sábado, 11 de novembro de 2017

A enganação da reforma trabalhista

Hoje o Brasil volta à 100 anos de atraso

A direita brasileira, liderada pelo PSDB e pelo empresariado paulista,
deu o maior golpe da história do Brasil.


Com a nova legislação trabalhista, o Brasil faz o que o governo e os empresários fizeram com a "libertação dos escravos". Mandam a imprensa comemorar a "modernidade", quando na verdade o Brasil está andando para trás e dificultando a distribuição de renda, a qualificação da parcela mais pobre do país e mantendo o Brasil na subordinação aos países ricos.

O PSDB sempre disse que prefere ser "economia complementar aos Estados Unidos" a ser uma economia com liberdade de disputar o mercado internacional. É o complexo de vira-lata.

Esta reforma trabalhista é a maior enganação que o Brasil já viu!


Agora, os patrões podem tudo e os empregados NÃO podem nada!
Dizer que terão "livre negociação" é pura má fé, porque as relações são desiguais. Ninguém pode dizer que um desempregado procurando emprego tem a mesma força para barganhar ou negociar que tem um banco ou uma multinacional.

No mundo, principalmente após a segunda guerra mundial, os governos criaram mecanismos para diminuir o poder de manipulação das empresas sobre os empregados. O Brasil agora faz o contrário, usa um golpe de Estado e um Congresso Nacional corrompido para acabar com a legislação do trabalho e, aos poucos, acabar com a Justiça do Trabalho.

E a imprensa patronal é tão manipuladora que escreve que a "contribuição sindical", também conhecida como "imposto sindical", por ser na verdade um imposto, é a mesma coisa que a "contribuição negociada" que as centrais estão negociando com os parlamentares e com o governo.

Todo mundo sabe que imposto, como o nome diz, que algo obrigatório e independe da vontade do contribuinte.

A negociação salarial que está sendo negociada é algo aprovado pelos trabalhadores em assembleias, para cobrir as despesas das campanhas salariais e a garantia da aplicação correta das convenções coletivas salariais. Portanto, é uma contrapartida aprovada para remunerar um serviço prestado. Qualquer advogado cobra para defender seus clientes e a OAB fiscaliza e defende os interesses dos advogados.

Se, quando os advogados defendem causas dos trabalhadores, porque os sindicatos que defendem os trabalhadores individual e coletivamente, não podem ser remunerados pelos serviços prestados?

Na verdade, o que a imprensa esconde, é que, além de se fazer uma lei trabalhista que só protege os patrões e facilita a exploração salarial, barateando a mão de obra, o governo, o Congresso Nacional, e os empresários também deram mais um golpe nos trabalhadores e na democracia, ao acabar com o imposto sindical sem garantir alternativas de sustentação da estrutura sindical nacional.

Deixamos de ter empregoS, daqui prá frente teremos BICOS!

Voltamos à barbárie da República Velha.

Precisamos de uma Nova Revolução de 30.

Nenhum comentário:

Postar um comentário