sexta-feira, 27 de abril de 2018

Eleições no Brasil: Falta combinar com os russos

Todo mundo quer ser CANDIDATO DUPLO

A imprensa insiste em procurar candidatos viáveis eleitoralmente.


Como o clima é de descrédito, desconfiança e os candidatos que aparecem não são capazes de ganhar de Lula, os golpistas abusam de seus poderes temporais e inventam processos e condenações a Lula, como forma de deixa-lo inelegível.

A direita, começando pelo PSDB que tem candidato mas não tem votos para derrotar Lula, conforme todas as pesquisas. O PMDB e o DEM são parte explícita de um governo desmoralizado e com o máximo de rejeição. Logo, tendem a ser inviáveis eleitoralmente.

O risco para os golpistas mais moderados, é ver aparecer candidatos de extrema direita e estes crescerem nas pesquisas, em contraposição ao PMDB, PSDB e DEM...

Caminhamos para uma eleição sem centro?


Tudo indica que sim. E quem for centro não vingará.

Imaginem Joaquim Barbosa dizendo que é a favor dos direitos dos trabalhadores quando estiver com os trabalhadores e dizendo que é a favor das PRIVATIZAÇÕES, quando estiver com os patrões e a imprensa neoliberal.

Os jornais insistem que Ciro Gomes quer apresentar-se como de centro-esquerda, ou centro-direita, dependendo também do público onde ele estiver falando. Talvez seja mais correto dizer que ele queira ser o candidato NACIONALISTA, mas estilo Vargas do que estilo petista.

O diabo é que todo mundo gostaria de ter um partido como o PT.


Mas o PT resiste a explicitar seu projeto de sociedade, aparecendo mais como uma geleia de ideias progressistas e nacionalistas, porém faltando algo como os princípios inalienáveis que norteiam o partido e sua militância. Por exemplo, a economia de mercado, a pluralidade partidária, a democratização do Estado e dos meios de comunicação, a reforma tributária, partidária e eleitoral, e também seus compromissos internacionais. Os próprios petistas fazem um discurso mais a esquerda,mas quando governam são reformistas e socialistas moderadíssimos. Portanto, nada impede de se fazer um programa ou uma carta aos brasileiros que contenham os compromissos e princípios do partido.

Lula foi e é o melhor exemplo de liderança que respeita o capitalismo,
mas dedica seu tempo prioritário em promover a inclusão social e combater a pobreza, dentro de uma visão capitalista, num socialismo romântico ou moreno, como dizia Brizola.

Nossa direita é tão conservadora que, em vez de manter Lula no governo, reforçando esta visão capitalista e construindo uma grande classe média, a direita brasileira, liderada pelo PSDB, prefere aumentar a pobreza e a concentração de renda, aumentando a possibilidade de surgir mais radicalismo e mais bandidagem, como no México ou na Venezuela. Dizem que o PSDB virou golpista por INVEJA. Pessoas como FHC e Serra não conseguem entender o porque o povo prefere Lula...

Historicamente, quando o centro desaparece, só se restabelece a paz com a guerra.


E a guerra pode se dar de várias maneiras. O golpe de Estado é uma forma de ato de guerra, por não se respeitar as regras democráticas. E, na medida que se abusam de "direitos e de juizes que não respeitam o legislativo nem o executivo", aumenta-se o risco de busca de alternativas também fora das regras democráticas.

Ou os programas eleitorais estarão bem claros para os eleitores, ou, qualquer tentativa de apresentar candidatos de dupla personalidade ou candidato enganador, levará o Brasil a ter metade do eleitorado sem votar ou votando nulo, virando as costas para a Democracia participativa e abrindo a porta para eleitos legais, porém sem legitimidade nem autoridade para governar.

O PT insistirá em Lula presidente e, caso o TRE recuse seu registro
, lançará um nome que será o porta-voz de Lula perante o eleitorado e perante o governo, se eleito. Esta eleição, se não tiver garantias da participação do PT e de Lula, mesmo que indiretamente, será uma fraude imensa e de graves consequências. O PT está certo em insistir no nome de Lula.

Repetir no Brasil a experiência da ditadura egípcia
, mantida pelos Estados Unidos e Europa, é estimular a desobediência civil e a busca de outras alternativas de vida e de governabilidade.

O povo brasileiro, como dizia Garrincha, precisa ser consultado
através de um sistema honesto e transparente. O que anda em falta no governo atual e seus apoiadores como a imprensa e o judiciário.

É preferível acertar com o povo, do que errar sem o povo...

Eleições sem Lula é fraude.

Perguntem aos russos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário