se aos demais poderes constitucionais.

- A imprensa tem tido um papel preponderante na formação da opinião pública e na estabilidade ou não dos governos.

- As entidades patronais e dos trabalhadores precisam fazer parte ativa de qualquer iniciativa de se criar poderes paralelos.

Já passou da necessidade de unir todos estes segmentos da sociedade brasileira e se fazer uma Trégua pela Vida e pelo Brasil.

Vivemos um Estado de Emergência, com pessoas morrendo às centenas diariamente, o pânico crescendo em todo o Brasil e no mundo.

Ninguém pode se omitir nem ficar de fora...

A hora é agora.

Todos pela Vida!

Todos pelo Brasil!

Todos pela Saúde!

domingo, 12 de abril de 2020

ITAÚ DOA UMA BILHÃO PARA COMBATER O VIRUS

Doação do Banco terá gestão própria

Nesta segunda-feira o Brasil verá pela primeira vez, uma empresa doar um bilhão de reais para ajudar a salvar vidas, ajudar a combater o vírus e ajudar o Brasil a voltar ä normalidade....

Confesso que esperava por algo assim do Itaú há mais tempo. O Itaú estava retraído...

- O Itaú tornou-se o maio banco do Brasil ainda no governo Lula-Dilma, quando associou-se ao Unibanco e deu espaço para Pedro Moreira Salles exercer uma cogestão, mesmo sendo bem minoritário no novo banco,
-
- está crescendo no exterior,
-
- foi o maior beneficiário das privatizações desde o governo Fernando Henrique Cardoso,
-
- bancou a candidatura de Bolsonaro como um risco necessário para evitar à volta do PT ao governo,
-
- passou pelo maior crescimento dos últimos anos sob a presidência de Roberto Setúbal, o maior Midas da história do Brasil,
-
- ao se juntar com o BBA, além de adquirir um bom banco, criou uma sólida parceria com uma das melhores famílias – a Família Bracher,
-
- é um grande aliado dos Estados Unidos,
-
- foi um dos primeiros bancos a assumir que não demitiria durante a crise do vírus, inclusive comunicou aos Sindicatos e à Contraf,
-
- já tinha doado para combater o vírus 160 milhões de reais,
-
- tem na família Setúbal médicos qualificados, educadoras respeitadas, e uma tradição cultural com museus, liderados por Milu Vilella, no MAM.
-

Por que então esperava isto do Itaú há mais tempo?

Ante o fracasso de Bolsonaro em administrar a crise do vírus, os empresários que bancaram a candidatura de Bolsonaro foram dando sinais de que “ tudo tem limite”, e ESTA CRISE TAMBÉM TEM LIMITE.

Com o Brasil ä deriva, o país caminharia para duas alternativas: ou o PT voltaria a ganhar as eleições municipais, governadores e presidente; ou, os militares derrubariam o governo e assumiriam o poder, voltando o Brasil a mais uma ditadura militar.
Como faltam empresários corajosos para por limite no governo Bolsonaro, ficou a pergunta: QUEM BOTARIA O GUIZO NO PESCORÇO DO GATO?

Esta pergunta vem circulando em todos os setores da sociedade. Ninguém está satisfeito com Bolsonaro. Nem os crentes, quanto mais os não religiosos.

O Itau vai trucar dezesseis. Vai dizer que topa entrar com tudo na luta pela vida e contra o vírus, DESDE QUE, o governo federal não atrapalhe.

E como não confia botar dinheiro, muito dinheiro, nas mãos de governantes, constituirá uma COMISSÃO DE GOVERNANÇA DO DINHEIRO, onde participarão profissionais da Saúde, como Drauzio Varella, o Hospital Sírio Libanês, entre outros, além de profissionais de outras áreas.

Um bilhão é muito dinheiro, a maior doação já realizada na história do Brasil.

É um bom começo. Deus queira que seja decisivo para derrotar o vírus e salvar o Brasil.

Mas precisamos tomar alguns cuidados:

- os bancos precisam explicar melhor o porque os juros no Brasil continuam tão alto?
-
- Porque os empresários e as pessoas físicas continuam reclamando que vão ao banco pedir empréstimos e não conseguem?
-
- Porque na Europa se consegue empréstimos a um por cento ao mês e no Brasil os juros chegam a 13 ou 14% ao mês, como nos cartões de crédito?
-
- Podem botar a culpa no Banco Central, mas quem manda no Banco Central são os banqueiros, mesmo no governo do PT. Lembram de Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central e ex-presdiente do Banco de Boston no Brasil e no mundo.
-
- Com a grande concentração bancaria em São Paulo, os Estados brasileiros, todos menos São Paulo, ficam dependendo de São Paulo. Isto vale inclusive para o BB, a CEF e o BNDES...
-
- SE for mantido o esvaziamento orçamentário das administrações públicas e o fortalecimento de interferência privada com doações geridas por fundações, institutos e gestões familiares, o Brasil vai de fato ser administrado por uma minoria aristocrática que tutelará o aparelho do Estado. Aí a pouca democracia desaparece...
-
- O mundo tem vários modelos de bem estar. É natural que o Itaú queira copiar os Estados Unidos, mas há bons exemplo como o da Alemanha, da Holanda, da França, da Inglaterra, da Suécia e tantos outros.

Que Deus ilumine os dirigentes do Itaú, ilumine a todos que queiram contribuir com bilhões ou com “os ôbulos da viúva” conforme a Bíblia.

Sabemos que a Folha vem dando uma cobertura exemplar da luta contra o vírus, sabemos que o judiciário vem passando dos limites de vez em quando, sabemos que o sistema educacional brasileiro vem caindo de qualidade nos últimos anos, sabemos que a formação médica nacional, mesmo nas escolas públicas, vem priorizando mais a formação para a medicina privada do que para o SUS, sabemos que os militares andam irritados com Bolsonaro, sabemos que o desemprego e o arrocho salarial está matando tanto quanto o vírus....

Mas, juntos podemos superar tudo isto, juntos podemos DAR UMA TRÉGUA PELA VIDA E CONTRA O VIRUS.

Juntos podemos começar um novo Brasil. Um Brasil solidário e respeitoso.

Posso não ter milhões de reais para doar, mas tenho uma vida dedicada a um Brasil democrático, com plena liberdade, com respeito às diferenças e na construção do novo sindicalismo brasileiro e internacional, tenho mais de dez médicos na família e tenho certeza que todos eles topam estar juntos com os empresários nesta guerra contra o vírus, pela vida e pelo Brasil.

Nunca fui a favor dos extremos , nem da direita nem da esquerda, sempre defendi a economia de mercado e as liberdades democráticas, creio que tenho muito a contribuir , inclusive porque os problemas do vírus não são apenas médicos, também são sociais, econômicos e comportamentais...

Que venham os bilhões de reais!
Que venham as gestões participativas!
Que venham as urgências urgentíssimas!

Vamos salvar o povo brasileiro!
Vamos salvar o Brasil!
Sem medo de ser feliz!

sábado, 11 de abril de 2020

Bolsonaro: Louco sob controle ou louco descontrolado?

Venderam "gato por lebre"

Durante a campanha eleitoral houve um acordo entre os apoiadores de Bolsonaro que "posto Ipiranga" faria o papel de conter os impulsos de loucura de Bolsonaro. Não era apenas na economia, mas valia também para as questões internacionais, as questões paramilitares, evangélicas, etc...

Mas, no meio do caminho tinha uma pedra, como disse Drumond, como exercer as funções de presidente, governador ou prefeito exige além de capacidade de discurso, exige muito mais capacidade de unir as pessoas buscando as melhores propostas para cada situação?

Nem Bolsonaro, nem seus apoiadores imaginaram que, no meio do caminho - ou do mandato, apareceria a maior epidemia dos últimos séculos. O homem que já é um doido médio, surtou de vez e, sob pressão, ataca a todos e mais desorganiza do organiza.

Agora, vivemos com o dilema: Enfrentamos o virus invisível, tendo que enfrentar também as provocações de Bolsonaro; ou, para salvar milhares de brasileiros, se agiliza um mecanismo que impeça Bolsonaro de atrapalhar ou prejudicar intencionalmente os esforços médicos.

Cada vez que Bolsonaro vai passear pelas lojas de Brasilia, cada vez que ele limpa o nariz e abraça seus apoiadores, os especialistas entram em pânico! Além de louco, Bolsonaro é provocador... E os mortos vão aumentando, para mais irritação do presidente.

E o quadro vai piorando porque, ante a dimensão da crise, a instabilidade do presidente e a recessão econômica profunda que tomou conta do Brasil, o "posto Ipiranga" mostrou-se como um "blefe", isto é, o ministro da Fazenda também entrou em pânico e correu para casa... abandonou o barco.

A questão do impedimento do presidente não é política,

É QUESTÃO DE CALAMIDADE PÚBLICA.

Também não é uma questão religiosa. Nem de preconceito.

É QUESTÃO DE VIDA OU MORTE.

Ou impedimos este presidente louco de atrapalhar a campanha contra o virus, ou muito mais gente vai morrer.

Até a imprensa internacional agora publica diariamente reportagens mostrando nosso presidente como insano...

Afinal, o Brasil comprou "gato por lebre".

O Brasil elegeu uma pessoa de personalidade forte, porém, incapaz de administrar o Brasil em situação de crise. Como Nero, o imperador romano, Bolsonaro quer mais é ver o circo pegar fogo, porque assim ele vai dizer que a culpa é da Folha, é da Globo, é do PT, é dos governadores...

Louco por louco, eu prefiro ouvir os especialistas, quero dar condições para os profissionais de Saúde terem segurança e condições de trabalho, quero voltar a trabalhar com os cuidados para evitar contaminação, quero voltar a dormir sem ter medo de mandar um abraço para os amigos e parentes.

SAÚDE É COISA MUITO SÉRIA.

Se se pode trocar de médico, primeiro eu quero trocar de presidente!




sexta-feira, 10 de abril de 2020

Brasil passa de MIL MORTOS. E aí Bolsonaro?

Um grave erro dos Pentecostais...

Subestimaram o virus, acharam que somente rezar era o suficiente, e agora estão perdidos, sem saber o que falar aos seus fiéis... 

- O virus é obra do demônio?
- Será que é coisa de comunista ou de petista?

A resposta é simples: 

- Não tem nada do demônio, nem de comunista, nem de petista. 
- A epidemia, o virus e as mortes SÃO COISAS DOS HOMENS.

- É reflexo das grandes concentrações humanas, sem higiene, sem saneamento básico, sem comida e sem qualificação educacional. 

- Antigamente, quando existia muito menos gente na Terra, também existia muito menos conhecimento científico... não se conheciam as vacinas, a penicilina, a anestesia, o microscópio, etc. 

- Portanto, toda vez que as pessoas valorizam mais a saúde, a educação, a solidariedade, a pesquisa científica, o exercício do amor ao próximo, toda vez que os homens e as mulheres priorizam o BEM, as doenças diminuem, o conhecimento melhora e as pessoas vivem melhor. 

Apesar de tanta morte e tanto sofrimento, ainda podemos sair melhor do que entramos nesta guerra contra o inimigo invisível. 

O BRASIL PASSOU DE 1000 MORTOS. 

MIL MORTOS???

Tem gente culta confundindo Progressão Aritmétrica com Progressão Geométrica. Que bicho é este? 

A progressão aritmétrica é um aumento constante que se soma. Por exemplo: 10, 12, 14, 16... A constante aqui é 2, porém somado ao número anterior.
Já a progressão geométrica é um aumento constante SÓ que MULTIPLICADO. Por exemplo: 10, 20, 40, 80, O quociente, ou razão é 2.  Aqui é multiplicado...

No caso das mortes, em vez de se usar um número constante, tipo 20 mortes por dia, o pessoal usa um percentual, tipo 5,4%. Mas tem países que a referência é de 2% ou até menos. Sinalizando que os números reais de mortos pode ser bem maior.

De ontem para hoje passamos de 941 para 1056 mortes. 115 num dia...

- Não é porque somos ruim de contas e de cálculos, que vamos deixar de acreditar em Deus. Precisamos "Orar e Vigiar", isto é, rezar para que tenhamos humildade e muito trabalho, assim contribuir para cientificamente conseguir acabar com o virus e com as mortes...

- Vamos nos unir para superar as diferenças, as divergências e as provocações...

Vejam um resumo da UOL...

Do UOL, em Brasília 10/04/2020 15h51Atualizada em 10/04/2020 18h14 

O Ministério da Saúde anunciou hoje que subiu para 1.056 o número de mortes registradas pelo novo coronavírus no Brasil — 115 óbitos confirmados nas últimas 24 horas. 

Até ontem, eram 941 mortes. No total, são 19.638 casos oficiais no país até agora — aumento de 1.781 diagnósticos em um único dia —, segundo o Ministério. ... 

O Brasil ultrapassa a marca de mil mortes por coronavírus cerca de um mês e meio após ser registrado o primeiro caso confirmado no país. 

O primeiro caso foi notificado no dia 26 de fevereiro, um paciente de São Paulo que esteve na Itália, um dos países europeus mais afetados pelo surto da doença. 

Apenas em 17 de março o Brasil registraria a primeira morte provocada pela covid-19, doença causada pelo vírus. Era um homem de 62 anos, que morreu em São Paulo. 

No total, as mortes relacionadas ao vírus em cada estado são: 

Acre (2); Alagoas (3), Amapá (2); Amazonas (50); Bahia (19); Ceará (58); Distrito Federal (14); Espírito Santo (7); Goiás (8); Maranhão (16); Mato Grosso (2); Mato Grosso do Sul (2); Minas Gerais (17); Pará (9); Paraná (25); Paraíba (11); Pernambuco (65); Piauí (7); Rio Grande do Norte (11); Rio Grande do Sul (14); Rio de Janeiro (147); Rondônia (2); Roraima (3); Santa Catarina (18); São Paulo (540); Sergipe (4).... 

- Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/04/10/brasil-atinge-1057-mortes-registradas-por-coronavirus.htm?cmpid=copiaecola

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Agora os médicos estão divergindo entre si...

E deixando a população mais insegura

O que deveria ser normal - as pessoas terem posições diferentes, ter divergências mas tratá-las respeitosamente - virou sinônimo de crise profunda e de desestabilização do Brasil.

A crise deixou de ser apenas se faz a quarentena ou não, agora há uma crise se deve ser distribuído para as pessoas contaminadas o remédio cloroquina ou não. Tem ainda um outro remédio Hidroxicloroquina, mas que pode ser mais efetivo que o cloroquina. Botaram no meio da briga uma professora da USP, japonesa e que se indispôs com muita gente...

Junto com a crise do virus, tem a crise econômica que está matando muita gente, e tem a crise política, que não mata mas endoidece...

Vivemos um momento histórico onde:

-  todo mundo se sente no direito de acusar todo mundo, seja a acusação verdadeira ou não.

- a imprensa se sente com mais direito do que os juízes,

- os juízes se sentem com mais direitos do que os gestores públicos e privados, mesmo não tendo sido eleitos para nada.

- os gestores públicos se sentem acima de todos, apesar de terem sido eleitos tomando como referência algumas promessas eleitorais que são ignoradas depois da posse.

