quinta-feira, 19 de março de 2020

Saiu da ofensiva e foi para a defensiva, Bolsonaro sentiu.

O governo, as mulheres, os negros e o panelaço

O dia 18 de março de 2020 vai ficar na história do governo Bolsonaro como “o dia que o governo saiu da ofensiva e foi para a defensiva”, isto é, o governo percebeu que está perdendo o apoio de setores importantes que o elegeram.

É evidente que a convocação do panelaço de ontem foi feita pelos movimentos populares, mas o volume do barulho e do piscar de luzes foi tão grande que fica difícil esconder a participação de eleitores frustrados com o governo.   

A cobertura da imprensa, tanto em relação ao panelaço, como em relação ao trabalho desenvolvido pelo governo no combate ao virus, a cada dia fica mais claro que o governo não está agradando mais...
Até o “Posto Ipiranga” já não funciona mais como artifício para encobrir o “não saber fazer”...

O Congresso Nacional já não se sente seguro para aprovar tudo que o governo quer. O Judiciário, que não gosta de governo fraco, já começa a dar sinais de que prefere Rodrigo Maia...

E, para ficar ainda pior, o governo resolveu brigar com a China! Quem é este governo para ter força para enfrentar a China? Quer imitar o Trump? Mas este, mesmo também sendo louco, não é burro.

Tristeza mesmo é ver o governo dar entrevista coletiva com dez ministros, presidente e outros poderosos sentados à mesa e NENHUMA MULHER presente, e NENHUM NEGRO presente à mesa das “autoridades”. Como estão se sentindo os pentecostais? Não tem fé que resista a tanta estupidez. 

Um governo que não sabe cuidar da saúde, não sabe dialogar com o mundo, não valoriza o meio ambiente, não cuida de suas crianças e seus idosos, um governo que sequer coloca uma mulher e um negro em tão grande composição de “poderosos”, este governo não serve nem para o Brasil, nem para o mundo.


Lamentável!

Um comentário: