segunda-feira, 16 de março de 2020

Ricardo Kotscho faz aniversário hoje, e daí?

Símbolos de uma geração libertária

Ricardo Kotscho, Clovis Rossi, Juca Kfouri, Osmar Santos e tantos outros nomes dos mais diversos setores da sociedade lembram muito a luta contra a ditadura militar e a contribuição que deram para unir os brasileiros e brasileiras na defesa da democracia e da liberdade.

Afinal, graças a pessoas como Kotscho e demais, o Brasil passou a viver o período mais democrático e livre de toda a sua história.

Tive a oportunidade de conviver com todos estes jornalistas e combatentes da liberdade, uma convivência com troca de experiências de vida e que tenho muito a agradecer.

Kotscho conheci nas reuniões com sindicalistas na construção do PT e da CUT.

Clovis Rossi, além de conviver nas reuniões das Diretas Já, volta e meia o encontrava no bom restaurante da minha colega de faculdade e também famosa pelo restaurante do pai, o bom e conhecido restaurante francês La Casserole.

Juca Kfouri continua frequentando nosso santuário que é o prédio Martinelli onde encontra-se o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Juca grava regularmente as famosas entrevistas para a TVT.

Osmar Santos, já era radialista famoso quando o conheci no cursinho preparatório para vestibular da FG-SP, depois convivemos na faculdade. Nesta época eu fazia um jornal mural onde assinava "Gilmar Santos". E alguém gostava de escrever à caneta sobre o nome Gilmar Santos - "Os-mar Santos". Em função desta brincadeira, quando eu comecei a participar da diretoria do sindicato e também da CUT, eu preferi usar o meu nome do meio - Carneiro, ficando Gilmar Carneiro, para não ser confundido entre Gilmar  Santos e Osmar Santos. Além de manter minha enorme admiração por Osmar Santos, tive grande tristeza quando soube que ele teve o fatídico acidente de carro na cidade de Birigui. Logo na cidade onde minha esposa nasceu e cresceu.

Nas preparações das greves nacionais dos bancários eu sempre parafraseava o Osmar Santos:

"Pimba na chulipa e sepa na gorduchinha, na greve mulheres não podem vir de salto alto nem os homens de terno e gravata, porque ou vão correr da polícia ou vão correr dos piquetes. Venham de roupa esporte participar da grande festa que é uma greve nacional por melhores salários e melhores condições de vida e trabalho."

Diretas quando pessoal?
E a multidão respondia: Já!

Tenho certeza que este presente simbólico que escrevo no aniversário de Kotscho será motivo para muita gente também lembrar de suas histórias e estórias.

Viva nossos símbolos e nossos heróis!

Parabéns nosso querido RICARDO KOTSCHO.

Um comentário: