quinta-feira, 15 de março de 2018

Brasil, Russia, China, Itália e Estados Unidos

O mundo na encruzilhada

A cada dia que passa mas a sensação de insegurança, incerteza e medo toma conta das pessoas e refletem nas instituições e países.

Vejam as notícias desta semana:

1 - Brasil aguarda ansioso a decisão do STF se vai mandar Lula para a cadeia ou não.


Como todos sabem, o Brasil vive sob um golpe de Estado que tem como principal objetivo impedir a candidatura de Lula à presidência da República. E, para isto, o Judiciário e a Imprensa foram decisivos. Enquanto a imprensa clama pelo ódio e preconceito, o judiciário legaliza a violência à democracia e à liberdade.


2 - Russia passa por mais uma eleição presidencial
neste próximo domingo.

O mundo verá mais uma vez a eleição de Putin, o homem poderoso da Rússia, que estabilizou o país, restabeleceu a autoridade e a capacidade militar. Putin é a única pessoa que os Estados Unidos respeitam militarmente. Enquanto isto, a Europa mantém uma relação de medo e de respeito à Rússia e a Putin.


3 - China muda Constituição
possibilitando que o presidente possa reeleger-se infinitamente...

O capitalismo tem o parlamentarismo que possibilita, por exemplo, Angela Merkel a ter quatro mandatos como primeiro-ministro (a). A China, como um país comunista integrado ao capitalismo mundial, tinha como regra que o presidente teria apenas dois mandatos. Percebendo que não é fácil formar lideranças com grandes qualidades, a China também adequou-se ao parlamentarismo e abriu a possibilidade de ter mais de dois mandatos presidenciais. A China está pronta para ser reconhecida como o país mais importante da Terra.


4 - Itália, mesmo sendo economicamente secundária,
politicamente a Itália sempre serviu de exemplo de crise de governabilidade convivendo com democracia e liberdade. Nesta semana tivemos mais uma eleição que reproduziu o mesmo de sempre. Todos ganharam e todos perderam. La dolce vita...


5 - Estados Unidos continuam sob Trump com suas loucuras...


Crise do aço, crise com imigrantes, crise no Oriente Médio, crise de trabalho decente, etc. O governo americano vive de combater crise externas e internas, refletindo a crise de hegemonia do império americano. Com o fim desta hegemonia, em que o capitalismo consolidou-se como forma de organização econômica combinada com uma democracia do Big Stick, isto é, uma democracia que se caracteriza pela "ditadura da maioria". Os Estados Unidos convivem com imigrantes árabes, latinos, além dos negros e asiáticos, mas a hegemonia é branca e anglo-saxã. Daí decorre a violência histórica quando se sentem ameaçados nos seus valores.

Como vocês podem ver nestes cinco exemplos, o mundo encontra-se numa encruzilhada, tanto em relação ao Modelo Econômico, como em relação ao Modelo Político.

Que Democracia surgirá desta crise imensa que vivemos?


As crise de 1914 e 1940 acabaram com as monarquias e os impérios ingleses e franceses, que foram substituídos por democracias de consumo de massa. Sem apresentação de propostas de economias abertas e que atendam as demandas da população nenhum governo sobreviverá. Nem as democracia sobreviverão...

Nenhum comentário:

Postar um comentário