quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

O direito, a direita, o Estado, a repressão e a Constituição

O Judiciário e a Justiça
O Parlamento e a falta de legitimidade
A imprensa e a partidarização

A diversidade e a liberdade...

Com o fim da segunda guerra mundial, os países tentaram criar instituições que servissem como mediadoras de conflitos, diminuindo assim o risco de guerras e a morte de milhões de inocentes, crianças e velhos.

A ONU teve seu período de autoridade e de arbitragem...

Os pactos militares, como OTAN e pacto de Varsóvia, tentaram proteger seus filiados contra ameaça externas.

O FMI tentou se impor como árbitro dos empresários e governos fortes contra os empresários e governos FRACOS.

O Vaticano voltou a ter força política-religiosa, mas, com o crescimento do protestantismo e dos pentecostais, além do fato de a Igreja fazer acordo com os governos conservadores contra o crescimento da esquerda no mundo, dando a impressão de que as Igrejas e as Religiões não são muito pluralistas, nem muito progressistas, isto é, em nome de cada "Deus único", se proíbe o "Deus do outro". E as guerras religiosas compram armas, matam muita gente e cria novas ditaduras...

Com o fracasso dos governos, sejam eles de direita ou de esquerda, em manterem crescimento econômico com qualidade de vida, pluralidade e liberdade, a direita, representando cada vez mais os empresários conservadores e seus aliados ou subordinados conservadores, faz com que, os mais conservadores se sobreponham aos centristas e desenvolvimentistas.

As democracias estão promovendo ou servindo de meio de legitimação dos neoliberais e ultra conservadores, através do voto e de manifestações de rua.

Há um clamor por governos fortes,
que coloquem os interesses do povo acima dos interesses corporativos, sejam eles patronais ou de jovens libertários.

Há também um clamor por governos progressistas que tenham capacidade de por em prática o fortalecimento da economia, do mercado e do poder de compra de todos os cidadãos, mas, que também mantenha o Estado de Direito, transforme a Constituição em algo simples e prático de ser implementado, garantindo o trabalho e a liberdade com controle social e diversidade nas instituições.

Vivemos sem ONU, sem FMI, sem Pactos Militares. VIVEMOS SEM DEMOCRACIA E SEM LIBERDADE
e ainda enfrentamos a besta do apocalipse representada pelo neoliberalismo e pelo fim dos direitos e dos pactos militares e sociais.

Os loucos, os cínicos e os fascistas usam o poder do Estado para enfraquecer o povo e os trabalhadores e fortalecer as grandes empresas. Sem democracia e sem liberdade, as empresas só conseguem se manter vivas com o uso da força, do fascismo e das ditaduras.

Nas guerras, a maioria dos empresários deixam de ser maioria e são substituídos por novos empresários.
Nas guerras, na maioria das vezes, quem estava por cima, mesmo derrotando seus adversários, também acabam por baixo.


Enquanto isto não se resolve,


a Inglaterra não sabe se sai ou se fica...
a Espanha não sabe como lidar com a Barcelona e com os Bascos,,,
o mundo não sabe como suportar pessoas e governos como o de Israel...

e o Brasil, a América Latina e os Estados Unidos, não sabem como lidar com seus loucos líderes loucos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário