sábado, 11 de agosto de 2018

O PT, as eleições e a flor

Para onde caminha o Brasil?

Tenho notado que quando falo de flores, no blog e no facebook, as visitas aumentam. Como eu acho que há censura política, isto é, liberam as mensagens de flores e bloqueiam parte ou todo da mensagem. Já não confiamos nas instituições, nos governos e nem mesmo nas pessoas...

Estamos vivendo a eleição mais manipulada da história do Brasil.

Ainda em 1978, quando estudava na FGV, lemos o livro "Coronelismo, enxada e voto" de Victor Nunes Leal e prefácio de Barbosa Lima Sobrinho. Um clássico da nossa história.

Em pleno 2018, as manipulações eleitorais se modernizaram, agora, usam a internet e a imprensa substituindo a falta de escolaridade e falta de vida urbana. Em 1949, quando o livro foi editado, o Brasil ainda era rural.

Além da internet e da imprensa, agora abusa-se do uso do judiciário como principal manipulador e apoiador dos reacionários, conservadores, mentirosos de direita e religiosos - não mais católicos, agora são os pentecostais. É o maior retrocesso da nossa história. Voltamos a antes de 1930.

Além de lembrar do atraso político, econômico e social
, no café da manhã brincava com minha esposa sobre a época que estudávamos francês. Enquanto caminhávamos à noite, do Colégio Roosevelt até a Praça Roosevelt, onde morávamos, íamos treinando os diálogos do livro "O Pequeno Principe", para as aulas de francês, onde a professora era japonesa e tinha morado na França.

Ficou na memória apenas um dos diálogos que fala das flores:


"Le petit prince traversa ledésert et ne rencontra qu'une fleur. Une flleur à trois pêtales, une fleur de rien du tout...

- Bonjour, dit le petit prince.

- Bonjour, dit la fleur.

- Où sont les hommes? demanda poliment le petit prince.

La fleur, un jour, avait vu passer une caravane:

"Les hommes? Il en existe, je crois, six ou sept.
Je les ai aperçus il y a des années. Maison ne sait quent de racines, ça les gêne beaucouop.

- Adieu, fit le petit prince.

- Adieu", dit la fleur."


Lembrar do tempo em que o Brasil tinha a influência hegemônica da França, tanto nas universidades como na cultura, e constatar que a hegemonia agora é americana, representa um novo modo de vida.

O pior é lembrar que, muitos que viveram exilados na França
e beberam da sua cultura, hoje são os teóricos dos golpistas e dos copiadores do modo serviçal para com os americanos. Mesmo ainda tendo apartamento em Paris.

Estes já não cantam a Marselhesa, Cantam "I love Paris"
, enquanto passeiam pelas ruas de Miami e Nova York.

Sinais dos tempos. Nossa luta continua;


Lula Livre e Eleições sem Lula é fraude.

Um comentário:

  1. Pronto, alguém no IRÃ acessou este blog. Agora vão dizer que tenho relações com os terroristas islâmicos.

    ResponderExcluir