domingo, 1 de março de 2020

A PAZ é mais importante que a GUERRA

A belicosidade de Bolsonaro é para esconder sua incompetência para ser presidente

Muita gente nos pergunta porque o povo elegeu um louco incontrolável para presidente do Brasil.
Costumo sempre responder que, ao votar as pessoas ficam co-responsáveis pelos governos e parlamentares que elegeram.
O clima de guerra aberta vivido entre os que ficaram contra o governo Dilma e que aceitaram votar em qualquer um desde que seja para derrotar Dilma e o PT, levou o Brasil a viver esta vergonha internacional. Um vexame!

Agora, falam em novo impeachment e nova campanha de mobilizações contra o governo.

Em primeiro lugar, sou contra esta mania simplista de "não se gostar de um governo e querer derrubá-lo antes de acabar o mandato eleitoral".

Se a ideia é acabar com o presidencialismo formal que existe no Brasil, os formadores de opinião precisam ser honestos e transparentes, deixando claro suas propostas e suas motivações.

Desde a faculdade, em 1975, eu sempre defendi o parlamentarismo como um modelo melhor do que o presidencialismo. Mais de 50 anos depois, cada dia mais fico convencido que o parlamentarismo continua sendo melhor do que o presidencialismo.

O mesmo problema estamos vivendo com o Congresso e com o Judiciário. Estes parlamentares deste mandato de Bolsonaro, na maioria deles, são tão ruins quanto Bolsonaro. Diriam que são tão loucos quanto o presidente, variando a tipificação da loucura de cada um...

A diferença é que, enquanto os políticos são eleitos pelo povo, o judiciário querem ter mais poder do que o executivo e o legislativo, porém sem terem sidos eleitos pelo povo.

Na Democracia, o poder deve ser exercido pelo povo, em nome do povo e com o povo. Nada de burocratas ou militares terem mais poder do que os representantes legais e legítimos do povo.

Nas democracias, normalmente, os extremos não se elegem, ou, quando eleitos, tem seus poderes definidos pela Constituição, que os impedem de cometerem crimes e barbaridades.

No nazismo, Hitler, depois de eleito, acabou com a democracia, contando com a cumplicidade de ampla parcela dos setores da Alemanha.

No Brasil atual, aproveitando-se do mal estar criado no governo Dilma, os conservadores, a direita enrustida e os fascistas, estão usando tudo que podem para acabar com o Estado do Bem Estar Social, destruir as políticas sociais nacionais e tornar o Brasil um governo e um Estado subservientes aos Estados Unidos.

Estão acabando com a Soberania Nacional.

Até as eleições municipais deste ano, viveremos um clima de guerra geral e quotidiana, com a cumplicidade da imprensa, do judiciário, dos pentecostais e dos partidos políticos conservadores. Os militares das Forças Armadas ficarão na moita, dando apoio tático aos conservadores e as polícias militares serão usadas para intimidar e reprimir os movimentos populares e sindicais.

CONSTITUINTE, já!

Em função de vivermos nesta democracia manca, deturpada e sem legitimidade, eu continuo defendendo que, mais do que ficar fazendo impeachments, devendo mobilizar o Brasil na defesa de uma nova Constituinte, simples e objetiva, que regulamente os poderes, seus papéis e suas responsabilidades. E QUE SEJA SUBMETIDA AO VOTO DO POVO.

A corrupção no Brasil não é "fruto da natureza dos brasileiros", a corrupção existe onde existe também uma facilidade histórica no "jeitinho brasileiro", uma famosa "carteirada", um "você sabe com quem está falando" e uma democracia de favor, em detrimento de uma democracia de direitos.

É preciso ouvir e respeitar o clamor do povo!
- chega de violência
- chega de desemprego
- chega de dólar altíssimo com inflação camuflada
- chega de terrorismo e de pré-conceitos

Liberdade para garantir a democracia e o Estado brasileiro, soberano e de todos os brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário