domingo, 6 de maio de 2018

Jornalistas não lidam bem com fracassos

Direita, Esquerda, Justiça e Ética

A ombudsman da Folha, Paula Cesarino Costa,publica hoje o artigo primoroso com o título: "Esperando João na rua errada".

Além de recomendar a leitura e reflexão tanto sobre a situação do compositor, cantor e um dos pais da Bossa-Nova, João Gilberto, a autora analisa com cuidado os papeis tanto da Folha como do jornalista Alvaro Costa e Silva que publicou no dia 9 de abril passado uma crônica-reportagem na Folha.

Além de mostrar as diversas faces do assunto, a ombudsman,
Paula, encerra a análise com o último e primoroso parágrafo:

"É um exemplo da dificuldade do jornal de assumir erros, de codrrigi-los de imediato e de forma clara, sem descuidar do maior patrimonio que possui, sua credibilidade. JORNALISTAS NÃO LIDAM BEM COM FRACASSOS".

Quem consegue lidar bem com fracassos?

Este é um dos maiores desafios do ser humano...

Além de não saber lidar com fracassos, quem sabe lidar com a ética?


Ontem, sábado, ouvi uma jornalista da CBN, ao ler uma mensagem de um ouvinte sobre "esquerda e direita no Brasil atual", a jornalista comentou "que não tinha importância se era de esquerda ou de direita, o mais importante era a ÉTICA.'

Na medida que grande parte da imprensa brasileira apoiou e dirigiu o golpe de Estado, representado pelo impeachment e suas reformas esdrúxulas, como ficam ou ficaram os jornalistas progressistas ou de esquerda? Ou perderam os empregos, ou estão calados para não ficar desempregado. Onde fica a Ética?

Se a imprensa resolveu sair do armário, assumir-se golpista e contra Lula e o PT, quem se posiciona contra a orientação conservadora do empregador estará desempregado. Portanto, trabalhar na imprensa virou um grande mercado para jornalistas conservadores, cínicos e até para conservadores-cínicos e éticos. Estes são a grande MINORIA...

Na verdade, a Ética não tem vida fácil no Brasil.


Não temos o hábito de colocar a ética acima das disputas e de nossos interesses. Sejam da direita ou da esquerda. Ou mesmo, e talvez principalmente, por parte de religiosos e membro da Justiça brasileira. Ministério da Justiça e seus tribunais deveriam chamar-se das leis vigentes. Chamar-se de JUSTIÇA num país tão injusto e agora sob um golpe de Estado é mais IRONIA do que ÉTICA.

Ética combina com democracia, respeito às regras e às leis, respeito às diferenças e respeito quando se ganha e quando se perde.

Os brasileiros não lidam bem com fracassos, preferem ou são educados pela "Lei de Gérson", onde o importante é levar vantagem. Parabéns Paula. Vamos semear a esperança, a ética e a legitimidade. Vai dar trabalho, vai demorar mas um dia chegaremos lá.

Só o fato de a direita ter saído da armário já é um grande avanço...


Para ser ético, devemos garantir o direito de Lula ser candidato e julgado pelo povo brasileiro, em vez de ser julgado por tres ou quatro juízes que mais parecem jagunços do que juristas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário