terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Impeachment de Nixon e a China

Duas loucuras de Nixon

Com o novo filme sobre Nixo, o jornal Phost e a renúncia do presidente do país mais importante na época, as pessoas voltaram a ver Nixon somente como o grande fanfarrão que piorou a guerra do Vietnã e teve que renunciar por espionar o partido Democrata, na oposição.

Impeachment passou a ser usado em todo mundo como modelo para derrubar governos. Nem precisou traduzir do inglês para outras línguas. O mundo moderno incorpora novos vocabulários. Internet,site, etc...

Mas, tão importante ou mais importante ainda do que o impeachment
, Nixon deve ser também lembrado por ter sido o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar a China depois que os comunistas ganharam a guerra civil.

A China era a grande aliada da União Soviética, mas tinha suas reservas.


A China chamava os Estados Unidos de "tigre de papel" e estimulava revoluções comunistas pelo mundo. Fizeram até uma Revolução Cultural muito complicada. Mas, economicamente não conseguia sequer alimentar o seu povo, que já era o mais populoso da Terra.

Naquela visita misteriosa de Nixo e Kissinger à China,várias conversas reservadas aconteceram. E, de lá para cá, a China foi ficando amiga dos Estados Unidos e se distanciando da União Soviética e do comunismo como revolução mundial.

Kissinger, muitos anos depois, escreveu sobre esta visita americana à China. O livro de Kissinger chama-se "On China", que em português ficou com o título "Sobre a China".

As relações preferenciais entre Estados Unidos e China
, com as grandes transformações realizadas a partir da morte de Mao Tsé Tung,fizeram da China o país mais importante no final do século XX e tende a ser a primeira economia mundial ainda nesta metade deste novo século.

Os chineses, que sempre gostaram de dragões, inventaram "um modo de produção asiático"
, com grande produtividade, custos residuais, sem impostos para exportações e obrigou as empresas multinacionais que quisessem implantar fábricas na China para exportar para o mundo a preços reduzidíssimos, a ter participação de investidores chineses, além de ceder direitos de os chineses copiarem e usarem as tecnologias e o conhecimento científico.

Aos poucos a China foi construindo produtos chineses de propriedade de chineses.

Estas empresas, protegidas pelo governo e pelo Estado, cresceram e hoje estão entre as maiores do mundo. Tornaram-se S/As, empresas operando nas Bolsas de Valores na China. Atualmente estes grandes corporações chinesas estão comprando empresas em todos os países, principalmente nos países subdesenvolvidos como o Brasil e Argentina.

Sem falar em política, os chineses estão conquistando o mundo.


Nos Estados Unidos, o governo restringe o direito de os chineses comprarem empresas americanas. É o faça o que eu digo mas não faça o que eu faço. A China já é a maior credora dos Estados Unidos, já exporta carros de marca chinesa e já enviou satélite para o espaço. Com seu Exército de mais de um milhão de pessoas, não tem precisado dar um tiro para conquistar o mercado internacional. Sua melhor arma tem sido a combinação entre alta produtividade e planejamento econômico do Estado.

Poderíamos chamar de Keynesianismo estatal.


Por ironia do destino, Nixon e Kissinger, priorizando derrotar a União Soviética, fizeram uma aliança com a China que tende a tornar a China mais importante do que os Estados Unidos tanto economica como politicamente.

Mas as pessoas só lembram de Nixon como "o fanfarrão que tomou impeachment".

Nixon parecia o Trump...
Sinais dos tempos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário