quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Abílio Diniz, BRF, Carrefour e Casino

Questão freudiana e econômica

A imprensa brasileira continua a noticiar o constrangimento que Abilio tem passado com a crise na BRF, onde Abílio é presidente do conselho de administração.

Hoje, no jornal Valor,
há outra notícia que aparentemente não tem nada a ver com a crise da BRF, mas que tem tudo a ver.

Num momento de euforia, Abilio vendeu o GPA
- Grupo Pão de Açúcar ao empresário francês e dono do grupo Casino, Jean-Charles Naouri. No primeiro momento foi um grande negócio para Abílio.

Mas, com o passar do tempo, Abílio foi vendo que, ao ficar como acionista minoritário do GPA, perderia liberdade de decisão. Acostumado a tensionar disputas e sair ganhando, pela primeira vez Abilio perdeu a peleja e foi obrigado a deixar a sociedade, saindo do Pão de Açúcar, algo que tinha tudo a ver com a sua vida e de sua família.

O lance que explicitou a incompatibilidade
foi a tentativa de Abilio juntar-se ao Carrefour, fazer uma fusão no Brasil entre o Pão de Açúcar e o Carrefour e assim Abilio voltaria a ter maioria na conselho de administração e voltaria a manter a governabilidade nos negócios.

Aconteceu que Abilio subestimou o adversário - neste caso o dono do Casino - e viu sua vida virar um inferno. Naouri, dono do Casino, decidiu pagar tudo para ganhar a disputa. Contratou advogados, assessoria de publicidade e até contratos sigilosos com lobistas.

Passados meses de disputas violentas, Abílio teve que entregar o Grupo Pão de Açúcar ao novo proprietário. Isto marcou a sua vida. A partir daí, nada foi como antes...

Com o dinheiro do GPA, Abílio entrou em duas novas áreas de investimento.


Investiu pesado no Carrefour no Brasil e na França e também investiu pesado na BRF, aliando-se a outros investidores e conseguindo eleger-se presidente do conselho de administração e indicado a diretoria da BRF.

No entanto,os fatos vêm mostrando que Abílio já não é mais o mesmo.


1 - A BRF, que até então era uma das melhores e maiores empresas do Brasil, começou a ter prejuízos e a perder mercado. Até as ações despencaram na Bolsa. E sem lucro não há harmonia no capitalismo. As alianças internas começaram a implodir e a virar notícias negativas na imprensa.

2 - Quando todos os olhares estavam voltados para a BRF, eis que surge uma notícia no jornal Valor de hoje que mostra que a confusão pode aumentar para o lado de Abílio.

"Carrefour sonda Casino sobre fusão"


Representantes do Carrefour sondaram o comando do Casino a respeito da hipótese de FUNDIR AS EMPRESAS.

No fundo, Abílio ainda pensa em voltar para o Grupo Pão de Açúcar.


Talvez este desejo seja mais uma questão freudiana do que uma oportunidade de investimento...

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Até espionagem tem na BRF

Folha denuncia espionagem na BRF

Num país onde o "vale tudo" está na moda, até denúncia de espionagem nas empresas aparece.

Ao relatar a "FASE RUIM" da BRF (e de Abílio) em reportagem de hoje, a Folha denuncia que:


"Dois ex-conselheiros da empresa (BRF) agiam como INFILTRADOS da rival (JBS), visando facilitar a venda da BRF".

"O braço direito de Abílio teve de deixar uma vice-presidência por ter sido condenado por fraude em segunda instância, num caso sem relação com a BRF".

Pedro Faria, ex-presidente e oriundo da Tarpon, foi aliado de Abilio ao longo de seu mandato,quando a empresa chegou a vender ações a R$ 70.

Nesta segunda (26), fecharam o dia sendo negociadas a (APENAS) R$ 28,60, mesmo nível de 2011.

Fundos ESTRANGEIROS como o Abderdeen (5%) estão alinhados com Petros e Previ, assim como provavelmente os acionistas minoritários oriundos das famílias que controlavam a SADIA.

Segundo a Folha apurou, a disposição no Planalto (governo) é de não intervir em favor de Abilio.


Lendo com atenção a matéria da Folha de hoje percebemos que:


1 - Há um forte movimento para tirar Abílio da BRF;

2 - Os controladores estão disputando quem fica com o controle da empresa;

3 - Com o governo Temer, aliado de Serra e do PSDB, os Fundos de Pensão entraram na disputa contra Abílio;

4 - A Folha diz que o governo não vai defender Abílio, significando que o governo está articulado com os Fundos de Pensão e com "os investidores estrangeiros e brasileiros" que seguem as orientações do PSDB.

5 - Ainda falta saber qual é a posição dos representantes dos trabalhadores nos Fundos de Pensão.

6 - Também ainda falta saber qual é a posição da CVM.

7 - Tudo indica que, se continuar assim, o Brasil perderá mais uma grande empresa multinacional.

8 - E o mais triste é que todos se calam.

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Chineses compram parte da MERCEDES

Montadora chinesa vira maior acionista da dona da Mercedes

A Geely adquiriu quase 10% das ações da Daimler por US$ 9 bilhões

Enquanto o Brasil vende suas terras, suas empresas privadas e públicas, vende até a própria dignidade nacional, os chineses continuam comprando empresas em todos os países e continentes.

O Brasil se transformou num fracasso internacional. Na maior decepção da América Latina. Deram o golpe num governo popular e democrático e botaram no governo um bando de mercenários, sejam eles do PSDB, do DEM ou de algum partido evangélico.

Vejam mais informações sobre os chineses na linhas abaixo. A notícia saiu publicada na UOL, que é da Folha.

A montadora de automóveis chinesa Geely adquiriu quase 10% das ações da Daimler, controladora da Mercedes-Benz, por cerca de US$ 9 bilhões e se tornou a maior acionista da companhia.

A Geely, que já controla a Volvo Cars e a Lotus,

formou uma participação acionária de 9,69% na Daimler.

Li Shufu, presidente do conselho do Zhejiang Geely Holding Group, quer transformar sua companhia em uma versão chinesa do grupo Volkswagen, com marcas em diferentes segmentos do mercado, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

A participação é mais um esforço da montadora chinesa para se expandir na Europa
, um mercado em que ela já pretende ingressar com sua marca de carros elétricos Lynk & Co. a partir do ano que vem.

Oportunistas de direita e de esquerda

Na democracia, quem decide é o povo

Golpistas usam judiciário para tentar impedir candidatura de Lula.

Ao mesmo tempo, usam a imprensa como forma de desgastar a própria esquerda.A imprensa quer determinar quem vai ser o candidato da direita, quem vai ser o candidato do centro e quem vai ser o candidato da esquerda.

A direita golpista está usando todos os mecanismo honestos e desonestos para impedir a candidatura de Lula. Assim, como diz o próprio Lula, até Temer fica com vontade de disputar as eleições presidenciais. Isto é, sem Lula, qualquer golpista pode querer disputar as eleições que tem chance de ganhar.

A Folha adora jogar gasolina na crise do PT. Estimula o Haddad e se reunir com o PSDB e com o judiciário, depois estimula Haddad a lançar-se candidato à presidente e a Folha acha-se ainda no direito de chantagear o PT dizendo que, se Haddad não for o candidato à presidência, que ele pode sair do PT. Acontece que, nem a Folha nem o Haddad mandam no PT.

Quem manda no PT são os militantes e Lula, com todo o mérito. Os demais são coadjuvantes...

O mesmo vale para os comentários de Ciro Gomes e vários "especialistas por serem professores". Como diz Lula, novamente, se estes especialistas e professores forem realmente tão bons como a imprensa fala, por que eles não saem candidatos ou montam o partido deles?

Da mesma forma que, no PT quem manda são os filiados ao partido, quem vai decidir sobre o futuro presidente do Brasil será o povo brasileiro.

Por isto que, eleições no Brasil sem Lula, é FRAUDE.

Eleição que veta candidato e não deixa o povo escolher, não é democracia.

É DEMOCRADURA, fachada de democracia, com ditadura na prática.


Não adianta a Folha fazer novo manual de redação se as questões de fundo continuam sendo escamoteadas, escondidas. A folha deve transparência e explicações não apenas a seus leitores e assinantes, a Folha deve explicações ao Povo brasileiro.

sábado, 24 de fevereiro de 2018

BRF tem prejuizo recorde e ameaça Abílio diniz

Previ e Petros se articulam para tirar Abilio
da presidência da BRF

Já não dá para negar:

a crise na BRF com Abilio Diniz está em todos os jornais...


Valor de ontem
, sexta-feira:

"Preuízo da BRF triplica em 2017 e atinge R$ 1,1 bilhão"


Folha de hoje:


"Prejuízo recorde reabre disputa pela BRF"


Estadão de hoje:


"Previ e Petros se articulam para trocar conselho da BRF, liderado por Abilio"


Como vocês veem, a crise na BRF é muito grande e parece que
até o governo Temer abandonou Abílio...


"Os fundos de pensão Previ e Petros, lideram as conversas, segundo relataram três fontes a par das tratativas ao Estado. Os dois fundos são os principais acionistas da BRF."

Perdeu a confiança, logo, deve dar o lugar para outra pessoa ou outra equipe. A vida é assim...

Em 2013 a empresa valia 36,5 bilhões de reais,
quando Abilio assumiu a presidencia do conselho.

Agora em 2018, a empresa está valendo no mercado 23,03 bilhões de reais.


Será efeito do governo Temer sobre as empresas brasileiras?

Será que estão montando um esquema para vender a estrangeiros?

Ou será apenas incompetência?

O tempo vai mostrar...

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Imprensa panfletária e partidária

A Folha está pior que a Globo

A Folha vive publicando longas matérias com fotos e manchetes garrafais contra a Venezuela, a Siria, o Irã e a favor dos Estados unidos, de Macri na Argentina, etc.

Ontem, mais de cem mil argentinos foram às ruas contra o governo Macri e suas reformas neoliberais. Na Folha, além de não sair fotos,saiu uma pequena nota de rodapé no meio do caderno internacional.

O Estadão deu foto e matéria, e,
até o jornal Valor, que é 100% da Globo,
publicou foto grande e matéria significativa.

Porque a Folha insiste em ser panfletária e partidária de forma tão ostensiva?

Já houve tempo que a Folha publicava os vários olhares sobre o noticiário nacional e internacional.

O quê mudou na Folha?


Resolveu disputar os leitores com a Veja?

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Eleições presidenciais e Provocações da imprensa

A imprensa quer influenciar nos nomes...

Igreja deveria ser lugar para rezar, escola deveria ser lugar para estudar, judiciário deveria ser lugar para intermediar conflitos e decidir com neutralidade, imprensa deveria ser espaço informativo e opinativo com transparência, mesmo quando se posicionar a favor deste ou daquele lado...

Sempre o verbo vem como DEVERIA SER, mas infelizmente no Brasil atual NADA ESTÁ COMO DEVERIA SER...

Vejam as provocações da imprensa sobre as eleições presidenciais,

olhando os jornais Folha e Estadão:

CANDIDATOS QUE APOIARAM O GOLPE

1 - Maia, que quer ser candidato a presidente pelo DEM, ou a vice, "diz que o plano B de Temer é café velho e frio", isto na capa do Estadão.

2 - Temer, que quer ser candidato pelo PMDB/MDB, faz intervenção militar no Rio de Janeiro e "exército faz ação em favelas para sufocar bandidos", isto na capa da Folha.

3 - Bolsonaro "merece o mérito de ser o único candidato que toca nos temas tabus...", diz Flávio Rocha, empresário conservador em longa entrevista no Estadão de hoje.

4 - Alckmin "poderia ser mais incisivo na agenda dos costumes. ele está migrando perigosamente para esse centro amorfo." diz o empresário conservador na entrevista no Estadão de hoje.

5 - O setor financeiro ainda busca nome "óbvio" "O mercado quer um candidato de direita democrática." Conforme vocês estão vendo as declarações do empresário conservador, tanto os bancos, como o mercado ainda não acharam o seu candidato ideal. Conforme declarações no Estadão de hoje.

O quê seria "Direita Democrática"?

Interromper mandatos com pretextos que depois são reconhecidos como falsos, seria democrático?


Agora vejam as provocações da imprensa aos candidatos e partidos à esquerda:


1 - Folha lança candidatura de Haddad, pelo PT, depois da proibição de Lula candidatar-se. Em longo artigo na página 3, os apoiadores de Haddad lançam até o lema "renovação e experiência". Já ouviram falar em "democracia consentida ou subserviente?"

2 - Ciro ataca Alckmin, Temer e Lula em página inteira da Folha de hoje. "Ciro voltou a criticar a insistência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em reivindicar sua candidatura presidencial na Justiça, mesmo após condenação por corrupção e lavagem de dinheiro", informa a Folha.

Vejam o que a Folha diz que Ciro disse:

"A condenação pode ser injusta, mas não se pode dizer que seja arbitrária."

3 - O PSOL continua insistindo no lançamento do nome de Guilherme Boulos. Espaço na imprensa não tem faltado.

4 - PC-B alia-se com o vice-governador de São Paulo, França, do PSB, e está aberto para discutir eleições presidenciais.

Como vocês podem perceber, ainda há espaço tanto para novos nomes à direita, como à esquerda. Principalmente se estes nomes ajudarem a impedir que, nas pesquisas, Lula apareça em primeiro lugar e com muita chance de eleger-se no primeiro turno.

Quanto mais Lula consolida-se em primeiro lugar, mas a articulação dos golpistas será no sentido de usar o pretexto jurídico de um processo manipulado intencionalmente para tornar Lula inelegível.

Isto em qualquer país do mundo, chama-se GOLPE DE ESTADO.


E os golpistas não podem autodeclarar-se democratas.
Sejam eles empresários, políticos, jornalistas ou juizes...

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

O Brasil vê o governo Temer dar vexame

O golpe já virou ditadura civil, jurídica, midiática...

De repente, não mais que de repente, houve uma chiadeira geral, denunciando que os militares do Exército estariam ameaçando a democracia.

Qual democracia, cara pálida?

O golpe do impeachment rompeu com a institucionalidade, rompeu com as regras democráticas e abriu espaço para que, os mesmos deputados que foram eleitos na chapa de Dilma Rousseff, mudassem de posição, deixando de priorizar o povo para priorizar o dinheiro distribuído pelas empresas.

Transformaram-se em "vendilhões dos templos"...

1 - Os políticos saíram da legalidade e passaram a legislar respaldados pela ilegalidade;

2 - Os empresários aproveitaram-se da oportunidade e estão destruindo todos os recursos públicos, apropriando-se de privatizações fajutas e destruindo as políticas públicas, com isto dificultará que qualquer governo progressista tenha recursos financeiros para priorizar as necessidades do povo. É o Estado à serviço das empresas e não mais à serviço do povo;

3 - As Igrejas Evangélicas passaram a priorizar que seus representantes no parlamento assumam cargos importantes e barganhem benefícios como TVs, rádios entre outras coisas. A esperança tem sido a Igreja Católica que, aos poucos, volta a ajudar o Povo de Deus...

4 - O Judiciário já não disfarça mais sua partidarização, sua prioridade em defender o PSDB e perseguir o PT, principalmente Lula e Dilma.

5 - A imprensa, além de mentir e manipular as informações, agora publica anúncios do governo Temer e das estatais, como forma de distribuir dinheiro para quem é contra o trabalhador e a favor das empresas;

6 - Os professores universitários cansados de ver tanta mentira por parte do governo, da imprensa, do judiciário e até dos evangélicos, aumentam o tom das críticas e das denúncias;

7 - Os artistas também aumentam suas críticas ao governo Temer e ao golpe, diminuindo a margem de manobra dos golpistas;

8 - As Forças Armadas, aos poucos vai se irritando com a incompetência do governo Temer, e mesmo tendo que assumir o serviço sujo, vai demonstrando que não ficará passiva ante tanta desordem;

9 - Os golpistas não se entendem em relação às eleições gerais de outubro deste ano. Multiplicam-se os candidatos dos golpistas e assim aumentam as chances de a esquerda eleger um dos seus candidatos, independente se Lula será candidato ou não. O que contribuirá para mostrar o quanto os golpistas foram oportunistas;

10 - E o povo sofre o desemprego, sofre o subemprego, sofre com os preços abusivos de tudo, e até a classe média tradicional, que saiu às ruas apoiando o golpe, recolhe-se envergonhada e constrangida com tanta baderna e tanta carestia.

11 - Querem acabar com qualquer possibilidade de restabelecer a democracia para o povo, com o povo e do povo. Querem implantar uma democracia de faixada, uma democracia "consentida" e sem direitos iguais para todos.

12 - Além de acabarem com as empresas brasileiras, acabaram também com a nossa Soberania Nacional!

O Brasil não merece tudo isto. O Brasil merece respeito!

Precisamos voltar às ruas e exigir nossos direitos, exigir uma nova Constituinte com regras claras e objetivas onde todos sejam obrigados a cumprir seus deveres e que possam ter seus direitos garantidos e respeitados.

Abaixo a ditadura!!!

Constituinte Já!!!

Eleições sem Lula é fraude!!!

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Gasolina, gás de cozinha, tudo mais caro que antes...

Gasolina do Brasil é a segunda mais cara do mundo

Golpistas fizeram o povo de bobo.

Disseram que iam combater o desemprego, e o desemprego aumentou.

Disseram que iam melhorar a qualidade de vida, e a vida piorou.

Disseram que iam melhorar o salário, e o salário despencou.

Disseram que iam ajudar os aposentados, e estão matando os velhinhos...

Disseram que iam salvar a Petrobras, e, na verdade,
tornaram o preço da gasolina no Brasil o segundo mais caro do mundo!
Só ganhamos da Noruega, que é um país bem mais rico e o povo tem mais dinheiro.

Os pobres estão pagando o gás de cozinha muito mais caro

e a classe média não aguenta mais os preços das coisas.

Além de mentirosos, corruptos e entreguistas,

os golpistas acham que o povo é bobo...

Foi manchete de capa no jornal Valor de hoje e matéria na página A3.

Governo e Imprensa mentem sobre as Aposentadorias

Professora da UFRJ mostra como o governo e a imprensa estão mentindo sobre as Aposentadorias

Governo não diz,
mas valor das aposentadorias vai cair

"O objetivo é fragilizar a previdência pública para privatizar", diz professora da UFRJ, Denise Gentil

Escrito por: Glauco Faria, da RBA • Publicado em: 16/02/2018 - 09:35

Muito antes de o governo Temer propor a "reforma" da Previdência por meio da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287 (na prática, um desmonte do sistema), a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Denise Gentil já desmontava uma das teses centrais que seria usada para justificar o projeto. Em sua tese de doutorado A falsa crise da Seguridade Social no Brasil: uma análise financeira do período 1990 – 2005, ela explicava que a Seguridade Social – que engloba a Previdência – é superavitária, levando-se em consideração todos os recursos assegurados constitucionalmente que eram desviados.

Mas o governo não só omite tais dados, como ainda toma diversas medidas que enfraquecem o caixa previdenciário, como é o caso das desonerações e perdões de dívidas das empresas. "Não é difícil concluir que o governo Temer não tem nenhuma intenção de produzir o equilíbrio fiscal com a reforma da Previdência, porque as receitas já foram destruídas com a concessão de isenções tributárias e perdões de dívidas para as grandes corporações e com a reforma trabalhista", explica. "O caos já está instalado e foi produzido pelo governo federal e pelo Congresso Nacional em 2017."

Na entrevista abaixo, ela fala sobre essas questões e também aborda a campanha publicitária promovida pelo Planalto para tenta convencer a opinião pública da necessidade da PEC 287. "A mudança na aposentadoria dos servidores é peça de propaganda para a sociedade direcionar seu ódio para o lado errado e não enxergar quem, de fato, está ganhando com a reforma da Previdência."

O relator da PEC 287 fez novas alterações na matéria para tentar discutir e aprovar o texto até o final de fevereiro. Essas mudanças mudam a essência da proposta?

Nada mudou. A única alteração parece ter sido a pensão integral para viúvos e viúvas de policiais mortos em combate.

Quais as principais imprecisões – e mentiras mesmo – que podemos identificar na atual campanha do governo pela "reforma" da Previdência?
A primeira é a de que vai combater privilégios. O governo redefiniu, a seu modo, o significado da palavra privilégio.

Ao longo de 2017, o governo Temer fez quatro Refis.

Para quem não sabe, Refis é uma abreviação para o refinanciamento de dívidas das empresas para com a União, ou seja, é o perdão e parcelamento de dívidas que representam a concessão de enormes privilégios tributários que desfalcam a Previdência e o Tesouro Nacional.

O governo fez o Super-Refis das empresas, através da Lei nº 13.496 de 2017, cujo prejuízo para os cofres públicos está estimado em mais de R$ 500 bilhões durante os próximos três anos; fez o Super-Refis dos produtores rurais por meio da Lei 13.606 de 2018, concedendo favores aos ruralistas que gerarão um prejuízo de R$ 15 bilhões para a Previdência; fez também o Refis das petrolíferas, considerado uma vitória devastadora do capital multinacional do setor de petróleo e gás sobre as jazidas do país, e nesse Refis o Congresso perdoou R$ 54 bilhões em tributos devidos pelas empresas do setor entre 1997 e 2014.

Adicionalmente, numa clara entrega do patrimônio natural do país ao capital internacional, favoreceu, imediatamente, as vencedoras do leilão do pré-sal de outubro/2017 (Exxon Mobil, Petrogal, Repsol Sinopec, Shell, Statoil, Total, PBEnergy, Petrobras, CNODC, CNOOC e QPI), ao permitir que, a partir de 2018, tenham redução da base de cálculo e isenção do pagamento de impostos e contribuições que farão uma renúncia de receitas estimada em R$ 1 trilhão nos próximos 25 anos ou de R$ 40 bilhões ao ano.

As desonerações, ao isentarem de tributos a produção de navios e as importações, destroem a indústria naval brasileira, eliminam milhares de empregos diretos e indiretos no Brasil, acabaram com a política de conteúdo local estimulando o conteúdo internacional e diminuem, consideravelmente, o impacto positivo do petróleo no PIB brasileiro. O governo Temer também fez o Refis de estados e municípios, que concedeu descontos de 40% em multas e encargos e de 80% nos juros, e com isso a estimativa de perda de receita da Previdência é de R$ 35,4 bilhões.

Depois de causar essa demolição nas receitas da Seguridade Social, favorecendo empresas nacionais e transnacionais, concentrando renda em escala descomunal, provocando, deliberadamente, tamanha desigualdade social, o governo diz que os servidores públicos é que são os privilegiados. O que seria privilégio para o governo Temer? Pretende criar uma nova definição para essa palavra? O que houve em 2017 foi a demolição total das receitas da Previdência. Quero deixar claro que o governo fez de tudo para quebrar a Previdência ao conceder esses privilégios.

A verdade é que o objetivo é fragilizar a Previdência pública para privatizar, criando o medo nas pessoas sobre o futuro, empurrando os cidadãos brasileiros para os fundos privados de previdência complementar que são muito caros e muito inseguros. E, ao mesmo tempo, a reforma objetiva atirar o ônus do ajuste fiscal sobre os ombros dos assalariados, do setor público e do setor privado do país, principalmente dos mais pobres.

De que modo a proposta afeta as camadas de baixa renda?

A idade mínima, ou melhor, duas idades mínimas, de 65 anos para homens e 62 para mulheres, não é justa. Em um país subdesenvolvido, com estruturas produtivas extremamente heterogêneas, com enormes desigualdades regionais entre sudeste e sul, de um lado, e norte e nordeste, de outro, e com distâncias abissais entre ricos e pobres nas grandes metrópoles é uma insanidade impor idade única para homens e mulheres. A expectativa de vida é radicalmente distinta entre as classes sociais, de forma que os mais pobres não vão alcançar a aposentadoria. Poucos alcançam hoje, menos ainda alcançarão no futuro, porque além de tudo essa idade é móvel, isto é, ela se eleva com o aumento da expectativa da média dos brasileiros. Isso não é apenas injusto. É absurdo.

Outra coisa que precisa ser dita é que a reforma Temer prejudica as mulheres. A aposentadoria por idade aos 65 anos para os homens já está em vigor, embora, hoje, não seja móvel. A reforma pretende implantar um aumento da idade de aposentadoria para as mulheres, de 60 para 62 anos. Com base no quê? Como o governo justifica? As mulheres passaram a ter mais empregos dignos com a crise? Os salários das mulheres se elevaram na recessão? Estão cuidando por menos tempo das crianças, dos idosos e dos enfermos da família porque foram criadas mais creches e escolas em tempo integral? Foi implantada alguma estrutura de cuidados para com os idosos no SUS? A vida das mulheres melhorou recentemente no país? As mulheres devem reagir a uma reforma que aumenta a discriminação de gênero. As mulheres, quando chegam aos 60 anos, já trabalharam, em média, por cinco anos a mais que os homens que chegam nessa mesma fase, se forem consideradas as horas de trabalho doméstico.

Portanto, 60 anos para a aposentadoria por idade das mulheres permanece razoável.

Outro problema que o governo não revela nas suas propagandas da reforma é que o valor das aposentadorias do setor privado, ou seja, do RGPS, vai cair muito. Quem se aposentar com 15 anos de contribuição e preencher o requisito da idade mínima (65 anos para homens e 62 para mulheres) vai receber um benefício parcial, de apenas 60% da média de todas as suas contribuições.

Há um duplo prejuízo.

Primeiro, o valor da aposentadoria será menor, porque hoje esse percentual é de 85%. Segundo, o valor do benefício será menor porque, na regra atual, é utilizada a média dos 80% maiores salários de contribuição, mas a proposta de reforma fala da média de todas as contribuições, o que inclui os mais baixos salários recebidos pelo trabalhador, puxando o valor da média para baixo. Vai ter perda, sim. Mas, o governo não se importa em dizer, nas suas propagandas para convencer o povo da suposta necessidade de reforma, que não vai retirar direitos de quem mais precisa.

O advogado João Badari realizou diversas simulações para testar os efeitos da reforma da Previdência e provou que, se a reforma for aprovada, elevará o tempo para o segurado conseguir sua aposentadoria, seja para aqueles que ficarem dentro da regra transitória (com pedágio), como para aqueles que caírem na regra da aposentadoria por idade, porque a reforma extingue a aposentadoria por tempo de contribuição. Em todas as simulações realizadas o benefício integral também se tornou muito mais distante.

Você foi uma das primeiras pessoas a identificar que não havia déficit no sistema de seguridade social. Agora, o governo centra sua argumentação no "fim dos privilégios". Trata-se de uma guinada estratégica, já que o Planalto aparentemente perdeu a discussão a respeito do déficit? O servidor público se tornou um bode expiatório nesse contexto?

O governo não convenceu uma parcela importante da sociedade de que há déficit, já perdeu o debate dentro da CPI da Previdência comandada pelos senadores Paulo Paim e Hélio José e, o que é mais importante, os deputados e senadores sabem do prejuízo que representará nas urnas se a reforma for aprovada. Muitos precisam do foro privilegiado. O governo, portanto, insiste, e continua oferecendo favores financeiros para os políticos alicerçarem suas campanhas em 2018. Isso é declarado abertamente, pelo próprio governo, para a imprensa.

Ninguém do Judiciário vai falar nada sobre isso?

Além da liberação de cargos, emendas parlamentares, verbas para prefeitos e governadores no ano de 2017, tem mais. Presidente Temer decidiu, em dezembro do ano passado, liberar, para os municípios, mais R$ 3 bilhões do orçamento de 2018, caso a reforma da Previdência seja aprovada. A estratégia é pressionar os prefeitos a influenciarem deputados na Câmara. O presidente também reforçou o poder do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, com R$ 10 bilhões para a finalização de obras em redutos eleitorais de quem votar pela reforma da Previdência. Tudo isso saiu na imprensa.

Do ano passado, somente em restos a pagar de emendas parlamentares, que podem ser destinadas por deputados federais e senadores a redutos eleitorais, e mais as novas emendas do Orçamento deste ano, são R$ 20 bilhões. O povo fica sabendo porque está sendo divulgado na imprensa. Já teriam até prometido recursos de bancos públicos, da Caixa Econômica, por exemplo, para serem usados em troca de apoio à reforma da previdência, ou seja, será moeda de troca com governadores para que eles pressionem deputados a aprovarem as mudanças nas regras de aposentadoria. Então, o que eu, como cidadã, posso dizer disso tudo? Como cidadã, penso que isso é um escândalo nacional e vivemos uma era de trevas da política nacional.

Nesse contexto o servidor público é, sim, um bode expiatório, usado para atrair a ira da sociedade para outro polo, deixando encoberto o jogo político das grandes empresas financeiras com o governo. O governo diz que com a reforma, acaba o problema que gera desequilíbrio na nossa sociedade: servidores do alto funcionalismo público que se aposentam com seu último salário. Acontece que, desde 2013, já não existe mais essa possibilidade de se aposentar com o último salário. Aliás, não existe desde 2003. Mas, com a regulamentação da Funpresp, o fundo de previdência complementar dos servidores públicos, feita em 2012 pela então presidente Dilma Rousseff, os funcionários públicos se aposentam apenas pelo teto do INSS. Não será essa reforma do presidente Temer que produzirá o efeito de equiparação entre os sistemas porque simplesmente isso já foi feito.

Portanto, a mudança na aposentadoria dos servidores é peça de propaganda para a sociedade direcionar seu ódio para o lado errado e não enxergue quem, de fato, está ganhando com a reforma da Previdência.

Caso seja aprovada a PEC da Previdência, seus efeitos, combinados com a precarização estimulada pela nova legislação trabalhista, podem inviabilizar a previdência pública a curto prazo?

Sem dúvida, o já desastre aconteceu. A reforma trabalhista que entrou em vigor em novembro do ano passado irá agravar ainda mais a situação de queda da arrecadação previdenciária. Isso porque foram legalizadas duas modalidades de contrato de trabalho que irão diminuir as contribuições dos trabalhadores para a Previdência: o trabalho intermitente, em que o funcionário é contratado para trabalhar apenas algumas horas por semana ou por mês, recebendo um salário que pode ser inferior ao mínimo, e a terceirização de todas as atividades da empresa. O trabalhador terceirizado ganha em média 20% menos do que um trabalhador com contrato direto. Dificilmente esses novos trabalhadores, submetidos a esses contratos, irão contribuir para a Previdência. Nem eles, nem seus empregadores.

Não é difícil concluir que o governo Temer não tem nenhuma intenção de produzir o equilíbrio fiscal com a reforma da Previdência, porque as receitas já foram destruídas com a concessão de isenções tributárias e perdões de dívidas para as grandes corporações e com a reforma trabalhista. O caos já está instalado e foi produzido pelo governo federal e pelo Congresso Nacional em 2017.

O governo insiste na reforma desde o fim de 2016, a despeito de todas as dificuldades enfrentadas. A quais setores econômico-financeiros interessa fazer uma reforma desse tipo? De que forma eles ganham?

A proposta de reforma da Previdência de 2017, ao invés de corrigir um suposto déficit fiscal, vai, indubitavelmente, gerar um déficit de cidadania. Pretende desamparar os idosos de renda média e baixa, desproteger trabalhadores e levar famílias ao empobrecimento e adoecimento. Produzirá calamidades sociais que gerarão mais gastos (com saúde e contenção da violência), sem realmente fazer as intervenções necessárias para enfrentar a evolução demográfica pela qual a sociedade brasileira atravessará, e que dependem do projeto de civilizatório nossa sociedade deseja alcançar.

A degradação do orçamento da seguridade e, mais particularmente, da Previdência Social é uma estratégia clara da atuação do Estado em favor do avanço das finanças sobre a política social. É na esfera das aposentadorias e pensões que se acirrará a disputa pelo fundo público. O governo orquestrar a dilapidação dos direitos previdenciários por meio de intermináveis reformas, alegando permanentemente a fragilidade fiscal e atuarial do sistema, que ele próprio constrói, ao preço de pesadas desonerações, sonegações e perdão de devedores. A campanha do “rombo da Previdência” acaba se tornando uma profecia que se autorrealiza. Quem se beneficia dessa engrenagem?

Os fundos de capitalização que são os maiores beneficiados de todos esses mecanismos. O patrimônio líquido dos fundos de previdência aberta passou de R$ 23 bilhões em 2002 para R$ 490 bilhões em 2015. Não apenas isso. Houve profunda expansão da captação líquida em suas carteiras. Há um salto de R$ 28 bilhões em 2006 para R$ 48 bilhões em 2016 medidos em valores reais de 2016, sendo que o maior impulso ocorre precisamente no ano em que a reforma da previdência começa a tramitar no Congresso.

Quais as possíveis alternativas a essa proposta que o Planalto quer implementar para a Previdência?

Em primeiro lugar, o governo deveria estar produzindo uma reforma tributária para reduzir a desigualdade de renda e aumentar a arrecadação. Em segundo lugar, caberia mudar urgentemente a política econômica. Precisamos de uma política fiscal e monetária geradora de investimento, emprego e melhorias salariais. As principais fontes de receita da Previdência estão altamente vinculadas ao dinamismo da economia. A Previdência depende dos empregos formais, do patamar do salário médio e da mobilidade social. Sem isso, não é possível sustentar um sistema previdenciário no longo prazo.

Longe de termos um problema demográfico grave, o que temos é um problema de distribuição de renda, de falta de dinamismo econômico e de debilidades graves no nosso sistema político, altamente antidemocrático, e todos esses obstáculos só podem encontrar solução no campo político. O déficit fiscal é cortina de fumaça, construída para encobrir os verdadeiros problemas que temos que enfrentar – a construir uma nação democrática, que honre seu povo, que o proteja e lhe assegure soberania.

Portanto, a reforma política é muito mais urgente

domingo, 18 de fevereiro de 2018

África do Sul sinaliza para o mundo

Democracia participativa deve ser para todos

O presidente da África do Sul foi obrigado a renunciar para não ser deposto pelo seu próprio partido.
Zuma , o presidente que renunciou, além de ter QUATRO mulheres oficiais, tinha fama de muito corrupto.
Depois de anos no governo, foi substituído pelo seu vice e também ex-sindicalista, Cyril Ramaphosa.

Foi a corrupção que derrubou Zuma?


Não, o que derrubou Zuma foi a ECONOMIA.
Segundo artigos do W. Post e Reuters, publicado no Estadão no dia 16 passado,

80% das crianças de até 9 anos são consideradas ANALFABERTAS FUNCIONAIS,


o DESEMPREGO é de 36% no geral e de 68%, entre os jovens,


o crescimento dos casos de AIDS cresceu de 4,7 milhões em 2002, para 7 milhões em 2016.


Já artigo do Financial Times, de Joanesburgo, publicado no jornal Valor, em 16, sexta-feira, o país mais industrializado da África está com a economia estagnada, o desemprego continua crescendo e a pobreza gerando tensões.

Combater a corrupção,
além de resolver os desafios econômicos, torna-se uma prioridade para se reconquistar a confiança, tanto da população negra que é grande maioria, como da população branca.

Outro desafio a ser resolvido é combater a grande concentração de renda.

Na África do Sul 1% da população, principalmente da minoria branca, controla 90% da riqueza do país, segundo registros fiscais e pesquisas.

Nelson Mandela
deu o primeiro grande sinal de coragem
quando passou a defender a DEMOCRACIA e a ECONOMIA DE MERCADO,
garantindo um país plurirracial,
como forma de combater o apartheid e a pobreza.

Com a democracia
e a ampla maioria da população sendo negra, Mandela foi eleito com ampla maioria dos votos.

Com a economia de mercado
, o governo Mandela passou a desenvolver políticas afirmativas para incluir os negros na economia, no consumo e nas instituições que até então eram controladas somente pelos brancos.

Com o tempo a economia foi diminuindo o ritmo de crescimento
, as pessoas foram se acomodando nas instituições e foram abrindo espaço para o crescimento da corrupção. Foi ficando em segundo plano a importância da democracia participativa como forma de se preservar a transparência e forma de dificultar ou impedir a corrupção.

A corrupção faz parte dos riscos das instituições, principalmente quando são autoritárias e com pouca democracia participativa. Não é o poder que corrompe, o pode é que revela a pessoas corruptas...

Mais uma vez, a COSATU – Central Sindical Sulafricana e o CNA
– Partido Nacional Africano de Mandela e seus companheiros, foram fundamentais para exigir a renúncia do presidente Zuma, denunciado como corrupto.

Para que as pessoas sejam mais importantes do que as empresas, a economia precisa ser aberta e dinâmica, monitorada pela sociedade e pelas comunidades, através da democracia participativa. Isto fez falta na África do Sul mas, também está faltando no mundo.

Ou voltamos a valorizar a democracia participativa,
combinada com uma economia dinâmica e voltada para todo o povo, ou veremos o mundo caminhar para mais um período de fascismo ou mesmo de nazismo. Os loucos estão soltos e pregando o apocalípse racial, econômico, social e político. A ONU mais uma vez não está cumprindo seu papel...

Mandela precisa continuar a iluminar a África do Sul e a todos nós.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Andrezinho, da UTI, manda “uma carta de amor”

Andrezinho sempre foi brilhante

Mas, da UTI, em São Paulo, recuperando-se do coração, é um amor.

Minha proposta é esperar Andrezinho ser liberado do hospital e fazer uma grande festa no Café dos Bancários para recepcioná-lo.

Na carta,Andrezinho, além de brilhante, mostra seu lado amoroso e fraterno.

Vejam que bela “carta de amor”, Andrezinho escreveu para todos nós.

"Oi, gente...

Tive alta da UTI, vim para o quarto,
mas a situação segue requerendo muitos cuidados.
Ontem tive queda de pressão e hj me sentia cansado e com o coração um pouco acelerado.

A médica veio e ficou uma hora comigo.
Primeiro, o infarto foi punk e mais grave do que eu imaginava.

Terei de fazer acompanhamento para sempre.
Segundo ela, estão na fase de avaliar se haverá ou não lesão permanente no coração (que segue batendo por vcs...rsrs).

Depois terei de reavaliar tudo, desde alimentação à exercícios, etc.

Hj e amanhã terei vários exames para fazer pq estão preocupados com possibilidade de reflexos nos rins, etc. É tipo, uma varredura, que pode incluir até o dedão do pé.

Estou muito feliz com a solidariedade e atenção de todos,
isso tem sido fundamental para mim.
Eu fico no hospital pelo menos até quarta-feira.
Como estarei com exames hj e amanhã, não é a melhor hora para visitas. A minha irmã Cristina Tallarico Rodrigues, tem recebido as mensagens de vcs e vai ajudar na orientação sobre visitas.

Estou tentando ficar pouco na internet e aproveitar para pensar na vida.

Não é que não estou falando com ninguém, mas estou tratando de me abstrair um pouco desse mundo virtual.

Assim peço desculpas por demorar em responder ou até não responder.
Simplesmente não dou conta de tanta solidariedade.
Isso é muito bom e tem me feito bem, mas estou evitando ficar pendurado nas redes.
Lógico que continuo ligado em tudo. Não nasci para o foda-se.

Tenho acompanhado tudo que está acontecendo.
E minhas leituras não são otimistas, dado os longos anos de ação, atuação e estudo desse nosso mundo e desse improvável Brasil.
Acabei amarrado na Globo todos esses dias. Como abstraí, não está me afetando.
Mas é incrível como td é muito óbvio e bem coordenado. O resultado é um país que pode virar um arremedo de país, pois Nação já não somos mais.
Esse lance da intervenção militar na segurança do RJ, longe de discutir o mérito, é mais complexo, profundo e politiqueiro do que vcs podem imaginar.

Vendo a Globo desde sábado passado, as mesmíssimas cenas de violência no RJ vem sendo repetidas à exaustão e não é à toa.
É um veneno.

Mas só entende que é veneno quem é do ramo.
Nós temos de lidar com algumas coisas prioritárias, como impedir a Reforma da Previdência de qq jeito, pois o novo texto tá cheio de pegadinhas e os "recuos" na reforma são cosméticos.

Assim, não se deixe enganar, nem baixe a guarda nesse assunto.

Também não se iludam com essa intervenção militar no RJ. Não apenas não resolverá, é o jogo político e o controle político dos territórios controlados por políticos e outros atores, como empresários, juízes, policiais e demais grupos de interesse.

Td que está rolando trará consequências graves,
assim, não entre no embalo da imprensa e na lavagem cerebral que fazem.
Fizemos o que fizemos nesses últimos dois anos e deu no que deu.
Não se enganem de novo.

Bom, voltando ao meu diminuto mundo nesse momento, vou descansar, pensar e me cuidar.
Tenho uma mente que está sempre em funcionamento e alerta, o que não é ruim, mas em doses muito altas, tb não ajudam.

Quem quiser fazer uma visita, contatem minha irmã e ficarei feliz em vê-los à partir de segunda-feira.
Preciso confessar que ainda estou muito frágil e realmente me sinto assim.
Dessa forma, vale a máxima da vovó: canja de galinha não faz mal à ninguém. Estou nesse momento.

Agradeço mais uma vez à vcs todxs.
Estão sendo importantes e me emocionando bastante.
Embora eu seja uma pessoa pública, no meu meio pessoal e particular só entra quem é importante pra mim e quem eu gosto e tenho preocupação, mesmo estando longe.

Sintam-se amados por esse escorpiano que às vezes é meio gélido.


E acreditem, é um amor verdadeiro.
Mesmo que vc nunca tenha me visto ou que faça anos que não nos vemos.

Mando um bj à todxs.


Ah! Descobri que é fácil diminuir a barriga. É só ter um infarto.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Brasileiros ganham com Reforma Fiscal de Trump

Governo protege empresa capitalista

O neoliberalismo protege as empresas e abandona o povo

O governo Trump, dos Estados Unidos, fez uma reforma fiscal para aumentar o lucro das empresas, aumentando ainda mais o poder de pressão do capital sobre a classe trabalhadora.

Com a reforma fiscal nos Estados Unidos, a empresa americana controlada por brasileiros, Kraft Heinz, apenas no quarto trimestre teve um lucro liquido de US 8 bilhões. Maior do que o lucro do Itaú, no mesmo período.

Vejam o artigo publicado no jornal Valor desta sexta-feira.


Lucro da Kraft Heinz dispara no trimestre e atinge US$ 8 bilhões

Por Alexandre Melo - SÃO PAULO – 16/02/2018 - 11:30

A Kraft Heinz, controlada pela empresa brasileira 3G Capital Partners, registrou um lucro líquido atribuído aos controladores de US$ 8 bilhões no seu quarto trimestre de 2017, aumento de 8,5 vezes quando comparado com os US$ 944 milhões de igual período do ano anterior.

O forte resultado se deveu a benefícios provocados pela reforma fiscal americana.

Em 2017, o lucro foi 3 vezes superior ao do ano anterior, atingindo US$ 11 bilhões. Na demonstração financeira, a fabricante de alimentos justificou que a reforma tributária nos Estados Unidos realizada pelo governo de Donald Trump resultou em benefício fiscal de US$ 7 bilhões no ano passado.

O lucro operacional da gigante de consumo no trimestre foi de US$ 1,64 bilhão, alta de 4%.

Em 2017, o indicador expandiu 10,3%, para US$ 6,77 bilhões. De outubro a dezembro do ano passado, a receita líquida da Kraft Heinz, somou US$ 6,87 bilhões, incremento de 0,3% ante o mesmo intervalo de 2016. Em 2017, a receita líquida do conglomerado teve declínio de 1%, para US$ 26,23 bilhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado no quarto trimestre alcançou US$ 2,01 bilhões, crescimento de 4%. No consolidado do ano, o Ebitda da companhia foi de US$ 7,93 bilhões, aumento de 1,95%.

"Não há dúvida de que o desempenho financeiro em 2017 não refletiu nosso progresso ou potencial", disse Bernardo Hees, diretor-presidente da Kraft Heinz, em comunicado ao mercado. O executivo afirmou que houve melhora significativa nos negócios e que foi possível acelerar alguns importantes investimentos no fim do ano.

A expectativa é de que a reforma tributária americana e os investimentos adicionais que serão realizados pela empresa ajudem no crescimento das marcas em 2018. A Kraft Heinz, cuja fusão dos negócios aconteceu em 2015, controla marcas como o queijo Philadelphia, o ketchup Heinz e o molho de tomate Que

Intervenção no Rio é mais um vexame de Temer

O Rio de Janeiro merece respeito!

Para a CUT, o Rio e o Brasil precisam de uma intervenção social,
com políticas públicas de geração de emprego e renda

Escrito por: CUT Nacional • Publicado em: 16/02/2018 - 15:19 • Última modificação: 16/02/2018 - 15:32

Nota da CUT sobre a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

A decisão do golpista e ilegítimo Michel Temer de decretar intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro é mais um factoide irresponsável com o objetivo de tentar jogar uma cortina de fumaça sobre os inúmeros escândalos que envolvem esse governo, como o inquérito que apura o envolvimento do presidente em negócios escusos no Porto de Santos, e também sua derrota política na tentativa frustrada de votação da reforma da Previdência, impedida pela pressão da CUT, das demais centrais sindicais e dos movimentos sociais.

Como em todas as decisões tomadas pelo golpista, quem vai pagar o preço por mais essa medida é o povo do Rio de Janeiro, vítima de uma intervenção mal planejada, sem objetivos claros E que não vai resolver a situação da violência, desemprego e salários atrasados a que a população carioca está submetida.

Segurança pública não se resolve com intervenção militar.

A solução são investimentos públicos, com obras de saneamento, habitação, mobilidade urbana, geração de empregos, economia solidária, renda básica, investimento em educação, cultura, esportes, ensino profissionalizante, garantia de primeiro emprego para os jovens e aposentadoria digna para todo povo carioca e brasileiro.

A crise dos estados, principalmente no Rio de Janeiro, está ligada à aprovação da PEC 95, que congelou por 20 anos os investimentos em segurança, saúde e educação, e reduziu os investimentos com as políticas sociais que geraram desenvolvimento, emprego e renda nos governos Lula e Dilma. Na época, o próprio Nem, um dos chefes do tráfico carioca, afirmou que as obras do PAC roubaram seus melhores soldados.

O Rio de Janeiro e o Brasil inteiro não precisam de intervenção federal na segurança pública, precisam de uma intervenção social já!!
Uma intervenção que seja democraticamente discutida com as comunidades, os movimentos sociais, sindical e o povo carioca e brasileiro, que possa nos tirar da crise não apenas de segurança, mas da crise social a que este governo golpista levou o país e que compromete a sobrevivência e expõe a população a todo tipo de violência.

E é contra todos os desmandos do governo golpista e seus aliados que a CUT organiza os trabalhadores e as trabalhadoras e reafirma sua agenda de mobilização contra a reforma da Previdência, que acaba com a aposentadoria de milhões de brasileiros e de todas as medidas que tiraram direitos sociais e trabalhistas.

Dia 19 é greve, é paralisação, é dia de cruzar os braços e lutar contra a agenda neoliberal e contrária aos interesses da população. É contra o fim da aposentadoria. É contra decisões como a tomada nesta sexta-feira (16) de intervir no Rio de Janeiro sem apresentar uma solução sequer para resolver o problema da violência no Estado.

O povo do Rio de Janeiro merece respeito!

O povo brasileiro não aceita mais tantos abusos!

São Paulo, 16 de fevereiro de 2018

Executiva Nacional da CUT

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Gás de cozinha. Um exemplo de enganação

Empresas privadas abusam dos consumidores

A imprensa gosta de falar que o capitalismo pressupõe competitividade entre os concorrentes. Seria bom se isto fosse verdade, mas no Brasil isto não acontece. O que mais constatamos são experiências de oligopólios onde algumas empresas, normalmente 4 ou 5 controlam o mercado e acertam os preços entre si.

Por exemplo, o sistema financeiro brasileiro atual possui apenas cinco bancos de varejo, com apenas quatro donos. São o Itaú, o Bradesco, o Santander, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal.

E, como no caso atual, quando um banco manda no governo, automaticamente ele passa a controlar 3 dos 5 maiores bancos, além de controlar o Banco Central, o BNDES, o BNB e o BASA - Banco da Amazônia, que são bancos de fomento e não bancos de varejo.

Outro exemplo negativo é o sistema comercial de gás de cozinha em São Paulo.

Antigamente existia a empresa estatal COMGÁS que foi privatizada no governo FHC com o PSDB em São Paulo. A propaganda é que agora a Comgás teria mais agilidade para oferecer gás de cozinha a todas as casas da cidade de São Paulo. Estou morando no bairro da Vila Madalena desde 2002 e nunca consegui convencer à Comgás a fornecer gás de cozinha na nossa rua, mesmo metade da rua já receber o gás de cozinha. A Comgás chegou a enviar-me uma carta cobrando 56 mil reais para estender a canalização até nossa casa. Pode?

Conclusão: a privatização da Comgás serviu para garantir a reserva de mercado para uma única empresa, que se recusa a estender o serviço para todas, mesmo que seja para um bairro de classe média alta.

Como não tem Comgás, somos obrigados a comprar de empresas que vende gás avulso.
Entre elas, nós compramos da Ultragaz.

O estranho é que a Ultragaz cobra preços diferentes para o mesmo produto.

Andando nas ruas da Vila Madalena, na Avenida Heitor Penteado, no Centro ou em outros bairros, TODOS têm preços diferentes um do outro. E a diferença de preço é grande, muito grande. Por exemplo, um botijão grande, que na nossa rua custa 385 reais, nos outros bairros achamos até por 300 reais. Isto é, 28% de diferença. 85,00 mais caro!!

E NÃO PODEMOS COMPRAR EM OUTROS BAIRROS!!!

Sem contar os aumentos que são de responsabilidade do governo Temer.

Em 15/11/2016 o botijão grande custava 322,00
Em 11/02/2017 passou para 355,00
Ainda em 2017 aumentou para 375,00
e já em janeiro de 2018 aumentou para 385,00.

No Brasil, o capitalismo, além de ser protegido pelo Estado/Governo, têm reserva de mercado para aumentar os preços e pagar menos impostos do que as empregas pagam em outros países.

Não satisfeitos em já serem protegidos pelo governo/Estado, os empresários ajudaram a dar o golpe do impeachment, derrubando o Governo Dilma e estão acabando com o que resta de bom como política pública. Estão vendendo até a Soberania Nacional.

Capitalismo assim, só mesmo no Brasil.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Capitalismo sem risco e sem eleições

Golpistas não querem eleições

Vejam o título de uma matéria no Estadão de hoje:

"Eleição é o maior risco para a retomada, dizem analistas"

Seria engraçado se não fosse trágico!

Todos os dias e toda hora os golpistas estão afirmando que a eleição pode levar a economia a piorar, já que teremos candidatos que apoiam as políticas neoliberais, que priorizam os lucros das empresas, e teremos candidatos que priorizam o bem estar da população, o que inclui ter economia de mercado, porém, garantir políticas públicas, como saúde, educação, transporte, moradia e alimentação com preços acessíveis à maioria da população.

Acontece que nem os partidos dos golpistas estão se entendendo na escolha de nomes para defender o golpe, o arrocho salarial, o desemprego, as privatizações e a entrega da soberania nacional aos estrangeiros. Este é um dos motivos que faz com que muitos políticos priorizem ganhar dinheiro fácil agora, antes das eleições.

Os golpistas sabem que nas eleições deste ano, ou a maioria da população não vai votar - em protesto - ou vai votar nos candidatos que forem contra o governo Temer. O PSDB provavelmente vai dizer que "esteava no governo mas não era governo". Quando na verdade, o PSDB era o mandante da destruição da economia nacional e da destruição das empresas de brasileiros.

Vejam como, tanto a imprensa, como os "analistas" primam pela manipulação e pelas mentiras publicadas:

" O que ameaça essa melhora (da economia), segundo os analistas, é o risco político. As eleições que se aproximam estão no radar dos BANCOS e dos próprios consumidores.

""Os candidatos a presidente que temos ou vão levar o Brasil para a realidade, com o CORTE DE GASTOS, ou para o contrário, que é o populismo."" disse Arnaldo Brazil, diretor da consultoria Sell-Out 3."

Fica evidente que eles não querem perder as eleições. Acontece que eles só estão no governo porque deram um golpe de Estado e compraram os políticos do Congresso Nacional.

Ao mesmo tempo que os golpistas não querem perder as eleições, a cada nova pesquisa presidencial, Lula mais cresce como o melhor candidato nas pesquisas. Podendo ganhar já no primeiro turno.

O que propõem os golpistas?

Que Lula seja impedido de se candidatar.
Mesmo que fique evidente que "Eleição sem Lula é fraude!"

Este pessoal não tem escrúpulo nem vergonha de nada.
O negócio deles é dinheiro fácil.

Eles querem capitalismo SEM RISCO e SEM ELEIÇÕES!

Eles querem moleza!

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Carnaval com livro de Zuza Homem de Mello

A história da música brasileira passa por Zuza e seus livros

Cresci correndo atrás do Trio Elétrico em Serrinha, Bahia.
Na Bahia, o Carnaval era mais importante que Natal e Ano Novo.

Em 1968, ainda em Serrinha, apareceu Caetano Veloso e seus frevos.
Em 1970, nos mudamos para São Paulo, onde o Carnaval era mais nos clubes.

Nos anos 80 e 90, Carnaval passou a ser mais família e descanso.
Agora, já passado dos 60 anos, carnaval é leitura e família.

Aproveitei o carnaval deste ano para acabar de ler mais um livro de Zuza Homem de Mello.

"Copacabana - A trajetória do samba-canção (1929-1958)".

São 512 páginas de muitas histórias das músicas, das pessoas e do Brasil.

O curioso é que, ao mostrar que o samba-canção começou em 1929,
eu compreendi o porquê as músicas relatadas no livro são, quase todas, as mesmas músicas que nossa mãe cantava. Afinal, ela nasceu em 1923, e conviveu com todas estas músicas e seus intérpretes.

Espero manter a mesma energia que Zuza. O homem viveu tudo que teve direito e ainda conseguiu tempo para produzir programas de rádios e TVs, além de escrever livros preciosos. Zuza nasceu em 1933. É mole?

Este livro de Zuza precisa ser distribuído às bibliotecas municipais e das escolas. Mesmo convivendo com o mundo on-line, um livro é sempre um livro, principalmente quando o autor e a editora são bons. A editora é a 34, com o apoio da Sesc Edições. O diretor do Sesc, Danilo Miranda, é outro personagem da história cultural do Brasil.

No livro, só de músicas citadas, são 14 páginas.

Se houver 30 músicas em cada página, vamos ter, mais ou menos, 420 músicas. Muitas delas, com letras e histórias...

Zuza, é como Fernanda Montenegro, já fazem parte da História do Brasil. Da boa história, é claro. Leio tudo que aparece sobre eles.



segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Bradesco apresenta seu novo presidente

Recados para o governo e para a oposição

O Bradesco já tem um novo presidente.
O Itaú já deu posse ao seu novo presidente.

Ambos os bancos buscam novas lideranças internas para administrar duas gigantes organizações financeiras que têm capacidade de interferir tanto nos governos como na vida política, econômica e social do Brasil.

O novo presidente do Bradesco tomará posse no próximo dia 12 de março,
depois do carnaval. Muita coisa importante vai acontecer no Brasil depois do carnaval... Inclusive a definição se Lula poderá ser candidato a presidente da República ou não. O golpe do impeachment foi pretexto para derrubar um governo eleito e também para mudar radicalmente a politica econômica e social. Para isto, houve um grande pacto conservador e neoliberal, onde a democracia tem menos importância do que o lucro das empresas. Para os golpistas, o Povo não pode decidir sobre o país. O povo é mero consumidor de segunda linha...

Com o golpe do impeachment e a Lava Jato, os empresários passaram a ficar com medo de dar entrevistas. Quando falam, falam entre-linhas...

Neste domingo, a Folha publicou uma página com entrevista do novo presidente do Bradesco. Nela há recados tanto para o governo, como para a oposição. Vou apresentar algumas declarações que considero mais relevantes.

Palavras do novo presidente do BRADESCO, Octávio de Lazari Junior:



1 - Os últimos cinco anos foram piores até que a crise de 2008.


Grandes empresas sofreram bastante e uma parte das pequenas e médias ficou pelo caminho. as pessoas físicas também foram muito impactadas pelo DESEMPREGO, que afetou 14 milhões de brasileiros. Mas já acalmou.

2 - OS JUROS VÃO CAIR.


- A queda da Selic foi muito rápida por causa da RECESSÃO.

- É lógico que os bancos têm um ganho importante com taxas de juros altas, mas,

NÃO ADIANTA SER UMA EMPRESA RICA NUM PAÍS POBRE.


- Temos que aprender a conviver com taxas de juros baixas. É IMPORTANTE PARA O BRASIL.

- O sistema bancário dos países desenvolvidos opera com juros baixos.
Os resultados são bons, dão retorno aos acionistas. Como eles fazem isso? O segredo é ampliar a base da pirâmide.

- O problema é que oferecemos esses produtos para um público pequeno. Se chegarmos a 50% da população em vez de atender apenas 10%, as taxas de juros podem ser menores, porque você ganha na escala.

3 - Temos convicção de que a reforma da Previdência é necessária. Certamente não será a reforma de nossos sonhos...

4 - INDEPENDENTEMENTE DE QUEM SEJA O PRÓXIMO PRESIDENTE,
a agenda para o país é igual.
- A taxa de juros está baixa, a inflação vem controlada e os preços das commodities permanecem sem grandes variações.

- A TRANSIÇÃO DEVE SER MAIS TRANQUILA.


5 - Os desafios à frente do Bradesco são:


- Manter o time unido e as unidades de negócio focadas na entrega de resultado para os acionistas. Esse é o desafio que reúne todo nosso compromisso.

- Aumentar a proximidade com o cliente e perenizar o relacionamento com o banco e todas as suas empresas - cartões, varejo, alta renda e seguradora.

- Outro grande desafio é trabalhar AS QUATRO GERAÇÕES DE CLIENTES. A tecnologia é extremamente importante parta atender os clientes pelo celular e pelo computador, mas não podemos esquecer aqueles que precisam de atendimento mais personalizado.

- O banco não é um lugar em que o cliente compra um produto e vai embora.

- O banco é lugar de relacionamento.

A Polônia, os Judeus e as guerras...

Algumas informações importantes

I - Os países que ficaram sob controle da Rússia com o fim da segunda guerra mundial, ficaram também atrasados na economia de mercado, embora tenham boa escolaridade e não haja pobreza crônica. O delicado é que, quando passaram a ser capitalistas, em função do atraso, também passaram a ter governos conservadores, ou até fascistas.

A Polônia é um bom exemplo desta opção conservadora ou fascista.

No jornal Estadão de domingo, Helio Gurovitz, trás uma série de informações importantes e esclarecedoras.


1 - O governo atual da Polônia
, aprovou no Congresso, uma lei que pune, até com prisão, quem disser a verdade sobre as relações entre os nazistas e uma parcela do povo polonês em relação ao Holocausto.

2 - É indiscutível a responsabilidade de comunidades polonesas
no lado "artesanal" do Holocausto: Massacres e Expropriação.

3 - O governo inglês sabia dos campos de concentração e de extermínios antes do fim da guerra


- O diplomata e oficial do Exército polonês, Jan Karski, foi um dos primeiros a denunciar no Ocidente os horrores do nazismo. Visitou clandestinamente o gueto de Varsóvia e um campo de onde partiam trens abarrotados para a morte em BELZEC. Preso e torturado pela Gestapo, escapou e foi enviado a LONDRES, sede do governo polonês no exílio.

4 - O governo americano também sabia dos campos de concentração e de extermínios


- Jan Karski prestou testemunho ao chanceler Anthony Eden e, em 1943, ao presidente Franklin ROOSEVELT, nos Estados Unidos.

5 - O historiador Jan Gross abriu a ferida com o livro Vizinhos, de 2001, em que atribui a poloneses a autoria do pogrom de Jedwabne, em 10 de julho de 1941. Centenas de judeus foram queimados vivos num celeiro, sob o comando do prefeito Marian Karolak.

6 - Dos 3 milhões de judeus poloneses exterminados (90% do total antes da guerra)
, ele estima que 200 mil não morreram nos campos, mas em pogroms.


II - Lamentavelmente, na mesma página do jornal Estadão,
há outra grande matéria sobre a postura agressiva do governo atual de Israel.

O governo atual de Israel é expansionista, exclusivista e não respeita as opiniões da ONU, da Europa e de muitos outros países que defendem a coexistência de dois países - Israel e Palestina - onde hoje existe praticamente só Israel. A supremacia militar israelense, incluindo a propriedade de centenas de bombas atômicas, está levando Israel a perder apoio internacional, o que é muito ruim.

Forças militares israelenses invadiram o espaço aéreo da Síria para atacar bases militares, alegando que um drone iraniano invadiu seu espaço aéreo. Depois de muitos anos, pela primeira vez, os sírios conseguiram derrubar um avião militar israelense.

Como a Síria virou "terra de ninguém", tanto a versão do governo israelense como a versão do governo sírio não devem ser verdadeiras.


III - De 1948 a 2017, o mundo constatou com tristeza
que, por mais que a ONU e a grande maioria dos países tenham colaborado para criar o Estado de Israel, como forma de ajudar os judeus a ter o seu país, a convivência entre árabes e israelenses sempre foi muito difícil. Apesar das dificuldades, é preciso se preparar para a existência de dois países. Mesmo tendo mais força, Israel não decidirá isto sozinho.

O fato de serem países ricos em petróleo, mas pobres em auto-defesa, além de sofrerem intervenções das grandes empresas de petróleo e dos governos americanos e europeus, os países árabes ficam fragilizados ante a força militar de Israel, o que estimula o lado quase fascista do governo atual.

Só o tempo irá mostrar como terminará esta triste novela...

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Agora estão destruindo a BRF

Logo logo aparecerá um comprador estrangeiro

Depois que derrubaram o governo Dilma, os golpistas estão se especializando em baratear ativos brasileiros para vendê-los à preço de bananas. Estão vendendo empresas privadas e estatais aos estrangeiros como forma de centralizar a economia nas mãos das multinacionais e fundos de investimentos estrangeiros. Estão destruindo a soberania nacional.

A BRF foi um dos grandes cases de sucesso no Brasil. A Perdigão estava em crise, o BNDES e os Fundos de Pensão, liderados pelo então presidente do BNDES, Luiz Carlos Mendonça de Barros, autorizados pelo governo FHC, levantaram a empresa, tornando-a uma competidora internacional. Quando veio a crise de 2008 e a Sadia entrou em crise, os Fundos de Pensão e o BNDES, estimulados pelo governo Lula, incorporaram à Sadia, constituindo a holding BRF e as duas cresceram muito, tanto no mercado nacional como no internacional.

Com o tempo, de repente, apareceu o interesse de Abílio Diniz em assumir a gestão da BRF, comprando milhões de ações e associando-se a outro investidor privado. Ambos associados, Abilio e a Tarpon, de Tarpon Pedro Faria, contra a vontade da Petros - Fundo de Pensão dos Funcionários da Petrobras - assumiram a presidência da BRF. De lá para cá, a vida na BRF virou um inferno...

Abílio assumiu a presidência do Conselho de Administração em 9 de Abril de 2013.

Agora, as ações da empresa atingiram, dia 08 de fevereiro de 2018, o menor nível da era Abílio.

Além da disputa interna, houve a mão grosseira e destruidora do governo, quando autorizou a divulgação da Operação CARNE FRACA. Deflagrada em 17 de março, e com ampla repercussão, a Carne Fraca inviabilizou momentaneamente as exprtações, o que gerou o acúmulo de estoques. além de prejudicar o consumo interno, com o boato de que a empresa usava papelão na produção de salsicha.

Agora chegou a vez de o CREDIT SUISSE apresentar um relatório "detonando" a empresa BRF. O equivalente a recomendar venda das ações da companhia.

O Credit Suisse está à serviço de quem?

A imprensa brasileira foi contratada à ouro por escritórios contratados pelo Casino quando este comprou o Pão de Açúcar - GPA e Abílio tentou renegociar. Todos falavam mal de Abílio.

Agora que Abílio assumiu um negócio maravilhoso, o negócio começa a desandar, podendo levar a grande prejuízo nos Fundos de Pensão e ao Brasil.

Os golpistas agora estão destruindo a BRF, e, por tabela, Abílio Diniz.


Quem está por trás de tudo isto?


Estas informações estão baseadas na boa reportagem publicada no jornal Valor de 09 de fevereiro de 2018.


Negócios estranhos no Pará

Naufrágio de navio com MILHARES de bois vivos leva a acordo milionário

O acidente ocorreu em outubro de 2015, mas apenas nesta semana o processo teve um desfecho.

Na sexta-feira, dia 9, saiu uma matéria no Valor, página B11.

O acordo foi de R$ 13,7 milhões!

O curioso é que na matéria do jornal, não aparece quantos bois morreram. Só aparece o valor que será recebido pelos envolvidos.

O armador (dono do navio), Tamara Shipping, a Minerva (dona dos bois), a Companhia Docas do Pará (administadora do porto), e a Norte Trading (operadora portuária), terão de pagar 13,7 milhões de reais.

Caberá à Companhia Docas retirar o navio e dar a destinação definida pela Capitania dos Portos da Amazônia Oriental do Pará.

A Minerva terá de fazer o monitoramento ambientaldas cavas nas quais estão enterradas as carcaças dos animais vítimas do naufrágio.

Informações a serem retomadas:

1 - O embarque seria em Barcarena no Pará, de onde vieram estes milhares de bois?

2 - Por falar em milhares, QUANTOS BOIS MORRERAM? As empresas sabem...

3 - Quanto foi destruido da Floresta Amazônica para dar espaços aos milhares de bois que morreram afogados por negligência das empresas e das autoridades?

4 - Por que o Brasil exporta bois vivos, em vez de bois abatidos e beneficiados?

5 - O Pará e a Amazônia vão continuar como "território livre para destruição"?

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Mesmo no Carnaval, os golpistas continuam atuando

Enquanto o povo comemora o Carnaval nas ruas...

Os golpistas continuam estudando as melhores formas de prejudicar a imagem de Lula e de contribuir para que Lula perca votos nas próximas pesquisas...

Acontece que Lula faz milagres.
Quanto mais acusações os golpistas apresentem, mas Lula cresce nas pesquisas...

Isto indica que o povo já está vacinado contra os golpistas.

O povo já não acredita mais no que dizem e no que fazem. Tanto que tirou uns dias de repouso e muito carnaval.

Mesmo que os golpistas consigam manter as sentenças judiciais montadas para dar os resultados que os golpistas querem - que é impedir Lula de se candidatar e de poder fazer campanha para algum candidato - mesmo assim, os golpistas acabarão derrotados nas eleições de 2018. Nunca o Brasil viu tantos votos nulos e abstenções como verão nas eleições de 2018.

O povo não dará seu voto aos golpistas mentirosos.

O povo pode até cumprir a lei e ir votar, mas tenderá a votar nulo.
Será um voto de desconfiança. Um voto de protesto silencioso...

O povo pede passagem, já dizia o sambista.
E onde há um sambista, ai está um representante do povo.

Quantos risos, oh quanta alegria,

mais de mil palhaços no salão,
Arlequim está chorando pelo amor da Colombina,
no meio da multidão.

Mas vão se ver outra vez,
está fazendo um ano,
foi no Carnaval que passou.

Eu sou àquele pierrot
que te abraçou,
que te beijou,
meu amor...

Vou beijar-te agora,
não me leve à mal,
hoje é Carnaval.

Lembram como era o Brasil "Da máscara negra"???

Era o Brasil que dava certo.
O Brasil da esperança...

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

A farsa da democracia neoliberal no Brasil

Democracia com direitos ou democracia consentida?

Os golpistas querem passar a imagem de que o Brasil está numa Democracia e que os direitos são respeitados. Além de mentirem, não sabem disfarçar a insensatez.

Os golpistas também estão querendo passar a imagem de que a economia está melhorando. Mais uma mentira. Quem está procurando emprego sabe que não está fácil conseguir novos empregos. E quem está trabalhando está sentindo que o salário não cobre mais as despesas.

E por que os golpistas querem fazer eleições impedindo candidatos?

Para passar uma imagem para o mundo de que há democracia no Brasil. Mais uma mentira.

Se fosse para ter democracia de verdade, Lula estaria tranquilo e fazendo campanha eleitoral. Os golpistas neoliberais querem IMPEDIR que Lula seja candidato porque ninguém ganha dele.

O povo quer que Lula volte a ser presidente do Brasil.

Se o Brasil tivesse a Constituição respeitada pelos golpistas, as eleições seriam decididas pelo povo, sem impedimentos de candidatos como Lula.

Por que os golpistas não querem que Lula volte a governar o Brasil para o Povo?

Porque para os golpistas as empresas são mais importantes que o Povo.

Lula ajudou os pobres a se verem como cidadãos brasileiros, sujeitos de direitos básico como ter mais escolas, ter material escolar, ter mais comida, poder andar de avião no Brasil e no exterior, ter assistência médica, poder comprar carros, ter convênios médicos, e tantas outras coisas como Minha Casa Minha Vida e Luz para todos.

Os golpistas não querem que o povo melhore de vida.
Os golpistas querem que o povo seja obediente e pobre.

Não queremos uma Democracia subserviente e consentida,
queremos uma Democracia para o povo, com o povo e do povo.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

PSDB quer privatizar a Petrobras

Liberação dos demônios tucanos

O PSDB, a partir de FHC, especializou-se em ser eleito falando uma coisa e, depois de eleitos, fazer outra coisa.

Isto é, na campanha eleitoral só falava o que o povo queria ouvir. Como mais emprego, custo de vida mais barato, mais políticas públicas e por aí ia... Depois de eleitos, diziam que precisava privatizar tudo, aumentar os pedágios, negar transparência na gestão e nomear os amigos empresários para os cargos públicos.

Depois de perder quatro eleições presidenciais seguidas, resolveram dar um golpe de Estado, tirando o PT do governo, dar mais um golpe ao mandar o Judiciário perseguir Lula e o PT, impedindo Lula de se candidatar a presidente. Já que não ganham de Lula, partiram para impedir Lula de disputar. É muita covardia.

Para agradar as multinacionais ou, talvez por já estarem negociando com as grandes empresas petrolíferas, Alckmin antecipa-se e declara que, se eleito, pode privatizar toda a Petrobras. É muito cinismo.

Ao mesmo tempo que Alckmin declara que topa vender o que resta de brasileiro aos estrangeiros, como o PSDB vem fazendo desde FHC, este, que já foi presidente por dois mandatos, não gostando de Alckmin, já procura nomes alternativos para se candidatar a presidente. Mesmo que seja o Huck.

Enquanto o Brasil desintegra-se, com os políticos vendendo tudo, o judiciário brigando por pinduricalhos que somam aos salários, a imprensa mente e manipula, as igrejas buscam mais dinheiro do que prática cristã, os militares ainda continuam em silêncio.

Se os tucanos do PSDB tentarem privatizar totalmente a Petrobras e os militares aceitarem passivamente, o Brasil correrá o risco de efetivamente se transformar numa Venezuela ou num Oriente Médio.

O Brasil tem dois símbolos históricos:

A Petrobras e o Banco do Brasil.


No dia que o PSDB tentar entregar estes dois símbolos à empresas estrangeiras, o gigante se levantará e o povo verá, pela primeira vez, uma guerra que vai do Amazonas ao Rio Grande do Sul. Mesmo se os militares se aliarem ao PSDB mercenário.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

O Brasil atual e os nazistas na segunda guerra mundial

Os golpistas estão destruindo o Brasil. Para sempre?

Todos os dias conversamos muito com as pessoas, lemos muitos jornais e notícias nas redes sociais e fazemos muitas reuniões para entender:

- Como os golpistas ficaram tão ousados à ponto de destruir tudo que o Brasil tem de bom e vender a soberania nacional?

- Quando será que haverá uma reação efetivamente forte para impedir tanta degradação?

- Como impedir que destruam Lula, a maior liderança que este país já teve?

- Como contribuir para que o povo escolha um governo democrático e participativo, evitando que transformem o Brasil numa republiqueta?


Não é por acaso que está na moda assistir a tantos filmes sobre o nazismo. Estes filmes estão fazendo muito sucesso e as pessoas nos perguntam como alguns países resistiram tanto e como, aos poucos, foram derrotando o nazismo e libertando o mundo do terror e da destruição.

- Como as pessoas foram se organizando e reagindo?

- Como alguns países que inicialmente e de forma disfarçada apoiaram os nazistas, por serem contra a Rússia e o comunismo, e depois foram descobrindo que os nazistas eram piores que os comunistas?

- Lendo a biografia de Churchil fiquei muito triste quando li que ele - diga-se a Inglaterra - e os Estados Unidos apoiaram o general fascista Franco contra a República Espanhola, na guerra civil da Espanha. Fortaleceram os nazistas facilitando a destruição futura...

- Mas a Inglaterra foi fundamental para derrotar a Alemanha nazista. Como imprescindível foi a resistência e depois vitória militar dos soviéticos contra o até então imbatível exercito nazista. E, mesmo atrasada, mas também imprescindível foi a participação americana na guerra. Tanto para derrotar os nazistas no norte da África, depois derrotas os nazistas na Europa e finalmente derrotar os japoneses na Ásia.

É aquela história: sozinhos somos fracos, juntos somos fortes.

Da mesma forma que milhões de pessoas morreram até os aliados derrotarem os nazistas, no Brasil ainda vamos ter muitas demissões, muitas vendas de empresas brasileiras à preço de bananas e ainda passaremos um tempo tendo nossa soberania violentada.

Mas o tempo e a história vão mostrar quem está ou estava com a razão. Da mesma forma que hoje poucos se dizem nazistas, chegará o dia em que, no Brasil, poucos terão coragem de dizer que fez parte dos golpistas, dos entreguistas e dos mercenários. Muitos vão dizer que foram enganados pela imprensa e pelo judiciário.

O tempo passa mas a democracia participativa continua a ser o melhor sistema de governo para representar o povo e para construir uma grande Nação.

Nossa solidariedade a Lula e a todos que estão sendo perseguidos pelos golpistas atuais.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Legalizar Cassinos, vender a Embraer, acabar com a aposentadoria...

Estão destruindo o Brasil

Legalização da jogatina, privatização de tudo,
fim das políticas públicas e venda da soberania nacional...

Assim vão destruindo tudo que o Brasil tinha de bom e vão transformando o Brasil num país de mão de obra barata, sem indústria própria, sem conhecimento competitivo e sem capacidade de defesa de sua soberania.

Está ficando cada vez mais difícil ler os jornais ou ouvir os noticiários.

Deram um golpe de Estado para isto?

Estão proibindo Lula de se candidatar para ficar mais fácil de destruir as riquezas e a dignidade nacional?

E pensar que até os evangélicos estão concordando em legalizar os Cassinos?

Deus, oh Deus, onde estás que não responde?

Já escrevia o poeta Castro Alves, ao denunciar a escravidão no Brasil.

Agora temos que voltar a denunciar à servidão e a passividade dos empresários, a servidão do nosso judiciário, a omissão dos intelectuais e mesmo a cumplicidade de parcela da população.

Triste Brasil,
Oh quanta semelhança...


Já dizia Gregório de Matos, o poeta maldito.

Os bancos e a democracia no Brasil

De 300 bancos, temos apenas 5

Hoje todos os jornais dão notícias relevantes sobre os dois principais bancos no Brasil. O Itaú e o Bradesco. A história destes dois bancos reflete a história do sistema financeiro nacional, mas, também reflete a evolução política do Brasil. E, de certa forma, do mundo.

No início da década de 60, o Brasil tinha mais ou menos 300 bancos. Grande mesmo era só o Banco do Brasil. O Bradesco vinha crescendo e as fusões e aquisições já serviam para surgirem bancos grandes.

Com o golpe militar em 1964, veio a Reforma Bancária, que levou a um enxugamento do sistema financeiro, diminuindo significativamente a quantidade de bancos, chegando aos anos oitenta com 140 bancos no Brasil.

O descontrole inflacionário nos anos 80 e 90 deixou o sistema financeiro maluco e de alto risco. Bancos importantes como Comind, Nacional e Bamerindus tiveram intervenção do Banco Central. E os bancos foram diminuindo...

Nos anos 90, veio o Plano Real e o Proer, que tiveram profundo impacto na vida dos bancos. Com o fim da inflação alta, os pagos ganharam direito de cobrar "Taxa de Serviços", que cobrem mais do que a Folha de Pagamento, e tiveram também o direito de comprarem, a preço de banana, os bancos estaduais estatais, além de serem estimulados a comprar os bancos médios.

Com o início do neoliberalismo no Brasil, o sistema financeiro acelerou a concentração dos bancos.

Hoje, o Brasil tem apenas CINCO BANCOS de varejo.


Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Federal. Estes bancos controlam 80% das operações bancárias do país. Este oligopólio passou a ter grande poder de influenciar o Banco Central e o próprio governo. Tanto é verdade que, mesmo no governo Lula, a concentração dos bancos continuou, tendo como destaque a incorporação do Unibanco pelo Itaú.

Os bancos, nacionais e estrangeiros, tiveram grande influência no impeachment de Dilma e na sustentação do governo ilegítimo de Temer. Os bancos estão ficando tão explícitos que exigem as reformas que o governo apresentou para o congresso nacional e os deputados e senadores aprovaram. É como se os bancos estivessem mandando no Brasil.

Será que esta concentração excessiva de bancos é boa para a democracia e para o Brasil?


Será que esta concentração excessiva de bancos não inverte a governabilidade?


Quanto mais força o bancos têm, mais fraca fia a indústria nacional e o agronegócio fica dependente do Banco do Brasil e do governo. Sem contar o povo em geral que depende de apenas cinco bancos com suas poucas agências e com a cobrança de tarifas bancárias e a tal da reciprocidade.

Algum governo terá forças para repensar o papel social dos bancos?

Impeachment de Nixon e a China

Duas loucuras de Nixon

Com o novo filme sobre Nixo, o jornal Phost e a renúncia do presidente do país mais importante na época, as pessoas voltaram a ver Nixon somente como o grande fanfarrão que piorou a guerra do Vietnã e teve que renunciar por espionar o partido Democrata, na oposição.

Impeachment passou a ser usado em todo mundo como modelo para derrubar governos. Nem precisou traduzir do inglês para outras línguas. O mundo moderno incorpora novos vocabulários. Internet,site, etc...

Mas, tão importante ou mais importante ainda do que o impeachment
, Nixon deve ser também lembrado por ter sido o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar a China depois que os comunistas ganharam a guerra civil.

A China era a grande aliada da União Soviética, mas tinha suas reservas.


A China chamava os Estados Unidos de "tigre de papel" e estimulava revoluções comunistas pelo mundo. Fizeram até uma Revolução Cultural muito complicada. Mas, economicamente não conseguia sequer alimentar o seu povo, que já era o mais populoso da Terra.

Naquela visita misteriosa de Nixo e Kissinger à China,várias conversas reservadas aconteceram. E, de lá para cá, a China foi ficando amiga dos Estados Unidos e se distanciando da União Soviética e do comunismo como revolução mundial.

Kissinger, muitos anos depois, escreveu sobre esta visita americana à China. O livro de Kissinger chama-se "On China", que em português ficou com o título "Sobre a China".

As relações preferenciais entre Estados Unidos e China
, com as grandes transformações realizadas a partir da morte de Mao Tsé Tung,fizeram da China o país mais importante no final do século XX e tende a ser a primeira economia mundial ainda nesta metade deste novo século.

Os chineses, que sempre gostaram de dragões, inventaram "um modo de produção asiático"
, com grande produtividade, custos residuais, sem impostos para exportações e obrigou as empresas multinacionais que quisessem implantar fábricas na China para exportar para o mundo a preços reduzidíssimos, a ter participação de investidores chineses, além de ceder direitos de os chineses copiarem e usarem as tecnologias e o conhecimento científico.

