sábado, 23 de dezembro de 2017

A Folha está ficando chata, além de neoliberal

Agora deu para bloquear artigos e matérias

E eu que sou assinante da Folha e da UOL há mais de 30 anos, não consigo ler estas matérias no computador.

Quando pedem para eu entrar e eu aperto o link, aparece um aviso de que os computadores não estão se entendendo... E, eu que sou assinante duplo, não consigo ler o que eu quero.

É uma chatice e assim a Folha vai perdendo leitores...


O jornal Valor também tem um sistema de cadastramento, mas sempre consigo ler o que eu quero. Basta identificar-me.
Se a Folha continuar assim, vou cancelar minha assinatura e ficar com o Valor.

Por exemplo, a reportagem sobre a entrevista coletiva de Lula, a publicação no Valor ficou bem melhor que a da Folha. Mas não foi surpresa, é que a Folha é mais partidarizada (PSDB) que o Valor (empresariado). E olhem que o Valor, que já foi metade da Folha e metade da Globo, agora é só da Globo.

O NYTimes é mais fácil de ser acessado e de assinar.


Por isto que eu venho defendendo a abertura do mercado da mídia e imprensa para as empresas estrangeiras.

Rádios, jornais e TVs podendo ser de alemães, ingleses, japoneses, chineses, franceses, espanhois, e até russos.

Se é capitalismo para todos os setores da economia, incluindo Hospitais e Faculdades, que se abram também o mercado da imprensa.


Prefiro ver os programas da BBC, do Canal 5 da França, o NHK do Japão, a ficar vendo programas evangélicos ou o noticiário ruim dos canais brasileiros.

Nem a TV Cultura se salva mais.
A Rádio Cultura está mais ou menos, mas a TV virou lixo neoliberal.
Hoje mesmo, por volta das 16:00h, liguei o rádio do carro na Radio Cultura e estava sendo apresentado um programa sobre a "musica negra" no tempo e no espaço. Muito bom. A Rádio Cultura, que faz 40 anos, continua mantendo qualidade.

Mas a Folha... Pelo menos, agora está incluindo os negros e as negras na pauta regular do jornal.

Acho que a Folha deveria aproveitar o espírito de Natal e mandar melhorar estes bloqueios chatos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário