terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Por que o Judiciário partidarizou-se?

Julgamento manipulado expõe o Brasil internacionalmente

Condenar o Lula sem provas como forma de impedi-lo de se candidatar para presidente do Brasil e depois dizer que foi tudo tecnicamente é de um cinismo impar. Uma pessoa sem escolaridade dizer isto é até compreensível, mas um juiz, procurador ou advogado dizer isto só pode ser cinismo. Ignorância não é.

Executado o julgamento, as repercussões internacionais mostram um Brasil que volta a ser uma ditadura, embora que civil e não mais militar. São os novos tempos...

Além de o Judiciário substituir os militares, como novos executores de golpes e de ditaduras, começam a aparecer também os "intelectuais orgânicos" do golpismo e do "crime compensa". O publicitário Nizan Guanaes, na Folha de hoje, faz uma grande apologia "das oportunidades em 2018". E eu que gostava tanto de Nizan... Não foi por outros motivos que Olivetto foi morar em Londres.

Em 1964, muitos juristas e juízes se recusaram a cumprir ordens dos ditadores, atualmente, apesar da partidarização explícita do Judiciário e de seus abusos, poucos são os juristas e juízes que explicitam suas discordâncias. Até quando?

Enquanto uma parte dos golpistas comemoram o impedimento de Lula ser candidato, outra parte libera seu ódio de classe e exige a imediata prisão do condenado em processo forjado. Tudo isto estimulado pela imprensa. Que depois diz que não tem nada a ver com a violência explicitada na mídia e nas redes sociais, ou mesmo em aviões e restaurantes.

Somos todos humanos, portanto, se estimular o lado violento e não houver limite para a violência, ela aparece em ações concretas. Infelizmente, nem o Judiciário nem a Imprensa estão ajudando a pacificar o Brasil. Este filme nós já vimos nos anos 30 do século passado.

Quem era mais louco, Mussolini ou Hitler?
Independente do grau de loucura de cada um, ambos levaram o mundo a uma loucura que morreram mais de 60 milhões de pessoas.

É isto que o Judiciário e a Imprensa querem?

Nenhum comentário:

Postar um comentário