segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Um ano para não ser esquecido

Ou se ficou de um lado ou de outro

Não teve indiferença...

Todos saíram do armário.

Foi uma grande derrota para a esquerda em geral;
Foi um derrota para os de centro-esquerda;
Foi uma vitória para os de centro-direita;

e uma estrondosa vitória para os neoliberais,
extrema direita, fascistas e enganadores em geral.

Até então, os conservadores que não se assumiam como tal sentiram-se à vontade para criticar a política social e progressista do PT. Os conservadores contaram com a combinação entre a predisposição de parcela da população em aceitar qualquer argumento que justificasse as pessoas votarem na direita contra a esquerda.

A emoção se sobrepôs à economia e ao racional.

Embora inconsciente, a economia e o desejo de melhorar de vida sempre se sobrepuseram à racionalidade, muitas se aliando com o retrocesso social, político e econômico.

Como sempre disse no movimento sindical: quem quer fazer política, precisa aprender economia, psicologia e comunicação. Além de bons programas combinados com muita coerência.

A verdade nos libertará?...

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Vida cara e Natal caro

Inflação na Argentina chegou a 50%

Dizem que a inflação brasileira é de 2,5%.

Ou há exagero na Argentina e no Brasil o governo está mentindo e contando com cumplicidade da imprensa.

O custo de vida no Brasil está um roubo. Os preços no Natal estão escandalosos. O que o povo fez? ENDIVIDOU-SE.

Quando chegar fevereiro e março os títulos protestados aumentarão e o endividamento levará a mais retração...

Aproveitando o clima do Natal onde há mais tolerância e compreensão, devemos ouvir mais as pessoas e também recomendar mais cautela.

Precisamos construir soluções solidárias tanto no Brasil como na Argentina. O governo argentino é mais flexível que o atual governo brasileiro.

Nos próximos dias, superando as emoções das festas de Ano Novo, recomenda-se que se reserve uma tarde para anotar todas as despesas e todas as receitas. Identificar as mais fáceis de renegociar, alongando os prazos de pagamentos e negociar, negociar e negociar.

Vivemos momentos de negociações com respeito às regras ou renegociando às regras além de formular novas regras para recompor as dívidas.

Jesus mandava perdoar setenta vezes sete, mas, quando envolve dinheiro e dívidas, recomenda-respeito mútuo e mais respeito...

Com os erros, também se aprende.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Natal de Paz e Esperança?

A Paz passa pela autocritica?

O Brasil está se desagregando,
e, em fez de se falar em emprego e renda,
querem falar de autocrítica???


As Igrejas inventaram o "perdão"
, com ou sem indulgências. Isto é, com pagamento em espécie ou apenas com oração e práticas saudáveis;

As Esquerdas inventaram a "autocrítica"
, verdadeira ou apenas aparente. Mas, o fato de ter que assinar em baixo, sempre marcou os que fizeram a tal da autocrítica.

A direita, mais pragmática,
faz a autocrítica, perdoa, negocia qualquer coisa para conseguir manter-se no poder. Mesmo que seja entregar seu país e suas riquezas a algozes estrangeiros, sejam gentis ou grosseiros.

Nos períodos de guerras explícitas as três varáveis acima estão bem explicitadas. Imaginem enquanto os países eram ocupados pelos nazistas, como eram as "concessões" da direita, da esquerda ou dos religiosos. Houve todo tipo de concessão...

Além das ocupações nazistas, teve também a ocupação comunista, mas também teve a ocupação americana.

Os aliados mataram muitos gregos em nome da defesa do ocidente e do capitalismo; os comunistas mataram muitos "delatores e burgueses" por traição à Pátria.

No caso do Brasil atual,

quem deveria fazer autocrítica?


Os vencedores do golpe do impeachment e os que apoiam "reformas contra os trabalhadores", os que defendem governos-fortes e autoritários, principalmente se forem governos de direita, enfim, todos que apoiaram e apoiam Bolsonaro, deveria fazer autocrítica?

Todos não. A direita golpista, corrupta e violenta sempre deixou claro que são contra a democracia participativa. Estes não precisam fazer autocritica...

Mas, todos aqueles que se dizem democratas, como é o caso do PSDB, do PSB e PDT, e mesmo alguns do PSOL, estes deveriam e devem fazer autocrítica. direta ou indiretamente apoiaram o golpe de Estado, o impeachment e apoiam este governo entreguista e autoritário.

A Folha quer que o PT faça autocrítica.

Os petistas querem que a Folha e a Rede Globo, também façam autocrítica.

A Folha e a Rede Globo estimularam a derrubada do governo democrática de Dilma.


Já os petistas, insistiram num segundo mandato de Dilma,

ignorando seu autoritarismo e sua rejeição.

O povo quer que
, tanto o PT como a Folha e a Rede Globo, façam autocrítica.
O povo quer que, tanto a direita, quanto a esquerda, tanto a imprensa como o judiciário também façam autocrítica e que, muito mais do que apenas fazer autocrítica, TODOS DISCUTAM UM ACORDO NACIONAL.

Isto é possível?


Sim, é possível se fazer um grande
"Acordo Nacional pela inclusão social e pela democracia"


Sim, é possível mudar o Brasil,

deixando de priorizar o ódio e priorizar a Paz e a Esperança.

Independente de nossa religião, vamos dar os braços e cantar...

"Com fé, esperança e amor
eu confio em Nosso Senhor..."

O senhor da Paz e da Esperança.

- Viva o Natal!





domingo, 22 de dezembro de 2019

"F" de Flamengo e "F" de Firmino

Ainda bem que foi no futebol

O campeonato interclubes é um sucesso de público, de TVs ligadas no mundo todo e de muito dinheiro.

Mas, que é estranho, o que poderia ser visto como uma disputa de dois países, ser apenas disputa de jogadores e técnicos. Ontem, enquanto o coração batia fortemente, brasileiros jogavam nos dois times.

O goleiro do Liverpool é o goleiro da nossa seleção
e premiado como o melhor do mundo em 2019.

O goleador do Liverpool é FIRMINO, Roberto Firmino,
brasileiro e muito simpático.Pois, estes dois brasileiros foram decisivos na vitória do Liverpool.

Viva a integração mundial, também conhecida como Globalização.

Foi um jogão e Mané, não sei de qual país ele veio, mas o "negão" deu a maior canseira no Flamengo e o técnico não conseguiu neutralizá-lo. Além de simpático, foi decisivo.

O Flamengo jogou com dignidade, sem medo de ser feliz
e mostrando que podemos voltar ao topo do futebol mundial.

A torcida do Flamengo, aqui lembrada por Gilton, meu irmão, Joel Bueno, no Rio de Janeiro e Uliana, o torcedor mais fanático e barulhento na internet.

Ao Flamengo, faltou apenas um pouco mais de tranquilidade e teria ganhado o jogo. Todos estamos de parabéns!

Ainda bem que esta disputa foi no futebol, caso contrário poderia aparecer um louco querendo agredir o Firmino por "traição", por ter feito gol que desclassificou o time do Brasil.

Estamos sob um governo fascista, mas estes loucos ainda não chegara a este ponto de matar por vingança...

Vamos aprender juntos para errar menos. Tem hora que perder também é ganhar.

Viva o Flamengo e Viva Jesus, o técnico português que restabeleceu a alegria aos brasileiros.

E Vamos comemorar o NATAL.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Hoje começa o grande feriado - Natal e Ano Novo

As pessoas comemoram o Natal

Mais austero, mais tímido, com olhares de torcida desconfiada,
as pessoas a partir de hoje só voltar a trabalhar depois do dia primeiro de janeiro...

Quantas lembrança, quantos desejos, quantos pedidos...

Para alguns, o mais importante é a saúde,
para outros, o mais importante é a família,
outros vão dizer que é o emprego ou trabalho,

os mais jovens vão dizer que são as férias,
os mais "duros" vão dizer que é um pouco mais de dinheiro,
os mais carentes vão dizer que é o namoro, a ficada...

Para se ter um bom final de ano...

- seria bom que não houvesse noticiário político;
- que não tivesse tantos acidentes de carros;
- que as pessoas não bebessem tanto,

- que possamos dar as mãos, dar abraços
verdadeiramente amorosos e sinceros,
- que as flores continuem nascendo,
- que as fotos sirvam para aproximar as pessoas.

Para se ter um grande Natal,

- que nos lembremos de Vinícius de Morais,
- que ouçamos mais uma vez o povo cantar
- que possamos olhar para os estranhos

e poder desejar UM FELIZ NATAL!

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Um Natal cheio de incertezas. Faça a diferença.

Um ano de VACAS MAGRAS mas cheio de vontade

Coincidindo com o final de ano, a imprensa destaca o aumento do desemprego, o aumento da violência, a perda de qualidade de vida e, principalmente, um Natal sem muita alegria, sem muita esperança e sem acreditar nos governos.

Teremos mais Natal de Vacas Magras,
do que Natal de fartura de comida e de presentes...


Como nos casamentos na Igreja, o Natal é o momento de avaliação, de conciliação e de compromissos. É o momento de lembrar que devemos estar juntos, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. O Natal é a festa mais bonita do cristianismo.

Jesus nasceu num estábulo, entre os animais e pessoas. A pobreza material foi compensada pela riqueza espiritual. A mãe de Jesus viveu muitos anos onde hoje é a Turquia, como gesto de aproximação entre o Ocidente e o Oriente.

É possível e necessário que saibamos respeitar as diferenças religiosas, políticas e étnicas. O mundo precisa de Paz e Prosperidade. O mundo precisa de mais solidariedade e menos violência. O mundo precisa de mais equidade e menos concentração de renda e de poderes.

A solução para a economia não é o endividamento das pessoas e dos governos.
A solução da economia passa pelos setores estratégicos e imprescindíveis para produzir aquilo que absorva mais mão de obra, gerando mais empregos e mais trabalho.

A solução da economia passa pela ampla participação da população na definição das políticas púbicas, como educação, saúde e infraestrutura.

Para saber que existem vacas gordas e vacas magras é necessário que uma pessoa possa ser comparada com a outra e procurar saber os fatores que fazem com que tenham histórias e resultados diferentes...

Como José fez no Egito ao interpretar os sonhos do Faraó, precisamos aprender a planejar e a implementar o planejamento de forma coletiva e desenvolvimentista.

Das vacas magras podemos construir um mundo melhor e um Brasil melhor. Da convivência com os políticos destrutivos e mercenários, podemos aprender a eleger pessoas verdadeiramente honestas, que cumpram os compromissos assumidos e que acatem as decisões da maioria.

Um ano diferente: 2020!

Sejamos diferentes.
Vamos fazer um novo compromisso,

vamos começar um novo ano contribuindo
na construção de um ano melhor para todos e todas.

É preciso amar e ser solidário.
Com a Família, no trabalho e na vida.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Flamengo brinca com a DERROTA

Torcedor de futebol é só emoção...

Como todo time que tem torcida grande, o Flamengo, que é a maior torcida do Brasil, tem seus 80% de torcedores pobres e negros, como tem também seus 20% de torcedores brancos, ricos e fanáticos...

A campanha do Flamengo em 2019 já entrou para a história
como a mais bonita dos últimos 50 anos.


No entanto, o mais importante, que é o título de campeão mundial, derrotando o Liverpool, não está garantido. E não me venham com a história de que ser vice já está bom. Chega de conformismo! Chega de cultura do pobre que chegou lá porque alguns jogadores fizeram a diferença. Futebol É TIME, é coletivo, é planejamento estratégico e muita vontade de ganhar. Principalmente quando a vitória traz também fama e muito dinheiro no bolso...

Para quem não sabe, no hino do Flamengo tem o refrão:

VENCER, VENCER, VENCER...

UMA VEZ FLAMENGO,


FLAMENGO ATÉ MORRER.

O Brasil torce para o Flamengo.


O toque de bola e as belas corridas com a bola no pé, faz o time do Flamengo deste ano lembrar times como o Santos de Pelé, o Cruzeiro de Tostão, o Corinthians de Rivelino.

No próximo jogo,


chega de nervosismo,
chega de complexo de vira-lata,
chega de parecer político brasileiro.

A HORA É AGORA!


Vencer, vencer, vencer...

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Trabalho, Segurança, Paz e Liberdade

Nada está garantido

Por mais que a imprensa tente vender uma imagem de que as economias nos países da América Latina estão melhorando, o desemprego e o arrocho salarial são visíveis em qualquer cidade do Brasil. O desemprego também está ameaçador sobre todos os países do mundo.

Sem Trabalho não há renda, sem renda não há investimento, sem investimento não há nem emprego, nem produtividade, nem crescimento econômico. A economia precisa ser mais levada a sério em função dos compromissos financeiros já assumidos pelo consumidores e trabalhadores.

Sem Trabalho, cresce a violência.


Seja a violência da fome, da falta de dinheiro para o transporte, da compra de roupas para procurar emprego, Sem trabalho não há dinheiro para pagar escola particular, obrigando os pais a transferirem seus filhos para as escolas públicas ou as escolas mais baratas, porém com menos qualidade.

Sem trabalho, cresce a violência e os assaltos, roubos e furtos...

Violência atrai violência.

O povo começa a pagar para a formação das MILÍCIAS, armadas e organizadas por policiais... Aumentam os assaltos e as invasões de pontos comerciais, invasões de residência, e se passa a matar por qualquer motivo.

Como restabelecer a paz social?


A paz que possibilite o jovem estudante ir andando para a escola e não ter medo de ter seus tênis ou seu celular roubados; a paz que possibilite uma menina na adolescência poder pegar um ônibus ou vir da escola e não ser molestada ou violenta.

Ao se recuperar a PAZ, a qualidade das escolas melhora, as ruas voltam a ser frequentadas pelos jovens e idosos, sem medo de serem roubados e agredidos; a paz estimula a vida solidária e fraterna; a paz possibilita que as pessoas voltem a praticar esportes e atividades culturais.

A PAZ é imprescindível como condição de vida coletiva.

SEM PAZ NÃO HÁ LIBERDADE.


Sem liberdade nos tornamos animais irracionais.

Se Mandela fosse mais jovem, poderia coordenar uma grande manifestação mundial pela PAZ, pelo TRABALHO, pela SEGURANÇA e pela LIBERDADE. Atualmente, a melhor pessoa para coordenar uma atividade desta é o Papa Francisco.

Os religiosos, ao se reunirem para rezar, sempre pedem "pelo perdão de seus erros", pedem saúde, pedem paz, trabalho e liberdade. Os políticos e as empresas mandam mensagens desejando festas maravilhosas, mesmo que tudo mais esteja ruim.

Neste Natal e neste Ano Novo, faça um gesto pela Paz:


- Ajude um desempregado a conseguir novo emprego.

- Ajude as pessoas a se proteger da violência e da desconfiança generalizadas.

- Ajude as pessoas a sorrir e a dar um abraço fraterno.

- Ajude as pessoas a ter saúde e liberdade.

domingo, 15 de dezembro de 2019

Fim de ano melancólico

No Brasil e no mundo

Falta de perspectiva, falta de segurança, falta de emprego, falta de crescimento econômico, falta de ações estimuladoras...

Ao mesmo tempo,


O mundo nunca foi tão integrado, tão globalizado como está sendo neste período de avanço tecnológico, onde as pessoas falam umas com as outras em qualquer lugar do planeta, o turismo ganhou uma dimensão incomum como se a Terra tivesse ficado pequena.

Os aviões substituíram os navios, o telefone multifuncional substitui o correio tradicional. Os esportes têm atletas de todos os continentes e os povos se confraternizam como se fosse reunião familiar.

A Terra passou a ser nossa pátria.


Mesmo com todos os conflitos e com todos os problemas, migrando ou não, a TV e a internet nos mostram tudo instantaneamente.

Se tudo está tão mais fácil,
porquê tanta violência e tanta melancolia?


Porque estamos vivendo uma fase de transição intensiva. Vivemos como os navegantes de antigamente que saiam nos seus barcos e demoravam anos para voltar.

Porque estamos vivendo a mudança do papel dos Estados Unidos. Da mesma forma que o Reino Unido perdeu seu papel moderador sobre o mundo, os Estados Unidos já não consegue se impor como fazia durante o século passado. Vivemos sem moderadores, sem governantes legítimos, sem políticas públicas que dê conta das necessidades criadas pelas novas tecnologias...

Como colocar "as pessoas em primeiro lugar"

se os governos não conseguem administrar bem seus orçamentos?

Esta sociedade de consumo, onde todos poderiam ter seus carros, suas casas, seus diplomas, suas viagens, suas casas de praia e casas de campo, este tipo de consumo levado ao extremo nunca foi possível para todos... O modelo de sociedade de consumo na Europa e nos Estados Unidos é impraticável numa China de mais de um bilhão de habitantes. O mesmo vale para a Índia e para o Brasil.

O final de ano pode ser melancólico, mas o início de um novo ano pode nos convocar a pensar, analisar, planejar coletivamente formas de incluir as pessoas num modelo equilibrado de consumo e de participação produtiva e social.

Para se incluir a totalidade das pessoas, das cidades, dos estados e dos países, é preciso ter claro que as políticas públicas precisam ser moderadas e participativas. Fora disto é a morte por guerras de todos os tipos.

O amor cristão no início também era melancólico. O amor da vida moderna é quase que individualizado, do salve-se quem puder, mas este tipo de amor não é o verdadeiro amor familiar e comunitário. A esquerda também precisa incluir o amor em suas análises.

Como dizia São Paulo em suas epístolas: É PRECISO AMAR.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

O direito, a direita, o Estado, a repressão e a Constituição

O Judiciário e a Justiça
O Parlamento e a falta de legitimidade
A imprensa e a partidarização

A diversidade e a liberdade...

Com o fim da segunda guerra mundial, os países tentaram criar instituições que servissem como mediadoras de conflitos, diminuindo assim o risco de guerras e a morte de milhões de inocentes, crianças e velhos.

A ONU teve seu período de autoridade e de arbitragem...

Os pactos militares, como OTAN e pacto de Varsóvia, tentaram proteger seus filiados contra ameaça externas.

O FMI tentou se impor como árbitro dos empresários e governos fortes contra os empresários e governos FRACOS.

O Vaticano voltou a ter força política-religiosa, mas, com o crescimento do protestantismo e dos pentecostais, além do fato de a Igreja fazer acordo com os governos conservadores contra o crescimento da esquerda no mundo, dando a impressão de que as Igrejas e as Religiões não são muito pluralistas, nem muito progressistas, isto é, em nome de cada "Deus único", se proíbe o "Deus do outro". E as guerras religiosas compram armas, matam muita gente e cria novas ditaduras...

Com o fracasso dos governos, sejam eles de direita ou de esquerda, em manterem crescimento econômico com qualidade de vida, pluralidade e liberdade, a direita, representando cada vez mais os empresários conservadores e seus aliados ou subordinados conservadores, faz com que, os mais conservadores se sobreponham aos centristas e desenvolvimentistas.

As democracias estão promovendo ou servindo de meio de legitimação dos neoliberais e ultra conservadores, através do voto e de manifestações de rua.

Há um clamor por governos fortes,
que coloquem os interesses do povo acima dos interesses corporativos, sejam eles patronais ou de jovens libertários.

Há também um clamor por governos progressistas que tenham capacidade de por em prática o fortalecimento da economia, do mercado e do poder de compra de todos os cidadãos, mas, que também mantenha o Estado de Direito, transforme a Constituição em algo simples e prático de ser implementado, garantindo o trabalho e a liberdade com controle social e diversidade nas instituições.

Vivemos sem ONU, sem FMI, sem Pactos Militares. VIVEMOS SEM DEMOCRACIA E SEM LIBERDADE
e ainda enfrentamos a besta do apocalipse representada pelo neoliberalismo e pelo fim dos direitos e dos pactos militares e sociais.

Os loucos, os cínicos e os fascistas usam o poder do Estado para enfraquecer o povo e os trabalhadores e fortalecer as grandes empresas. Sem democracia e sem liberdade, as empresas só conseguem se manter vivas com o uso da força, do fascismo e das ditaduras.

Nas guerras, a maioria dos empresários deixam de ser maioria e são substituídos por novos empresários.
Nas guerras, na maioria das vezes, quem estava por cima, mesmo derrotando seus adversários, também acabam por baixo.


Enquanto isto não se resolve,


a Inglaterra não sabe se sai ou se fica...
a Espanha não sabe como lidar com a Barcelona e com os Bascos,,,
o mundo não sabe como suportar pessoas e governos como o de Israel...

e o Brasil, a América Latina e os Estados Unidos, não sabem como lidar com seus loucos líderes loucos...

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

O mundo interativo e a Argentina FALIDOS?

As pragas de Moisés caíram sobre a Argentina

O mundo está se desmanchando em crises econômicas, políticas, sociais...

Comitê Olímpico suspende Rússia de Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Quem matar a Rússia???

Argentina tem pior cenário econômico desde 2000...

Os filmes de violência institucional contra as pessoas também aumentam em todos os continentes. Até os vulcões voltaram a funcionar.

Preocupados, os governos, os empresários, os partidos políticos, e até as Igrejas aumentam suas pesquisas e estudos sobre como superar o impasse que o mundo passa.

Vivemos o início da terceira guerra mundial,

ou estamos vivendo ainda os reflexos da segunda guerra mundial???

Temos sidos visitados no blog por vários países que nos chamam atenção. Por exemplo:

- Honk Kong, China, USA, Brasil, Reino Unido, Alemanha, França, AÚSTRIA e MÉXICO.


O quê todos querem saber e a imprensa não é capaz de mostrar?


A imprensa não sabe mostrar, ou a imprensa não quer mostrar?

Macri, o presidente da Argentina que também dirigiu time de futebol, fez tudo que a direita neoliberal mandou fazer e o clima piorou. O que anda errado???

"Um país com uma enorme d´vida de curto prazo, SEM ACESSO AO MERCADO DE CRÉDITO, e sem reservas internacionais para pagar as contas." Esta é a Argentina...

"Em recessão há dois anos, com uma inflação de 55% ao ano e 41% da população vivendo abaixo do nível da pobreza, a economia argentina será o maior desafio do novo presidente.

"O primeiro desafio do novo presidente, Fernandez, é reestruturar essa dívida.

"A ARGENTINA JÁ NÃO TEM MAIS NENHUMA CREDIBILIDADE",

diz, Andrés Borenstein, economista do BTG na Argentina.

Enquanto os neoliberais choram a derrota eleitoral na Argentina, nós prestamos nossa solidariedade e nos colocamos à disposição deste combativo e bonito país.


sábado, 7 de dezembro de 2019

A França manda seu recado: É preciso ouvir os trabalhadores

Jovens, Aposentados, Sindicatos, ONG's, Partidos e Igrejas

TODOS ESTES SÃO IMPRESCINDÍVEIS.


Não se governa sozinho.

Esta é uma lição básica para quem quer entender as manifestações atuais, os riscos de guerras locais e generalizadas. As greves, como as manifestações e as guerras, todos sabemos como começam, mas nunca sabemos como acabam. Só quando acabam ficando sabendo mais sobre cada manifestação acontecida.

Os reis e rainhas perderam seus tronos e suas mordomias; imperadores e ditadores também vivem caindo e sendo objeto de manifestações e críticas públicas; Os governantes, os parlamentares, e mesmo os sindicalistas são surpreendidos por protestos e muitas vezes são destituídos.

Sentimos que há algo acontecendo no mundo.


Sentimos que o povo já não suporta esta acomodação que mantém parcelas cada vez maiores fora do sistema e mesmo da sociedade. A maior contribuição que a França deu para a história da humanidade foi sua Revolução Libertária de 1789. A Europa reagiu com as guerras de restauração das monarquias e das repressões... Tivemos o século XIX, com os impérios dividindo a Africa, a Asia e as Américas... Foi o auge do imperialismo colonial direto.

Com a entrada da Alemanha e da Itália nas disputas coloniais, as guerras tomaram outra dimensão levando o mundo a conhecer o poder de destruição dos homens. A nova hegemonia europeia foi migrando para a Alemanha e a Rússia, deixando os demais países como coadjuvantes... principalmente a FRANÇA.

Militarmente, a França foi ficando cada vez mais dependente dos Estados Unidos. Economicamente foi ficando secundarizada pela força da Alemanha e culturalmente, o inglês foi substituindo o francês.

Nas relações sociais, os produtores rurais perdem competitividade, na indústria, perde espaço para a China, e a Classe Trabalhadora francesa também vai perdendo seu protagonismo libertário.

Se os formadores de opinião ainda querem evitar que o mundo entre em novo processo de guerras como foi a primeira metade do século vinte, ainda é imprescindível ouvir a opinião dos franceses, de seus sindicatos e de sua intelectualidade. Hoje, o jornal conservador brasileiro, O Estadão, publica um bom artigo de seu correspondente internacional na França, Guilles Lapouge. IMPERDÍVEL!

Leiam a íntegra do bom artigo de Guilles Lapouge, no Estadão de hoje.


Na França, sindicatos tentam retomar brilho

Após ‘coletes amarelos’, sindicalistas levam às ruas seu know-how de 150 anos de lutas


Gilles Lapouge*, O Estado de S.Paulo
07 de dezembro de 2019 | 09h00

Na terça-feira, as ruas se encherão novamente de “idosos” furiosos de que suas pensões, segundo acreditam, estejam ameaçadas. O governo diz que fará algumas concessões. Mas ele não dirá nada até a próxima semana, na melhor das hipóteses, quando terá uma ideia mais clara do campo de batalha e da força deste enorme exército de descontentes que inclui bombeiros e enfermeiras, hospitais, universidades, velhos e jovens, mulheres, homens.

O Eliseu entendeu que o alvo desse velho ritual caro à França, renovado como está, é realmente a pessoa de Macron. A mágica se desvaneceu e o jovem príncipe encantado se transformou depois de 18 meses de poder absoluto. Ele governa a França como todos aqueles que substituiu, com truques, promessas, pactos secretos, meias-verdades, discursos brilhantes e diabolicamente didáticos. “O ouro se transformou em reles chumbo."

Conseguirá ele recuperar a graça perdida? Nada é impossível, pois o homem é talentoso. Mas nada é tão difícil, tanto na política quanto no amor, como ressuscitar o milagre perdido.

Neste início da vasta revolta que se está formando, um detalhe certamente encantou o establishment: a presença dos descontentes nas ruas prosseguiu em ordem. O motivo é claro: os sindicatos tradicionais estavam no comando, especialmente a CGT.
Ela emprega um talento, um know-how aperfeiçoado em 150 anos de lutas, muitas vezes terríveis, com os proprietários, industriais e políticos. Os líderes sindicais são profissionais. Se alguns idiotas atacam os gendarmes, surgem os fortes da CGT e os “encrenqueiros” retornam para seus buracos.

Os sindicatos na França perderam muitos membros nos últimos anos e também sua influência. Mas as manifestações que começam podem dar a eles a chance de restaurar sua imagem.

Especialmente porque, na visão deles, havia, além dos objetivos tradicionais – os políticos, os ricos, a capital –, um rival de uma nova espécie: os “coletes amarelos”, esses trabalhadores mal-amados quase invisíveis, que nem se conhecem, quase de “fora da sociedade”.

Pois bem, essas pessoas sem organização, sem líderes, que mal sabem o que reivindicam, semearam tanto caos no maquinário macroniano em 2018 que Macron estava com medo. Mas ele ouviu os gritos dos “coletes amarelos” e distribuiu uma ajuda de € 17 bilhões, uma soma gigantesca em um país como a França.
O surgimento inesperado dessas “redes amarelas” e sua eficácia causaram um golpe brutal aos sindicatos tradicionais, é claro, mas também aos formuladores de políticas.

Por isso, durante todo o ano passado, eles foram o pesadelo de Macron, mas ao mesmo tempo o dos sindicatos tradicionais. As manifestações de ontem, hoje e provavelmente de amanhã marcam um retorno a esse “velho mundo” que o jovem e lírico Emmanuel Macron jurou derrubar e substituir por um “novo mundo” do qual ele seria o inventor e o mecânico.

Hoje, após esse ano exaustivo de “coletes amarelos”, retornamos, por um tempo, pelo menos, às rotinas e lutas bem ajustadas do “velho mundo”, das quais conhecemos todo o mecanismo e engrenagens, as táticas e códigos, o software.

Assim, ante uma inversão bizarra das coisas, os sindicatos tradicionais encontram um pouco do brilho que perderam quando esses engraçados “coletes amarelos” irromperam há um ano na luta política. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO
*É CORRESPONDENTE EM PARIS

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Carne, gás, gasolina, remédios... o custo de vida voltou

Inflação zero e custo de vida 500

Isto mesmo,até as empregadas domésticas começaram a reclamar do custo de vida.

E o que é o custo de vida?


É a inflação real, aquela que a classe média sente no bolso e que não aparece na hora de aumentar os salários. É o lado perverso dos economistas que ensinam os patrões e os governos aplicarem políticas de transferência de renda, tirando dos pobres e concentrando com os ricos.

Por exemplo, nos governos Lula e Dilma, os pobres vivam enchendo os aviões e os aeroportos. Agora, você já percebe até a diminuição da classe média superior nos aeroportos...

Outro exemplo:


Todo mundo adora tirar o filho da escola pública e colocá-lo na escola privada. Ainda mais agora que se aprende inglês desde cedo nas escolinhas... O problema é que os preços das escolas estão matando os pais de susto e de falta de dinheiro...

E você ainda não pode ficar doente. Remédios com preços abusivos e agora que são importados, com o câmbio e o dolar matando os pobres, quando eles vêem os preços dos remédios morrem de susto.

Assim, os conservadores comemoram em silêncios quando policiais militares e para-militares matam jovens, negros, moradores de favelas e de assentamentos. Alguns doidos, como o governador de São Paulo ainda tem a irresponsabilidade de comemorar publicamente.

O Brasil está matando os brasileiros de vergonha.
Ou melhor dizendo,
os brasileiros estão matando o Brasil de vergonha.

domingo, 1 de dezembro de 2019

O mundo continua inseguro

As pessoas continuam inseguras...

O ministro do Iraque renunciou depois das manifestações,

O Chile, com medo da Ira do Povo, convocou plebiscito sobre constituinte,

A França começa a aumentar sua crise de identidade,

Os Estados Unidos volta para si mesmo com medo do impeachment,

A América Latina continua com mais medo e mais incertezas...


E o CAMBIO AUMENTANDO...

E o desemprego AUMENTANDO...

E os velhos aposentados vão ficando SEM DINHEIRO...

Como será o amanhã... E 2020????

2020 - O que significa este número na Cabala???