- os empresários, como são os principais financiadores de campanhas eleitorais, se sentem no direito de exigir o que quiser dos governantes.

- e o povo fica dependente de tanta gente que se sente mais importante do que de fato é.

- Já que tudo recai sobre o povo, o povo rebela-se à sua maneira: votando contra os governantes, elegendo pessoas despreparadas para certas funções como Eneas para deputado e Bolsonaro para presidente. Num país como o Brasil, ambos têm direito de ser eleitos, mas isto não significa que são competentes, só por terem sido eleitos.

- E assim continuamos todos perdendo.

- Como romper com esta história de repetição burra, desagregadora e que prejudica o povo em todos os sentidos?

Aprendendo com os acertos e com os erros. Aceitando o direito de acertar e de errar, mesmo que isto provoque sofrimento temporário. Afinal, é esta capacidade de superar dificuldades, criar metas e objetivos que fortaleçam a economia, as famílias, os poderes públicos e o Brasil.

- Reconhecendo nossas limitações, mas nos unindo para salvar o povo contra o virus e o desemprego, estaremos salvando a todos nós e salvando o Brasil.

O ministro da Saúde não pode ser onipotente. Precisa ser humildade, mas ter foco, trabalhar muito e ajudar a derrotar o virus.

O presidente em exercício é louco impaciente, não consegue unir as pessoas, e assim, em vez de criar apenas uma pessoa para responder por todos os desafios, vamos todos trabalhar, ouvindo as partes, evitando errar e investindo nos acertos.

A imprensa e o judiciário devem dar os primeiros passos, depois os demais setores da sociedade verão que é possível salvar o povo brasileiro e salvar o próprio Brasil, desde que cada um faça sua autocrítica e melhore seu comportamento.

E ai viveremos numa DEMOCRACIA de verdade!


quarta-feira, 8 de abril de 2020

As pessoas continuam morrendo... Hoje subiu para 800

Enquanto as pessoas morrem, os políticos brigam

Ainda não caiu a ficha, mas é preciso repetir que, enquanto as pessoas morrem, os políticos brigam com suas vaidades...

É preciso dar um basta!

BASTA DE MORTES, basta de brigas de vaidades, basta de sofrimento!

O Brasil não pode esperar. As famílias não podem esperar. 
Precisamos salvar o povo brasileiro.

Vejam os números de hoje fornecidos pelo Ministério da Saúde e divulgados no site do jornal Valor. 



Número de mortos por coronavírus no Brasil chega a 800


Subiu de 667 para 800, entre ontem e hoje, 
sendo 133 novos óbitos em 24 horas, representando aumento de 19,9%.

Já os casos confirmados da covid-19 continuam aumentando 
em todo o país, saltaram de 13.717 para 15.927 

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira que 
o número de mortes de pacientes infectados pelo novNúmero de mortos 
por coronavírus no Brasil chega a 800

Já os casos confirmados da covid-19 continuam aumentando em todo o país, saltaram de 13.717 para 15.927, elevação de 16,6%.

Por Rafael Bitencourt, Valor — Brasília
08/04/2020 17h15  Atualizado há 15 minutos


Somente o Estado de Tocantins não registrou óbito até este momento. 

As mortes por covid-19 são registradas:

 São Paulo (428), Rio de Janeiro (106), Pernambuco (46), Ceará (43), Amazonas (30), Paraná (17), Distrito Federal (12), Bahia (15), Rio Grande do Sul (9), Minas Gerais (14), Goiás (7), Santa Catarina (15), Rio Grande do Norte (11), Espírito Santo (6), Pará (6), Sergipe (4), Maranhão (11), Piauí (5), Paraíba (4), lagoas (2), Mato Grosso do Sul (2), Amapá (2), Rondônia (1), Mato Grosso (1), Roraima (1) e Acre (2).



ATÉ QUANDO???

ATÉ QUANDO?

ATÉ QUANDO...