sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Temer entregou o setor aéreo sem reciprocidade

Entreguista e mercenário

A 18 dias do fim de seu mandato, o presidente Temer decidiu:

ABRIR COMPLETAMENTE O MERCADO DE AVIAÇÃO CIVIL A EMPRESAS ESTRANGEIRAS.

A decisão foi acordada com o futuro ministro da Economia, PAULO GUEDES, como antecipou o jornal Valor Pro.

Caberá ao governo Bolsonaro viabilizar a aprovação da medida no próximo ano.

Mercado Oligopolizado

A liberalização do setor na vizinha Argentina foi mencionada para ilustrar como a chegada de empresas de baixo custo com capital de fora - Norwegian e Fly-Bondi - resultou em redução de preços e maior oferta de voos.

Não é a primeira vez que se tenta levar adiante uma abertura na aviação civil.

Nos Estados Unidos e no Canadá, o teto é de 25%.

Na União Europeia, o limite é de 49% para investidores externos.

No Japão é 33%, Na China é 35%, na Malásia é de 45% e na Austrália é de 49%.

NA AMÉRICA LATINA, Chile e Colômbia já liberalizaram totalmente seus mercados.

O texto acima reporta-se na quase totalidade à boa reportagem do jornal Valor desta sexta-feira, dia 14 de dezembro de 2018.


Porque não se abre o mercado de comunicação, que abrange rádio, jornal e televisão?


Quero ver a Rede Globo e a Folha concorrerem com os canais americanos,
com a BBC de Londres, com os canais franceses e mesmo os canais chineses,
australianos, japoneses e argentinos.

Comunicação é Educação e Formação.

Comunicação é Democracia e Liberdade.

Abertura do mercado de comunicação já!

Chega de proteção a quem não merece ser protegido!

Nenhum comentário:

Postar um comentário