Aos poucos a China foi construindo produtos chineses de propriedade de chineses.

Estas empresas, protegidas pelo governo e pelo Estado, cresceram e hoje estão entre as maiores do mundo. Tornaram-se S/As, empresas operando nas Bolsas de Valores na China. Atualmente estes grandes corporações chinesas estão comprando empresas em todos os países, principalmente nos países subdesenvolvidos como o Brasil e Argentina.

Sem falar em política, os chineses estão conquistando o mundo.


Nos Estados Unidos, o governo restringe o direito de os chineses comprarem empresas americanas. É o faça o que eu digo mas não faça o que eu faço. A China já é a maior credora dos Estados Unidos, já exporta carros de marca chinesa e já enviou satélite para o espaço. Com seu Exército de mais de um milhão de pessoas, não tem precisado dar um tiro para conquistar o mercado internacional. Sua melhor arma tem sido a combinação entre alta produtividade e planejamento econômico do Estado.

Poderíamos chamar de Keynesianismo estatal.


Por ironia do destino, Nixon e Kissinger, priorizando derrotar a União Soviética, fizeram uma aliança com a China que tende a tornar a China mais importante do que os Estados Unidos tanto economica como politicamente.

Mas as pessoas só lembram de Nixon como "o fanfarrão que tomou impeachment".

Nixon parecia o Trump...
Sinais dos tempos.

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Custo de vida no Brasil é criminoso

A inflação só serve para rebaixar salários e aposentadorias

O que está matando o povo brasileiro, além das doenças por falta de cuidados do governo ilegítimo, é o custo de vida.

Desde FHC e incluindo o governo Lula, há uma diferença muito grande entre a inflação e o custo de vida. Por artimanhas dos economistas, passamos a ter uma inflação baixa, mas o custo de vida sempre foi crescente.

Um dos fatores que aumentaram o custo de vida foram as privatizações.

O povo passou a ter oferta de tudo,
porém com os preços lá em cima.


- Por exemplo, não conheço país que tenha os preços de celulares, tanto os aparelhos como as ligações, iguais ao Brasil.

- os carros do Brasil
são quase o dobro do preço nos Estados Unidos e Canadá.

- a taxa de juros no Brasil é criminosa
. Só perde para o narcotráfico. É lucro fácil, além da cobrança dos serviços bancários - presente de FHC aos bancos, além do PROER.

- os preços nos restaurantes são abusivos.
No dia a dia o almoço comercial custa em média 20 reais, se beber e comer sobremesa aumenta para 40 reais por pessoa. À noite, restaurante médio custa 100 reais por pessoa e se o restaurante for melhor,o custo médio sobe para 200 por pessoa.

- para quem usa carro para trabalhar ou ir para a escola, a gasolina já passa de 4,00 reais. Hoje abasteci o carro com gasolina à 4,20.

- outros preços abusivos estão nos remédios
e nos convênios médicos. Qualquer remédio médio custa 200 reais. E você nunca toma apenas um remédio, são sempre vários e todos caros...

- as escolas dos filhos
estão variando de 1.500,00 a 2.500,00 por aluno. Quem tem dois ou mais filhos, está pagando o pão que o diabo amassou.

- TV a cabo, internet,
e tantas outras coisas do mundo moderno estão acabando com os parcos salários.

- a última loucura de preços altos nós constatamos ao viajar de São Paulo para Birigui, depois para Fernandópolis e de lá para São Paulo. 172,00 reais de pedágios!!! É mole?

Poderia ficar todo o dia listando preços abusivos sejam nas padarias, nos supermercados, nas contas dos governos, nas contas de serviços privatizados, etc.

O pessoal que mora em São Paulo está dizendo que houve aumento do IPTU de 30%
. Parece que o nosso foi uns 10%, mas já vi vários colegas que tiveram 30% de aumento.

E quanto foi a inflação? 2 ou 3%...


Um país onde a mentira e a corrupção fazem parte do quotidiano. Uma país onde se protege seus corruptos e sonegadores, mas exigi-se condenação dura dos corruptos e sonegadores dos outros, não pode ser um país sério.

Um país que um juíz recebe auxilio moradia e possui 60 imóveis
de qualidade na mesma cidade, você dizer que legal, mas de ético não tem nada. No entanto juízes como este julgam o povo brasileiro todos os dias.

É hora de parar tudo e começar um Novo Brasil,

com uma Nova Constituinte e com novas leis que sirvam efetivamente para todos.

Se não fizermos nada, o Brasil vai virar um México ou uma Venezuela. Você escolhe...

sábado, 3 de fevereiro de 2018

O golpe e a autofagia no Brasil

Se juntaram para derrubar o governo Dilma

Agora, nem os golpistas se entendem.

Mentiram para o povo, inventaram processos para dizer que Dilma agira ilegalmente, depois de derrubar o governo, não encontraram nada errado. O que Dilma fazia, todos governantes também faziam. Atrasar pagamentos de contas.

Tiraram a primeira mulher presidente do Brasil e botaram em seu lugar uma verdadeira quadrilha de corruptos, entreguistas e maus administradores.

Tudo piorou!


Subiu o preço do gás de cozinha, subiu a gasolina, o custo de vida subiu muito, as escolas, as lojas, os restaurantes... tudo subiu de preço. Até os juros bancários subiram ao céu. Só a inflação oficial caiu...

A corrupção aumentou e ficou explícita.

Os políticos passaram a votar contra o povo, contando com amplo apoio da imprensa e do judiciário.

A imprensa e o judiciários começaram a se sentir acima da sociedade, acima do povo e dos eleitores.


E quando a imprensa começou a achar que mandava também no judiciário, os juízes começaram a se posicionar defendendo interesses próprios e benefícios especiais. Na verdade, ninguém nem nenhuma instituição deve ficar acima das demais. Todos devem ser iguais perante a lei. E quem zela pela lei, são todos os cidadãos, não uma casta de burocratas concursados mas sem legitimidade para se sentir superior ao povo. Os juízes, na medida que seu modo de vida vai ficando transparente, vão perdendo a pureza e a autoridade.

Como pode um casal de juízes somares dois auxílios moradias, chegando quase a dez mil reais por mês?

O valor de um auxílio moradia é quase o teto da aposentadoria dos velhinhos do Brasil.


Quantos aposentados ganham R$ 4.730,00 por mês?

Pois é mais ou menos este o valor do auxílio moradia de cada juiz ou juiza.

Do jeito que vai, ou vão prender todo mundo, por pequenos e grandes delitos, ou vamos ter que fazer um pacto social, com uma nova Constituição.

Temos que fazer o acordo japonês:

"Quem corocou, corocou, quem não corocou, não coroca mais".

Isto é, quem errou, errou, quem errar daqui para frente pagará caro por seus erros.

Como ninguém tem autoridade para atirar a primeira pedra
, devemos constituir Comitês de Acompanhamento, e rever a legislação que dá muito poder e autonomia ao judiciário, aos políticos e à imprensa.

Os brasileiros, em nome de se combater a ditadura militar, deixaram muitos erros sendo repetidos pelas autoridades. Um grave erro.

Chegou a hora de passar o Brasil à limpo e começar uma nova vida
,
com um novo Brasil e novos costumes com regras bem claras para todos e todas.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Por que estão proibindo Lula de ser candidato?

O Judiciário está à serviço de quem?

Da imprensa?

Mas, a imprensa está à serviço de quem?

Dos empresários?

Empresários Nacionais ou as Multinacionais?

Ou dos empresários nacionais e das multinacionais?

Mas, estão vendendo tudo que o Brasil tem, por que?

Para fazer dinheiro fácil e facilitar o golpe e
as mentiras contra o povo brasileiro?

E a soberania nacional e as políticas públicas para todos?

Agora vai ser tudo privatizado e custará mais caro.
Só gasta quem tem dinheiro. Capitalismo não é assim?

E quando o povo perceber que foi enganado, como vai reagir?

Só Deus sabe? Como assim?


E se o povo preferir o Lula?


O Judiciário, junto com a imprensa e os empresários,
estão proibindo Lula de ser candidato, independente do
que o povo acha. Por que?

Mas os empresários, os banqueiros, o agronegócio,
os comerciantes e as montadoras nunca ganharam tanto
tanto dinheiro como ganharam na época de Lula. Lula sempre
foi um bom conciliador e sempre ouvia as pessoas. Era errado?

Por que ser contra o Lula, se ganharam tanto dinheiro?

O povo quer saber a verdade.

Haddad, FHC e Gilmar Mendes falam de Lula

Juizes fazem política partidária

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, fez reunião longa com o ex-presidente e chefe supremo do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, o assunto não foi divulgado amplamente pela imprensa mas alguns veículos de comunicação deram notas informativas comprovando que houve a reunião.

Considerando que numa reunião de mais de quatro horas seja praticamente certo que Haddad deve ter perguntado o quê FHC está achando da condenação sem provas de Lula e o seu impedimento de concorrer à presidência da República. Provavelmente FHC deve ter feito longas avaliações com seu jeito especial de falar como diz José Simão.

Curiosamente, depois que a reunião entre FHC e Haddad se tornou pública, o porta-voz do PSDB no Judiciário, Gilmar Mendes, declarou que:

"O entendimento sobre a norma está consolidado e que condenados em segunda instância, como é o caso do ex-presidente Lula, estão INELEGÍVEIS. (Palavras publicadas no Estadão de hoje, página A7). O Estadão ainda complementa com aspas:

"Eu não vou emitir juízo concreto sobre isso, mas quando há decisão de segundo turno, esses crimes dão ensejo à inelegibilidade", disse.

O Estadão ainda lembra que:

"Em junho do ano passado, após o impeachment de Dilma Rousseff,

o TSE LIVROU O PRESIDENTE MICHEL TEMER DE PERDER O MANDATO por 4 votos a 3.


COUBE A GILMAR O VOTO QUE DESEMPATOU O JULGAMENTO.


A Chapa era acusada de usar dinheiro ilícito na campanha de 2014.

A ação havia sido movida pelo PSDB."


Fernando Haddad e FHC estão devendo mais informações ao povo brasileiro sobre a longa conversa que tiveram.

E os juízes deveriam fazer menos política partidária e fazer mais Justiça de verdade...

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Crise no Brasil: "Cala a boca já morreu!"

Estão desacatando o povo brasileiro, isto pode?

Quando Lutero traduziu a Bíblia do latim para o alemão, estava desacatando os poderosos?

Se desacatou, o fez para o bem do povo alemão?

Além do povo alemão, todos os povos se beneficiaram da democratização do conhecimento e do saber?

Se você respondeu às três perguntas acima com um SIM, então Lutero estava certo e a contestação foi correta.

Os conservadores ainda sentem saudade do tempo em que "a obediência era cega e passível de punição severa para os que desobedeciam".

De Lutero para cá, já se passaram mais de 500 anos. Milhões de pessoas morreram defendendo o direito de divergir individual e coletivamente.

O Brasil tem se beneficiado da facilidade de ter acesso às informações via on line, garantindo-se o direito à diversidade, principalmente para quem fala e ler várias línguas diferentes. A internet foi tão e mais revolucionária quanto a tradução da Bíblia por Lutero.

Forjar julgamentos para impedir Lula de disputar eleições presidenciais é violentar o direito de o povo eleger livremente seus representantes.

As leis devem ser iguais para todos.

O judiciário não pode ser instrumento de um partido contra o outro.

Fazemos coro àqueles que publicamente declararam: "Cala a boca já morreu!"

Abaixo à censura!

Viva a liberdade de informação e formação!

Viva a liberdade de imprensa!

Eleições sem Lula é fraude!