segunda-feira, 21 de maio de 2018

Governos e Imprensa NÃO merecem confiança

Por um Código de Ética para Imprensa e Governos

As Democracias estão em crise de legitimidade.


Sejam na Europa, nos Estados Unidos, na Ásia ou na América Latina.
O sistema parlamentar criado com a revolução francesa exauriu-se, não representa mais o povo de seu país.

Vejam estes exemplos:


1 - as eleições europeias
sempre têm tido menos de 50% de votantes nos candidatos;

2 - as eleições americanas
, têm apenas dois partidos, ambos conservadores, e, mesmo assim, como é um sistema em dois turnos, onde quem decide são os delegados e não os votos universais e individuais;

3 - na Ásia,
o sistema eleitoral também é feito ou para eleger os conservadores, como no Japão, ou para eleger indiretamente os pré-escolhidos pelo partido, como é o caso da China;

4 - Na América Latina,
depois de vários golpes de Estado para excluir a esquerda democraticamente eleita, os conservadores estão criando um sistema de hegemonia branca e neoliberal, onde apenas os partidos conservadores podem concorrer para valer, cabendo às esquerdas apenas legitimar as votações, mas sem chances de vitória.


Logo, vivemos um momento da humanidade onde um novo sistema de representação precisa ser desenvolvido, como aconteceu com o fim das monarquias absolutas e o surgimento da democracia burguesa.

Precisamos de democracias participativas
,onde os partidos representem apenas parte do poder, sendo a maioria composta por representantes de comunidades, etnias, setores produtivos, jovens, velhos, etc.

O caso da Venezuela
serve para exemplificar a democracia de conveniência da imprensa e dos conservadores. Se é normal na Europa os eleitos terem menos de 50% de votos, porque na Venezuela o eleito não pode ter menos de 50% de votos?

A Folha também não reconhece as eleições russas.
Mas reconhece o direito de Ângela Merkel, da Alemanha ficar 16 anos no comando do governo. Só por ser aliada dos Estados Unidos?

Lembram da eleição para prefeito de São Paulo?

Somados os nulos, brancos e os que não votaram, chegamos a mais de 60% dos votantes. A minoria elegeu um doido marqeuteiro, que sequer acabou seu mandato.

E a Folha diz que o governo da Venezuela não vale.

E, por acaso, o governo brasileiro vale alguma coisa? O governo brasileiro tem legitimidade?

A Folha trabalha com duas verdades: a dela neoliberal e golpista, e a dos outros que devem ser combatidas como "não democráticas". Assim não vale.

Precisamos de um CÓDIGO DE ÉTICA PARA A IMPRENSA E PARA OS GOVERNOS.


Depois faremos UMA NOVA CONSTITUIÇÃO, que regulamente tudo.


Por falar em democracia, ELEIÇÕES SEM LULA É FRAUDE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário