segunda-feira, 16 de julho de 2018

Jornal Folha rompendo/mantendo preconceitos

Crise existencial da Folha ajuda democracia

Quando a Folha quer ser o melhor jornal do Brasil, consegue.

Quando a Folha quer ser chefe de quadrilha golpista, também consegue.

Quando a Folha quer ser porta-voz do PSDB mais reacionário, fica fácil.

Quando quer ser aliada dos acadêmicos e dos artistas, fica ainda mais fácil.


Vejam o exemplo da edição de ontem, domingo, último dia da Copa do Mundo na Rússia.


1 - O jornal publicou no caderno Ilustríssima, caderno criado para os mais letrados, duas maravilhosas páginas sobre ANTONIO CANDIDO.

Costumo ler tudo que aparece sobre ANTONIO CANDIDO e FERNANDA MONTENEGRO.

Dois símbolos brasileiros que viveram muito, Fernanda continua entre nós e Antônio já foi para o Céu.

Achei um ato de coragem da Folha publicar algo de tanta qualidade no dia da decisão de quem seria o campeão do mundo no futebol. Quantos leitores da Folha perceberam que, além da copa do mundo, tinha um caderno chamado Ilustríssima com um longo texto de Fernando Granato e bela ilustração de Deborah Paiva? Eu que gosto de folhear o jornal inteiro, vi que tinha uma chamada de capa sobre Antonio Candido e fui ver o que era. Era sobre o CENTENÁRIO de um dos maiores intelectuais e cidadão do Brasil.

2 - Já no caderno Mercado, que é o que eu mais leio, tinha outra grande reportagem de qualidade, de autoria de RAQUEL LANDIM.

COMANDO ENVELHECIDO FRAGILIZA ENTIDADES (SINDICAIS) PATRONAIS EM TODO O PAÍS (BRASIL).


Mesmo com toda qualidade das matérias, vejam que já no título, eu acrescento dois reforços. Entidades sindicais patronais é a mesma coisa que "entidades patronais" e "em todo o país" é a mesma coisa que "em todo Brasil". Qual o motivo então de minhas críticas? Primeiro porque a própria imprensa tem passado uma imagem negativa de tudo que se refere a sindicatos e sindicalistas. Segundo porque dizer claro que está falando DO BRASIL, é mais forte do que "do país". Duvido que a culpa seja de Raquel Landim...

3 - Porém, o mais importante da reportagem de Landim é a matéria que tem como título:

R$ 16,4 bilhões em repasse para o chamado SISTEMA S incentivam APEGO ao comando.

Mesmo sem aparecer no título nem na chamada, o artigo é de grande relevância porque mostra que os patrões, os empresários, os banqueiros e os velhos sindicalistas patronais, apoiados pela imprensa, exigiram que o Congresso Nacional golpista e de direita, fizessem a REFORMA TRABALHISTA e acabassem com o IMPOSTO SINDICAL, acabando assim com 80% das receitas das entidades sindicais - TANTO DOS PATRÕES COMO DOS TRABALHADORES.

Acontece que, enquanto os sindicatos - patronais e dos trabalhadores - ficaram sem dinheiro do imposto sindical, OS PATRÕES e SUAS ENTIDADES SINDICAIS, continuam com a exclusividade da gestão do dinheiro arrecadado com o SISTEMA "S", que são 16,4 BILHÕES DE REAIS POR ANO.

Como dizia Boris Casoy: É UMA VERGONHA!


Já o homem que vende pamonha de Piracicaba,
gritaria no carro de som: VERGONHA, VERGONHA, VERGONHA.

Somente num momento de DITADURA, COMO AGORA
, um governo,
um congresso nacional e um jornal como a Folha apoiaria tais mudanças...

Por isto que eu não sei se odeio ou se adoro este jornal esquizofrênico, chamado Folha de S.Paulo, ou apenas, FOLHA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário