terça-feira, 27 de março de 2018

Os incompreendidos de Truffaut

O Brasil e o mundo também estão incompreendidos

"Alguma coisa está fora da ordem...
da nova ordem, mundial"
Canta Caetano Veloso.

Realmente, o mundo está em transição profunda, e
o Brasil passa por seu pior momento social, político e econômico.

Inconscientemente, quando estamos confusos, gostamos de pegar um livro par ler, ou assistir a um filme, ou ainda ouvir uma série de músicas. Tudo isto que nos lembra alguma coisa do passado, leve e saudável...

Hoje, o canal CULT, vai passar mais uma vez um dos filmes mais importante da história do cinema. Um filme simples, preto e branco, que será mostrado a meia noite...

Hoje, temos "OS INCOMPREENDIDOS" - Les quatre-cents coups
.
Filme de TRUFFAUT, de 1959.

Ano que surgia a BOSSA NOVA, o CINEMA NOVO, OS HIPPIES, e tanta coisa nova...

O bom crítico de cinema do Estadão, Luiz Carlos Merten, escreve um belo resumo:

"O longa de estreia de Truffaut, que se inspirou na própria vida, e o personagem Antoine Doinel virou seu alter-ego, sempre na interpretação de Jean-Pierre Léaud.

Garoto criado em reformatório, SEM AMOR, Doinel foi sendo seguido pela câmera do autor em momentos decisivos de sua vida.

Considerado um dos filmes definidores da nouvelle vague, Os Incompreendidos tem o que se pode considerar um começo emblemático. A câmera percorre Paris, passa pelo ferro (a Torre Eiffel), a pedra, até se deter no rosto do menino.

No desfecho, ele corre para o mar, símbolo de liberdade, e a imagem inspirou Glauber Rocha na cena final de seu clássico Deus e o Diabo na Terra do Sol.

Apadrinhado por Jean Cocteau, que integrava o juri do Festival de Cannes, Truffaut recebeu o prêmio de direção.

E o filme tem Jeanne Moreau numa participação especial."

Lendo o Estadão de trás para frente, você primeiro vê coisas maravilhosas como a chamada para este filme. Só o final é que vamos ver as baixarias da política brasileira... Experimente ler o Estadão de trás para frente. Você sofre menos.

Afinal, o fim pode ser o começo e o começo também pode ser o fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário