sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Sim, nós podemos libertar o Brasil

Sim, o Brasil tem um papel importante

O Brasil anda passando por um momento em que suas mazelas estão aparecendo em todos os cantos.

As pessoas estão se sentindo fragilizadas e desprotegidas...

Nota:
Consegui salvar apenas a introdução de um belo texto que escrevi às 3:00h da madrugada, ressaca de 24 horas de jejum para fazer exames de endoscopia e colonoscopia... a internet parou de funcionar e eu pensei que iria salvar o texto, mas o apagou quase todo.

Ainda na ressaca do jejum, voltarei ao hospital às 14:00 h para uma ultrassonografia com mais jejum...

Será que já não é suficiente o jejum de paz, de democracia e de solidariedade?

Somos uma geração que teve muitos sonhos.

Muitos tiveram tempo de viver bem a redemocratização, a liberdade com a Constituição de 1988, a criação das centrais sindicais e dos partidos políticos. Muitos tiveram oportunidades para contribuir diretamente com a nova forma de viver, de administrar e de compartilhar o Novo Brasil, sem medo de ser feliz.

Mas subestimamos o medo, a inveja e o ódio. Subestimamos a necessidade de consolidar a democracia e a gestão participativa e transparente. Subestimamos a força do aparelho do Estado e a força da imprensa e das religiões, quando são tomadas pelo ódio e pela inveja...

Precisamos voltar a, humildemente, juntar pessoas em todos os lugares, mostrando a importância de recuperar nossa alegria, nossos sonhos e nossa capacidade de transformar a vida individual e coletiva.

Estão matando nossas crianças, estão matando os índios e a liberdade de informação. Estão agredindo as mulheres e os negros. Estão intimidando a todos nós...

O Brasil não está morrendo, o Brasil está precisando que seu povo volte a ter dignidade e esperança. Que o futuro volte a ser agora, com flores ou sem flores...

Podemos estar velhos, feridos e cansados, mas ainda não perdemos nossa capacidade de sonhar e transformar. O Brasil é muito grande, para ser destruído em tão pouco tempo. A Inglaterra soube liderar o mundo contra o fascismo e o nazismo. O Brasil precisa voltar a acreditar na fraternidade e ação das pessoas e instituições.

Sim, o Brasil tem um papel importante, como cada um de nós também pode como deve ter um papel importante. Never give  up! Nunca desista!

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Brasil: Retratos de um país decadente

A destruição da base social

Em apenas um dia ouvimos histórias terríveis.

1 - Um taxista tenta seduzir uma adolescente de apenas 13 anos. Graças à sabedoria da menina, que gravou a conversa, a história teve um final menos difícil...

2 - Um professor em uma escola de ricos filma as crianças, principalmente da cintura para baixo. E o professor é casado... Será que tem filhos pequenos?

3 - Vendedores em lojas e em imobiliárias tentam intimidar possíveis compradores, principalmente se forem mulheres...

4 - Presidente da República discute com governador sobre "quem mandou matar o miliciano". Ao mesmo tempo 20 governadores protestam pela falta de decoro...

5 - Depois de 18 dias em greve nacional, alguns juízes decidem, uma parte votar pela ilegalidade da greve, outra parte pela SUSPENSÃO DAS DEMISSÕES. E a imprensa, bovinamente ou oportunisticamente, só dá destaque para as versões dos juízes e dos patrões. Ainda bem que o povo brasileiro vai, inconscientemente, lembrando da campanha do "Petróleo é Nosso". Ao mesmo tempo o povo brasileiro tenta ajudar os demitidos e os grevistas.

Fatos como os relatados acima, mostra um país decadente nos valores morais, decadente na qualidade de segurança e, principalmente, na destruição das políticas públicas e na coesão nacional.

Como restabelecer a PAZ, a ORDEM e o

PROGRESSO PARA TODOS, COM TODOS E DE TODOS?


Como recuperar nossa SOBERANIA NACIONAL?

Como recuperar nossa autoestima?

Como recuperar nossa DIGNIDADE?

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Greve nacional dos petroleiros interrompe refino

17º dia: Greve afeta produção e petroleiros resistem


IMPRENSA BRASILEIRA CONTINUA MENTINDO E ESCONDENDO A GREVE DOS PETROLEIROS

Petrobrás deixa de refinar o equivalente a 25 mil barris diários na área de destilação atmosférica.

Em todo o país, já são 119 unidades em greve

17/02/2020 – FUP Federação Única dos Petroleiros

Nesta segunda-feira (17), a greve nacional dos petroleiros chega no seu 17º dia de paralisação. Já são 119 unidades em greve, entre elas plataformas, terminais e todo o parque de refino da empresa.

Agora, a greve começa a impactar a produção.

Informações apuradas pelo Sindipetro Litoral Paulista, neste sábado (15), confirmam a paralisação das áreas de Recuperação de Aromáticos (URA) e de destilação atmosférica (UV). Nos dois casos, o impacto para a companhia é significativo.

Com a unidade UV parada, a empresa deixa de refinar 4 mil m³ de petróleo por dia, o equivalente a 25 mil barris diários. Na URA deixarão de ser produzidos mais de 900 m³ de produtos como benzeno, tolueno, xileno e hexano.

E a greve avança a cada dia.

Na noite deste domingo (16), por exemplo, trabalhadores desembarcaram no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes (foto acima), em Manaus, e promoverem um ato de repúdio às decisões tomadas pela Petrobrás. Sob gritos de “não estamos à venda” e “defender a Petrobrás é defender o Brasil”, os grevistas criticaram a postura do governo brasileiro sobre a privatização da Petrobrás. Nas termelétricas Jaraqui e Tambaqui, que tem seu processo de privatização em curso, mais de 90% da categoria está parada desde quinta-feira (13/02).

A greve dos petroleiros já ultrapassou a categoria e cresce diariamente em apoio da sociedade, com movimentos solidários e de luta por todo o país e pelo mundo.

Na terça-feira (18), uma grande marcha nacional em defesa do emprego, da Petrobrás e do Brasil será realizada no Rio de Janeiro, com a participação de caravanas de trabalhadores de vários estados. A concentração será a partir das 16h, em frente à sede da Petrobrás, Edise.

Quadro nacional da greve – 17/02

58 plataformas
11 refinarias
24 terminais
7 campos terrestres
7 termelétricas
3 UTGs
1 usina de biocombustível
1 fábrica de fertilizantes
1 fábrica de lubrificantes
1 usina de processamento de xisto
2 unidades industriais
3 bases administrativas

A greve em cada estado

Amazonas
Termelétrica de Jaraqui
Termelétrica de Tambaqui
Terminal de Coari (TACoari)
Refinaria de Manaus (Reman)

Ceará
Plataformas - 09
Terminal de Mucuripe
Temelétrica TermoCeará
Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor)

Rio Grande do Norte
Plataformas – PUB-2 e PUB-3
Ativo Industrial de Guamaré (AIG)
Base 34 e Alto do Rodrigues - mobilizações parciais

Pernambuco
Refinaria Abreu e Lima (Rnest)
Terminal Aquaviário de Suape

Bahia
Terminal de Camaçari
Terminal de Candeias
Terminal de Catu
UO-BA – 07 áreas de produção terrestre
Refinaria Landulpho Alves (Rlam)
Terminal Madre de Deus
Usina de Biocombustíveis de Candeias (PBIO)

Espírito Santo
Plataformas: FPSO-57 e FPSO-58
Terminal Aquaviário de Barra do Riacho (TABR)
Terminal Aquaviário de Vitória (TEVIT)
Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC)
Sede administrativa da Base 61

Minas Gerais
Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité)
Refinaria Gabriel Passos (Regap)

Rio de Janeiro
Plataformas – PNA1, PPM1, PNA2, PCE1, PGP1, PCH1, PCH2, P07, P08, P09, P12, P15, P18, P19, P20, P25, P26, P31, P32, P33, P35, P37, P40, P43, P47, P48, P50, P51, P52, P53, P54, P55, P56, P61, P62, P63, P74, P76, P77
Terminal de Cabiúnas, em Macaé (UTGCAB)
Terminal de Campos Elíseos (Tecam)
Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)
Refinaria Duque de Caxias (Reduc)
Terminal Aquaviário da Bahia da Guanabara (TABG)
Terminal da Bahia de Ilha Grande (TEBIG)
Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)

São Paulo
Terminal de São Caetano do Sul
Terminal de Guararema
Terminal de Barueri
Refinaria de Paulínia (Replan)
Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap)
Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap)
Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC)
Plataformas (04) - Mexilhão, P66, P67, P68 e P69
Terminal de Alemoa
Terminal de São Sebastiao
Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA)
Termelétria Cubatão (UTE Euzébio Rocha)
Torre Valongo - base administrativa da Petrobras em Santos
Terminal de Pilões

Mato Grosso do Sul
Termelétrica de Três Lagoas (UTE Luiz Carlos Prestes)

Paraná
Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar)
Unidade de Industrialização do Xisto (SIX)
Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa)
Terminal de Paranaguá (Tepar)

Santa Catarina
Terminal de Biguaçu (TEGUAÇU)
Terminal Terrestre de Itajaí (TEJAÍ)
Terminal de Guaramirim (Temirim)
Terminal de São Francisco do Sul (Tefran)
Base administrativa de Joinville (Ediville)

Rio Grande do Sul
Refinaria Alberto Pasqualini (Refap)

imprensa censura e esconde greve dos petroleiros

14º DIA NACIONAL DE GREVE

AUMENTA O APOIO E PETROLEIROS EXIGEM
SUSPENSÃO DAS DEMISSÕES NA FAFEN-PR

A adesão dos trabalhadores ao movimento cresce diariamente e já mobiliza 116 unidades, em 13 estados do país
Publicado: 14 Fevereiro, 2020 - 14h56 | Última modificação: 14 Fevereiro, 2020 - 15h04 - Escrito por: FUP - GIBRAN MENDES/CUT-PR

Nesta sexta-feira, 14, quando os petroleiros completam 14 dias em greve nacional em todo o Sistema Petrobrás, os sindicatos da FUP realizaram atos em várias unidades da empresa exigindo a suspensão imediata das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR).

Pelo menos 144 trabalhadores da fábrica já receberam telegramas de convocação para comparecer a hotéis da região de Araucária, onde seriam feitas a partir de hoje a rescisão dos contratos de emprego, o que viola o Acordo Coletivo de Trabalho.
Acampados há 23 dias em frente à Fafen, petroleiros e petroquímicos realizaram pela manhã um grande ato em Araucária, denunciando mais essa arbitrariedade da gestão da Petrobrás. Os trabalhadores queimaram os telegramas com os comunicados de demissão.

Houve também protestos por todo o país, nas refinarias e em outras unidades que estão em greve.

A adesão dos trabalhadores ao movimento cresce diariamente e já mobiliza 116 unidades, em 13 estados do país.
Na tarde de quinta-feira, 13, os trabalhadores da P-57, plataforma do pré-sal que opera na Bacia do Espírito Santo, desembarcaram e se somaram à paralisação.

Na Bacia de Campos, mais duas plataformas também aderiram à greve: PNA-1 e a P-40. Já são 35 de um total de 39 plataformas da região que estão na luta para reverter as demissões na Fafen-PR.

FUP busca o diálogo, mas Petrobrás insiste no confronto
Em mais uma tentativa de abrir o diálogo com a gestão da Petrobrás, que resiste em negociar com as representações sindicais desde antes da greve, a FUP protocolou na quinta-feira (13) uma petição direcionada ao ministro Ives Gandra, do Tribunal Superior do Trabalho (TST). No documento, os petroleiros reforçam a disposição de buscar uma solução para o impasse, desde que a Petrobras suspenda imediatamente as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais tomadas contra os trabalhadores e que levaram a categoria à greve.

“Com intransigência e demissões, a greve continuará crescendo e se fortalecendo. Entendemos que o papel da justiça do trabalho é preservar direitos e impedir o retrocesso social. Sempre estivemos abertos à negociação. Quem não quer negociar é a gestão da Petrobrás”, avisa o diretor da FUP, Deyvid Bacelar, um dos integrantes da Comissão Permanente de Negociação.

Pontos apresentados pela FUP na petição:

> Suspensão imediata das demissões na FAFEN-PR
> Cancelamento da nova tabela de turno que foi imposta pela gestão aos trabalhadores das unidades operacionais
> Restabelecimento das negociações para solução dos pontos do Acordo Coletivo que estão sendo descumpridos pela empresa
Comissão da FUP está há 15 dias no Edise

No dia 31 de janeiro, véspera do início da greve dos petroleiros, cinco dirigentes sindicais se reuniram com a gestão de Recursos Humanos da Petrobrás em mais uma tentativa de reverter as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais que contrariam o Acordo Coletivo de Trabalho. Desde então, os representantes da FUP aguardam dentro da sede da empresa uma resposta da gestão.

Já estão há 15 dias na mesma sala de reunião, resistindo às inúmeras tentativas de expulsão por parte da direção da Petrobrás, enfrentando dificuldades físicas e emocionais, na tentativa de abrir um canal de negociação com a empresa.

Na noite de quinta-feira, 13, o diretor da FUP, José Genivaldo Silva, 58 anos, um dos cinco integrantes desta Comissão Permanente de Negociação, sofreu uma crise de hipertensão e teve que buscar ajuda médica fora do prédio. Sua pressão arterial chegou a 20 x 10, mesmo sob medicação. Ele está em observação médica e sua pressão já está controlada. A Comissão da FUP prossegue no Edise, com 4 integrantes.

Quadro nacional da greve – 14/02

56 plataformas
11 refinarias
23 terminais
7 campos terrestres
7 termelétricas
3 UTGs
1 usina de biocombustível
1 fábrica de fertilizantes
1 fábrica de lubrificantes
1 usina de processamento de xisto
2 unidades industriais
3 bases administrativas

A greve em cada Estado:

Amazonas
Termelétrica de Jaraqui
Termelétrica de Tambaqui
Terminal de Coari (TACoari)
Refinaria de Manaus (Reman)

Ceará
Plataformas - 09
Terminal de Mucuripe
Temelétrica TermoCeará
Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor)

Rio Grande do Norte
Plataformas – PUB-2 e PUB-3
Ativo Industrial de Guamaré (AIG)
Base 34 e Alto do Rodrigues - mobilizações parciais

Pernambuco
Refinaria Abreu e Lima (Rnest)
Terminal Aquaviário de Suape

Bahia
Terminal de Candeias
Terminal de Catu
UO-BA – 07 áreas de produção terrestre
Refinaria Landulpho Alves (Rlam)
Terminal Madre de Deus
Usina de Biocombustíveis de Candeias (PBIO)

Espírito Santo
Plataforma FPSO-57 e FPSO-58
Terminal Aquaviário de Barra do Riacho (TABR)
Terminal Aquaviário de Vitória (TEVIT)
Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC)
Sede administrativa da Base 61

Minas Gerais
Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité)
Refinaria Gabriel Passos (Regap)

Rio de Janeiro
Plataformas – PNA1, PPM1, PNA2, PCE1, PGP1, PCH1, PCH2, P07, P09, P12, P15, P18, P19, P20, P25, P26, P31, P32, P33, P35, P37, P40, P43, P47, P48, P50, P51, P52, P53, P54, P55, P56, P61, P62, P63, P74, P76, P77
Terminal de Cabiúnas, em Macaé (UTGCAB)
Terminal de Campos Elíseos (Tecam)
Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)
Refinaria Duque de Caxias (Reduc)
Terminal Aquaviário da Bahia da Guanabara (TABG)
Terminal da Bahia de Ilha Grande (TEBIG)
Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)

São Paulo
Terminal de São Caetano do Sul
Terminal de Guararema
Terminal de Barueri
Refinaria de Paulínia (Replan)
Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap)
Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap)
Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC)
Plataformas (04) - Mexilhão, P66, P67 e P69
Terminal de Alemoa
Terminal de São Sebastiao
Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA)
Termelétria Cubatão (UTE Euzébio Rocha)
Torre Valongo - base administrativa da Petrobras em Santos
Terminal de Pilões

Mato Grosso do Sul
Termelétrica de Três Lagoas (UTE Luiz Carlos Prestes)

Paraná
Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar)
Unidade de Industrialização do Xisto (SIX)
Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa)
Terminal de Paranaguá (Tepar)

Santa Catarina
Terminal de Biguaçu (TEGUAÇU)
Terminal Terrestre de Itajaí (TEJAÍ)
Terminal de Guaramirim (Temirim)
Terminal de São Francisco do Sul (Tefran)
Base administrativa de Joinville (Ediville)

Rio Grande do Sul
Refinaria Alberto Pasqualini (Refap)


PETROLEIROS petroleiros em greve Greve greve dos petroleiros Petrobrás demissão de petroleiros FUP demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) FAFEN


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

O Corinthians, a China e a Petrobras: Tres tragédias

Como evitar calamidades públicas

1 - Assistir ao jogo do Corinthians contra o Guarani do PARAGUAI
foi um esforço que somente os corinthianos poderiam suportar.

Os não-corinthianos, como Julio Turra, palmeirense fanático que previu o resultado do jogo (2 a 1) e a desclassificação do Corinthians, foi motivo de festa.

Para nós, que somos corinthianos, o quê ficou claro foi:

1 - Ou os jogadores estão boicotando o técnico;

2 - Ou os jogadores são ruins e pareciam futebol de várzea;

3 - Ou o Guarani equivale ao Barcelona de Guardiola...


Que o técnico é bom, ninguém duvida. O motivo para passar tanta vergonha é que ainda não nos informaram... Só sei é que os corinthianos estão envergonhados de seu time, isto eu não tenho dúvidas.


2 - Somos solidários com o povo chinês e seu governo,

mas, também devemos reconhecer que o governo da China também "comeu bola" com esta epidemia que está assustando o mundo.

2.1- Em vez de valorizar o médico que alertou sobre o vírus, mandou prendê-lo e ainda tiveram o azar de o médico morrer na cadeia, coisa de ditadura do terceiro mundo. Uma merda só...

2.2 - Para compensar o vexame com o médico, que era casado e a mulher estava grávida, o governo chinês mostrou grande agilidade e competência com a agilidade na construção do HOSPITAL para atender os doentes contaminados e seus familiares;

2.3 - Mais de mil mortes é realmente assustador e afeta todos os continentes. Podemos ter algo parecido com a "febre espanhola" no século dezenove que matou quase um terço da população europeia.

2,4 - Já que não podemos contar muito com a ONU, a China poderia fazer uma campanha mundial, distribuir vacinas e remédios para os países carentes e enviar médicos onde estiver faltando. Cuba que é um país bem pequeno já fez coisas deste tipo, imaginem a China que é continental, rica e com um governo bastante ágil?

2.5 - Finalmente, será que ninguém imaginou a possibilidade de os Estados Unidos ter enviado o vírus para a China, como parte de uma guerra ´química não declarada? É só assistir aos filmes americanos sobre invasores de outros planetas e galáxias e outras coisinhas mais picantes tipo guerra do ópio, como os ingleses fizeram contra a China. Já pensaram?


3 - Petrobras é objeto de manipulação, mentiras e destruição

Os jornais brasileiros continuam MENTINDO sobre a Petrobras. Mesmo os trabalhadores da Petrobras fazendo greve em todo o Brasil. Depois de 13 dias de greve nacional, finalmente o jornal VALOR, que já foi o melhor do Brasil, o Valor foi obrigado a falar da greve, mesmo assim manipulando e mentindo...

Vejam a matéria da capa do jornal Valor de hoje:

"ANP alerta Justiça para o RISCO DE ABASTECIMENTO

O presidente da ANP - Agência Nacional de Petróleo, alertou o TST - Tribunal Superior do Trabalho, sobre o risco de desabastecimento de combustíveis EM DECORRÊNCIA DA GREVE DOS PETROLEIROS, QUE JÁ DURA 13 DIAS. O presidente da Petrobras disse que a situação FORGE DA NORMALIDADE e que essa solução não é sustentável ao longo prazo.

Por sua vez, os trabalhadores aceitam suspender a greve se a Petrobras interromper as demissões no Paraná e retomar negociações do acordo coletivo de trabalho."


4 - DEMOCRACIA SE CONQUISTA, NÃO SE GANHA DE PRESENTE.


- Todo apoio à greve nacional dos petroleiros!

- A Petrobras é a empresa brasileira mais importante.

- Em defesa das nossas riquezas naturais,

- Em defesa da Amazônia, do meio ambiente, do emprego e da liberdade.

- Fora este governo de mercenários, preconceituosos, conservadores e entreguistas.

- Viva a Soberania Nacional.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Petrobras – A imprensa mente

Em defesa da Petrobras e da Soberania Nacional

Os jornais tomaram a seguinte decisão em relação à greve nacional dos petroleiros: esconder, não deixar aparecer, boicotar e derrotar os petroleiros.

Não sabemos se os jornais são aliados, contratados, ou estão seguindo ordens do governo, mas temos certeza e convicção que esta censura explícita é uma agressão à democracia e à liberdade.

Enquanto a greve nacional dos petroleiros cresce a cada dia,
a pressão do governo, do judiciário e
da imprensa contra a greve fica mais explícita.

Estão destruindo a Petrobras e seu patrimônio.
Estão destruindo nossa soberania nacional.
Estão destruindo nossos empregos e nossos trabalhos.
Estão tentando destruir a liberdade duramente conquistada.

Vamos denunciar a guerra suja contra a Petrobras e contra os petroleiros.
Vamos denunciar os entreguistas.

Vamos defender o Brasil e a nossa Soberania Nacional.

Vejam abaixo as informações fornecidas pelo FUP e Comando de Greve:


Em greve
Petroleiros voltam a subsidiar combustíveis a preços justos

Desde o início da greve, os petroleiros já realizaram ações semelhantes no Paraná, em Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Espírito Santo e Rio Grande do Sul

Publicado: 13 Fevereiro, 2020 - 09h53 - Escrito por: FUP

Nesta quinta-feira, 13, quando os petroleiros completam 13 dias em greve, a FUP e seus sindicatos realizam novas ações solidárias para que a população possa ter acesso a combustíveis com preços justos. O objetivo é alertar os consumidores sobre os prejuízos causados pela política de preços que a Petrobras adota desde 2016 e que faz parte do pacote de desmonte e privatização da empresa.

Ao longo da manhã de hoje, os sindicatos estarão subsidiando descontos de botijões de gás e gasolina em seis estados do país – Amazonas, Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Na sexta, também haverá subsídios de combustíveis no Rio Grande do Norte e Ceará.
Desde o início da greve, os petroleiros já realizaram ações semelhantes no Paraná, em Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

Apesar de extrair petróleo com um dos custos mais baixos do planeta, a Petrobrás reajusta os preços dos derivados nas refinarias de acordo com as variações do mercado internacional e, consequentemente, do dólar, que já chegou a R$ 4,30.

Além disso, a empresa vem reduzindo o uso de suas refinarias, que operam hoje abaixo de 70% da capacidade. Há seis anos, as refinarias operavam com 95% de capacidade.

Ou seja, o Brasil está importando combustíveis que poderiam ser produzidos no país, o que nos deixa ainda mais expostos aos efeitos das crises internacionais. A situação ficará ainda mais grave com a venda de oito das 15 refinarias da Petrobrás.

