domingo, 30 de dezembro de 2018

O calor toma conta de São Paulo - acabou 1918

Quando o Brasil perdeu a inocência

A direita saiu do armário e assumiu-se como defensora das ditadura, inclusive a imprensa.

As esquerdas perderam as eleições e vão ficar sem saber se HOUVE FRAUDE OU NÃO.

O judiciário foi o que mais perdeu o pudor e a autoestima. Agora vale-tudo!

Os partidos fizeram papel de coadjuvantes e estão subordinados aos militares, como antes.

Os militares estão rindo à toda. O Brasil pensa que "era feliz e não sabia".

O pior ainda é conviver com a imagem de Lula, Vaccari e os demais companheiros presos a partir de condenações fajutas...

o desemprego continua alto, o custo de vida um roubo declarado, a educação cada vez mais privatizada e a saúde virando banco, ganhando dinheiro por toda parte. O doente custa uma fortuna...


E as pessoas queridas, morrendo, morrendo de câncer e de outras doenças...

Mas ainda temos o Reveillon, as comidas, as bebidas, os amigos e os parentes...

Vamos comemorar o ano que acaba e esperar o ano de 2019.

Se for como Collor, vai ter rebelião.

Se for como FHC, vai ter mais espera.

Se for como Lula, vai ter melhora para o povo.

Mas se for igual a Dilma e Temer, vai ter rebelião.


Errar é humano, repetir o erro é burrice!

Vamos torcer pela PAZ, progresso, solidariedade e muito AMOR.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Morreu Miucha e um pedaço importante da nossa história cultural

Vejam o alfa e o ômega sobre Miucha

O Caderno 2 do Estadão deu mais uma aula de jornalismo e publicou uma página inteira sobre Miucha. algo simplesmente divino!

Vejam o "alfa":


- Era como a seda, uma voz que chegava onde queria com o balbuciar dos cochichos e a levez do vento. Para muitos, Miucha, era irmã de Chico, filha de Sérgio Buarque de Hollanda, amiga de Vinicius de Moraes, casada com João Gilberto, também era mãe de Bebel e também um mulher com um sorriso enorme e uma voz macia.

Agora veja o "ômega"
, do grande texto sobre Miucha, de autoria do grande JULIO MARIA. Um texto apaixonado e apaixonante:

- Poucas pessoas deixaram, além de interpretações fortes, uma DIGNIDADE tão impactante quanto a que Miucha deixa transparecer quando canta como se fosse qualquer um de nós:

"Quando a luz dos olhos meus
e a luz dos olhos teus
resolvem se encontrar

Ai, que bom que isso é,
meu Deus que frio que me dá
o encontro desseolhar.

Mas se a luz dos olhos teus
resiste aos olhos meus
só pra me provocar

Meu amor, juro por Deus
me sinto incendiar".

Naquele tempo...


Na época que se pregava o amor e não a guerra,
floresceram pessoas como Miucha, João, Tom e
tantos outros, que, aos pouco vão nos deixando,

numa época em que se prega a morte, a violência,
a parcialidade, o fim da industria brasileira,
e, principalmente, o fim da soberania nacional.

Dá até saudade de Juscelino e Garrincha...

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

40 anos de vitórias e derrotas democráticas

Agora, a direita quer legitimar o poder neoliberal

Em 1978 para 1979, passamos o Natal e o Ano Novo fazendo campanha eleitoral para a chapa 2 dos bancários de São Paulo. Dormíamos num escritório sobre uma pastelaria e passamos três meses fazendo cavaletes, cartazes, andando numa kombi sem freio e sem buzina, mas o clima era de alegria geral...

Os pelegos iam perder as eleições para uma chapa de jovens que defendiam a liberdade, a diversidade, a anistia, eleições gerais para o Brasil e, principalmente, defendiam os interesses dos bancários de São Paulo e do Brasil.

Fizemos uma greve improvisada em 1978, e, depois de ganhar as eleições e tomar posse no dia 08 de março de 1979, dia internacional da mulher, fizemos outra greve, também improvisada.

Com mais de vinte anos de ditadura militar, sindicatos sob intervenção, lideranças cassadas e presas, mesmo assim os bancários resistiam.

Em abril de 1979, que este ano de 2019, completará 40 anos, conheci minha esposa. Foi numa festinha de inauguração de um apartamento de militantes.

Neste tempo que já dura 40 anos, tivemos muitas vitórias e muitas derrotas... faz parte.

Com as vitórias democráticas e com a saída dos militares do poder, o Brasil conviveu:


1 - Com Sarney, que era civil, mas tinha o aval dos militares. Com Sarney, a luta contra a inflação veio para o centro dos desafios; Começaram os pacotes econômicos e o uso dos pacotes econômicos para beneficiar-se em eleições parlamentares e governamentais. Foi o auge do PMDB, mas foi também o começo do fim...

2 - Depois veio o candidato da Globo, Collor, que prometia moralizar o Brasil e acabar com a inflação. Não fez nem uma coisa, nem outra e deu o início aos impeachments, desmoralizando o governo...

3 - Itamar substituiu Collor, e foi melhor do que Collor e do que Sarney, embora fosse meio pavão e louco.

4 - A loucura de Itamar abriu espaço para Fernando Henrique, como ministro da Fazenda, e criador do Plano Real. O único que deu certo efetivamente no combate à inflação. O preço que o Brasil pagou foi conviver com o neoliberalismo, as privatizações a preço de banana e a intensificação do fim das industrias brasileiras. O Brasil, que cresceu com modelo nacionalista dos militares, viu-se governado de forma entreguista às multinacionais e aos interesses americanos.

5 - O entreguismo de FHC e a desvalorização cambial, levou o povo brasileiro a eleger Lula no seu primeiro mandato. Pouca gente acreditou que fosse dar certo. E deu certo no primeiro mandato como no segundo. Foi o melhor presidente da história do Brasil. Teve como principal erro, manter a candidatura de Dilma em 2014.

6 - Em 2010, Lula, encorajado pelo alto índice de aceitação, bancou a candidatura de Dilma Rousseff, a primeira mulher eleita presidente do Brasil. A virtude de Dilma foi implementar o pleno emprego e manter a valorização do salário mínimo.

7 - Já em 2014, Dilma comeu o pão que o diabo amassou, e neste caso, o diabo era Aécio Neves, líder do PSDB e do "vale-tudo", para derrubar o governo Dilma, prender tudo que pudesse de petistas e de empresários que tivessem apoiados o governo do PT. Derrubaram Dilma e começaram nova ditadura no Brasil. O vice de Dilma, Michel Temer, representante do PMDB na chapa de 2014, traiu cinicamente Dilma e entregou-se às multinacionais, ao judiciário e à imprensa. Os golpistas preparam o Brasil para impor o neoliberalismo e restringir a liberdade de imprensa.

8 - Para impedir que Lula fosse candidato, prenderam-no, inventando os mais cretinos argumentos e os processos que, se torcer os papeis, corre sangue e vergonha. Depois de tantos presos, mortos e exilados, a direita brasileira saiu do armário, passou a assumir-se como direita, fascista quando necessário, e fizeram uma frente ampla contra a classe trabalhadora e contra as conquistas da classe media e do povão. Agora vem mais desemprego, mais arrocho salarial, menos aposentadoria e menos políticas públicas para atender o povo pobre.

9 - Com um governo eleito no vale tudo, as forças armadas e o judiciário passaram a ser os principais avalistas da nova ditadura que se inicia na próxima semana.

10 - Estamos nas mãos de Deus???

O Natal passou, o Ano Novo passará na próxima semana e o Brasil terá que conviver com mais este período de derrotas e vitórias, até recuperar sua dignidade e finalmente recuperar sua autonomia e sua soberania nacional.

Vamos precisar muito de Deus e dos religiosos, mas precisaremos muito mais do povo brasileiro na construção do Brasil como uma grande Nação.

Feliz Natal e Próspero Ano Novo...

Estaremos vencendo mais um desafio e avançando na democracia participativa em vez de conviver com democracias de fachadas... Democracia se aprende fazendo ativamente. Cuidando da vida, do trabalho e também das flores e da cultura.

domingo, 23 de dezembro de 2018

Ainda o CENTENÁRIO do Mestre ANTONIO CANDIDO

Um ótimo presente: Um livro sobre o centenário de Antonio Candido

Depois de pegar o trânsito infernal da Marginal Pinheiro em frente à USP e ao Shopping Villa Lobos, cansado de tanto trânsito e tanta gente mal educada, voltamos para casa e, depois de reolhar os jornais, descobri que tinha o caderno Alias, Literatura do Estadão.

a grande manchete era: CENTENÁRIO DO MESTRE

Quem é o mestre?

Temos muitos mestres bons, vivos ou não. Mas, neste caso, o grande mestre é ANTONIO CANDIDO, que, juntamente com Fernanda Montenegro, representam a literatura e a atuação na televisão e no teatro.

O grande artigo de página inteira na capa do Aliás, é de autoria do professor da UFSCAR, Universidade Federal de São Carlos,WILSON ALVES BEZERRA.

Prestem atenção na escrita do professor Wilson:

" Ao longo dos anos 1940, quando Candido já era critico literário e resenhava livros como, por exemplo, o PRIMEIRO DE CONTOS DE UM CERTO GUIMARÃES ROSA, Sagarana, a respeito do qual percebeu, , ""não é um livro regional como os outros(...)", observou que:

- Mario de Andrade, se vivo fosse, leria,comovido, este resultado esplêndido de libertação linguistica, para que ele contribuiu com a libertinagem heroica da sua. Quando concluiu:

- Guimarães Rosa vai reto para a linha dos nossos grandes escritores. No ano seguinte, 1947, Candido recebia das mãos de Graciliano Ramos a reedição de seu CAETÉS (1933), autografada com a seguinte dedicatória:

- A culpa não é apenas minha, é também sua. Se não existisse aquele seu rodapé, talvez não se reeditasse isso.

Antonio Candido 100 anos, é um livro imperdivel, como tantos outros livros universais. E custa apenas 82,00 reais.

Como gosta de dizer Zuza Homem de Mello: É algo simplesmente divino!

Dê livros de presente, Além de Deus recompensá-lo, você vai gostar muito da leitura e terá um lindo Natal.

sábado, 22 de dezembro de 2018

Até segunda-feira só existe NATAL

O mundo só pensa no Natal

Falar com os familiares, enviar mensagens de amor e fraternidade, comer muito e beber para ajudar a priorizar "o amor do Natal". Por mais que a data seja religiosa, o consumo se sobrepôs à religiosidade.

É como o Carnaval. Nos invade, invade nossa casa, invade nosso ambiente de trabalho. Até as funcionárias e os funcionários mais recatados de repente se vestem de forma sensual e vão "comemorar na firma ou com o pessoal da firma"... E aí, tudo pode acontecer... Até o ano novo.

Confesso que acho tudo isto muito estranho, agressivo, mas reconheço que as pessoas precisam um pouco de alegria e descanso.

Já que não posso mudar a realidade, vamos fazer tudo isto com moderação.

FELIZ NATAL!

E que Papai Noel traga Lula de volta para todos os brasileiros e brasileiras. Principalmente seus familiares, seus amigos mais próximos e todos os militantes que estão na campanha Lula Livre.

O amor remove montanhas e pode remover o ódio e a manipulação de nosso judiciário.

Traga um pouco de amor na sua vida.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Argentina entra em recessão econômica

Modelo argentino não serve para o Brasil

"Eu sou você amanhã?"

O PIB da argentina recuou 3,5% no terceiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano passado.

Com isso, a Argentina somou dois períodos consecutivos de retração e entrou oficialmente em recessão.

O peso começou a sofrer grande desvalorização - perdeu 55% do seu valor ante o dólar desde o início do ano - o que levou o país a pedir um empréstimo ao FMI.

A notícia pode ter consequências eleitorais negativas para Macri, afinal sua eleição em 2015 dependeu muito do apoio dos governadores peronistas moderados, que prevalecem no interior e que, para 2019, já planejavam descolar-se do governo.

(Texto baseado no artigo do Estadão de hoje, página A27).

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Ministro Marco Aurélio quer LULA LIVRE!

Milhões de brasileiros e de outros países também querem

O juiz do STF Marco Aurélio de Mello fez o Brasil parar para acompanhar o jogo de xadrez entre os conservadores e golpistas contra os democratas e respeitadores do povo.

LULA PODE OU NÃO PODE PASSAR O NATAL COM A FAMÍLIA?

Condenado sob um processo forjado em dados não comprovados, mentirosos, chamado jocosamente de "tríplex", Lula foi proibido de concorrer à presidência da República.

Passado o motivo real da sua prisão que era a determinação dos golpistas de que Lula não poderia ser presidente do Brasil, aos poucos vai-se construindo caminhos que levem à sua libertação.

É importante lembrar que NATAL foi criado pelos cristãos como a da que Jesus nasceu, trazendo amor, esperança e caridade. A partir de uma pequena comunidade judaica há dois mil anos, o cristianismo transformou-se na maior religião já existente.

Mas nem todos que dizem Senhor, Senhor, entrarão no reino do Céu.

Muitos dos golpistas e dos juízes que condenaram Lula, são cristão que não aprenderam a amar.

Pode passar um dia, um mês ou vários anos,
Lula já é parte da nossa vida e da nossa História.

LULA LIVRE, JÁ!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

João de Deus se entrega aos homens

Como a Geni de Chico Buarque, João de Deus tropeçou no Céu e na Terra.

Até então considerado um santo milagroso que recebia gente de todos os continentes, que curava sem sangrar e sem doer, bastava ter fé...

Assim corria a fama de João de Deus, o homem e seus seguidores sempre vestido de branco e sempre contido.

De repente apareceu uma "gringa" dizendo que foi molestada por João de Deus, depois apareceram centenas de outras mulheres contando histórias e estórias de supostos abusos sexuais. Até a filha contou horrores sobre o pai. Chegou a dizer que seu pai era um monstro.

Além de sexo, começaram a aparecer histórias de dinheiro, de outras prisões e até agora não sabemos como foi que começou a ter tanta importância este assunto do João de Deus...

Há suspeitas de que ele tentou sacar 35 milhões de reais! Já tem mais dinheiro do que Lula! E dizem que ele também é amigo de Lula e que um lavava dinheiro para o outro, além de trocar recados com Deus...

Agora só falta voltar a prender Paulo Coelho, o mago que também gosta de Lula. De repente vai ser proibido gostar de Lula, ser vizinho ou parente de Lula. Vão querer prender todos e queimar em fogueira. Voltamos á INQUISIÇÃO. Viva Toquemada!

Será que João de Deus assediou Mônica Bergamo jornalista da Folha? Sei não...

No fundo, eu acho que estas denúncias começaram porque alguém chegou no ouvido de João e disse: - Ou me conta o segredo de tanto milagre, ou vou contar para todo mundo que você tem 35 milhões na conta bancária; vou contar que você pegava as beatas e obrigava-as a fazerem sexo, consentido ou não.

Como João é de Deus e não teme à verdade, eu contaria tudo tudo. Eu contaria tudinho, bem na noite de Natal. Mostraria ao Brasil e ao mundo o que era verdade e o que era mentira neste negócio todo. Será que os evangélicos estão por trás? Ou algum graúdo que soube que alguém da família foi cantado por João de Deus?

Que se conte a história inteira. Caso contrário a história vai se repetir e o João será mais da Geni do que de Deus.

domingo, 16 de dezembro de 2018

Se eu pudesse ajudar as pessoas...

Uma vida dedicada ao social mas ainda acho que falta alguma coisa...

As pessoas me mandam Currículos pedindo emprego para amigos e parentes...

As pessoas me procuram pedindo "empréstimos" e sugestões de formas de ganhar dinheiro...

As pessoas me procuram porque foram demitidas...

As pessoas me procuram porque o pai e a mãe foram demitidos às vésperas do Natal...

As pessoas me procuram porque os salários vão ser pagos atrasados, somente depois do ano novo...

As pessoas me procuram porque estão sendo demitidas e quando procuram novos empregos só aparece pagando metade do salário e com poucos benefícios. Dizem que é a tal da terceirização... e precarização...

As pessoas me procuram porque eram ótimos alunos nas faculdades e se formaram e não conseguem emprego...

As pessoas me procuram porque tem alguém doente na família mas o convênio médico não cobre as despesas com exames e remédios, tudo muito caro...

As pessoas me procuram porque a mensalidade escolar subiu e o salário ficou lá atrás, dependendo de bolsas de estudos...

As pessoas me procuram porque se candidataram e ainda tem muita dívida de campanha para pagar...

As pessoas me procuram porque as igrejas se transformaram em partidos políticos cheios de siglas novas e estranhas...

As pessoas me procuram porque está chegando janeiro e os impostos como IPVA e IPTU vão matar a gente do coração...

As pessoas me procuram porque, antes mesmo de tomar posse, os políticos já estão mentindo como nos anos anteriores...

Eu, fico agoniado, fico preocupado tentando arranjar saídas e me sentindo culpado por não poder fazer muita coisa, mas, ao mesmo tempo fico pensando: - Quanto destes amigos deixaram de ouvir minhas sugestões? - Quantos destes amigos, mesmo concordando comigo, votaram na direita radical e que está promovendo o desemprego, o arrocho salarial, o fim da aposentadoria, o fim de tudo que está escrito acima...

Eu não quero responsabilizar os incautos. Mas não quero sofrer sozinho, sentindo-me incompetente. Acho importante o pensar pensar no Natal e no Ano Novo como momentos de mais solidariedade, mais escuta e mais atenção às pessoas. Sei que o calor está insuportável, o noticiário continua horrível, a cultura continua sendo nossa válvula de escape. Mas, compre um bom livro, dê um livro de presente, ou músicas de presente. Abrace as pessoas, sorria e pague um cafezinho.

Passados o Natal e o Ano Novo, a vida continua e desculpem a minha falha...

Sebastião Salgado, a Folha e os textos

Sebastião Salgado na Amazônia. Lindas fotos e textos estranhos.

A folha, quando não está falando de política nacional e dos Estados Unidos, normalmente é muito boa. Mas, hoje fiquei confuso com as lindas fotos - de Sebastião Salgado - e textos - da Folha - estranhos.

Por exemplo:


" após ter sido DIZIMADA e PERSEGUIDA NOS ANOS 1970..." , isto vem de um "olho", texto que vem abaixo do título para facilitar a identificação da abordagem e estimular a leitura.

Já o título grande diz: "O povo ressuscitou, cresceu e ganhou a aldeia global".
Ué? se foi dizimada e perseguida, como foi que ressuscitou e vive seu renascimento cultural????

É um caderno completo sobre a Amazônia de Sebastião Salgado e destes índios... Mas a capa do caderno pode facilitar ou não...

Vejam mais detalhes. Detalhes???


"Na contramão do que se costuma ouvir sobre índios brasileiros, os YAWANAWÁS, habitantes da Terra Indígena Rio Gregório, no ACRE, são hoje um exemplo de exuberância cultural e populacional.

Reduzidos a 120 indvíduos no auge da ditadura militar, no início da década de 1970, esquecidos de suas tradições e sofrendo com uma altíssimo índice de alcoolismo e uma grave desagregação social, ELES ESTAVAM VIRTUALMENTE EXTINTOS.

Entenderam? Eles estavam VIRTUALMENTE EXTINTOS!!!



Vou guardar o Caderno Especial para ver e ler mais tarde, durante a semana. Ler sobre política já está muito difícil, ler sobre o Natal mais difícil ainda, agora tem o João de Deus e os índios da Amazônia.

E eu só queria ler o jornal de domingo...



sábado, 15 de dezembro de 2018

São Paulo à mais de 30 graus é insuportável!

Selva de Pedras, quente, parada e cara

Viver em São Paulo com a temperatura à mais de 30 graus é crime!

É preciso se garantir ar condicionado nos ambientes comerciais e residenciais.

É preciso orientar as refeições no verão acima de 30 graus...

Orientar para beber muita água. O dia todo deve-se beber água, principalmente as crianças e os velhos.

De tanto o pessoal de São Paulo falar mal de nordestinos, o calor em Sampa ficou pior do que o calor das praias nordestinas. O sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão... praga do destino.

O duro é olhar para o aplicativo do tempo e a previsão é de muito calor durante toda a semana.

O negócio é fechar tudo e ir para as praias ou as reservas florestais curtir natureza e temperatura abaixo de 30 graus.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Temer entregou o setor aéreo sem reciprocidade

Entreguista e mercenário

A 18 dias do fim de seu mandato, o presidente Temer decidiu:

ABRIR COMPLETAMENTE O MERCADO DE AVIAÇÃO CIVIL A EMPRESAS ESTRANGEIRAS.

A decisão foi acordada com o futuro ministro da Economia, PAULO GUEDES, como antecipou o jornal Valor Pro.

Caberá ao governo Bolsonaro viabilizar a aprovação da medida no próximo ano.

Mercado Oligopolizado

A liberalização do setor na vizinha Argentina foi mencionada para ilustrar como a chegada de empresas de baixo custo com capital de fora - Norwegian e Fly-Bondi - resultou em redução de preços e maior oferta de voos.

Não é a primeira vez que se tenta levar adiante uma abertura na aviação civil.

Nos Estados Unidos e no Canadá, o teto é de 25%.

Na União Europeia, o limite é de 49% para investidores externos.

No Japão é 33%, Na China é 35%, na Malásia é de 45% e na Austrália é de 49%.

NA AMÉRICA LATINA, Chile e Colômbia já liberalizaram totalmente seus mercados.

O texto acima reporta-se na quase totalidade à boa reportagem do jornal Valor desta sexta-feira, dia 14 de dezembro de 2018.


Porque não se abre o mercado de comunicação, que abrange rádio, jornal e televisão?


Quero ver a Rede Globo e a Folha concorrerem com os canais americanos,
com a BBC de Londres, com os canais franceses e mesmo os canais chineses,
australianos, japoneses e argentinos.

Comunicação é Educação e Formação.

Comunicação é Democracia e Liberdade.

Abertura do mercado de comunicação já!

Chega de proteção a quem não merece ser protegido!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Antonio Rodrigues morreu...vítima do câncer

Mais um da velha geração se vai

O velório de Antonio Rodrigues será no Cemitério Memorial Parque Paulista, das 13 às 16:00h, após acontecerá a cremação.

O endereço do cemitério Memorial Parque Paulista é na Rua Dr. Jorge Balduzzi, 520, Jardim Mimás, EMBU DAS ARTES - São Paulo. 06807-480.

Para os jovens, lembramos que Antonio Rodrigues, como funcionário do Banco de Boston, participou da chapa e da direção do Sindicato dos Bancários em 1979, com a intervenção militar no sindicato, voltou para o banco, onde posteriormente foi demitido, depois de ficar de quarentena por um ano, trabalhando em lugar de pouco acesso, como se fosse doente contagioso... Depois de demitido foi trabalhar na CUT, na parte administrativo onde teve importante papel, até aposentar-se. Casado pela segunda vez, foi morar em Santa Catarina, onde descobriu que estava com câncer. Mesmo tratando-se em bons hospitais, o câncer foi crescendo até levar a sua vida na noite de ontem.

Uma das poucas certezas absolutas que temos é que um dia morreremos. Mas sempre ficamos triste quando alguém próximo a gente morre. Mesmo para nós,que acreditamos que a vida continua, a tristeza também se faz presente.

Os bancários e os demais trabalhadores do Brasil que foram beneficiados com o trabalho político e organizativo de Antonio Rodrigues registram a solidariedade a Antonio e aos seus parentes, especialmente as filhas.

Antonio Rodrigues?

Presente!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

O tempo, as democracias e as ditaduras

1968, 1978, 1988, 1998, 2018,...

Ganhei de presente de aniversario o livro Paris 1968 Rio de Janeiro, da editora Bazar do Tempo... Minha filha e seu marido, já profissionais em suas respectivas profissões, também gostariam de entender o que os anos nos dizem sobre as democracias e as ditaduras.

Ficar ou não ficar no Brasil?

Exilar-se ou resistir permanecendo aqui?

Exilar-se onde?
Se, em toda parte, as democracias estão fragilizadas e a violência cresce?

Talvez o mais correto seja, sobreviver e resistir.
além de investir em pesquisas e formação.

O livro 1968 é de autoria de dois fotógrafos, um francês e outro brasileiro. Ambos jovens naquela época. As fotos são em preto-e-branco, o quê faz com que as pessoas, além de jovens, sejam bonitas e singelas. Não são os black block, nem os zumbis que andam pelas ruas do centro das grandes cidades...

Podemos lembrar alguns fatos relevantes de cada década:


1968 - O mundo ergue-se contra a guerra fria e a repressão burocrática. Os hippies chegaram para ficar.

1978
- A inflação subia, a ditadura capengava e surgia Luis Inácio LULA da Silva. O maior líder da história do Brasil.

1988
- A ditadura militar brasileira acabava e surgia a Constituinte Cidadã. Parecia que o Brasil ia dar certo.

1998
- FHC, depois de acabar com a hiperinflação, com o Plano Real, reelege-se para perder a credibilidade e nunca mais recuperar a boa imagem do Real. É o pragmatismo do povo.

2008
- Lula surfa no segundo mandato presidencial, com quase 80% de aprovação popular. Ao não perceber os limites da "democracia consentida", Lula viu-se levado a julgamentos manipulados e condenações planejadas para impedi-lo de ser candidato. O pior foi condená-lo à prisão. A direita civil brasileira perdeu o pudor e saiu do armário.

2018
- Além de ganhar no voto as eleições presidenciais e gerais, a direita tenta reconstruir a imagem da ditadura militar, como forma de consolidar-se na nova ditadura civil, protegida pelo judiciário e pelas Forças Armadas. Pela primeira vez os Evangélicos governarão explicitamente o Brasil. A França católica e iluminista foi substituída por Miami protestante e neoliberal. Agora é o Brasil do vale tudo...

Que Deus salve as Américas e os demais continentes.


É preciso recuperar as esperanças e os sonhos. Desistir? Jamais!


Por falar em sonhar, nossa sobrinha, que ainda não tinha nascido em 1968, atualmente é professora na Sorbonne, em Paris. Hoje, o mundo virou uma grande aldeia, onde a Terra é nossa Pátria e nosso país é nossa aldeia.

Os jovens são como as flores. Dão vida e renovam a vida.
Não é por acaso que o novo governo brasileiro é um governo de ... velhos. Eles não gostam dos jovens cheios de ideias e avanços libertários.

domingo, 9 de dezembro de 2018

Brasil: Um país para ser deixado?

Nas épocas de crises, quem pode vai embora

Muita gente está discutindo com os familiares, como passar um período no exterior até ver como ficará o Brasil com este novo governo autoritário, ameaçador e que não tem a Constituição como referência.

Hoje, ao ler no caderno2, do Estadão, uma reportagem de página inteira sobre Lina Bo Bardi, dei de cara com uma frase que tem muito a ver com a realidade brasileira atual:

"Eu deixei a Itália porque descobri que a Itália era uma país para ser deixado", escreveu a arquiteta Lina Bo Bardi em 5 de setembro de 1967, mais de 21 anos depois de ter trocado seu país natal pelo Brasil.

Leiam a bela reportagem escrita por Edison Veiga, especial para o Estadão/Milão.

Migrar nem sempre é fácil.

Sair da sua terra natal, deixar sua família, deixar seus amigos, sua cidade, sua cultura e seu país, na maioria das vezes acontece porque seu referencial está ameaçado. Por exemplo: região vulcânica, guerras, enchentes, terremotos, desemprego e ameaças.

O candidato eleito no Brasil, fez várias transmissões ao vivo ameaçando seus concorrentes e seus desafetos. Pode ser blefe? Pode ser e pode ser um teste, afinal, várias pessoas morreram durante a campanha, vítimas do ódio estimulado.

Lina Bo Bardi veio para o Brasil fugindo do fascismo e da guerra.

O Brasil tem uma tradição de governos autoritários. Aqui, para se praticar o ódio e a violência, não é necessário estar em guerra. A injustiça e a falta de transparência são usadas contra os opositores, contra os negros, contra os pobres e contra quem contesta.

Ou o povo reage, ou as instituições são movidas à defender a Democracia, ou passaremos a ser mais uma ditadura no mundo, como a do Egito. O manual dos países ricos para impedir avanços populares está sendo aplicado com sucesso. Por enquanto.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Eleições: Foram enganados ou se autoenganaram?

Um governo visivelmente patronal e conservador

Estão definindo os ministérios sob orientações dos patrões, cortando os direitos dos trabalhadores e cortando as políticas públicas, aumentam o desemprego, reduzem os salários, e, para complicar ainda mais, nomeiam religiosos fanáticos para cuidar de áreas sociais importantes e delicadas. O ensino sob censura, a cultura sob censura, as notícias sob censura...

O Brasil sob censura e intimidado.

Mesmo assim, até os empresários começam a ficar preocupados. A indústria será sucateada, as estatais privatizadas, os pequenos agricultores perderão subsídios facilitando a vida dos grandes produtores rurais e do agronegócio exportador. Até os bancos estão sob pressão e incertezas...

Se a Economia for mal, a tendência será a radicalização política conservadora ante às mobilizações e os protestos.

Uma coisa é ser crítico de tudo e de todos, quando se tem mandato parlamentar e não tem responsabilidade como governante. Outra coisa é ser presidente de um país de mais de 200 milhões de habitantes e manter a coerência. ´

Não há Judiciário que seja justo, com recessão, desemprego e repressão...

Os funcionários públicos estão com medo das demissões e do congelamento dos salários, mesmo com o Judiciário tendo mais de 16% de aumento de salário. E a grande maioria dos funcionários como ficarão?

Os professores universitários públicos estão vendo todo dia as faculdades serem sucateadas, estimulando os alunos a irem para as faculdades particulares;

Os médicos da rede pública dizem que falta até algodão, quanto mais remédios...

E vão fazer a reforma da Previdência e o congelamento do salário mínimo... Vão matar os velhos?

Sem contar o CUSTO DE VIDA, mesmo com a inflação sendo negativa.
O que vale mesmo é o CUSTO DE VIDA!

A fé remove montanhas?
E, como fazer o povo que votou neste governo genérico acreditar que não foi enganado? Ou será que o povo autoenganou-se?

Eu prefiro as palavras de Jesus:
"Eu sou o caminho, a verdade e a vida".

A verdade nos libertará...

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Trabalhadores de 132 países repudiam golpe no Brasil

Em congresso sindical mundial da CSI
CUT denuncia o golpe no Brasil

No encontro realizado pela CSI, maior confederação de trabalhadores do planeta, dirigente da CUT explica roteiro do golpe no Brasil: “trama entre EUA, transnacionais, sistema financeiro e elite brasileira”

Publicado: CUT 04 Dezembro, 2018 - 12h20 | Última modificação: 04 Dezembro, 2018 - 12h46

Na segunda-feira (3), durante as atividades do 4° Congresso da Confederação Sindical Internacional (CSI), encontro que reúne mais de 1.200 sindicalistas de 132 países, o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa, denunciou o golpe de Estado vivido no Brasil, que derrubou a presidenta legitimamente eleita Dilma Rosseff e promoveu um brutal corte nos direitos sociais e trabalhistas no país.

O dirigente classificou o ‘movimento’ como um novo tipo de golpe de Estado, diferente dos vividos nas décadas de 1960 e 1970, em países da América Latina e da África. “Os novos golpes são uma combinação de interesses geopolíticos, especialmente em favor de potências do [hemisfério] Norte, com interesses de transnacionais e do sistema financeiro internacional”, afirmou.

Para Lisboa, países como os Estados Unidos “querem transformar a América Latina em seu quintal e, no caso do Brasil, tiveram na elite corrupta brasileira o apoio para derrubar Dilma Rousseff sem que ela tenha cometido crime algum, o que deu início a todo o processo que resultou na eleição de um candidato de extrema direita”.

Isso porque, segundo Lisboa, o passo seguinte do roteiro do golpe foi a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sem crimes nem provas, em um processo apontado por renomados juristas brasileiros e internacionais como inconsistente. “O Brasil inteiro sabia que Lula seria eleito presidente, por isso fizeram de tudo para impedi-lo de participar do processo eleitoral”.

Ao fazer a análise da eleição presidencial, Lisboa denunciou o processo marcado pela disseminação em massa de notícias falsas que interferiram no resultado final do pleito.

“A campanha foi baseada na falta de debate de propostas entre os principais candidatos e na disseminação de notícias falsas que deram vitória a Jair Bolsonaro, um candidato fascista, de extrema-direita, que já prometeu, entre outras coisas, mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, e acabar com ministérios como o do Trabalho e Meio Ambiente”.

O secretário de Relações Internacionais da CUT lembrou, ainda, que Bolsonaro tem a pretensão de romper o Acordo de Paris e tornar o país submisso não apenas aos Estados Unidos, mas especialmente a Donald Trump, o presidente de extrema-direita norte-americano.
Justiça seletiva

O dirigente cutista alertou que um olhar menos atento aos fatos pode levar parcela da população a acreditar que todo o processo do golpe foi legítimo, pois importantes forças articuladoras fazem parte do Poder Judiciário, o que passa a falsa sensação de legalidade do processo.

“Mas, na verdade, o mesmo juiz [Sérgio Moro] que investigou, julgou e condenou Lula foi quem criou as condições para que o ex-presidente fosse impedido de disputar a presidência. E agora, depois de ajudar a eleger Bolsonaro, será ministro da Justiça do novo governo”, denunciou.

Citação:

A Justiça no Brasil não faz justiça.
Ela aplica as leis para perseguir seus adversários políticos

Unidade e resistência

Lisboa finalizou seu pronunciamento lembrando que o campo progressista brasileiro, formado por partidos de esquerda, movimentos sindical e sociais criaram uma unidade e preparam a resistência contra a onda conservadora que se instaura no país.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Restos mortais de VÍTIMAS DA DITADURA...

Aluízio Palhano: Presente!

Quando vivemos momentos de brutalidades e violências, justificando as prisões e torturas durante a ditadura militar começada em 1964, foram identificados os restos mortais, jogados numa "cova rasa", às escondidas. O tempo passou e a verdade foi restabelecida. Leiam as informações abaixo:

Bancário assassinado e desaparecido na ditadura é identificado

Restos mortais de ex-funcionário do Banco do Brasil estavam entre as ossadas encontradas em uma vala clandestina no Cemitério Dom Bosco, no bairro de Perus, em São Paulo; segundo testemunhas, prisioneiro sofreu as piores torturas.

Site dos BancSP e da CUT - Publicado em 03/12/2018 17:51 / Atualizado em 04/12/2018

Mais uma vítima fatal da ditadura civil-militar (1964-1985) tida como desaparecida foi identificada. Trata-se do bancário Aluizio Palhano Pedreira Ferreira. Seus restos mortais estavam enterrados juntos com cerca de mil ossadas em uma vala clandestina descoberta em 1990 no Cemitério de Perus, na Zona Noroeste da cidade de São Paulo.

O anúncio da identificação foi feito nesta segunda-feira 3, durante Encontro Nacional de Familiares promovido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP), realizado em Brasília, com o apoio do Ministério de Direitos Humanos.
Palhano é o segundo identificado na vala de Perus. O primeiro foi Dimas Antônio Casemiro, militante e dirigente do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), morto em abril de 1971 em São Paulo, aos 25 anos, e enterrado como indigente em Perus.

De acordo com o Dossiê dos Mortos e Desparecidos a Partir de 1964, baseado em testemunhos de ex-presos políticos, Aluizio Palhano foi preso em 9 de maio de 1971 e assassinado no dia 21 do mesmo mês pelo torturador Dirceu Gravina, no COI-Codi de São Paulo, órgão encarregado da repressão a grupos de oposição à ditadura civil-militar e a organizações de esquerda que atuavam na região. O DOI-Codi estava sob o comando do então major Carlos Alberto Brilhante Ustra.

“É uma notícia chocante e devastadora que comprova os horrores daquele período no qual a democracia e os direitos individuais foram eliminados. Esse caso reforça a importância de lutar e defender o regime democrático a qualquer custo”, afirma Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

Bancário perseguido, torturado, morto e desaparecido

Aos 21 anos, Palhano ingressou no Banco do Brasil, onde trabalhou até ser cassado pelo Ato Institucional número 1, em 1964. Formou-se advogado pela Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense. Por duas vezes foi presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro. Em 1947 casou-se com Leda Pimenta e tiveram dois filhos: Márcia e

Honésio.

Em 1963, foi eleito presidente da Contec (Confederação dos Trabalhadores dos Estabelecimentos de Crédito) e vice-presidente da antiga CGT (Central Geral dos Trabalhadores). Com o golpe militar de 1964, Aluizio teve seus direitos políticos cassados e passou a ser perseguido pelos órgãos de repressão. Em fins de maio de 1964 asilou-se na Embaixada do México, indo posteriormente para Cuba.
Em 1970, regressou clandestinamente ao Brasil. Manteve comunicação com familiares por ocasião do casamento de sua filha. Em 24 de abril de 1970 fez o último contato com os parentes.

Em 1976 surgiram os primeiros boatos de sua morte, confirmados em 1978 através de carta de Altino Dantas Junior, seu companheiro de prisão, encaminhada ao ministro do Superior Tribunal Militar, general Rodrigo Otávio Jordão Ramos, denunciando o assassinato de Aluizio Palhano nas Dependências do DOI-Codi da rua Tutoia, em São Paulo, na madrugada de 21 de maio de 1971. Segundo esse relato, Aluizio esteve prisioneiro durante 11 dias sofrendo as piores torturas. A Anistia Internacional confirmou esse depoimento.

O preso político Nelson Rodrigues Filho também denunciou que esteve no DOI-Codi/RJ com Aluizio Palhano. Apesar de todos estes testemunhos, os órgãos de segurança nunca reconheceram a prisão e morte de Aluizio.

A ex-presa política Inês Etiene Romeu afirmou que Aluizio foi levado para a “Casa da Morte”, em Petrópolis, em 13 de maio de 1971. Informou que quem o viu pessoalmente naquele aparelho clandestino da repressão foi Mariano Joaquim da Silva, também desparecido desde aquela época, que presenciou sua chegada, narrando o seu estado físico deplorável.

Única sobrevivente da “Casa da Morte”, Inês conta ter ouvido a voz de Aluizio várias vezes, quando interrogado naquele local onde pelo menos 20 pessoas foram assassinadas durante a ditadura civil-militar.

Os relatório dos ministérios da Marinha, Exército e Aeronáutica não fazem referências à sua morte. O nome de Aluizio Palhano foi encontrado, em 1991, no arquivo do Dops/PR (Departamento de Ordem Política e Social do Paraná), em uma gaveta com a identificação “falecidos”.

Crime de Estado reconhecido

As autoridades da ditadura nunca reconheceram a prisão e morte de Palhano. Porém, o seu nome foi incluído pela Comissão Especial no anexo da lei 9.140/95, que reconhece como mortas pessoas desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação, em atividades políticas, no período de 2 de setembro de 1961 a 5 de outubro de 1988.

A identificação – a segunda ocorrida em 2018 – é resultado do trabalho do Grupo de Trabalho de Perus – GTP, laboratório criado pela Unifesp, em parceria com a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo (SMDHC) – por meio do Departamento de Educação em Direitos Humanos – e Ministério de Direitos Humanos.

O material genético e as amostras ósseas foram enviadas para a International Commission on Missing Persons, laboratório parceiro em Haia, Holanda, que no último dia 27 de novembro apontou as conclusões da análise que revelaram a identificação do desaparecido político pelo cruzamento com o DNA de sua filha.

A imagem do Judiciário com os 16% de aumento

A verdade escondida. Porquê?

Artigo tão bem feito foi parar numa página secundária. Porquê?

Porquê no Brasil não existem critérios iguais para coisas iguais?

Porquê se fala em "liberdade de imprensa", e vemos diariamente a imprensa "usar critérios diferentes para coisas iguais"?

Leiam com atenção o artigo abaixo, não foi escrito por ninguém da esquerda. Foi escrito por um bom jornalista, saiu publicado num bom jornal, embora já tenha sido melhor. Mas,vale a pena ler com atenção:

Reajuste do STF causará efeito cascata de R$ 1 bilhão em São Paulo


Ministros ganharão 16,38% a mais


O aumento de 16,38% nos salários dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) vai provocar um efeito cascata que custará aos menos R$ 1,084 bilhão em 2019 ao estado e municípios de São Paulo. O dinheiro que sai dos cofres públicos para bancar o reajuste para juízes, promotores, procuradores e funcionários com holerite vinculado seria suficiente, por exemplo, para entregar 7.227 casas populares.

O impacto do reajuste dos salários do STF foi estimado pela consultoria de Orçamento do Senado, que calculou um gasto a mais de R$ 4 bilhões em todo o Brasil (R$ 1,084 bi só em São Paulo). Já o governo estadual, que não leva em conta os custos dos municípios, prevê um desembolso de R$ 564 milhões só para cobrir os 16,38% de aumento.

Os salários dos ministros do STF tiveram aumento no dia 27, após sanção do Michel Temer (PMDB). Como consequência, salários do Judiciário e do funcionalismo, que são vinculados aos dos ministros, serão reajustados automaticamente.

Com o R$ 1 bilhão que será destinado só para conceder aumento a juízes, promotores, entre servidores do estado e municípios paulistas, daria, por exemplo, para pagar salários para 30.838 soldados da PM durante um ano. Na assistência, a grana seria suficiente para beneficiar 481 mil pessoas com o Bolsa Família em 2019.

Outra estimativa dá conta de que o valor do reajuste poderia ser usado para bancar todos os remédios distribuídos na rede pública municipal da capital por cerca de dois anos e meio. Nos transportes, a população poderia ganhar com esse dinheiro 1 km de metrô, com uma estação, mais trens.

Especialista em economia e gestão pública afirmam que o impacto do aumento para o STF será um “desastre” nas contas de municípios, estados e do país.

“Se estamos juntando todas as moedas da casa para pagar as contas, então o aumento é algo desastroso”, afirma Gustavo Fernandes, professor do Departamento de Gestão Pública da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Segundo o especialista, o aumento ajuda o Brasil a ficar mais próximo de um “da implosão das contas públicas”. Fernandes diz que a PEC dos gastos públicos mostrou que quem tem mais poder sempre vai brigar por manter privilégios.

"Vai ter limite, mas quem tiver mais força vai pegar primeiro. Numa corrida, tem dez crianças e um adulto de 2,10 metros para chegar até um prato. Quem vai pegar a comida?”.

Professor de economia do Mackenzie, Vladimir Fernandes Maciel diz que a proposta feita pelos integrantes do Poder Judiciário de trocar o auxílio-moradia pelo reajuste não favorece as contas públicas.

“O auxílio-moradia não é salário. Ficaria restrito aos beneficiados e sairia mais barato. A gente está numa baita discussão sobre como encolher o estado, reduzir custos e vem isso” diz. “A gente só percebe o impacto dessas coisas quando um viaduto afunda porque não teve manutenção ou falta remédio no posto.”

O impacto do reajuste nas contas públicas poderá ser ainda maior, se os deputados federais resolvam elevar seus salários para o teto do STF. Para isso, precisam aprovar um projeto de lei.

Se isso acontecer, os deputados estaduais, que ganham 75% do salário dos colegas de Brasília, estarão aptos a ter aumento. E o mesmo poderá se estender a vereadores. Mas no caso deles, um reajuste em 2019 só valeria a partir da próxima legislatura, em 2021.

O STF (Supremo Tribunal Federal) disse em nota que o projeto de lei que previa o reajuste, sancionado pelo presidente Temer, levou em consideração a diferença entre o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), considerado o indicador da inflação, e reajustes do salário concedidos de 2009 a 2014, bem como a estimativa do Banco Central para a inflação em 2015.
William Cardoso - Folha 4.dez.2018 às 2h00

domingo, 2 de dezembro de 2018

Bahia e Vitória: O quê um tem que o outro não tem?

Alguma coisa está errada com o Vitória da Bahia

Um time tradicional da Bahia, estado importante da Federação,como o Vitória não pode ser rebaixado para grupo B do futebol brasileiro. O Vitória deu a impressão que desistiu no meio do caminho e apenas cumpriu tabela. Terminando no penúltimo lugar, em 19o.

Já o Bahia, com seu jogo malandro e livre, veio ganhando, ganhando, perdendo algumas e empatando outras e assim termminou o campeonato brasileiro no 11o. lugar. Provavelmente na Bahia e no Bahia seus torcedores estejam ironizando o Vitória, como diz no seu hino:

"Mais um Bahia, Mais um Bahia,
mais um, mais um tento no Vitória"

Eu sempre torço para ter dois times da Bahia, dois de Pernambuco, um do Ceará, um do Pará, dois de Minas, x e y de São Paulo e Rio, dois do Paraná, dois de Santa Catarina e dois do Rio Grande do Sul. O Centro-Oeste também deve indicar dois times.

Quanto ao campeão, mais comemoro a boa volta do Felipão, do que o time, que vinha manco, sem conseguir ter estabilidade.

Parece que Felipão andou falando de política, e falou m...., mas devemos dar um desconto. Quem sofreu o que sofreu Felipão com os 7 a 1, passam muito tempo sem dormir.

Viva Felipão!
Viva o time do Palmeiras"

Viva o Bahia!

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Os jovens e os velhos

Depende de onde parte o olhar...

Quando nosso pai fez 40 anos eu pensei com meus botões:

"Papai está ficando velho, já chegou aos 40 anos." Papai agora está chegando aos 95 anos de idade...

Um dia, telefonei para nossa irmã mais nova, que para os irmãos mais velhos, ela sempre será a caçulinha, e ao dar os parabéns eu perguntei quantos anos ela estava fazendo. Ela respondeu: 51!. Eu fiquei encabulado e comentei, quer dizer que agora nós todos temos mais de 50 anos? Ela deu risada...

Outro dia no supermercado, ao me ver procurando um caixa, a jovem não teve dúvida e recomendou-me ir ao caixa dos idosos. Eu, perplexo ao vê-la mandar-me ir ao caixa dos idosos em voz alta, pensei comigo mesmo, realmente estou ficando velho.

Numa viagem a Buenos Aires, ao ir visitar o museu de arte onde está a pintura Abaporu de Tarsila do Amaral (creio que seja), perguntei a caixa se pagava meia, ela respondeu-me: somente a partir dos 65 anos.

Nesta semana, nos dias que passei em Chapecó, meu guia era um jovem cheio de energia e de grandes propostas... Com o passar das corridas para lá e para cá, ao falar sobre saúde ele comentou; "Meu pai está ficando velho, anda esquecendo muito e me deixa preocupado." Eu perguntei quantos anos tinha o pai do jovem. Ele respondeu-me: 55. Assustado respondi: Seu pai ainda está muito jovem! Ele viverá até os 95 anos ou mais...

Hoje, ao completar 65 anos, pretendo usar todos os meus direitos nacionais e internacionais. Agora posso pagar meia entrada em todos os museus do mundo, nos teatros, nos cinemas, etc. Já uso bilhete de idoso no Metrô. Entre tantas realizações, só falta ser avô. Embora não sinta prioridade nisto, nossa filha já nos deu muitas e muitas alegrias. A esposa e mãe também morre de alegria com a filha e suporta as reclamações de seu baianinho.

Continuarei trabalhando, gostando de flores, contando casos e causos, defendendo a solidariedade, a amizade e o respeito mútuo.

Entre as coisas desagradáveis em 2018, perdemos um irmão - Prof. Gildenor - que, se eu não me engano estava com 69 anos. Três meses depois, nossa mãe faleceu aos 95 anos. Mostrando que nossa família está chegando à contagem regressiva. Iremos fazer festa no céu...

Ainda continuo me sentindo um jovem rabugento, chatinho, crítico e até inoportuno, mas que gosta muito de ser prestativo.

Há três anos apareceu de mansinho algo que carregarei comigo até à morte: o Mal de Parkinson. Isto obrigou-me a mudar a rotina, a tomar cuidado com um monte de coisas, a tomar muitos comprimidos, a gastar muito dinheiro com o dito mal, a conhecer médicos interessantes, que me recomendaram fazer Tai Chi, Natação, caminhadas e tantas outras coisas.

E como desgraça pouca é bobagem, tivemos que aprender a conviver com um governo golpista, com desemprego, recessão, reformas criminosas como a trabalhista e da previdência.

E quando pensávamos que ganharíamos às eleições presidenciais e restabeleceríamos o crescimento econômico com distribuição de renda e inclusão social, vieram as prisões de Lula, Vaccari entre outros e passaremos a conviver com mais uma ditadura no Brasil.

Mas ainda tenho mais 30 anos pela frente. Venceremos como já vencemos nas outras vezes.

Não tenho medo de ser feliz, mesmo com as alegrias e as tristezas; as doenças e seus remédios; o trânsito de São Paulo e as grosserias destes loucos neoliberais e entreguistas das riquezas do Brasil. Trabalho desde os 9 anos de idade, pago INSS desde 1970, portanto, há 48 anos e continuarei na luta até a hora final. Para isto eu tenho tantos amigos...

E vamos deixar os jovens nos chamar de velhos, loucos e sonhadores...
Afinal, são os loucos e sonhadores que mudam a História. Os velhos ajudam.

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Dom Paulo e a economia solidária

A Igreja está voltando a fazer trabalho de base

Foi muito bonito ver o bispo presente no seminário internacional da Ccresol Sul.

O encontro acabou com muita confraternização.

Apesar dos tempos bicudos, a solidariedade continua.

Viva Dom Paulo

Viva a Economia Solidária.


P.S.:


O duro foi chegar cedo no Aeroporto e uma tempestade cancelar todos os voos

Seja o que Deus quiser

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Paul Singer presente!

Segundo Seminário Internacional de Cooperativismo de Crédito Solidário

Cresol Central SC/RS

Centenas de delegados de various estados do Brasil mais representantes de países da Europa e da América Latina presentes em Chapecó Santa Catarina.

O tema é a necessidade de se estudar os modelos econômicos de. De solidariedade,principalmente para os pequenos agricultores e para os pequenos empreendimentos urbanos.

O destaque do dia foi a homenagem ao professor PAUL SINGER

sábado, 24 de novembro de 2018

“A direita como organização criminosa”

Apropiar-se do Estado para pregar ódio é crime

O Brasil vive um período muito peculiar: Há uma democracia aparente onde o judiciário passou a ser usado explicitamente como instrumento partidário e de uso e abuso da estratégia internacional contra a soberania nacional dos países. O judiciário substituiu os militares como golpistas e repressores, na tentativa de passar a imagem de que “ditadura de judiciário” é melhor do que “ditadura militar”.

Os pactos democráticos e participativos estão sendo substituídos

por pactos entre empresas, imprensa, judiciário e direita parlamentar.


A novidade nacional é o importante papel que passou a ter os pentecostais como “partido conservador, de MASSA e ORGÃNICO“ . Os fiéis e obedientes aos seus bispos e pastores, que representam por volta de 30% da população, desempenham importante peso nos resultados eleitorais e na inibição dos movimentos populares.

Ao mesmo tempo, o jornal Folha, que estimulou e participou de tudo que aconteceu recentemente, há dias publicou e estou com parte do caderno da Folha pregando a conciliação nacional para pacificar o Brasil.

Tenho pensado com calma como abordar este assunto de “conciliação e pacificação nacional.”

Primeiro porque também sou favorável a pacificação e a agir colocando o Brasil em primeiro lugar.

Segundo porque pacificar não pode ser confundido com o ESQUECER ou APAGAR OS FATOS E A HISTÓRIA. Como garantir que os golpistas não pratiquem novos golpes quando estiverem perdendo para o povo? Precisamos definir mecanismos que garantam o respeito às regras democráticas e plurais.

Terceiro, como falar em pacificação se, quando recebemos o jornal em casa e a principal manchete é uma grande provocação e ação criminosa gerada por uma grande organização chamada “direita neoliberal internacional”???

Vejam a manchete do jornal Estadão. Dá para levar a sério???

“Lula, Dilma, Mantega e Palocci viram réus por organização criminosa
Segundo a PGR, esquema de corrupção conhecido como ‘quadrilhão do PT’, em órgãos públicos e estatais, teria rendido R$ 1,48 bilhão em propinas
O Estado de S. Paulo - 24 Nov 2018 - Teo Cury Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA”

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

O circo jurídico-partidário contra o PT continua

O cachimbo deixa a boca torta: Novos governantes querem INTIMIDAR a oposição

Transparência, equidade, respeito à Constituição.... "Os fins justificam os meios"


56ª fase da Lava Jato apura superfaturamento na construção de sede da Petrobras em Salvador

Nova etapa ocorre nesta sexta-feira (23). Até o fim da manhã, 17 pessoas tinham sido presas.

Por José Vianna, Thais Kaniak e Alana Fonseca, RPC Curitiba e G1 PR
23/11/2018 07h28 Atualizado há 11 minutos
Bom Dia Brasil--:--/--:--

Força-tarefa da Lava Jato cumpre mandados na 56ª fase da operação

A 56ª fase da Lava Jato, deflagrada na manhã desta sexta-feira (23), apura o superfaturamento na construção da sede da Petrobras em Salvador (BA), de acordo com a Polícia Federal (PF).

Até o momento, 17 pessoas foram presas. Ao todo, há 33 mandados de prisão para 22 alvos. O número de mandados é maior do que o número de pessoas porque alguns dos investigados têm mais do que um endereço.

Com superfaturamento, projetos e obra da sede da Petrobras na BA passam de R$ 320 milhões para R$ 1,3 bilhão

Esta nova etapa foi autorizada pela juíza substituta Gabriela Hardt e por Sérgio Moro. A autorização dos juízes ocorre depois de o Ministério Público Federal (MPF) pedir à Justiça permissão para que os mandados sejam executados. Com a ida de Moro para o Ministério da Justiça, Gabriela Hardt ficará à frente da Operação Lava Jato até 30 de abril de 2019.

Conforme a PF, também houve superfaturamento nos contratos de gerenciamento da construção, de elaboração de projetos de arquitetura e de engenharia.

As ordens judiciais são cumpridas nos seguintes estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia.

O G1 apurou que Marice Correa, cunhada do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto, é uma das pessoas presas em São Paulo. A prisão dela é temporária.

Mario Cesar Suarez, da OAS, foi preso preventivamente na capital baiana. Já Wagner Pinheiro Oliveira, ex-presidente da Petros e Correios, foi alvo de busca e apreensão no Rio de Janeiro.
A PF ainda não divulgou o nome dos outros alvos. Os presos preventivos devem ser levados para a sede da Polícia Federal em Curitiba.-:--

10% do valor da obra

O nome da sede da Petrobras, em Salvador, é Torre Pituba. O prédio foi construído pela OAS e pela Odebrecht – ambas já investigadas anteriormente pela Lava Jato.

As duas empreiteiras distribuíram vantagens indevidas de, pelo menos, R$ 68.295.866 que representam quase 10% do valor da obra, segundo o MPF.

Os valores eram direcionados, segundo o PF, para viabilizar o pagamento de vantagens indevidas para agentes públicos da Petrobras, do PT e dirigentes da Petros.

O esquema de contratações fraudulentas e pagamentos de vantagens indevidas aconteceu entre 2009 a 2016, de acordo com o MPF.

O G1 tenta contato com os citados.

Corrupção ativa e passiva, gestão fraudulenta de fundo de pensão, lavagem de dinheiro e organização criminosa estão entre os crimes investigados nesta fase.

Polícia Federal cumpre mandados da operação Lava-Jato
Como funcionava o esquema

Em resumo, de acordo com a PF, o Fundo Petrobras de Seguridade Social – Petros, mediante parceria com a Petrobras, investiu na execução da obra para alugar o prédio à empresa estatal por 30 anos.

Ainda conforme a PF, porém, com o direcionamento da execução das obras para uma empresa ligada e outras duas empreiteiras já conhecidas da Lava Jato, o valor da execução ficou muito acima do que deveria, assim como o valor de aluguel a ser pago.

Diante disso, ainda conforme a Polícia Federal, os investigados direcionavam parte dos valores obtidos para o pagamento das propinas, ocultando e dissimulando a origem deles.

As penas somadas podem chegar ao total de 50 anos de prisão e multa.

Esta fase da operação foi batizada de "Sem Fundos" por conta da perda do Fundo de Pensão da Petrobras e pelo fato de os crimes investigados parecerem revelar um "saco sem fundos".

Quebra de sigilo

Para embasar as ordens judiciais, as investigações levaram em conta a quebra de sigilo de dados bancários, fiscais, telemáticos e telefônicos que comprovaram as afirmações dos colaboradores, além de documentos vindos de cooperação jurídica internacional.

Além disso, diligências realizadas mostraram a utilização de dinheiro em espécie por parte dos beneficiários finais do esquema, mediante depósitos estruturados e compra de bens valiosos – alguns não declarados à Receita Federal.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Brasil 2016 - É possível esquecer e começar outra etapa?

Como não ganhavam nas regras vigentes, deram o golpe em 2016

Assumiram o controle de tudo,

aparentemente preservaram apenas as Forças Armadas,
o Judiciário e a Imprensa fizeram o serviço sujo...

Assim chegamos em 2018 com uma eleição duvidosa.


E os "vencedores" agora falam em "virar a página" e começar nova etapa, com novas regras, onde fica bem mais difícil de eleger uma coligação comprometida com os mais pobres, as políticas públicas, governar para todos e todas brasileiros e brasileiras... Sem medo de ser feliz.

Vejam as DEZ REGRAS DE OURO
que os empresários brasileiros declaravam - antes do golpe de 2016 e das eleições de outubro de 2018, quando deixaram tudo de lado. Analisem se há coerência. Mesmo assim, estamos abertos para negociar respeitando as diversidades e os direitos coletivos.

Eu prefiro OS DEZ MANDAMENTOS DEMOCRÁTICOS. O culto ao OURO não pode sobrepor-se ao culto a DEUS.

1 - Dividir é ganhar - quem aceita diluir sua participação acionária para atrair novos sócios sai lucrando. é melhor ter menos de muito do que muito de menos.

2 - O cliente é igual a você - o dinheiro dos investidores tem o mesmo tratamento do dinheiro dos donos. Isso se chama "alinhamento de interesses".

3 - Todos são iguais - numa empresa, qualquer um pode ser dono. E quem não tem essa mentalidade, trabalha no lugar errado.

4 - Uma empresa fala pelos sinais - o chefe não deve ter privilégios nem nada que ostente seu poder. Uma sala suntuosa é um mau sinal.

5 - Contrate sempre alguém melhor - não tenha medo dos subordinados. Se eles forem mais competentes do que você, sua vida será mais fácil.

6 - Não existe zona de conforto - a cada ano, novos sócios entrarão e alguns sairão. A competição é saudável, desde que haja FAIR PLAY (JOGO LEAL QUE SE RESPEITA AS REGRAS).

7 - Reconheça seus erros - ninguém é infalível. E os equívocos devem ser compartilhados para que não se repitam.

8 - Lidere pelo exemplo - quem está no topo também deve gastar sola de sapato. A dedicação e o trabalho inspiram os subordinados.

9 - O CEO é um vendedor - ninguém "vende" melhor seu serviço ou seu produto do que o próprio presidente da companhia.

10 - Não existe um teto - não há limites para uma organização que esteja sempre pronta para se renovar e oxigenar seu capital humano.

"Queremos que o Brasil seja um país, de todos, com todos e para todos, com democracia, liberdade, respeito às regras e às leis legítimas, economia de mercado, políticas públicas, principalmente saúde, educação e segurança. Assim seremos um país competitivo no mercado internacional e respeitado como NAÇÃO SOBERANA." - Esta é a missão dos cidadãos brasileiros e brasileiras.

Publicação muito próxima do texto acima saiu na Revista Dinheiro, em 15 de Dezembro de 2010. Época em que a "serpente ainda não tinha saído do ovo" e o Brasil gozava de ótima imagem internacional.

Agora vivemos a consolidação do golpe de 2016, como aconteceu no Egito e em outros países. O neoliberalismo tenta consolidar-se como governo sem democracia plena, apenas como um arrazoado de discursos inconsistentes e cheios de falar e negar o falado, valendo mais a intimidação do que a participação.

Concordo que devemos tentar "virar a página", desde que, não neguemos nosso passado, com nossos erros e acertos, além de construir um novo código de relacionamento e governabilidade que haja mecanismos efetivos de respeito às regras acordadas e assinadas. Por isto que nós falávamos em Constituinte. Por ser mais legítimo. Libertar os presos políticos e condenados processos forjados partidariamente também faz parte da pacificação...

Sem medo de ser feliz!

Recontagem de votos nos Estados Unidos garante transparência.

No Brasil, o voto é um ato de fé.

Não tem como ser conferido. Parece a época da República Velha. Ou velhíssima...

Nas últimas eleições americanas sempre têm casos de recontagem para confirmar os resultados das urnas. Imaginem se fosse no Brasil, onde os resultados eleitorais não têm batido com as pesquisas...

Sem circo, a prioridade nos Estados Unidos é a transparência no sistema eleitoral e a possibilidade de RECONTAGEM para confirmação do resultado. A Folha tem dado notícias timidamente, mas tem dado. Vejam a de hoje, segunda-feira, dia 19.

Após recontagem, republicanos vencem disputas do Senado e governo na Flórida


Rick Scott conquistou vaga no Senado com 50,05% dos votos, por pouco mais de 10 mil votos que o 2º colocado

Júlia Zaremba WASHINGTON - FOLHA – 19/11/2018.

Após um turbulento processo eleitoral, o governador da Flórida, Rick Scott, foi finalmente declarado o vencedor da disputa para o Senado no estado neste domingo (18).

O candidato recebeu 50,05% dos votos, ficando à frente do adversário, o senador democrata Bill Nelson, por pouco mais do que 10 mil votos (de um total de mais de 8 milhões), segundo autoridades eleitorais.

Como os primeiros resultados após o pleito de 6 de novembro indicaram que Scott estava à frente do oponente por apenas 0,15 ponto percentual, ou cerca de 12,6 mil votos, as cédulas de votação tiveram de ser submetidas a novas checagens.

A legislação da Flórida estabelece
que quando a margem de diferença entre os candidatos é de 0,5 ponto percentual ou menos, os votos precisam ser conferidos por meio de uma máquina. Se a nova recontagem indicar uma margem de 0,25 ponto ou menos, um novo escrutínio é feito de forma manual.

Foi o que aconteceu na disputa para o Senado. A primeira recontagem foi encerrada em 15 de novembro e a manual, neste domingo.

A corrida para o governo do estado também passou por uma nova contagem por máquinas, que terminou com a vitória do republicano Ron DeSantis sobre o prefeito de Tallahassee, Andrew Gillum.

Com a vitória de Scott, o partido Republicano deve ficar com 53 das 100 cadeiras do Senado, duas a mais do que antes. Isso depende da vitória do candidato republicano nas eleições do Mississippi, que serão realizadas em 27 de novembro.

O candidato derrotado ligou durante a tarde para Scott para parabenizá-lo. Em comunicado, Scott pediu união aos americanos. "Precisamos fazer o que os americanos sempre fizeram: se reunir para o bem do nosso estado e do nosso país", afirmou.

O presidente Donald Trump comemorou o resultado. "Desde o primeiro dia, Rick Scott nunca hesitou. Foi um ótimo governador e será um senador ainda melhor representando o povo da Flórida", escreveu em uma rede social.

"Parabéns ao Rick por ter conduzido uma campanha tão corajosa e bem-sucedida!"

A batalha no "estado-pêndulo" (nome dado àqueles que não têm preferência partidária bem definida) levou democratas e republicanos a entrarem com mais de dez ações na Justiça nas últimas semanas solicitando desde a ampliação do prazo para a recontagem até a apreensão de equipamentos de votação.

Democratas, que estavam em desvantagem, tentavam fazer cada voto valer, enquanto republicanos, inclusive Trump, insistiam no discurso de fraude eleitoral.

Alguns estados não conseguiram entregar resultados da durante a primeira etapa de recontagem.

Palm Beach, que está entre as três maiores jurisdições eleitorais do estado, foi um deles. Máquinas antiquadas foram uma das razões que levaram ao atraso. Já em Broward, os resultados foram entregues com dois minutos de atraso, o que gerou frustração entre os envolvidos no trabalho de recontagem.

O juiz federal Mark Walker chegou a afirmar que a Flórida era “motivo de piada” por não antecipar problemas nas eleições. “Nós temos sido motivo de risada no mundo, eleição após eleição, e nós escolhemos não consertar isso”, afirmou.

Os condados de Broward e Palm Beach estiveram no centro de uma controvérsia envolvendo contagem de votos nas eleições presidenciais de 2000, quando a vitória de George W. Bush contra o democrata Al Gore demorou semanas para ser oficializada.

domingo, 18 de novembro de 2018

Estados Unidos NÃO USAM urnas eletrônicas

Urna eletrônica também está sob suspeita nos EUA

O sistema eleitoral no Brasil NãO TEM GARANTIAS DE SEGURANÇA.
É o quê evidencia ao ler os artigos publicados no Brasil do porquê os americanos não copiam o sistema brasileiro. E a cada ano isto fica mais evidente.

A Folha publicou artigo com o título: "Alvo de suspeita, voto 100% eletrônico só ocorre em 5 estados". Mais recentemente voltou a ter nova matéria onde aparecia reclamação de um senador eleito ou com suspeita de fraude.

Se nos Estados Unidos não serve a urna eletrônica, porque serviria para o Brasil?

Leiam as informações abaixo sobre o caso da Georgia...
e os preparativos para as eleições de 2020.


Justiça da Georgia, no Sudeste dos Estados Unidos, avalia a possibilidade de abandonar sistema touchscreen e substituí-lo por cédulas de papel a partir das eleições de 2020"

"Ellen Nakashima Washington Post [19/09/2018] [20h38]"

"Decisão definitiva pode vir rapidamente


Apesar de Totenberg ter negado a moção de uma liminar para novembro, ainda não se pronunciou sobre as reivindicações subjacentes, que visam eliminar as máquinas touchscreen sem papel. E ela prometeu tomar uma decisão rapidamente. "

""As eleições de 2020 estão chegando", disse ela.

"Se um novo sistema de votação for lançado na Geórgia de maneira efetiva, deveria abordar a necessidade crítica da democracia de processos eleitorais transparentes, justos, precisos e verificáveis, que garantam o direito fundamental de cada cidadão de votar responsavelmente."

Os demandantes disseram que esperam eventualmente ter sucesso. "Não estamos detivemos em nossa luta pelo direito de voto, pois este é o cerne da questão", disse Donna Price, diretora do grupo Georgians for Verified Voting, um dos que entraram com a ação.
"Esperamos que prevaleça no final", disse Robert A. McGuire, advogado do grupo Coalition for Good Governance, que também entrou com a ação.

A juíza observou que a Geórgia, o primeiro estado do país a adotar a máquina eletrônica touchscreen para votar 2002, é um dos cinco estados em que a votação eletrônica é totalmente sem papel, sem cédulas independentes ou registro de auditoria.

Os queixosos, na semana passada, convocaram especialistas que falaram sobre os problemas com tais máquinas. Um especialista, o cientista da computação Alex Halderman, da Universidade de Michigan, demonstrou à corte como um cartão de memória com malware inserido em uma máquina Diebold DRE, a mesma que a Geórgia usa, pode alterar os resultados eleitorais.

Logan Lamb desmonta urna eletrônica usada nas eleições na Geórgia


Ellen Nakashima/Washington Post

Os autores da ação também se basearam em depoimentos escritos de outro especialista em informática, Logan Lamb, que alertara o Centro de Sistemas Eleitorais do estado sobre uma vulnerabilidade em um servidor que faz parte do sistema eleitoral. O especialista descobriu esse problema e a exposição online dos dados pessoais de mais de 6 milhões de eleitores em agosto de 2016, três meses antes da eleição presidencial. A falha do software ainda estava lá, afirmou Lamb.

Eles também “destacaram as graves falhas de segurança e vulnerabilidades do sistema eleitoral do estado, incluindo resultados não verificáveis, software desatualizado suscetível a malware e vírus e um servidor central que já foi hackeado várias vezes", escreveu Totenberg.

A juíza repreendeu as autoridades eleitorais da Geórgia por "enterrarem suas cabeças na areia" em relação às vulnerabilidades do sistema.

"No final do dia, a juíza olhou para isto e pensou que se estas autoridades não entendem as questões mais básicas para garantir a segurança uma eleição, como vão implementar as cédulas de papel em tão pouco tempo?", disse David Cross, um advogado da Georgians for Verified Voting.

Apesar de o caso ter sido apresentado à Justiça há mais de um ano, ele foi afetado por atrasos processuais, o que causou frustração à juíza. “A corte tentou agilizar este caso, desde o início, sem sucesso", disse ela. Mas a apresentação em agosto da moção para uma decisão provisória favoreceu o avanço do caso.

sábado, 17 de novembro de 2018

A crise econômica e social pesou mais que o "petismo"

A Folha finalmente voltou ao cerne da questão

"A crise econômica, política e social pesou mais do que o petismo"

Da mesma forma que a pesquisadora chilena sabia disto, os coordenadores das campanhas também sabiam, a imprensa também sabia, o judiciário sabia, os empresários, tanto sabiam que pagaram para o real motivo não aparecer, preponderando nas campanhas o ódio, as repetições grosseiras, onde, o que menos importava era a verdade. Mais parecia uma arena romana do que uma campanha eleitoral. Até o PT preferiu entrar na guerra-suja a fazer diagnósticos mais construtivos.

Se na campanha, faltou bom senso e honestidade, durante o governo, tende a continuar sem bom senso, sem honestidade, sem transparência e sem compromisso com a verdade. O que vai continuar é que "o importante é vencer!"

Vejam o bom artigo sobre a pesquisadora chilena e a crise brasileira.



A crise econômica, social e política
pesou mais que antipetismo

Insatisfação do brasileiro com condição de vida explica eleição de Bolsonaro, diz analista chilena

Diretora do Latinobarómetro diz que crise
teve efeito maior que antipetismo

Folha - Sylvia Colombo - BUENOS AIRES – 17/11/2018
A insatisfação dos brasileiros com suas condições de vida explica a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência mais que os escândalos de corrupção ou o desgaste do PT, na opinião da chilena Marta Lagos, diretora do Latinobarómetro, que realiza anualmente pesquisa sobre o desempenho da democracia em 18 países da América Latina.

“A queda da satisfação dos brasileiros com suas condições de vida caiu quase 20 pontos desde 2010, isso é algo muito acentuado.

Creio que isso explica a eleição de Bolsonaro muito mais do que o desgaste do PT ou os escândalos de corrupção revelados pela Operação Lava-Jato”, afirma ela em entrevista à Folha.

Lagos acrescenta que os que se encontram mais insatisfeitos são aqueles que ficaram “estancados no meio do túnel”, ou seja, os que começaram a ter uma melhora de vida no começo dos anos do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2011), mas que não chegaram a sair do túnel, “ficaram presos na escuridão e são os mais prejudicados”.

Neste sentido, ela considera que a eleição de Bolsonaro é “causa e consequência de um processo que colocou parte da sociedade em posição de reação, de medo, de sentir que precisa, ela mesma, cuidar de sua proteção.”

Para Lagos, o problema do Brasil vai além do político. “Quando vemos o nível da confiança interpessoal, ele é de 4%. É basicamente uma sociedade em que um não confia no outro, em que a confiança está se voltando apenas a pequenos grupos, como os familiares. É muito perigoso esse processo, porque destrói a possibilidade de se construir cidadania”, afirma Lagos.


E ela acrescenta: “fica-se com a sensação generalizada de que todos devem defender-se contra todos. E se a confiança no outro vai mal, muito pior vai a confiança em instituições e no Estado”.

Para Lagos, esse é um caldo cultural em que atos de agressão e violência podem surgir, “isolada ou coletivamente”. E alerta que a pesquisa já vinha mostrando que esse cenário era possível.

Os dados da última pesquisa do Latinobarómetro, divulgada neste mês, mostram que, em 2018, houve na América Latina um dos mais acentuados retrocessos da confiança na democracia desde que o levantamento começou a ser feito, em 1995.

Somente 5% dos entrevistados na região dizem acreditar que seu país vive uma democracia plena, enquanto 45% afirmam que as democracias em que vivem possuem grandes deficiências.

Mais, só 20% dos latino-americanos acham que seu país está progredindo. E aumentou o número de cidadãos que afirmam não acharem que vivem em sociedades democráticas.

“Isto se deve, entre outros motivos, à radicalização de regimes como o venezuelano e o nicaraguense”, de acordo com Lagos.

O Brasil aparece com apenas 10% de satisfação com a democracia. Na Argentina, o apoio à democracia é de 59%; no Uruguai, sempre um dos campeões nesses levantamentos, 61%.

“Os dados sobre o Brasil já vinham mostrando uma queda na confiança com a democracia por parte dos brasileiros. A novidade é que neste ano ela foi inédita, porque mostra não apenas uma descrença na política, mas também que se derrubou a base sobre a qual a sociedade funcionava.”

O autoritarismo se mostrou em alta em outros países da região, sendo visto como algo positivo por 27% dos paraguaios e por 23% dos chilenos.

Medicina não é coisa do satanás...

O Brasil ficou sem o programa "Mais Médicos"

E os pobres sem assistência médica.

Governar um país de mais de 200 milhões de habitantes não pode ser aventura de provocador ou de quem acha que "basta mandar o pastor botar a mão na cabeça que cura"... Requer conhecimento técnico, prático e teórico, além de equipamentos apropriados e saneamento básico.

Com o retorno dos médicos cubanos em função da falta de respeito por parte do candidato e presidente eleito, é a segunda grande situação vexatória que o Brasil passa internacionalmente.

Tanto os prefeitos, como os governadores e os presidentes têm deixado a saúde pública para segundo plano e priorizado parcerias com as organizações privadas. Com isto, quanto mais gente tiver demanda de saúde, mais precário passará a ser o atendimento.

O Brasil precisa combinar a qualificação de seus profissionais com bons salários e também com compromisso de atendimento de qualidade e acompanhamento médico nos bairros e nas moradias.

Os Brasileiros precisam botar o Brasil em primeiro lugar, atendendo a todos seus habitantes em todas as áreas.

Rezar é importante, mas estudar, praticar, integrar-se e atuar solidariamente é imprescindível.

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

A crise de todos nós

Está faltando dinheiro para a maioria da população

Está faltando "políticas públicas" para atender a maioria da população.

Podemos fazer uma lista dos setores que influenciam a qualidade de vida da maioria do povo:


1 - A falta de emprego para a maioria;

2 - Os salários baixos ante o custo de vida;

3 - A incompetência dos governos municipal, estadual e federal em aumentar os empregos e melhorar os salários;

4 - As incertezas do nosso judiciário;

5 - As instabilidades dos empresários ante as instabilidades da política econômica;

6 - As inconsistências da imprensa que ora diz uma coisa, ora diz outra;

7 - O excesso de influência de advogados, mais de um milhão de interferências;

8 - O Brasil continua mal posicionado no mercado internacional;

9 - A formação educacional precária do ensino nacional;

10 - Podemos acrescentar também a postura das pessoas perante a vida: a tendência é querer ser cada um por si e Deus por todos.

11 - Ainda tem os juros altos;

12 - O problema do câmbio;

13 - Os deficits públicos que travam os investimentos;

14 - A necessidade de uma Reforma Tributária profunda;

15 - Buscar fazer uma redistribuição de renda, fortalecendo a parte de menor renda, vinculada a baixa escolaridade e vulnerabilidade à assaltos e assassinatos.

E não adianta procurar bodes expiatórios de forma maniqueísta.


É preciso recuperar a credibilidade, a confiança nas partes, e investir esforços pessoais, muito trabalho e investimentos. Assim poderemos ganhar tempo na reconstrução do Brasil.

Precisamos tomar coragem para conversar mais, ouvir mais e trabalhar mais conjuntamente.

Navegar é preciso. Viver?

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

O Brasil está "fora da política"

O Brasil está fora da política?

A manchete do Estadão de hoje é:

“General diz que militares estão fora da política”

Realmente, no Brasil, tem tanta gente ”fora da política”,
que, aproveitando o descrédito das instituições, os aventureiros,
neoliberais, entreguistas e mentirosos tomaram conta do governo.

Vejam que está fora da política no Brasil:

1 - Os Militares estão fora da política

2 - Os Juízes estão fora da política

3 - Os Procuradores e auditores estão fora da política

4 - Os Empresários estão fora da política

5 - A imprensa está fora da política

6 - Os pastores e bispos estão fora da política

7 - A PM está fora da política

8 - Os traficantes também estão fora da política

9 - Os artistas estão fora da política

10 - Os jogadores estão fora da política

11 - Os jornalistas estão fora da política

12 – A PF – Polícia Federal - está fora da política

13 – Os professores estão fora da política

14 – Os pobres estão fora da política

15 – Os pequenos agricultores estão fora da política

16 – Os trabalhadores estão fora da política

17 – Os desempregados estão fora da política.

18 – Os jovens estão fora da política.

Onde vamos parar???

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Uma lição de compromisso do jornal Valor

Fim de semana sem o caderno EU&Fim de Semana

Sou leitor constante do caderno Fim de Semana do jornal Valor.

Nas sextas-feiras eu sempre pego o jornal cedo e separo o caderno para ler "no fim de semana"... Na última sexta-feira procurei por toda parte e não achei o caderno. Como tinha muita gente na sala, eu pensei que algum colega tivesse tido a mesma ideia que eu e fiquei triste por não ter chegado antes.

Para minha surpresa, na edição de ontem, o jornal veio com uma notícia de CAPA:

"Devido a problemas de transporte, causado pelas chuvas e engarramentos ocorridos entre a quinta e sexta-feira passadas, alguns assinantes do Valor residentes no Estado de São Paulo estão recebendo somente nesta segunda-feira o caderno "fim de semana", que normalmente circula às sextas-feiras.

Pedimos desculpas pelo atraso."

Em meio século que leio jornais, é a primeira vez que vejo uma notícia desta. Agora vocês entendem por que eu digo que o jornal Valor é o melhor do Brasil? E dizem que o jornal é de negócios... logo, cultura não seria importante...

Nem tudo está perdido nesta "era dos extremos".

Quer voltar a ter esperança?


Além de ler o caderno de "fim de semana" do Valor,
vá assistir ao filme "Os Invisíveis".

Em São Paulo está passando no Itaú Augusta e
no Reserva Cultural. Infelizmente passa apenas
uma seção por dia.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

A primeira guerra mundial está presente...

O mundo tem medo da guerra, mas a chama

O muito curioso é este comportamento humano em estimular a guerra, como se fosse simples e fácil de resolver.

Fazer comícios e manifestações enaltecendo a capacidade de violência das pessoas conservadoras e também rancorosas é relativamente fácil.

O problema é quando a guerra começa para valer...

Aproveitando as comemorações dos 100 anos da primeira guerra mundial, uma guerra que a maioria das pessoas achavam que o conflito seria rápido e fácil, nos lembramos dos dias atuais.

E se nova guerra mundial estiver começando?


As demandas sociais não são atendidas pelos governos...

O desemprego cresce mais do que a inflação...

O custo de vida adquire padrão internacional.

Os pobres voltam a ficar pobres, e os ricos ficam mais ricos.

Os pobres votam nos patrões que geram desemprego e pobreza.

A Europa já vinha enlouquecendo há bom tempo,

Agora os Estados Unidos são governados por um louco,


bem diferente do estadista Roosevelt...

E a novidade é que o Brasil, depois de crescer durante décadas,

volta a viver sob uma ditadura.
Não uma ditadura militar,

mas uma ditadura civil, manipulada pelo judiciário,

pelas grandes empresas e pela imprensa.

Enquanto os empresários falam em investir desde que o governo barateie o custo social, econômico e político. Mesmo que tenha que prender, censurar, matar e intimidar a população e os pobres... Este filme é velho. Ou se elabora um novo projeto econômico e social; ou a violência tomará conta das ruas, das escolas e das rodovias. Corremos o risco de viver em Estado de Sítio...

E aí pode ser tarde demais para voltar a ter democracia liberal e com respeito aos poderes...

Quem deve fazer autocrítica primeiro?
Vivemos num país onde todos pecam.
A começar pelos que deveriam proteger à democracia.

domingo, 11 de novembro de 2018

Crise Econômica, Política e Social gera Violência?

Como voltar a acreditar nas instituições?

A FALTA DE...


- Emprego, pode gerar violência ou depressão profunda;

- Escolas públicas boas, faz o pobre ter menos competitividade;

- Alimentação saudável, deixa as crianças e adolescentes menos saudáveis;

- Transporte coletivo de qualidade, faz com que se perca muito tempo no trânsito;

- Moradias dignas, prejudica principalmente as crianças e idosos;

- acesso à saúde de qualidade, provoca mortes e doenças contagiosas;


Estas deficiências podem ser abordadas pela imprensa como culpa governos ou como problemas estruturantes, levando à população a ouvir promessas dos políticos que, depois de eleitos, fazem exatamente o contrário do que prometeu nas campanhas eleitorais.

Aumentando os reflexos das frustrações com as eleições
e com a melhora efetiva de qualidade de vida.


E para que servem 35 partidos políticos?

Para que serve o Judiciário, se os pobres são sempre mais condenados do que os ricos?

Os governos, além de cobrarem impostos, para que servem?

Os empresários da médias e grandes empresas, porque dependem tanto dos governos?

Os trabalhadores, porque não se organizam melhor para preservar seus direitos e qualidade de vida?

E a Imprensa? Quanto mais tomam partido e apoiam candidatos de forma camuflada, mais frágeis ficam?

Agora vemos as Igrejas substituírem os professores, os juízes, os governos, os empresários, os sindicatos, os partidos políticos e Deus vai ficando para segundo turno, medindo a importância da Igreja pela riqueza do que pela caridade franciscana e de Cristo.

O quê vem pela frente?

O custo de vida e a sensação de ser roubado

O Banco Central diz que a inflação é baixa, mas...

O CUSTO DE VIDA É UM ROUBO!


Vejam este exemplo da SABESP:


Em Setembro o consumo foi de 25 m3 e a conta veio de R$.147,74

Em Outubro o consumo foi de 21 m3 e a conta veio de R$.112,56

Em Novembro o consumo foi de 18 m3 e a conta veio de R$.225,90.

Qual é a magia?


O consumo diminui e a conta aumenta?

Porque não aconteceu de setembro para outubro,
mas aconteceu de outubro para novembro?

Resposta: AS ELEIÇÕES JÁ PASSARAM.


ENTÃO METE À FACA????

Depois não sabem porque o povo votou em Cacareco...

sábado, 10 de novembro de 2018

Elza Soares continua presente na vida brasileira

Um disco lindíssimo: DEUS É MULHER

Foi obrigada a casar aos 13 anos, teve vários filhos e trabalhou em fábrica de sabão...

Em 1953, ao cantar no programa de Ary Barroso, este disse: NASCE UMA ESTRELA!

E esta estrela brilha até hoje... Vejam o bom artigo que saiu na Folha de hoje:

'Elza Soares tinha tudo para dar errado',

diz Zeca Camargo, que a biografou

'Pelo amor de Deus, não me coloque como uma santa', pediu cantora ao escritor

Folha - 10.nov.2018 às 2h00 - Thiago Ney

Aos cinco anos, Elza Soares mal havia acordado quando teve uma visão. Ao lado de um “caboclo fechado, que não estava a fim de papo”, surgiu São Jorge, montado em um cavalo. A menina então falou: “São Jorge, posso pedir pro senhor dizer para meu pai não me bater tanto assim?”. Mas o santo respondeu que ela ainda apanharia muito —e Elza, muitos anos depois, relembra: “Mal sabia eu que ele queria dizer que eu iria apanhar mais da vida do que do meu pai”.

Esta é apenas uma das incontáveis histórias que estão em “Elza”, biografia escrita por Zeca Camargo, colunista da Folha, e que chega às livrarias nesta segunda-feira (12). Um livro que na verdade nem deveria existir —porque Elza Soares tinha tudo para dar errado.

“Isso é muito claro para mim: não era para a Elza Soares ter dado certo. Teve uma origem miserável, casou-se aos 13 anos, foi mãe de cinco filhos ainda adolescente e, aos 19, já tinha perdido dois deles; começa a cantar escondida da família, sofre racismo sem nem saber o que era racismo”, afirma Camargo.

“E depois ainda se casa com o Garrincha e vira a inimiga pública número um do país. Ela já tinha haters nos anos 1960.”
E isso é apenas o resumo do resumo do resumo. Dificilmente encontraremos na música brasileira alguém com uma trajetória tão constantemente castigada quanto a de Elza Gomes da Conceição, que até hoje não sabe direito a idade que tem. “Ela tem entre 85 e 88 anos”, diz Camargo. “É confuso, não tinha certidão. Ela foi emancipada para casar. Se considerarmos a emancipação, a idade é 88 anos.”

Uma vida bastante sofrida, mas Elza avisa: “Eu pedi ao Zeca: ‘Pelo amor de Deus, não me coloque como uma santa!’. Sou um ser humano, com pecados, desejos, não sou uma santinha, sou uma pessoa que enxerga a vida de um jeito bom”, diz à Folha.

Elza nunca foi uma santinha, tanto que, quando menina, mentia para a mãe e para o pai quando aparecia em casa com dinheiro (ou porque inventava alguma lorota para um desconhecido ou porque achava um saco de grana em uma igreja do bairro).

Mas Elza sofreu.


Foi obrigada a casar logo cedo, por volta dos 13 anos, porque o pai a viu lutando contra um menino que a tentava assediar e ele pensou que estavam fazendo sexo. Seu Avelino, o pai, exigiu a união oficial.
Para ajudar a sustentar a casa e os filhos, Elza foi trabalhar em uma fábrica de sabão. Ainda adolescente, teve os filhos Carlos, Raimundo, Gerson, Dilma e Gilson. E ainda adolescente, perdeu Raimundo e outro filho logo depois do parto.

Em 1953, foi ao programa “Calouros em Desfile”, de Ary Barroso
, na rádio Tupi, para ver se conseguia algo como cantora. Interpretou “Lama”, de Paulo Marques e Ailce Chaves. Foi tão bem que um impressionado Barroso sentenciou: “Senhoras e senhores, nasce uma estrela”.

Elza saiu dali confiante, mas a sua vida não mudou muito. Durante a noite, passou a cantar com uma orquestra em bailes pelo Rio. Em alguns salões, era impedida de subir ao palco por ser negra. Elza não entendia bem aquilo. “Naquela época era bem diferente. A gente convivia com aquilo”, relembra a cantora.
“Mas hoje sei que nasci em um dos países mais racistas do mundo.”

Em 1958, depois de integrar o espetáculo “É Tudo Juju-frufru”, foi convidada a participar de uma turnê por Buenos Aires com diversos músicos. Acomodada em um hotel, Elza dormiu pela primeira vez em um colchão (em casa, deitava-se sobre esteiras feitas com sacos de farinha de trigo).

O que era para durar alguns dias demorou quase um ano: Elza levou um calote e, para não voltar ao Brasil sem nenhum dinheiro e derrotada, permaneceu na Argentina fazendo pequenos shows. Ali, ficou amiga de Astor Piazzolla. E foi ali também que recebeu a notícia de que o pai havia morrido.

Ao retornar ao Rio, Elza investiu na carreira de cantora. Ajudada por Moreira da Silva, gravou um compacto com duas faixas. Pouco depois, convidada por Sylvia Telles, foi à Odeon gravar um disco. Ela ainda não era famosa, mas ao chegar ao estúdio viu que muita gente estava no local para vê-la, gente como Lúcio Alves e um certo João Gilberto (mais tarde, Elza ganharia como fãs nomes como Louis Armstrong e Sammy Davis Jr., entre muitos outros).
Depois da morte do marido (que nunca amou), Elza envolveu-se com o baterista Milton Banana e, no início dos anos 1960, com Garrincha. Elza já era uma cantora conhecida.

Garrincha foi o maior amor da vida de Elza,
mas a união dos dois foi malvista no país. Porque Garrincha ainda estava casado com a primeira mulher, com quem teve oito filhas. Elza foi pintada como uma destruidora de lar.
Depois de vários incidentes perturbadores (tentativa de sequestro; casa invadida a tiros), Elza, Garrincha e crianças foram morar na Itália. Ela tentava emplacar a carreira no exterior; ele, já um ex-jogador, bebia cada vez mais.
Meses depois, voltaram ao Brasil. Garrincha, sem dinheiro, morreria vítima de uma cirrose hepática. Elza passaria por momentos de baixa na carreira.

“Eu não queria cantar apenas samba, queria sair daquilo. Dizia: ‘Deixa eu cantar o que quiser’. Quando eu pude sair disso, foi muito bom”, afirma. “Ela se sentia longe da turma, não reconhecida (por outros artistas da MPB)”, diz Camargo. “Não sabe se era racismo, se era preconceito ou se olhavam para ela simplesmente como uma cantora de samba. Nos anos 1980, gravou rock, com Cazuza, fez show com os Titãs.”

Mas a libertação artística de Elza veio apenas em 2002, quando gravou “Do Cóccix até o Pescoço”, com direção de José Miguel Wisnik. Recentemente, lançou dois dos discos mais elogiados da carreira, “A Mulher do Fim do Mundo” (2015) e “Deus É Mulher” (2018).

“Não teria feito nada diferente. Nem teria como, foi muito difícil. O caminho que vem, a gente abraça. A gente quer o melhor, mas a gente abraça aquele que dá.”

Talvez Elza Soares e Mané Garrincha sejam um retrato do Brasil. Ele, um talento extraordinário encerrado precocemente por ingenuidade e vício em bebida. Ela, um talento extraordinário que, mesmo recebendo pedradas a vida inteira, teima em resistir.

Elza
Zeca Camargo. Ed. LeYa (R$ 54,90, 400 págs.). Lançamento dia 12, no Rio de Janeiro, às 19h30, no Estação Net Gávea; e dia 21, às 19h, em São Paulo, na Liv. Cultura do Conjunto Nacional

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Um livro de 1856 como referência para o Brasil

O Antigo Regime e a REVOLUÇÃO

Alexis de Tocqueville, um nome pouco conhecido no Brasil, mas que pode servir muito de referência nacional com seus dois livros: "A Democracia na América" e "O antigo regime e a Revolução".

Vejam, por exemplo, que sabedoria ele escreve na página 177 do livro "o ANTIGO REGIME...":

a única garantia que imaginam contra o abuso do poder é a EDUCAÇÃO PÚBLICA:


pois, como diz ainda Quesnay, "o despotismo é impossível se a nação for esclarecida".


Já naquela época a EDUCAÇÃO PÚBLICA era fundamental.

No Brasil a educação Pública está desaparecendo, estimulando a subaprendizagem e o menor aproveitamento do potencial humano. é como se o Brasil atual estivesse abrindo mão do potencial produtivo e competitivo do Brasil.

Por medo de se transformar em um pais competitivo, entre tantas loucuras, o Brasil vai desqualificação a Educação e priorizando a Educação Privada, paga e de má qualidade... Conhecida no passado por: Papai pagou, filhinho passou.

Se a Revolução francesa foi em 1789 e o mundo não se acabou, nem mesmo a França se acabou, um dia o Brasil encontrará seu destino, seu futuro no presente, e o Brasil será uma grande nação.

Zuza Homem de Mello aos 85 anos bem vividos

Zuza, Fernanda Montenegro e Antônio Cândido simbolizam o Bom Brasil

Em tudo que fez, alterou a história e contribuiu para um Brasil melhor.

Zuza agora virou filme-documentário. Tenho quase todos seus livros contando histórias e estórias da música, a boa música...

Nesta fase da "terceira idade", Zuza declara: "Vivo o ano mais feliz da minha vida, um período maravilhoso de satisfação pessoal e de muitas realizações".

Leiam a íntegra do depoimento de Zuza ao Estadão de 5 de novembro, de autoria de Julio Maria:

Aos 85 anos, Zuza Homem de Mello
é tema de documentário

'Zuza Homem de Jazz', dirigido por Janaína Dalri, inverte o eixo dos 'docs exaltação' e faz o que o pesquisador fez por mais de 60 anos: ensina seu público a 'aprender a ouvir música'

Julio Maria, O Estado de S.Paulo
05 Novembro 2018 | 06h00

Zuza Homem de Mello chegou antes dos 25 anos à Juilliard School, no centro do mundo de Nova York naquela segunda metade dos anos 50, com a alma transbordando. Enfim, os pais entendiam que o curso de engenharia não passava de um acidente e que a música que o absorvia em madrugadas cada vez maiores, a razão de sua existência.

“Ok, percebemos que você tem trabalhado com música”, disseram depois que ele chegou em casa às 2h15 da manhã pela décima quinta vez. “Se é assim, prepare-se. Você vai estudar.” A excelência da Juilliard, em Manhattan, a mesma que formaria Itzhak Perlman, Nina Simone, Yo-Yo Ma e tantos outros, não deixava de ser assustadora. Zuza respirou fundo, sentou-se para a primeira aula e ouviu a frase que valeria pela vida.

“Bom dia. Aqui na Juilliard nós não vamos ensinar vocês a tocar, mas a ouvir. Bem vindos.”

Os mais de 60 anos seguintes na vida de Zuza está ligado a essa frase. Ensinar as pessoas a aprender a ouvir. Aprender das cantoras a ouvir a voz de fora e a de dentro; dos pianistas, os solos feitos e os imaginados; dos baixistas, o suingue e a humildade; dos bateristas, o som e o silêncio. E ouvindo o que se ouve e o que se sente, perceber que por trás da música existe ou não o único elemento que a torna legítima do samba ao jazz, dos terreiros aos salões, das vilas aos palácios: a verdade de quem a faz.

Depois de respirar do mesmo oxigênio de Duke Ellington, Thelonious Monk, John Coltrane e Billie Holliday, pessoas que viu atuar em clubes de Nova York, Zuza voltou ao Brasil inspirado a inspirar. Se tornou responsável pela captação do som e da alma dos programas musicais em um momento único da TV Record e um obstinado caçador de memórias próprias e de terceiros. Escreveu livros referencias como A Era dos Festivais

– Uma Parábola, de 2003; Eis Aqui os Bossa Nova, de 2008; Copacabana, de 2017; e, em dois volumes, A Canção no Tempo, com Jairo Severiano.
Seria então, quando comemora 85 anos, o momento de se deixar homenagear em um documentário exaltação? Colocar pessoas a desfilar comentários a seu respeito (o que essa matéria faz logo abaixo)? Narrar do bom berço em 1933 às homenagens por se tornar em 2018 membro da Academia Paulista de Letras? Alguns usariam partículas da mesma biografia para isso, mas com Zuza, consciente de onde o pesquisador, crítico musical e jornalista deve sempre estar, não funciona assim. Zuza Homem de Jazz, o que poderia ser um documentário biográfico legítimo, é mais um serviço que Zuza propõe deixar para, 60 anos depois da Juilliard, ensinar as pessoas a aprender a ouvir.

Concebido por sua mulher, Ercília Lobo, com direção de Janaína Dalri, coordenação de conteúdo do próprio Zuza e realização do Canal Curta!, o filme de 90 minutos inverte o eixo dos documentários exaltação e traz Zuza no instigante papel de ‘coadjuvante principal’ de uma vida de servidão. Sua melhor homenagem é mostrá-lo em ação. Ele entrevista Letieres Leite não para falar de suas virtudes, mas para discutir o receio dos brasileiros em dizer que fazem jazz e ouvir que “quando estiver triste, ouça Moacir Santos.”

Fala com o pianista André Mehmari para apontar as semelhanças entre Pixinguinha e o jazz americano e analisar os dois tipos de improviso: aqueles realmente criativos e outros tantos pseudo originais mas, na verdade, pré-fabricados. E ouve de Egberto Gismonti sobre a importância da formação cultural mais abrangente de um músico. Se ele não se abrir à literatura, às artes plásticas, ao cinema, ao teatro e aos amigos, fará sempre uma música menor do que poderia fazer. E isso mesmo quando for um artista consagrado.

Zuza vai aos Estados Unidos buscar seu passado. Encontra velhos amigos do jazz, como Bob Dorough, Gary Giddins, Steve Ross, Eric Comstock, Wynton Marsalis e Maria Schneider. Um final desses que a vida decide derrubando os planos do diretor torna tudo mais comovente. Depois de ter sua primeira exibição no Festival de Cinema do Rio, ontem (04), haverá uma sessão de lançamento em São Paulo no próximo dia 30, às 20h, no Instituto Itaú Cultural (Av. Paulista, 149).

Os 85 anos de Zuza não agem em suas células como costumam agir na compleição dos saudosistas. “Eu fui feliz e sabia”, ele diz, logo no início do filme. Sabia e sabe. Ao lado de Ercília, em um desses encontros de almas que o universo custa cem anos a deliberar, é um incansável frequentador de plateias de shows, cinemas e exposições.

Senta-se na plateia com o mesmo entusiasmo para ver Ney Matogrosso e Lívia Nestrovski. Seu livro Copacabana, lançado no final de 2017 sobre a era do samba-canção, rende até aqui quase um ano de palestras e cursos.

Uma série sobre Noel Rosa, O Tempo e a Música, foi exibida pelo canal Art 1 em fevereiro. Veio o reconhecimento da Academia Paulista de Letras e, agora, uma nova empreitada.

A partir do dia 7, a virtual Rádio Batuta, do Instituto Moreira Salles, passa a mostrar uma série de 50 programas sobre a obra de Duke Ellington. Zuza gravou um a um movido pela inegociável ideia de que forte é o ser que sabe ouvir.