domingo, 11 de fevereiro de 2018

Negócios estranhos no Pará

Naufrágio de navio com MILHARES de bois vivos leva a acordo milionário

O acidente ocorreu em outubro de 2015, mas apenas nesta semana o processo teve um desfecho.

Na sexta-feira, dia 9, saiu uma matéria no Valor, página B11.

O acordo foi de R$ 13,7 milhões!

O curioso é que na matéria do jornal, não aparece quantos bois morreram. Só aparece o valor que será recebido pelos envolvidos.

O armador (dono do navio), Tamara Shipping, a Minerva (dona dos bois), a Companhia Docas do Pará (administadora do porto), e a Norte Trading (operadora portuária), terão de pagar 13,7 milhões de reais.

Caberá à Companhia Docas retirar o navio e dar a destinação definida pela Capitania dos Portos da Amazônia Oriental do Pará.

A Minerva terá de fazer o monitoramento ambientaldas cavas nas quais estão enterradas as carcaças dos animais vítimas do naufrágio.

Informações a serem retomadas:

1 - O embarque seria em Barcarena no Pará, de onde vieram estes milhares de bois?

2 - Por falar em milhares, QUANTOS BOIS MORRERAM? As empresas sabem...

3 - Quanto foi destruido da Floresta Amazônica para dar espaços aos milhares de bois que morreram afogados por negligência das empresas e das autoridades?

4 - Por que o Brasil exporta bois vivos, em vez de bois abatidos e beneficiados?

5 - O Pará e a Amazônia vão continuar como "território livre para destruição"?

Nenhum comentário:

Postar um comentário