Confira os locais das ações solidárias dos petroleiros nesta quinta:

Belford Roxo (RJ)
Horário: 9h Local: Rua Padre Egídio, 78 - bairro Lote 15 (Paróquia São Simão) Combustível: Gás de cozinha – 50 botijões

Salvador (BA)
Horário: 11h Local: Posto BR – Avenida Vasco da Gama, em frente à antiga Coca-Cola Combustível: Gasolina – 100 vouchers
Manaus (AM)
Horário: 10h Local: Avenida José Lindoso (antiga Avenida das Flores), s/n, Loteamento das Orquídeas Combustível: Gás de cozinha – 200 botijões

Esteio (RS)
Horário: 10h Local: Rua Rio Grande, 2092, Centro Combustível: Gás de cozinha – 100 botijões

Jaboatão dos Guararapes (PE)
Horário: 10h Local: Rua Boa Esperança, s/n - em frente à Escola Estadual Nestor Gomes de Moura - bairro Vila Rica Combustível: Gás de cozinha – 200 botijões

São Mateus (ES)
Horário: 8h Local: BR-101, km 67,5 (portaria da Base 61, sede da Petrobrás em São Mateus) Combustível: Gás de cozinha - 100 botijões

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Os nazistas estão voltando... e recebendo apoios

Os colaboradores do nazismo estão “saindo do armário”

- Quando a imprensa se nega a publicar notícias relevantes para proteger seus interesses, colabora com governos fascistas e nazistas;
- Quando o judiciário coloca as leis à serviço dos seus interesses, partidarizando os julgamentos, também colabora com o crescimento do fascismo;
- Quando empresários utilizam ostensivamente os políticos fascistas para proteger seus interesses e se omitem quando a democracia e a verdade são sacrificadas, estes empresários estão ajudando o fascismo...

- Vai ter eleições na Alemanha e o nazifascismo alemão pode voltar a fortalecer o monstro do Estado Nazista.
- Quem viveu ou conhece a História não pode se omitir sobre o que está acontecendo.

Vejam este belo artigo escrito por Gilles Lapouge, correspondente do Estadão na França:

“A Turíngia sacode a UE

Resultado de eleições locais fizeram todos os olhos se voltarem para o Estado simples, rural e pouco povoado

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo
12 de fevereiro de 2020 | 06h00

A Turíngia é um cantinho da Alemanha que tem tudo para agradar. Pequeno Estado simples, rural e pouco povoado. Com 2,1 milhões de habitantes, representa apenas 2% da população. Quem visita a região, admira a beleza de suas paisagens, vilarejos saídos diretamente da Idade Média, monumentos, sua alegria de viver.

A pequena capital Erfurt abriga o convento agostiniano que teve entre seus noviços Martinho Lutero – um homem não especialmente conformista, que desafiou o papa e criou o protestantismo. O jovem Lutero viveu lá apenas três anos, de 1505 a 1508. Desde então, muita água correu debaixo das pontes de Erfurt, mas a Turíngia sempre ficou ao largo das grandes oscilações políticas.

Ficou. Hoje toda a Alemanha tem os olhos voltados para o Estado onde se realizaram eleições para o governo local. A chanceler alemã, Angela Merkel, interrompeu uma viagem à África para voltar a Berlim, onde deu uma declaração de rara violência contra as eleições: “O resultado deveria ser anulado”.

Por que essa mulher tão experiente, tão senhora de seus nervos, espumou de cólera? É que o resultado foi inquietante. O partido de Merkel, a União Democrata-cristã (CDU), que vem perdendo gás há algum tempo, sofreu nova derrota.

O resultado da Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema direita, relegou a CDU a um humilhante terceiro lugar. A AfD dobrou sua força em relação à eleição anterior, com uma enorme votação de 23,4%. Entretanto, nem isso justifica o descontrole de Merkel. A verdadeira causa é outra.

O vencedor inesperado foi um membro obscuro do Partido Liberal, Thomas Kemmerich.
Ele só conseguiu maioria após o apoio da AfD.
Pior ainda:
ficamos sabendo que essa estranha eleição foi planejada como uma espécie de golpe para o qual concorreram, além da extrema direita, o pequeno Partido Liberal e uma parte da própria CDU.

Uma bizarra coalizão da extrema direita com alguns deputados conservadores descontentes fez voar em pedaços uma regra sacrossanta até agora: a de não poder haver jamais nenhum tipo de cooperação entre a CDU e a extrema direita. E a AfD não é apenas um partido de direita – é uma formação na qual muitos membros influentes não escondem sua simpatia pelos nazistas do Terceiro Reich.

Esse é o verdadeiro motivo do destempero da chanceler: o medo de um retorno às ideologias mortíferas do passado, mesmo com o deputado de fachada – Kemmerich – tendo renunciado à presidência um dia após ser eleito.

A Alemanha não é o único país a se preocupar com o fascismo.
Outros na Europa veem crescer a cada dia o fascínio exercido pelos governos de força. O fascismo e o nazismo atraem inúmeros jovens inconformados com a crise moral das democracias. Na maior parte dos países europeus, ideologias deletérias se consolidam e esperam o momento favorável para saírem das sombras.

Na França, tivemos um Jean-Marie Le Pen, um dos primeiros líderes da atualidade a se orgulhar de seu filofascismo. Em ascensão, sua filha, Marine, que o sucedeu, está empatada nas pesquisas com Emmanuel Macron. E eis que surge uma terceira Le Pen, neta de Jean-Marie e sobrinha de Marine, trazendo na mochila ideologias ainda mais pestilentas que as do avô e da tia.

Na Itália, Matteo Salvini propaga simpatia pelo fascismo e espera faminto chegar sua hora. Por toda parte, jovens de ultradireita se multiplicam, usando a arma preferida do fascismo: a violência. É real o medo que a eleição na Turíngia inspira em Merkel, que teme que as sombras do fascismo voltem a cobrir a Europa. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ”

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Imprensa manipula noticiário sobre Petrobras

Por adesão , por venalidade ou por pressão?

A imprensa brasileira está praticando “imprensa marrom”, isto é, está manipulando o noticiário, ESCONDENDO DOS LEITORES QUE EXISTE UMA GREVE NACIONAL DDOS PETROLEIROS.

A mentira praticada pela imprensa brasileira é tão escandalosa que resolvi mostrar no blog o noticiário da greve, informado pela FUP – Federação Única dos Petroleiros e mostrar as manchetes dos jornais, que estão à serviço da Petrobras.

A imprensa está manipulando por dinheiro? Por estar sendo obrigada, como foi na época da ditadura militar, ou a imprensa está defendendo o governo e a venda dos ativos nacionais à preço de bananas?

VEJAM DOIS EXEMPLOS DE JORNALISMO MARROM:

Vejam a matéria que a Petrobras forneceu para a Folha e está publicada dia 11/02/2020, ontem: “Petrobras produz mais e mantém refinarias ociosas”.

Agora veja a matéria do jornal VALOR, também pu8blicada ontem: “Petrobras bate recorde na exportação de óleo”.

AGORA VEJAM OS NÚMEROS DA GREVE NACIONAL DOS PETROLEIROS,
A GREVE QUE A IMPRENSA FAZ DE CONTA QUE NÃO EXISTE.

Vejam o relato nacional fornecido pelo Comando de Greve:

Petroleiros mobilizam deputados e senadores no aeroporto de Brasília

Com faixas e palavras de ordens contra as demissões e o desmonte da Petrobrás, os petroleiros ocuparam o aeroporto de Brasília, na manhã desta terça, para recepcionar os deputados e senadores que chegavam de seus estados. Na parte da tarde, a FUP e seus sindicatos aumentam a pressão, com visitas aos gabinetes de deputados e senadores no Congresso Nacional para que façam interlocução com a direção da Petrobrás e o governo visando à suspensão das demissões em massa na Fafen-PR, bem como das medidas arbitrárias que violam os fóruns de negociação previstos no Acordo Coletivo.

Quadro nacional da greve – 11/02

48 plataformas
11 refinarias
20 terminais
7 campos terrestres
5 termelétricas
3 UTGs
1 usina de biocombustível
1 fábrica de fertilizantes
1 fábrica de lubrificantes
1 usina de processamento de xisto
1 complexo petroquímico
3 bases administrativas

A greve em cada estado:

Amazonas
Terminal de Coari (TACoari)
Refinaria de Manaus (Reman)
Ceará
Plataformas - 09
Terminal de Mucuripe
Temelétrica TermoCeará
Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor)
Pernambuco
Refinaria Abreu e Lima (Rnest)
Terminal Aquaviário de Suape

Bahia
UO-BA – 07 áreas de produção terrestre
Refinaria Landulpho Alves (Rlam)
Terminal Madre de Deus
Usina de Biocombustíveis de Candeias (PBIO)
Espírito Santo
Plataforma P-58
Terminal Aquaviário de Barra do Riacho (TABR)
Terminal Aquaviário de Vitória (TEVIT)
Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC)
Sede administrativa da Base 61

Minas Gerais
Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité)
Refinaria Gabriel Passos (Regap)

Rio de Janeiro
Plataformas (34) – PCH1, PCH2, PNA2, P07, P09, P12, P15, P18, P19, P20, P26, P31, P32, P35, P37, P43, P47, P48, P50, P51, P52, P53, P55, P56, P61, P62, P63, FPSO Capixaba, FPSO Cidade de Vitória, P56, P58, P74, P76, P77
Terminal de Cabiúnas, em Macaé (UTGCAB)
Terminal de Campos Elíseos (Tecam)
Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)
Refinaria Duque de Caxias (Reduc)
Terminal Aquaviário da Bahia da Guanabara (TABG)
Terminal da Bahia de Ilha Grande (TEBIG)
Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)

São Paulo
Terminal de São Caetano do Sul
Terminal de Guararema
Terminal de Barueri
Refinaria de Paulínia (Replan)
Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap)
Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap)
Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC)
Plataformas (04) - Mexilhão, P-66, P-67 e P-69
Terminal de Alemoa
Terminal de São Sebastiao
Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA)
Termelétria Cubatão (UTE Euzébio Rocha)
Torre Valongo - base administrativa da Petrobras em Santos

Mato Grosso do Sul
Termelétrica de Três Lagoas (UTE Luiz Carlos Prestes)

Paraná
Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar)
Unidade de Industrialização do Xisto (SIX)
Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa)
Terminal de Paranaguá (Tepar)

Santa Catarina
Terminal de Biguaçu (TEGUAÇU)
Terminal Terrestre de Itajaí (TEJAÍ)
Terminal de Guaramirim (Temirim)
Terminal de São Francisco do Sul (Tefran)
Base administrativa de Joinville (Ediville)

Rio Grande do Sul
Refinaria Alberto Pasqualini (Refap)

Rio Grande do Norte
Polo de Guamaré, Base 34 e Alto do Rodrigues - mobilizações parciais
[FUP]

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Imprensa esconde greve nacional na Petrobras

Vergonha nacional!

Tenho perguntado aos petroleiros e aos sindicalistas do porquê a imprensa brasileira não tem dado destaque à greve nacional na Petrobras. Ninguém está entendendo esta brincadeira de esconde-esconde...

Vejam os números apresentados pelo Comando Nacional de Greve e veja o que publicou neste final de semana o jornal Valor (07/02/2020):

Comando de Greve: 40 plataformas, 18 terminais, 11 refinarias, 20 unidades operacionais e 3 bases administrativas do Sistema Petrobras.

Jornal Valor:
Petrobras deve adiar para abril ofertas para primeiras refinarias.

Este título está na capa do caderno “Empresas”.
Nenhuma palavra sobre a greve nem sobre os trabalhadores.
O jornal, no entanto, tem expectativa de os compradores serem grupos financeiros e não financeiros. De acordo com o Plano de Negócios a empresa prevê levantar entre US20 e 30 bilhões de dólares com a venda de ativos, entre eles as oito refinarias.

A imprensa brasileira está à serviço dos especuladores internacionais.

Vejam o relato dos funcionários :


GREVE DOS PETROLEIROS COMPLETA 10 DIAS,

COM ADESÕES EM TODO O SISTEMA PETROBRÁS

Estão paradas 40 plataformas, 18 terminais, 11 refinarias, 20 unidades operacionais e 3 bases administrativas do Sistema Petrobras

Publicado: CUT - 10 Fevereiro, 2020 - 12h12 | Última modificação: 10 Fevereiro, 2020 - 12h20 FUP - SINDIPETRO/MG -

A greve nacional dos petroleiros e petroleiras completa dez dias nesta segunda-feira (10), com adesões em 91 unidades do Sistema Petrobrás, em 13 estados brasileiros. Cerca de 20 mil trabalhadores estão mobilizados de Norte a Sul do país nesta que já é considerada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos como a mais forte greve da categoria nos últimos anos.

Os petroleiros cobram a suspensão das mil demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), previstas para terem início na próxima sexta-feira (14), e o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

No final de semana, trabalhadores de mais três plataformas entraram em greve, junto com os operadores do Terminal Aquaviário de Vitória. Na manhã desta segunda, os trabalhadores da manutenção e do escritório do terminal também aderiram ao movimento.

Já são 40 plataformas, 18 terminais, 11 refinarias e
outras 20 unidades operacionais e 3 bases administrativas
com trabalhadores em greve por todo o país.

Pela primeira vez, a Petrobras convocou aposentados para furar a greve e a resposta foi direta: "Não somos traidores, nem pelegos".

Brigada petroleira em Brasília

Ao longo desta semana, a FUP, os sindicatos de petroleiros e a CUT estarão com representações em Brasília, visitando os gabinetes de deputados e senadores no Congresso Nacional para que façam interlocução com a direção da Petrobrás e o governo visando à suspensão das demissões em massa na Fafen-PR, bem como das medidas arbitrárias que violam os fóruns de negociação previstos no Acordo Coletivo.

Petrobrás não negocia nem deixa sindicatos cumprirem liminar

A adesão dos petroleiros à greve ocorre sem piquetes, só na base do convencimento, em cumprimento à decisão do ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Martins Filho.

A direção da Petrobrás, por sua vez, continua negando o acesso das representações sindicais às unidades para averiguar o quantitativo de trabalhadores necessário para manter com segurança o atendimento das necessidades básicas da população.

Em vez de negociar com a FUP e os sindicatos, a gestão da empresa descumpre medidas judiciais e a própria legislação, anunciando que está providenciando “a contratação imediata de pessoas e serviços, de forma emergencial, para garantir a continuidade operacional em suas unidades durante a greve”.

Ao mesmo tempo, a Petrobrás informa que “as unidades estão operando nas condições adequadas, com reforço de equipes de contingência quando necessário, e não há impactos na produção até o momento”.
A contradição da gestão da empresa evidencia o tratamento político que está dando à greve dos petroleiros, ao querer criminalizar o movimento. Para isso, coloca em risco a segurança dos trabalhadores e das próprias unidades ao anunciar a contratação de “fura-greves”.

O artigo 9° da Lei de Greve (7.783/89) afirma que patrão e empregados manterão "os serviços cuja paralisação resultem em prejuízo irreparável, pela deterioração irreversível de bens, máquinas e equipamentos, bem como a manutenção daqueles essenciais à retomada das atividades da empresa quando da cessação do movimento".

Os petroleiros são os mais interessados na manutenção da segurança do ambiente de trabalho e na continuidade das operações após a greve.

Por que os gestores se negam a dialogar com a Comissão Permanente de Negociação da FUP segue há 11 dias em plantão de 24 horas dentro da sede da Petrobrás, buscando interlocução com a empresa?

Em vez disso, a gestão da Petrobrás continua tentando, sem sucesso, expulsar os cinco dirigentes sindicais que estão desde 31 de janeiro em uma sala de reuniões no andar onde funciona a gerência de Recursos Humanos, cobrando um canal de negociação com a empresa.

Quadro nacional da greve – 10/02

40 plataformas
11 refinarias
18 terminais
7 campos terrestres
5 termelétricas
3 UTGC (processamento de gás)
1 usina de biocombustível
1 fábrica de fertilizantes
1 fábrica de lubrificantes
1 usina de processamento de xisto
1 complexo petroquímico
3 bases administrativas

Amazonas
Terminal de Coari (TACoari)
Refinaria de Manaus (Reman)

Ceará
Plataformas - 09
Terminal de Mucuripe
Temelétrica TermoCeará
Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor)

Pernambuco
Refinaria Abreu e Lima (Rnest)
Terminal Aquaviário de Suape

Bahia
UO-BA – 07 áreas de produção terrestre
Refinaria Landulpho Alves (Rlam)
Terminal Madre de Deus
Usina de Biocombustíveis de Candeias (PBIO)

Espírito Santo
Terminal Aquaviário de Vitória (TEVIT)
Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC)
Sede administrativa da Base 61

Minas Gerais
Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité)
Refinaria Gabriel Passos (Regap)

Rio de Janeiro
Plataformas - 27
Terminal de Cabiúnas, em Macaé (UTGCAB)
Terminal de Campos Elíseos (Tecam)
Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)
Refinaria Duque de Caxias (Reduc)
Terminal Aquaviário da Bahia da Guanabara (TABG)
Terminal da Bahia de Ilha Grande (TEBIG)
Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)

São Paulo
Terminal de Guararema
Terminal de Barueri
Refinaria de Paulínia (Replan)
Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap)
Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap)
Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC)
Plataformas - 04
Terminal de Alemoa
Terminal de São Sebastiao
Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA)
Termelétria Cubatão (UTE Euzébio Rocha)
Torre Valongo - base administrativa da Petrobras em Santos

Mato Grosso do Sul
Termelétrica de Três Lagoas (UTE Luiz Carlos Prestes)

Paraná
Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar)
Unidade de Industrialização do Xisto (SIX)
Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa)
Terminal de Paranaguá (Tepar)

Santa Catarina
Terminal de Biguaçu (TEGUAÇU)
Terminal Terrestre de Itajaí (TEJAÍ)
Terminal de Guaramirim (Temirim)
Terminal de São Francisco do Sul (Tefran)
Base administrativa de Joinville (Ediville)

Rio Grande do Sul
Refinaria Alberto Pasqualini (Refap)

Rio Grande do Norte
Polo de Guamaré, Base 34 e Alto do Rodrigues - mobilizações parciais

sábado, 8 de fevereiro de 2020

Dólar a 4,32 inviabiliza a vida

Inflação baixa esconde inflação do dólar

Escolas subiram, gasolina sobe toda semana, carros subiram, alugueis ou alugueres também subiram, roupas e comidas subiram diversas vezes. Ao abastecer o carro num posto perto de casa, vi que a gasolina estava mais cara. assustado comentei com o frentista e ele respondeu que TODOS RECLAMAM.

Outro dia no supermercado Pão de Açúcar tinha uma peça média de carne com o preço de 225,00. Fiquei tão assustado que saí de perto...

O Brasil está sendo dolarizado, mas os salário continuam sendo medidos pela inflação do real. A inflação real, no custo de vida da classe média, está escandalosa...

Precisamos combater a inflação invisível,
Precisamos combater a mentira e a corrupção,
Precisamos combater o preconceito e a ignorância,
Precisamos combater os incêndios e a invasão das terras indígenas.

Precisamos defender o Brasil.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Mercadante ajuda ou atrapalha?

Aprendendo com a História.

Na resistência russa contra a invasão nazista, a descoberta do potencial destrutivo dos francos atiradores, agora conhecidos como "snipers", foi muito importante. Como também aparecerem várias mulheres com grande capacidade de mirar nos inimigos, matando-os.

Na segunda guerra também tiveram grande importância, na confusão e na contra-espionagem, o papel dos quintas-colunas, agentes infiltrados nas fileiras dos inimigos. Ainda hoje temos infiltrações de agentes provocadores e repassadores de informações nos movimentos sociais...

Hoje, como as guerras são mais midiáticas e jurídicas do que bélicas, o papel tanto dos francos-atiradores como dos quintas-colunas também é desempenhado de forma diferentes da guerra bélica.

Mais do que a extrema direita, a imprensa conservadora e golpista, não faz o discurso estúpido que faz o povo de Bolsonaro. Estes querem exercer o poder pela força. O voto é mera casualidade, não é princípio. Para a extrema direita, o importante é ganhar e manter o poder. O resto é consequência e o voto universal não é necessário.

Para a direita mais inteligente e menos fascista, a aparência de democracia e de respeito às leis internacionais são fundamentais, para dar maior legitimidade aos governantes tanto a nível internacional como internamente.

No Brasil, a dominação conservadora sempre procurou deixar os negros nas favelas e fora do acesso à estrutura do Estado. Agora, os conservadores estão destruindo o pouco que resta da população indígena. Combinam esta destruição com a redução drástica do que ainda temos da Amazônia.

Como todos os anos que temos eleições, sempre a direita retoma temas contra o PT, como forma de envenenar a opinião pública, tentando criminalizar o partidos e os movimentos populares. O PT, que sempre atuou dentro da lei e da ordem, vê-se assim com a obrigação de ficar se justificando e defendendo-se.

O Brasil tem 35 partidos políticos.
Trinta de direita e cinco de esquerda.

Além de ser 30 contra 5, na distribuição partidária, a direita brasileira sempre contou com o apoio ostensivo da imprensa, do judiciário, das polícias e formas militares e paramilitares. Agora, a direita passou a ter o apoio também dos evangélicos pentecostais, que ameaçam a hegemonia católica desde o descobrimento do Brasil em 1500...

Construir um partido como o PT,
foi e é o maior desafio democrático da nossa história.

Construir e manter nacionalmente uma Central Sindical como a CUT, é um desafio de 500 anos. Enquanto na Europa as centrais sindicais foram criadas no final do século dezenove, isto mesmo, no século XIX, antes do século 20, aqui no Brasil, a primeira central sindical a ser constituída foi a CUT - Central Única dos Trabalhadores, em 28 de agosto de 1983. Quase 500 anos depois de descoberto o Brasil.

Na convivência contra a ditadura militar, acertar e errar fez parte do nosso dia a dia.

Na fase mais dura da ditadura militar, as experiências de guerrilha urbana no Brasil se deram de forma totalmente desigual, a ditadura coagindo e matando muitos dos que foram presos. Vide o livro "Tortura nunca mais". Portanto, a direita teve mais culpa do que a esquerda da forma como se deu a luta libertária. Ainda temos mortos não identificados e a ditadura negociou uma anistia que mais lhe protegeu do que protegeu à esquerda.

Na luta pela redemocratização do Brasil, o PT, a CUT, a Igreja católica, os partidos progressistas, e aqui se inclui grande parcela do MDB na época, como se inclui o CEBRAP e outras instituições. A polarização era entre ditadores e democratas...

Houve acertos e erros de parte à parte, mas a democracia avançou, possibilitando o Brasil passar pelo maior período democrático de sua história. Atualmente nossa democracia está ameaçada pelo atual grupo extremista de direita que está no governo.

Muitos que apoiaram Bolsonaro precisam fazer autocrítica pública,
a começar pelo Judiciário, pela imprensa e pelos partidos políticos.

O PT precisa também precisa fazer autocrítica pública, a começar pelo "Trio que comandava o segundo governo Dilma". Isto é, a começar por Mercadante, Cardoso e a presidente Dilma.

Lembram do slogam: "O jeito petista de governar"?

O PT tinha governo participativo, orçamento participativo e estava aberto a compor com todos que somassem para melhorar o Brasil. Até hoje, não ficou claro do porque em vez de Lula ter sido o candidato do PT em 2014, preferiram manter Dilma como candidata, apesar de o primeiro mandato já ter dado sinais das dificuldades comportamentais de alguns que estavam no governo.

O governo Dilma, após reeleita, fez cavalo-de-pau na economia, antes de tomar posse, sem ter conversado com o movimento sindical e popular, bases imprescindíveis para reeleger a presidente.

O governo Dilma abriu as portas da Petrobrás para o ministério público implodir o governo Dilma, desmoralizar a empresa mais importante do Brasil, e facilitar para que a direita internacional, liderada pelo judiciário nacional e a imprensa, mobilizassem o povo como forma de deslegitimar o governo Dilma, abrindo caminho para o golpe de Estado.

O governo Dilma, no segundo mandato ignorou a importância do apoio de deputados, senadores e movimentos sociais. Se colocaram acima de todos e de tudo. Preferiram perder tudo, ouvindo poucos, a perder pouco, ouvindo todos que sempre lhes apoiaram. Tudo isto justificaria o Golpe de Estado? Não. A democracia não pode ser descartável...


A Folha e a UOL - que são do mesmo dono - estão certas quando procuram pessoas na esquerda para darem entrevistas criticando o PT e Lula.

Quem estão erradas são as pessoas que fizeram parte da história do PT e de seus governos que erraram quando estavam nos governos e depois posam de arautos da verdade e da competência.

Lula e o PT, ao indicarem Mercadante para presidente da Fundação Perseu Abramo, estimulam à onipotência de Mercadante e este, com a sua oratória, deverá fazer sombra a presidente do partido, Gleise, como também poderá criar situações desagradáveis para o próprio Lula.

Lula, a maior liderança sindical, partidária e maior presidente que o Brasil já teve, sempre acertou e errou, e nunca negou isto. Mas Lula aprendeu com a vida que pode ser respeitoso com a imprensa, o judiciário e os empresários, mas isto não precisa ser igual a ser subserviente.

- DEMOCRACIA não é favor, é DIREITO.
- respeitar a diversidade e a pluralidade não é favor, tem que ser direito.
- As instituições públicas precisam empregar e respeitar os negros e negras, respeitar as mulheres e os jovens, preservar a Amazônia e o meio ambiente em todo território nacional.

- O PT NÃO ESTÁ OBSOLETO,
- O PT Não precisa humilhar-se perante os golpistas!
- O PT está sob ataque permanente e violento!
- A Operação lava-jato foi uma farsa jurídica e política.

- Mais do que "de autoflagelação",

- o Brasil precisa de uma nova CONSTITUINTE e um novo governo popular e democrático.

- Para que o Brasil seja de todos, com todos e para todos.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

O jornal, o jornalista e a boa matéria

É possível dialogar com os corações e as mentes

O jornal - "Folha de S.Paulo"

A Folha está transformando seu primeiro caderno em algo que parece edição do diário oficial, isto é, diagramação pesada, longas matérias escritas por juristas e advogados, parecendo que age preventivamente contra as loucuras e provocações do presidente do Brasil. Como assinante há dezenas de anos, mantenho minha assinatura impressa. Quando acordo antes das seis da manhã, vou pegar o jornal no jardim e depois passo os olhos por todas as páginas.

Ultimamente não leio quase nenhuma, e, quando as leio, geralmente são páginas de cultura, literatura e esportes. O jornal anda meio enfadonho...

A boa matéria

"Ex-Maksoud, chef agora vende comida em feira em São Paulo"

Com o título acima, publicado no caderno COTIDIANO, página B4, uma foto bonita e uma longa matéria... Gostei da foto, gostei do título, principalmente porque ontem participei de um seminário sobre Reforma Trabalhista e Sindical", exatamente no famoso, porém decadente, Hotel Maksoud. No almoço tinha feijoada, embora boa de tempero, como era self servisse, estava meio fria. As feijoadas mantêm a tradição de serem boas quando servidas em cumbucas com o molho fervendo.

Durante o almoço comentávamos dos musicais do "150 night club", famoso pelo bom jazz e blues, sem contar a presença de Frank Sinatra, B.B. King e tantos outros. Hoje, antes das seis da manhã, comecei a ler sobre o grande chef Léo Filho, ele mesmo...

O jornalista


Lá para as tantas e curioso com tão bela narrativa, fui procurar quem era o autor da matéria. Emocionado e surpreso verifiquei que o autor é o grande jornalista RICARDO KOTSCHO.

Kotscho é parte de uma geração que já entrou para a História do Brasil, acompanhando as greves do ABC, a construção do PT, cobrindo Serra Pelada, ajudando a organizar o Projeto Travessia ou contando muitas bonitas histórias de todo o Brasil.

O belo artigo de Ricardo Kotscho é mais uma demonstração de que é possível e necessário conviver com a pluralidade, a diversidade e a democracia.

A Folha anda meio zambeta politicamente, mas, da mesma forma que foi capaz de ser determinante na campanha da "Diretas Já!", poderá ser determinante na campanha da "Democracia para todos, já!".

Seja bem-vindo Kotscho!


terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Estadão e Judiciário fazem magia com números

Estadão pratica “imprensa marrom”.

Judiciário virou partido...

Quem tem que julgar Lula é o povo brasileiro.


Estadão manipula notícia tentando enganar os leitores.
Isto é “imprensa marrom”, panfletária.

Ao escrever com destaque que “Tribunal unânime impõe a Lula sua mais pesada pena(condenação) n Lava Jato, 17 anos de prisão”, o jornal quer passar a ideia de grandeza. Ora, desde quando três é muito? O STJ têm ONZE JUÍZES.

UNANIMIDADE EM TRES é muito pouco relevante.
Maioria de 7 a 1, para lembrar nosso futebol, vale muito mais do que 3 a 0.

Ganhar uma eleição que mais de CEM MILHÕES de pessoas votaram, onde a diferença de votos é bem menor entre o primeiro colocado e o segundo comparando-a com os votos em brancos e nulos, pode ser legal, MAS NÃO É LEGÍTIMO.

Um dos problemas deste tipo de matéria jornalística é que o Estadão já não é o mesmo dos tempos dos Mesquitas, conservadores, porém democratas. Hoje o Estadão parece mais um jornal conservador e panfletário.

Vejam a manchete do Estadão:

Tribunal unânime impõe a Lula
sua mais pesada pena na Lava Jato,
17 anos de prisão


Com o voto do terceiro desembargador da 8ª Turma do TRF-4, Carlos Thompson Flores, Corte amplia condenação do ex-presidente no processo do sítio de Atibaia, inicialmente fixada em 12 anos e 11 meses de reclusão pela juíza Gabriela Hardt

Ricardo Brandt/PORTO ALEGRE – ESTADÃO - 28 de novembro de 2019 | 15h10

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Com o BREXIT, os ingleses se apequenaram

Reino Unido: “De volta para casa...”

Nossa geração foi criada estudando história sobre três grandes impérios: O império romano, o império turco e o império inglês.

Embora estudássemos pouco, mas já sentíamos a presença econômica, cultural e militar do império que substituiu o Reino Unido: Os Estados Unidos da América.

Nos três casos temos exemplos de significativa presença de alemães tentando cavar espaço para ter o seu império. ..

1 – Uma vez, andando nas ruas de Frankfurt, na Alemanha, o nosso guia alemão pediu-nos para parar e olhar aquelas pedras formando um alicerce à céu aberto. O alemão, todo orgulhoso nos perguntou: Vocês sabem o que significa estas pedras? Respondemos; Não! Mais orgulhoso ainda, o alemão encheu o peito de ar e disse solenemente: “ Aqui terminava o império romano. Nós éramos os bárbaros daquela época... A Inglaterra foi conquistada por Roma e chama-se Bretânia. Mas já eram ótimos guerreiros.

2 – Esta participação dos ingleses nas lutas desde o império romano contribuiu muito para o Reino Unido estruturar-se como país de lutas e conquistas. Depois dos romanos vieram os vinking e finalmente a Inglaterra adquiriu vida própria e mandou no mundo por mais de cem anos e em seu império o sol nunca se punha...

3 – Da mesma forma que os ingleses aprenderam com o império romano, os países e povos “conquistados” pelos ingleses também aprenderam com eles a lutar, conquistar e se defender. Este conhecimento foi fundamental na ampliação e na manutenção de seu império.

4 – Na primeira guerra mundial, mesmo já precisando de ajuda dos Estados Unidos, os ingleses derrotaram os alemães e, ao mesmo tempo, acabaram com o secular império turco-otomano. Como um velho leão que consegue manter seu harém, os ingleses sentiram sua grande parcela de mortos e feridos, como sentiram que, mais uma guerra igual a primeira, seria mortal para seu império.

5 – Sentindo as fragilidades econômicas, políticas e sociais dos ingleses, os alemães, que perderam a guerra, mas tinham mantido sua capacidade de resistência e sua arrogância militar. Responsabilizando o mundo pelo seu atraso no cenário internacional, os alemães partiram como hienas para tomar a Europa para si. Os alemães contaram também com o medo das monarquias e dos capitalistas em ascensão tinham do comunismo russo. E se os russos dessem certo? Usando o comunismo como pretexto, Inglaterra, Estados Unidos e vários outros países apoiaram a presença militar dos alemães contra os republicanos e democratas espanhóis. E, muitas vezes ficaram quietos quando os nazistas começaram a acabar com a democracia e a liberdade...

6 – Quando a segunda guerra mundial terminou, o império britânico já era passado. Os ingleses perderam o império para os Estados Unidos. Mas não perderam a pose nem a dignidade. Foram fundamentais para derrotar os alemães nazistas. O mundo deve muito aos ingleses...

7 – Com o BREXIT, o Reino Unido passa a ser praticamente só a Inglaterra. Na próxima guerra europeia, o papel dos ingleses será secundário... Ao virar ás costas para a Europa, os ingleses estão negando a sua história e o seu passado. Não é por acaso que na lista apresentada pelo FMI dos maiores PIBs nominais do mundo, em 2015, o Reino Unido aparece no quinto lugar, com 2,8 trilhões de dólares, atrás dos Estados Unidos, que vem em primeiro lugar com US$17,9 trilhões, da China em segundo lugar com 10,9 trilhões, do Japão em terceiro, com 4,1 trilhões, e da ALEMANHA, em quarto lugar, com 3,4 trilhões de dólares. Na sexta posição está a FRANÇA, com 2,4 trilhões de dólares...

8 – O Reino Unido fez parte da criação da Comunidade Econômica Europeia, instrumento importante na defesa do capitalismo, da democracia liberal e das liberdades democráticas. Aprovou no parlamento a entrada oficial na CEE em
1973 e teve papel determinante na implosão do império soviético nos anos 80.

9 - Com a sua oficial neste 1º. De Janeiro de 2020, o BREXIT, os ingleses apequenaram-se. Se autoderrotaram... Finalmente as condições estão dadas para que os alemães consolidem sua hegemonia na Europa continental.

10 – Os alemães , finalmente aprenderam que, ganhar na disputa econômica, política e social, tem mais valor histórico do que ganhar com o terror da destruição militar. E o principal aliado dos ingleses, os Estados Unidos, já não consegue manter o seu imenso império pelo voto popular. E quando o povo não concorda com os imperadores e conquistadores, estes dizem que o povo não sabe votar e acabam com as democracias e as liberdades. Abrindo novos caminhos para o surgimento de novos povos e novos países...

E a luta continua.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

O Mercado manda e o BC obedece

O Mercado é o nome do Sistema Financeiro

Vejam a entrevista do presidente da Verde Asset Management, Luis Stuhlberger, considerado o melhor investidor brasileiro.

Os gregos tinham a sua mitologia com seus diversos deuses. O capitalismo moderno não é mais controlado pelo setor industrial, agora, quem manda mesmo é o sistema financeiro, que é chamado de MERCADO. O deus mercado apoia este ou aquele governo; o deus mercado está preocupado com a inflação, e agora o deus mercado vai obrigar os governos a cuidar do meio ambiente. E quem não obedecer apanha...

A recomendação do deus mercado para seus operadores no governo é clara: é hora de continuar cortando os juros.

Vejam a integra da entrevista...


Mercado está forçando o BC a cortar juros,
diz Stuhlberger

Para presidente da Verde Asset Management, instituição deveria ter parado de reduzir as taxas em 4,75%

Altamiro Silva Junior e Karla Spotorno, O Estado de S.Paulo
29 de janeiro de 2020 | 11h29

O presidente da Verde Asset Management, Luis Stuhlberger, disse nesta quarta-feira, 29, que o mercado está empurrando o Banco Central a cortar novamente os juros e, neste momento, "é quase certeza" que a taxa será reduzida para 4,25% ao ano na próxima reunião do Comitê de Política Monetária, na semana que vem. "Embora eu esteja posicionado contra isso", disse, ao falar que a instituição deveria ter parado de cortar as taxas em 4,75%.

"Muitas assets (gestoras de investimentos) ganharam muito dinheiro no pré-curto. Mercado está forçando o BC a cortar mais", disse, em evento do banco Credit Suisse, ressaltando que, mesmo dentro da Verde, há divergências sobre os próximos passos do BC.

Para Stuhlberger, o mercado reforçou as apostas em corte de juros ao observar hoje, nos índices de preços, os núcleos muito baixos e a inflação de serviços comportada. Além disso, o teto de gasto e a reforma da Previdência trouxeram "conforto fiscal". Ainda com a elevada capacidade ociosa e o desemprego alto, a sinalização, segundo ele, é de que não haverá pressão inflacionária.

O gestor, contudo, alerta para riscos a este cenário. "Acho que a inflação pode ter não linearidade em algum momento, do mesmo jeito que aconteceu com o câmbio", disse, ao justificar sua visão de que o BC deveria ser mais cauteloso.

"O câmbio está 5% acima do nível do que é razoável." Modelos da Verde apontam o preço justo da moeda americana ao redor de R$ 3,98. Ao mesmo tempo, Stuhlberger não vê espaço para melhora mais forte do real, porque o investidor estrangeiro está fora do mercado, as exportadoras estão retendo recursos lá fora e empresas estão trocando emissões em dólar por real.

Os juros muito baixos no Brasil criaram "os órfãos do CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro)", disse Stuhlberger, ressaltando que ele mesmo é um deles. Por isso, os investidores têm procurado aplicar na Bolsa e as gestoras estão criando "dois, três" fundos de ações ou multimercados por semana para permitir isso. "No Brasil, existe efeito bolha na Bolsa", afirmou, ressaltando que ele próprio está comprado em ações.

Crescimento global menor

Stuhlberger disse também que a economia mundial está estruturalmente com menos crescimento, mas com a vantagem de inflação baixa, o que permite juros menores.
Segundo ele, se o evento que está sendo realizado agora tivesse ocorrido em dezembro, riscos como o coronavírus e a questão do Irã não estariam no radar. “São riscos que aparecem que nunca imaginamos”, disse, mencionando que são assuntos de gravidade, mas que podem balançar o mercado por pouco tempo.

“Esses ruídos no mercado não duraram uma semana. Mercado balançou uns dias e depois voltou”, disse ele, ressaltando que a China tem tratado a questão da doença no “estilo chinês”, ou seja, isolando uma cidade enorme.

Já a Europa pode precisar mudar seu modelo de crescimento, pois a região está “permanentemente com problema de crescimento gravíssimo”. “Talvez o modelo esteja terminado, vai ter de fazer uma outra coisa”, disse o gestor. Pelo lado positivo, a questão fiscal da região está menos negativa que em outras. “Déficits crônicos estão bastante controlados.”

Eleição nos Estados Unidos

Para Stuhlberger, o mercado financeiro trabalha hoje com chance zero de o pré-candidato democrata Bernie Sanders derrotar o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na eleição americana de novembro. Já uma vitória de Joe Biden, que foi vice-presidente na gestão de Barack Obama, não seria um problema, pois ele é visto como democrata não socialista, ao contrário de Sanders.

"Sanders não tem muita chance em nível nacional", disse Stuhlberger, ao comentar as perspectivas para a eleição americana. Na avaliação dele, mesmo não ganhando, Sanders pode fazer "certo estrago nas finanças públicas americanas", pois pode forçar Trump a fazer concessões e adotar medidas como cortes de impostos.

"A plataforma democrata será mais gastos com saúde e corte de impostos para pessoas físicas", disse o gestor. "Mas os EUA hoje arrecadam muito pouco", completou, ressaltando que a carga tributária total no país é ao redor de 30% do Produto Interno Bruto (PIB), o que é um "número baixíssimo", considerando que é a maior economia do mundo.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

O PTestá voltando às origens

O voto como mecanismo de valorização e de punição

Uma parcela do eleitorado que sempre votou no PT, de repente, ofendida pelas denúncias da lava-jato, agredida pela hostilidade contundente da imprensa, manipulada pelo judiciário inescrupuloso, enganada pelos políticos conservadores que se uniram ao mentirosos, inescrupulosos, agressores e manipuladores para votar contra o PT.

De repente, os reacionários acharam uma oportunidade de, em vez de defender-se, atacar violentamente os petistas... ficou fácil ganhar eleições.

Além de sentir-se enganada, esta parcela do eleitorado, também sentiu o impacto das demissões, dos arrochos salariais, das privatizações vendidas a preço de bananas, a humilhação do Brasil no cenário internacional e a volta à pobreza de grande parcela de brasileiros.

Sentindo-se traída pelo partido, (o PT), agredida economicamente e vendo sua família sofrendo, esta parcela significativa do eleitorado, emocionalmente, passou a também acusar o PT de ter abandonado suas origens.

Quais origens?

1 - O partido ficou grande, com mais de dois milhões de filiados;
2 - O partido conseguiu eleger centenas de vereadores, deputados estaduais, dezenas de prefeitos, governadores e senadores. Até elegeu dois presidentes em quatro eleições. Passou a ser a maior bancada federal e recebeu muito dinheiro do Fundo Partidário;
3 - Esta grandeza do PT tinha a ver com a forma participativa de sua maneira de governar para o povo, com transparência e até com Orçamento Participativo!
4 - O povo, onde tinha PT no governo, melhorava de vida e os filhos tinham mais oportunidades.

Era o Brasil que dava certo...

Os conservadores, a direita, os golpistas, os derrotados, cansados de perder eleições e vendo que o PT crescia em todo Brasil e que o mundo inteiro queria conhecer o Brasil e sua grande liderança carismática que era e é o Lula, tudo isto estimulou que o Brasil passasse a viver da dicotomia:

Quem era a favor de Lula e do PT e quem era contra o Lula e o PT...

Como ninguém é perfeito, os conservadores, liderados pelos golpistas nacionais e internacionais, passaram a tramar para que tudo desse errado, passaram a boicotar a economia e as notícias, passaram a preparar um golpe de Estado, derrubando a presidente eleita democraticamente e implantando um governo inescrupuloso, privatista, corrupto no varejo e no atacado, preconceituoso em todos os limitese principalmente, "um governo que topa tudo por dinheiro" que vende tudo aos estrangeiros, comprometendo o futuro do Brasil.

Com o tipo de governo que o Brasil passou a ter com Temmer e Bolsonaro, o Brasil deixará de ser uma nação rica e competitiva, para ser uma republiqueta de bananas, governada por evangélicos pentecostais reacionários, e, muitos deles de riqueza duvidosa... Os seguidores das igrejas pentecostais passaram-se a sentir-se no poder. A achar que podem tudo, porque foram reconhecidos por Deus, como os judeus no Velho Testamento...

Temos um país governado por loucos? Pergunta Chico Buarque. Há uma parcela de loucos no governo, mas isto faz parte dos governos desde a antiguidade. Lembram de Nero? Dos loucos na Revolução Francesa? Dos loucos nas guerras religiosas, que matavam em nome de Deus? São tantos loucos...

O problema é que o Brasil está vivendo uma grande transformação no seu perfil econômico, social e político. Somos mais de 200 milhões de pessoas, com centros urbanos com mais de milhões de pessoas, sem infraestrutura, sem políticas públicas e sem emprego ou trabalho. Uma verdadeira plantação de loucos... e ladrões.

O PT, sem o apoio dos militantes das comunidades de bases da Igreja católica, sem o apoio dos evangélicos mais religiosos e sem o apoio do crescimento econômico, passou a sofrer ataques irracionais...

o PT está buscando formas para voltar a ser o queridinho do Brasil...

O PT vai voltar a governar de forma participativa, com democracia popular, abrindo espaço para as comunidades, independente da religiosidade, da filiação partidária e da etnia e escolha de sexo. O PT vai voltar às origens.

A crise que vivemos não está só no Brasil,
ela está em todos os continentes e em todos os países.

- Os políticos já NÃO MANDAM MAIS,
- Os juízes já NÃO DECIDEM SOZINHOS,
- Os jornais e TVs já NÃO SÃO MAIS OS DONOS DA VERDADE,
- Os policiais já NÃO PODEM SAIR MATANDO QUALQUER PESSOA,
- Os empresários já NÃO MANDAM SOZINHOS,
- Os movimentos sociais precisam aprender a respeitar as diversidade,
- O movimento sindical precisa apresentar mais projetos e menos choradeira.

- A Terra é nossa Pátria;
- A questão ambiental é o principal problema no mundo;
- As pessoas continuam em primeiro lugar como desafio de Qualidade de Vida.

- Em vez de pregar o ódio, vamos pregar o amor e o perdão;
- Em vez de pregar a morte, vamos pregar a vida e a solidariedade;
- Em vez de pregar a proibição, vamos pregar que

- SÓ UNIDOS SALVAREMOS A TERRA!

- SÓ UNIDOS SALVAREMOS O MEIO AMBIENTE!

- SÓ UNIDOS SALVAREMOS A VIDA!

- BEM AVENTURADOS QUEM TIVER A HUMILDADE
DE DAR O PRIMEIRO PASSO NA CONQUISTA DESTE NOVO MUNDO...

Sem medo de ser feliz!

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Em ano eleitoral, Lava Jato volta à cena

Armação ilimitada e uso político do Estado brasileiro

Judiciário, imprensa, ministério público,
TSE, etc. todos contra o PT e contra o Lula.

Enquanto não houver um movimento de repúdio a esta armação ilimitada contra o PT e contra Lula, regularmente veremos como a direita radical está se apropriando do Estado brasileiro para impedir que o POVO, organizado em suas instituições como Partidos Políticos, Sindicatos e Movimentos Sociais, possam exercer a democracia, a liberdade e a prática dos direitos iguais para todos.

A gente não quer só comida, queremos cultura, liberdade e educação...

Vejam a matéria que saiu no Estadão de 16 de janeiro passado:

Lava Jato volta à cena e faz primeira denúncia de 2020 contra gestor de editora por lavagem de R$ 2,4 mi
Propina do Grupo Setal/SOG teria sido paga de 'forma dissimulada' a Renato Duque e João Vaccari Neto por meio de serviços não prestados da Editora Gráfica Atitude, administrada por Paulo Roberto Salvador

Pedro Prata – Estadão
16 de janeiro de 2020 | 17h58
Atualizada às 12h13 de 17.01
com posicionamento de Paulo R. Salvador*

A força-tarefa Lava Jato no Paraná denunciou nesta quinta, 16, Paulo Roberto Salvador, administrador da Editora Gráfica Atitude, pelo crime de lavagem de dinheiro no valor de R$ 2,4 milhões, entre 2010 e 2013, por meio da celebração de contratos de prestação de serviços ideologicamente falsos com o Grupo Setal/SOG Óleo e Gás.

É a primeira denúncia da Lava Jato em 2020. Em 2019, os procuradores fizeram 29 denúncias contra 150 réus. Ao todo, a Lava Jato já levou à Justiça 116 acusações formais, incluindo a primeira ofensiva de 2020.

Documento

•A DENÚNCIA DA LAVA JATO

Nesta denúncia, a Procuradoria federal requer a condenação de Paulo Roberto Salvador, o bloqueio de R$ 2,4 milhões, correspondente às vantagens recebidas ilicitamente, e o ressarcimento do valor à Petrobrás.

As investigações (Ação penal 50018033220204047000) apontam que Salvador contou com apoio do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, do executivo do Grupo Setal/SOG Óleo e Gás Augusto Ribeiro de Mendonça e do ex-diretor da Área de Serviços da Petrobrás Renato Duque.

Do total, R$ 2,4 milhões foram repassados pelo Grupo Setal/SOG Óleo e Gás de forma dissimulada, por meio da contratação da Editora Gráfica Atitude, de responsabilidade de Salvador, a pedido de Vaccari.
De acordo com a denúncia, ‘os repasses foram realizados com base em contratos e notas fiscais ideologicamente falsos, e a gráfica jamais prestou serviços reais às empresas do grupo Setal/SOG’.

Segundo revelado pelos próprios envolvidos, os pagamentos foram realizados em favor de Duque e do PT. Além desta ligação, os investigadores identificaram estreita vinculação entre a editora e o partido.

Isso porque, dentre outros indicativos, os sócios da Editora Gráfica Atitude são o Sindicato dos Empregados de Estabelecimentos Bancários de São Paulo/SP e o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. A presidente do primeiro é administradora da Editora Gráfica Atitude.

A editora foi condenada pelo Tribunal Superior Eleitoral por propaganda eleitoral ilícita, em 2010, em favor da então candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff.
A força-tarefa ressalta que o endereço listado na internet como sendo da Editora Gráfica Atitude coincide com o endereço da sede do Diretório Estadual do PT em São Paulo.

Outros envolvidos

Augusto Ribeiro de Mendonça, João Vaccari Neto e Renato Duque já respondem pelo crime de lavagem de ativos descrito na denúncia perante a 13.ª Vara Federal de Curitiba.

Pelos crimes antecedentes de corrupção, Augusto Mendonça, Vaccari e Duque, além de outros envolvidos como Pedro Barusco, Mario Frederico Mendonça Goes e Julio Gerin de Almeida Camargo foram denunciados e condenados pela 13.ª Vara Federal de Curitiba, o que foi confirmado pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4).

“Responsabilizar operadores financeiros que contribuem de forma significativa para a ocultação e a manutenção de esquemas de pagamentos de propinas é fundamental para o combate ao crime organizado e à macrocriminalidade”, disse o procurador da República Felipe D’Elia Camargo, integrante da força-tarefa da Lava Jato no Paraná.

COM A PALAVRA, A DEFESA

“A defesa de Paulo Roberto Salvador reitera que a denúncia do Ministério Público Federal sobre a Editora Gráfica Atitude Ltda. não considerou documentos determinantes entregues à Polícia Federal que comprovam a efetiva prestação de serviços nos contratos questionados.

Em 10 anos, a Editora produziu 124 edições da Revista do Brasil, totalizando mais de 15 milhões de exemplares circulados entre os trabalhadores, com comprovação de auditoria de tiragem e notas fiscais de remessa de correio.

O Ministério Público Federal confunde aluguel de linha telefônica com endereço da Editora, que nunca saiu do mesmo local na Rua São Bento, e ignora a brochura apresentada em Juízo com compilação do conteúdo jornalístico produzido em razão das contratações.

Todas as receitas obtidas pela Editora foram revertidas em produção jornalística e estão à disposição da Justiça para que os fatos sejam esclarecidos.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO LUIZ FLÁVIO BORGES D’URSO, QUE DEFENDE VACCARI

A defesa do Sr. João Vaccari Neto vem se manifestar a respeito das citações envolvendo a denúncia feita pela Lava Jato, contra o Paulo Roberto Salvador, administrador da Editora Gráfica Atitude, acusando-o de lavagem de dinheiro por supostos pagamentos de R$ 2,4 milhões atribuídos à propina envolvendo contratos da Petrobras.

Na denuncia afirma-se que os pagamentos foram feitos a Duque e ao PT, que “o mantinha na posição de diretor de Serviços da Petrobras”, a pedido de João Vaccari Neto.

Trata-se de manifestação totalmente inverídica sob todos os aspectos.
O Sr. Vaccari jamais teve qualquer ingerência na Diretoria ou
participação de qualquer natureza ne Petrobras.

Mais uma vez a defesa do Sr. Vaccari confia que durante o processo, fique cabalmente demonstrado o absurdo de tais imputações.

São Paulo, 16 de janeiro de 2020
Prof. Dr. Luiz Flávio Borges D’Urso
Advogado Criminalista

domingo, 26 de janeiro de 2020

MILÍCIAS NAS URNAS DO BRASIL

A legalização da violência intimidadora

Todos juntos contra o PT


Judiciário, Forças Armadas, Policiais, Milícias, Evangélicos e Imprensa

Com um bom título: “Milícias nas Urnas”, o Estadão publicou a reportagem de Ricardo Brandt, neste domingo.
Aos poucos vai ficando cada vez mais claro as alianças, parcerias e negócios realizados entre os setores conservadores brasileiros que, orientados e treinados por “forças ocultas internacionais” estão transformando o Brasil em um Estado Policial.

Ricardo Brandt – Estadão - 26 de janeiro de 2020 | 05h00


A interferência de milícias no sistema político do Rio de Janeiro e o risco de expansão da atuação de grupos paramilitares para o resto do País causam preocupação entre autoridades públicas e estudiosos do assunto. O tema deve estar presente nas eleições municipais de 2020, especialmente na disputa pela capital fluminense, onde as milícias atuam desde os anos 1980.

O TERROR cresce em todo Brasil e
TEM ATÉ GRUPOS DE EXTERMÍNIO


Hoje, há registros de grupos milicianos no Distrito Federal e em 23 Estados, entre eles Pará, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte, segundo levantamento feito pelo Estado em inquéritos, informações de serviços de inteligência policial, dados do governo e notícias publicadas pela imprensa. Nesses locais, porém, o perfil das facções é, predominantemente, de grupos de extermínio e de segurança privada forçada.

Na maioria dos casos, essas milícias são consideradas em estágio embrionário, se comparadas ao modelo carioca, já consolidado.

Nos últimos três meses, o Estado consultou dados oficiais e estudos sobre as milícias e suas relações com a política. A reportagem entrevistou autoridades, investigadores e pesquisadores sobre as causas deste problema nacional e a repercussão que ele pode causar nas disputas eleitorais deste ano. É possível concluir que se trata de um fenômeno ainda sem dimensão oficial no Brasil, nem política integrada de prevenção e enfrentamento.

A milícia desequilibra o processo eleitoral como qualquer grupo armado que controla território, na medida em que eles decidem quem pode e não pode fazer campanha nesse território”
Ignácio Cano, sociólogo e coordenador do Laboratório de Análise da Violência (LAV), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Embora nenhuma unidade da federação conte com grupos milicianos tão organizados como os do Rio de Janeiro, autoridades públicas já tratam a questão como um possível problema para as eleições 2020. A Polícia Federal passou a monitorar a ação de milícias e de facções criminosas no processo eleitoral e identificou riscos em 18 Estados, de acordo com um mapa reservado obtido pela reportagem. O foco é o financiamento ilegal de candidatos e partidos, candidaturas de criminosos e pessoas ligadas a eles.

A situação é mais preocupante em locais com alto índice de violência, serviços públicos precários e corrupção policial. Em seis unidades da federação, Maranhão, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Sergipe, já foram encontradas relações de milicianos com políticos.

Na maioria dos casos, as milícias criadas fora do Rio ainda têm atuação restrita à venda de segurança privada com cobrança de taxa obrigatória dos moradores. Mas já há registros de casos em que milicianos passaram a oferecer, nas comunidades onde atuam, venda de gás, água, cestas básicas, imóveis, sinal de TV a cabo e internet, o que lhes permite controlar o território, e consequentemente, conquistar domínio político.

Em dezembro de 2019, a Polícia Civil do Piauí, com apoio do setor de inteligência da Polícia Militar, prendeu 13 pessoas – a maioria, policiais e ex-policiais – que praticavam crimes como roubo de carga, extorsão, tráfico de drogas e comércio ilegal de arma, na Operação Dictum.

Em conversas monitoradas com autorização judicial, os acusados debochavam das ações de combate à milícias, combinavam roubos e venda de combustíveis, cigarros e bebidas adulteradas, e falavam abertamente sobre agressões e assassinatos. O suposto líder do grupo seria um ex-PM, preso no aeroporto voltando de viagem ao Rio, e que, em 2017, teve o nome envolvido no assalto ao Banco do Nordeste. Eles negam os crimes e a formação de milícia.

No Pará, a Polícia Civil e o Ministério Público têm registros de milícias formadas por policiais, ex-policiais e agentes de segurança que atuam como grupos de extermínio e passaram a controlar territórios, atuar com venda gás, transporte alternativo, internet e manter relação com o tráfico de drogas. No Estado, a Assembleia Legislativa chegou a abrir uma CPI das Milícias e Grupos de Extermínio que apontou em seu relatório final, em 2015, a existência de três grupos.

No Maranhão, a Operação Cifra Negra, deflagrada em 2019, levou para a cadeia milicianos - entre eles policiais, um deles conhecido como “Luis Matador” - acusados de agirem como grupo de extermínio, mas também com exploração de jogos de azar, tráfico de drogas e armas, entre outros crimes. Um dos investigados, sargento da polícia, foi candidato a vereador na cidade de Viana.


ACRE

A Polícia Federal tem identificado grupos de milícias, com participação de policiais, atuando no Estado vendendo segurança e serviços para fazendeiros da região. Foi identificada atuação das milícias em cobertura a ações de desmatamento de áreas na selva. O Ministério Público Federal denunciou 22 pessoas em 2018, na Operação Ojuara, entre eles PMs e agente do Ibama. Eles atuavam nos Estados do Acre, Amazonas e Rondônia.

ALAGOAS

A polícia e o Ministério Público tem registro de grupos de milícias controladas por PM e ex-PMs, que vendem segurança a comerciantes, exigindo pagamento de taxas e vendendo serviços de execução e coação. A Justiça do Estado julgou dois assassinos em 2018 acusados de atuarem em nome de um ex-PM que seria chefe de milícia.

AMAPÁ

Sem registros de milícias. Em 2016 um juiz estadual chegou a citar a ação de milícias em comunidades do interior do Estado, vendendo serviço de segurança em regiões carentes.

AMAZONAS
A Polícia Federal tem identificado grupos de milícias, com participação de policiais, atuando no Estado vendendo segurança e serviços para fazendeiros da região. Foi identificada atuação em cobertura a ações de desmatamento. Em 2018 o TSE aprovou o envio de tropas federais para 25 municípios, entre eles Manaus.

BAHIA

O Ministério Público identificou presença de milícias em bairros de periferia de Salvador, nos moldes dos grupos cariocas. Além de venderam segurança privada e cobrarem taxas de moradores e comerciantes, já exploram serviços como transporte alternativo e TV a cabo e venda de gás.

CEARÁ

Órgãos de segurança têm registro de grupos de milícias ligados a execuções e também associados ao tráfico de drogas. No interior do Estado houve registro de suplente de vereador acusado de constituição de milícia armada e tráfico de drogas.

DISTRITO FEDERAL
No Distrito Federal, a Polícia Civil apontou uma milícia, com participação de policiais, que cobrava taxas de segurança de comerciantes, vendia execuções e havia começado a trabalhar com transporte alternativo e exploração de negócios imobiliários. Em 2018, o Gaeco deflagrou a Operação Horus indicou 12 PMs supostamente envolvidos em crimes e associados a milícias.

ESPÍRITO SANTO
Na região metropolitana de Vitória e no litoral sul do Estado há registros recentes de milícias com envolvimento de policiais e ex-policiais atuando em crimes de assassinato por encomenda e vendendo proteção a comerciantes.

GOIAS
A polícia e o Ministério Público têm registros de milícia formada por policiais e ex-policiais atuando como grupos de extermínio em cidades do Estado. O grupo além de vender serviços de execução cobrava valores de fazendeiros para evitar invasões de terras.

MARANHÃO
No Estado duas operações da polícia e do Ministério Público em 2018 prenderam policiais militares da ativa e aposentados acusados de integrarem milícias que agiam como grupos de extermínio e vendiam proteção a políticos e empresários. Eles foram alvos da Operação Balaiada e Cifra Negra.

MATO GROSSO
No Estado o Ministério Público já identificou milícias formadas por policiais e ex-policiais com perfil de grupo de extermínio. E grupos de milícias rurais, sem característica de domínio territorial, como ocorre no Rio, e com perfil mais de grupo privado de segurança, que vende proteção e serviços de execução, em especial para fazendeiros.

MATO GROSSO DO SUL
No Estado o Ministério Público já identificou milícias formadas por policiais e ex-policiais com perfil de grupo de extermínio e com ligação com o jogo do bicho. E grupos de milícias rurais, sem característica de domínio territorial, como ocorre no Rio.

MINAS GERAIS
No Estado há registros de milícias formadas por policiais e ex-policiais atuando como grupos de extermínio e vendendo segurança e serviços de coação a empresários, comerciantes e políticos. A Operação Torre de Babel deflagrada em 2018 apurou entre outros crimes a existência uma milícia que matava e extorquia.

PARÁ
A Polícia Civil e o Ministério Público têm registros de milícias formadas por policias, ex-policiais e agentes de segurança que atuam como grupos de extermínio e passaram a controlar territórios, atuar com vende gás, transporte alternativo, gatonet e ter relação com o tráfico de drogas.

PARAÍBA
A Polícia Federal e o Ministério Público têm registros de milícias que atuam no Estado formadas por policiais e ex-policiais militares e civis. Em 2012 foi deflagrada a Operação Squadre para prender 39 integrantes dessas milícias, 23 eram policiais, que atuariam vendendo segurança para comerciantes e políticos, vendendo armas e atuando como grupos de extermínio, principalmente na região metropolitana de Joao Pessoa.

PARANÁ
O Ministério Público tem registro de milícias formadas por policiais e ex-policiais atuando como força paralela de segurança, extorquindo comerciantes e vendendo armas. Em 2016 foi deflagrada a Operação Pipeline II contra supostos milícias, entre eles um PM e um empresário do setor de segurança.

PERNAMBUCO
No Estado, a polícia e o Ministério Público tem registro ação de grupos de milícias formados por policiais e ex-policiais, que atuam na área de segurança e cometendo assassinatos. Em Caruaru foi deflagrada em 2019 a Operação Causar.

PIAUÍ
A Secretaria de Segurança investiga a existência de milícias formadas por policiais e ex-policiais no Estado. Eles estariam agindo como grupos de extermínio e extorquindo comerciantes em regiões pobres de Teresina. Foram presos 16 pessoas, entre eles policiais, na Operação Dictum Greco, acusados de envolvimento com extorsão, roubo, tráfico de drogas e armas.

RIO DE JANEIRO
Berço das milícias, o Estado enfrenta problemas com milícias desde os anos 1980 em comunidade carentes. Os grupos milicianos têm o domínio de mais de 200 comunidade e bairros fluminenses e se instalou na máquina pública, tanto no Legislativo, como no Executivo e no Judiciário. Há políticos presos e acusados.

RIO GRANDE DO NORTE
O Ministério Público com apoio da Força Nacional de Segurança e a Polícia Civil investigaram uma milícia que atuava na região metropolitana de Natal como grupo de extermínio e que tinha ramificações em outros estados. Um vereador de Ceará-Mirim foi preso esse ano acusado de encomendar uma morte.

RIO GRANDE DO SUL
A polícia investiga grupos de milícias que atua cobrando taxas de segurança de comerciantes e moradores em bairros pobres. 30 policiais foram presos em Pelotas por integrarem uma milícia que além de cobrar taxa e de torturar assaltantes.

RONDÔNIA
A Polícia Federal tem identificado grupos de milícias, com participação de policiais, atuando no Estado vendendo segurança e serviços para fazendeiros da região. Foi identificada atuação das milícias em cobertura a ações de desmatamento de áreas na selva.

RORAIMA
Não há registro de grupos milicianos no Estado. Houve casos de grupo de extermínio em áreas fora da área urbana.

SANTA CATARINA

Não há registros de grupos milicianos no Estado.

SÃO PAULO
A polícia e o Ministério Público têm registros de casos de milícias formadas por policiais que atuam como grupos de extermínio, mas sem configuração de controle territorial. A presença do PCC é um dos fatores que inibe a presença de grupos milicianos como no Rio.

SERGIPE
No interior do Estado há registros de grupo de milícia liderado por um policial que agiria vendendo segurança e atuando como grupo de extermínio na região do Vale do Cotinguiba. A ligação com um político foi alvo de investigação.

TOCANTINS
A polícia e o Ministério Público identificaram um grupo de milicianos agindo como grupo de extermínio e vendendo segurança privada em áreas rurais do Estado. Desde 2016 milicianos foram presos e acusados na Justiça.
Embora não haja uma ligação clara desses grupos com possíveis candidatos a cargos públicos, as autoridades já estão em alerta. O delegado Gustavo Jung, do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) da Polícia Civil do Piauí, que coordenou a Operação Dictum e combate milícias no Estado, afirma que os grupos locais podem começar a patrocinar políticos se não forem combatidos.
“O que a gente consegue observar ainda é o interesse econômico nos grupos locais. A gente ainda não conseguiu ver um domínio territorial, como se tem no Rio. Mas é um embrião, porque começa assim. Hoje eles atuam já muito no cigarro contrabandeado”, afirma o delegado. “Não duvido que, se não combatermos, daqui alguns anos eles se organizem e passem a ocupar cadeiras políticas, a financiar campanhas.”

O sociólogo José Cláudio Souza Alves, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), autor do livro Dos Barões ao Extermínio: uma história da violência na Baixada Fluminense, estuda milícias há três décadas e tem uma visão histórica do problema.

“Eles têm interesse em se projetar politicamente. São grupos que, ao se fortalecerem, eles vão passar a controlar a atividade da política, vão controlar o Judiciário”, afirma em tom de alerta sobre o “cenário é muito favorável” para candidaturas de milicianos em 2020.

Nas urnas, eles deixam de ser assassinos.
Nas urnas viram personalidades políticas e viram heróis. É a grande alquimia: (a urna) transforma assassinos, canalhas, monstros cruéis em heróis, em personalidades políticas, em benfeitores da comunidade.” José Cláudio Souza Alves, sociólogo e professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

A presença de agentes do Estado, como ex-policiais, em seus quadros politiza as milícias, na opinião do ex-ministro da Defesa e da Segurança Pública Raul Jungmann. Em 2018, quando os morros e favelas fluminenses estavam tomados por tropas federais, com a intervenção decretada pelo então presidente Michel Temer, Jungmann teve uma melhor dimensão do problema e da dificuldade de combater as milícias.
“O miliciano, como agente de Estado, tem uma noção da política. Contrariamente ao tráfico de drogas, eles têm uma formação e uma noção da política e da importância da política, que evidentemente faz com que eles tenham maior propensão (a se infiltrarem)”, diz Jungmann.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Fiesp apóia abertamente as loucuras de Bolsonaro

“Apoiamos o governo Bolsonaro? SIM, responde a FIESP”

“Topa tudo por dinheiro”. Democracia não é importante.
Ditadura econômica tem apoio dos patrões.
Privatizar tudo para dificultar a vida dos pobres.
Classe Média está voltando a viver na pobreza...

Em artigo assinado e publicado no jornal Folha de São Paulo de 22 de janeiro passado, o presidente da Fiesp, entidade SINDICAL patronal que representa todos os segmentos industriais do mais importante e maior estado brasileiro, EXPLICITA o uso da entidade sindical para fazer campanha para si e para o atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Já em dezembro, a Agência O Globo publicou detalhado artigo sobre as atividades realizadas na Fiesp em apoio explícito ao governo conservador e entreguista de Bolsonaro.

O presidente da Fiesp, em seu artigo na Folha enche o peito e afirma que “Bolsonaro promove a Agenda Econômica que os empresários sempre defenderam”.

Por exemplo:
(1) O controle dos gastos públicos para fortalecer o setor privado,
(2) as reformas estruturais que retiram os direitos e conquistas dos trabalhadores e trabalhadoras, principalmente dos aposentados (as),
(3) redução dos juros bancários, sem obrigar os bancos a manterem as agências bancárias abertas para atender a população em todo o território nacional.
(4) desburocratização, para ter acesso às informações confidenciais e vendê-las às empresas privadas nacionais e internacionais,
(5) colocar o Brasil no rumo certo, demitindo os trabalhadores, gerando desemprego e arrocho salarial, além de transformar o Brasil em país sem indústria e economia próprias, sendo apenas representantes de multinacionais estrangeiras,
(6) o presidente da Fiesp finaliza dizendo que “o governo está comprometido com o crescimento econômico e com a geração de emprego”. Mentira!

O presidente da Fiesp enfaticamente repete:

“Engana-se quem pensa que a Fiesp NÃO É, nem deve ser um entidade política. DEVE SIM – fazer política – Ela é política, mas não é partidária”. ELA É CLASSISTA, defende a classe patronal contra a CLASSE TRABALHADORA.

Por isto que no texto NÃO HÁ nada sobre a importância da democracia. Por isto que os patrões e o governo Bolsonaro estão DESTRUINDO os sindicatos dos trabalhadores e defendem os sindicatos dos patrões...

Por isto que apoiou o golpe de Estado e apóia este governo que está destruindo a soberania nacional.

País rico sem democracia não serve para nada. Democracia e Liberdade são prerrequisitos para que o Brasil seja respeitado internacionalmente e tenha segurança ordem e progresso para todos e todas.


Vejam a matéria do Globo...


“Fim do “Bolsodoria” aproxima Bolsonaro de Paulo Skaf

Presidente adotou o líder da Fiesp como aliado de primeira hora em São Paulo, inclusive na formação do Aliança pelo Brasil, seu novo partido

Por Agência O Globo - 13 dez 2019, 13h57 - Publicado em 13 dez 2019, 13h48

Nos últimos meses, o presidente e seus auxiliares começaram a receber Skaf para audiências e em eventos no Palácio do Planalto. O presidente da Fiesp, por sua vez, retribuía organizando eventos que reuniam ministros e industriais. O vice Hamilton Mourão e os ministros Sergio Moro, Paulo Guedes, Ricardo Salles, Marcos Pontes, Tarcisio Freitas e Ernesto Araújo deram palestras na Fiesp este ano.

Durante a viagem de Bolsonaro à China, o empresário também ofereceu um jantar à delegação brasileira, encontro que contou com um vídeo com ambos. A pessoas próximas, Skaf relata ser um incentivador do partido Aliança Pelo Brasil e alguns nomes próximos ao empresário participaram da formação do partido.

Estes mesmos interlocutores descrevem a relação Skaf-Bolsonaro como algo ancorado em uma boa dose de pragmatismo: Skaf espera receber o apoio do presidente na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes em 2022. Em troca, Bolsonaro consegue um aliado que conseguiu 5 milhões de votos nas últimas eleições e já disputou outras duas vezes o governo do estado de São Paulo.

A aliança informal já gera efeitos para as eleições municipais do ano que vem. Aliados do presidente não escondem que sua opção preferencial para a prefeitura de São Paulo é lançar o apresentador José Luiz Datena, que no ano passado chegou a se lançar ao Senado mas voltou atrás logo depois. Em outubro, Bolsonaro esteve com Datena em São Paulo, e Skaf acompanhou o encontro.

Hoje o presidente da Fiesp é filiado ao MDB, mas a saída dele do partido é considerada apenas uma questão de tempo. Ele se filiou à legenda em 2011, mas nunca teve vida partidária intensa. Dirigentes da sigla apontam como maior sinal do do distanciamento de Skaf do partido a ausência dele na convenção nacional que elegeu o novo presidente do MDB, deputado Baleia Rossi. O cacique emedebista é de São Paulo e, mesmo assim, Skaf não compareceu para votar no deputado.

“Se ele quisesse ser candidato na próxima eleição para governador pelo partido esse seria um gesto importante”, disse um integrante nacional da legenda. Baleia e Skaf tiveram uma conversa recente e o presidente da Fiesp não descartou deixar o MDB, mas disse que não era uma decisão tomada. A reticência dele se dá por causa das dúvidas colocadas em relação ao Aliança pelo Brasil, que pode não se estabelecer antes das eleições do ano que vem. Caso isso não seja possível, tanto aliados de Skaf como do presidente Bolsonaro enxergam em Andrea Matarazzo, do PSD de Gilberto Kassab, um possível herdeiro do apoio do presidente.

A simpatia de Bolsonaro por Skaf é antiga.

Em maio do ano passado, antes da eleição para presidente, ele acenou apoio ao empresário na disputa pelo governo do Estado. Àquela altura, no entanto, as chances do atual presidente vencer a disputa pelo Planalto ainda não eram levadas a sério por políticos e analistas. Skaf preferiu manter o apoio a Henrique Meirelles – o apoio a Bolsonaro veio apenas dias antes do primeiro turno.

Um possível ponto de estresse entre Skaf e Bolsonaro surgiu no início do governo, quando o ministro da Economia, Paulo Guedes, levantou a hipótese de cortes no Sistema S – grupo de instituições ligadas a categorias profissionais, como o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Antes da posse, Guedes chegou a afirmar que era preciso “meter a faca” nos recursos destinados ao Sistema S, gerando reação pública do presidente da Fiesp.

Embora o governo mantenha o desejo de reduzir as alíquotas dos repasses para o caixa do Sistema S, projeto que ainda caminha tanto no Congresso como em negociações da equipe econômica, a declaração de Guedes até agora ficou na promessa. E, hoje, interlocutores de Skaf dizem que o tema não é visto como um entrave político para a relação entre Skaf e Bolsonaro.