sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Novos países e nova economia

O mundo em transformação

De vez em quando o mundo passa por choques econômicos, políticos e sociais, tendo como resultado novas formas de estruturação da economia e da sociedade. Curiosamente as grandes mudanças aparecem mais no início dos séculos. Talvez em função das expectativas que mudar de século ou de milênio trás.

Em 1914,
a Europa começou uma guerrinha que transformou-se numa guerrona e teve como consequência o fim da hegemonia monaquista e a predominância de governos democráticos, presidencialistas ou parlamentaristas. Os Estados Unidos já se transformava no mais importante país do mundo.

Em 1917, com a Revolução Russa,
o mundo entrou em pânico e os países ocidentais se juntaram para impedir que a revolução se consolidasse e serviço de exemplo para os trabalhadores do mundo. Depois de muita guerra, a Rússia derrotou os invasores e seus aliados internos. Morreram mais de sete milhões de russos.

O mundo, sem ter derrotado a Rússia, apressou-se em ceder direitos aos trabalhadores. O capitalismo reconheceu que o mercado deveria contar também com os milhões de trabalhadores como mão de obra e como consumidores. A democracia avançou, as monarquias continuaram em decadência e o mundo passou por mais um período de tensão e medo. O mundo caminhava para sua pior fase. A segunda guerra mundial...

Chegamos em 1929.


A bolsa de Nova York entrou em colapso e levou a economia europeia a bancarrota. Com a crise econômica, os governos entraram em parafuso. Perderam a legitimidade. Ainda com medo do comunismo e em função da herança maldita da primeira guerra mundial, os países foram caminhando para o fascismo e para o nazismo. Os conservadores, com medo dos trabalhadores, aliaram-se direta e indiretamente aos nazistas. Mas os nazistas não queriam autonomia dos povos nem liberdade, os nazistas queriam construir o seu império, queria substituir a Inglaterra...

Mas o século XX já não era igual ao século XIX, a Inglaterra, mesmo em crise econômica, conseguiu liderar a resistência aos nazistas. A França blefou e passou vergonha. Já não era mais a França de Napoleão. Os conservadores e o mundo viram a destruição nazista matar milhões de pessoas e transformar outros milhões em trabalho-escravo. Era preciso derrotar os nazistas.

Chegamos em 1941.

Mais uma vez, o mundo constatou a força da Rússia. Mais uma vez um louco comando tropas e países, ousou invadir a Rússia, achando que a derrotaria em poucos dias. Foi aí que o nazismo começou a perder a guerra. Com a entrada pesada da Rússia, a resistência da Inglaterra e a entrada, mesmo que tardia dos Estados Unidos, os nazistas começaram a ser derrotados em todas as frentes de batalha.

Com o fima da guerra contra o nazismo, o mundo viu o comunismo apoderar-se de metade da Europa, a Rússia ser a segunda potência mundial e viu também os países serem reconstruídos e os povos espalharem-se pelos continentes. Finalmente, surgiu o Estado de Israel. Mas o mundo continuou tenso com a guerra-fria.

A economia mundial entrou em transformação profunda, modernizando-se e melhorando as condições de vida da população da Terra. Era a globalização em sua plenitude. Ninguém estava mais sozinho. Nenhum país poderia isolar-se.

Chegamos em 1980
e desta vez quem entrou em colapso foi a economia "comunista", implodindo o sistema soviético e deixando o mundo sob controle quase que absoluto dos Estados Unidos. Antes disto, com medo dos russos, chineses e americanos fizeram uma aliança que levou a China a transformar-se na principal economia do mundo no século XXI. O feitiço virou contra o feiticeiro. Os Estados Unidos, aos poucos, vai perdendo sua hegemonia...

Chegamos a novo milênio e novo início de século. Estamos em 2017...


2017. Um século da revolução russa.
2017. Os países do leste europeu agora são capitalistas e conservadores.
2017. Os povos que não tinham países conquistaram sua autonomia.
2017. Povos que ainda lutam por sua pátria começam a conquistá-la. Armênia, Moldávia, Bósnia...
2017. Os curdos fazem seu plebiscito e 93% dizem que querem sua Pátria!
2017. Barcelona lidera o plebiscito por autonomia da Espanha.

2017. O mundo nunca viu tanto consumo, bilhões de automóveis, aviões e aeroportos lotados, medicina que cura quase tudo, populações locomovendo-se em trens de alta velocidade. Os chineses são os novos turistas do mundo e os alemães finalmente conseguiram ser reconhecidos como o país mais importante da Europa.

E já estamos nos últimos meses de 2017...


Como serão os próximos anos???

Nenhum comentário:

Postar um comentário