sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Os jovens e os velhos

Depende de onde parte o olhar...

Quando nosso pai fez 40 anos eu pensei com meus botões:

"Papai está ficando velho, já chegou aos 40 anos." Papai agora está chegando aos 95 anos de idade...

Um dia, telefonei para nossa irmã mais nova, que para os irmãos mais velhos, ela sempre será a caçulinha, e ao dar os parabéns eu perguntei quantos anos ela estava fazendo. Ela respondeu: 51!. Eu fiquei encabulado e comentei, quer dizer que agora nós todos temos mais de 50 anos? Ela deu risada...

Outro dia no supermercado, ao me ver procurando um caixa, a jovem não teve dúvida e recomendou-me ir ao caixa dos idosos. Eu, perplexo ao vê-la mandar-me ir ao caixa dos idosos em voz alta, pensei comigo mesmo, realmente estou ficando velho.

Numa viagem a Buenos Aires, ao ir visitar o museu de arte onde está a pintura Abaporu de Tarsila do Amaral (creio que seja), perguntei a caixa se pagava meia, ela respondeu-me: somente a partir dos 65 anos.

Nesta semana, nos dias que passei em Chapecó, meu guia era um jovem cheio de energia e de grandes propostas... Com o passar das corridas para lá e para cá, ao falar sobre saúde ele comentou; "Meu pai está ficando velho, anda esquecendo muito e me deixa preocupado." Eu perguntei quantos anos tinha o pai do jovem. Ele respondeu-me: 55. Assustado respondi: Seu pai ainda está muito jovem! Ele viverá até os 95 anos ou mais...

Hoje, ao completar 65 anos, pretendo usar todos os meus direitos nacionais e internacionais. Agora posso pagar meia entrada em todos os museus do mundo, nos teatros, nos cinemas, etc. Já uso bilhete de idoso no Metrô. Entre tantas realizações, só falta ser avô. Embora não sinta prioridade nisto, nossa filha já nos deu muitas e muitas alegrias. A esposa e mãe também morre de alegria com a filha e suporta as reclamações de seu baianinho.

Continuarei trabalhando, gostando de flores, contando casos e causos, defendendo a solidariedade, a amizade e o respeito mútuo.

Entre as coisas desagradáveis em 2018, perdemos um irmão - Prof. Gildenor - que, se eu não me engano estava com 69 anos. Três meses depois, nossa mãe faleceu aos 95 anos. Mostrando que nossa família está chegando à contagem regressiva. Iremos fazer festa no céu...

Ainda continuo me sentindo um jovem rabugento, chatinho, crítico e até inoportuno, mas que gosta muito de ser prestativo.

Há três anos apareceu de mansinho algo que carregarei comigo até à morte: o Mal de Parkinson. Isto obrigou-me a mudar a rotina, a tomar cuidado com um monte de coisas, a tomar muitos comprimidos, a gastar muito dinheiro com o dito mal, a conhecer médicos interessantes, que me recomendaram fazer Tai Chi, Natação, caminhadas e tantas outras coisas.

E como desgraça pouca é bobagem, tivemos que aprender a conviver com um governo golpista, com desemprego, recessão, reformas criminosas como a trabalhista e da previdência.

E quando pensávamos que ganharíamos às eleições presidenciais e restabeleceríamos o crescimento econômico com distribuição de renda e inclusão social, vieram as prisões de Lula, Vaccari entre outros e passaremos a conviver com mais uma ditadura no Brasil.

Mas ainda tenho mais 30 anos pela frente. Venceremos como já vencemos nas outras vezes.

Não tenho medo de ser feliz, mesmo com as alegrias e as tristezas; as doenças e seus remédios; o trânsito de São Paulo e as grosserias destes loucos neoliberais e entreguistas das riquezas do Brasil. Trabalho desde os 9 anos de idade, pago INSS desde 1970, portanto, há 48 anos e continuarei na luta até a hora final. Para isto eu tenho tantos amigos...

E vamos deixar os jovens nos chamar de velhos, loucos e sonhadores...
Afinal, são os loucos e sonhadores que mudam a História. Os velhos ajudam.

7 comentários:

  1. Parabéns Negô Véio, que este novo ano de sua vida, seja marcado por muitos sucessos e realizações, com muita saúde, paz e alegrias, abraços do Chuchu

    ResponderExcluir
  2. Parabéns nego veio. Nuna me esqueço do seu: "orai e vigiai". Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns desejo tudo de melhor saúde paz amor, alegrias e felicidades

    ResponderExcluir
  4. Gilmar, ainda faremos muita festa aqui na Terra mesmo. Este 2018 foi especialmente difícil em vários aspectos, mas tb foi o ano em que Nara se casou e ela estava lindíssima sendo conduzida pelo pai orgulhoso ao agora marido. Temos dias bons, temos dias ruins, mas o que importa de verdade é a alegria de viver rodeado do carinho de familiares e amigos. Grande abraço e feliz novo ano!

    ResponderExcluir
  5. Grande Gilmar, temos muitas coisas em comum nessa história de vida. Sou grato pela história ter nos colocado lado a lado nessa caminhada. Receba meu abraço fraterno nesses 65 anos. Paulo Salvador

    ResponderExcluir
  6. Meu querido tio,
    Jà comecei a brincar com o Gui que està na hora de parar de falar hà quantos anos moramos na França porque todo mundo começa a calcular a nossa idade (jà são 18, acredita?). Um beijo muito carinhoso pelo seu aniversàrio com muita energia e a constante esperança de que o melhor ainda està por vir. Bia

    ResponderExcluir