sábado, 16 de setembro de 2017

Ainda temos Paris, Nova York, Roma, Istambul...

Apesar das tragédias

Ontem assistimos mais uma vez ao filme Casablanca.


Algo inesquecível, emocionante, um filme tão importante como "Os dez mandamentos", "Cidadão Kane", "Couraçado Poutenkin" e tantos outros filmes que marcaram a humanidade.

Pesquisando sobre o filme, vi que foi lançado em 1942, portanto, quando a segunda guerra mundial ainda não tinha acabado.

Um filma que fala da violência da guerra, mas que destaca a importância do sentimento, do amor, da solidariedade e dos caminhos da vida.

Não esmorecer, não abrir mão dos princípios, mesmo correndo risco de vida.

Quando olhamos para o mundo atual
, ficamos assustados com a degradação e a falta de perspectiva.

Quando olhamos para o BRASIL atual
, ficamos com vergonha do nosso país.
Em qualquer lugar as pessoas perguntam pelo Brasil glorioso e cheio de esperanças.

Os taxistas, os feirantes, os jovens, enfim, todo mundo acha que o Brasil foi tomado por ladrões, de gravata, de toga, de armas do Estado, de armas ilegais, enfim, a degeneração das instituições e das pessoas leva nosso Brasil a um impasse.

O Brasil não voltará a ser o que era...


com estes partidos,
nem com este judiciário,
nem com esta imprensa,
nem com estes "pastores",
nem com estes sindicalistas,
nem com estes estudantes,

muito menos com estes banqueiros,
e estes empresários.

Algo novo precisa ser feito,


cabendo ao Povo, na sua totalidade,
decidir o que quer do seu país.

Precisamos de Nova Constituinte,

simples, objetiva,
errou-pagou
repetiu-puniu mais duro,
acertou-valorizou

e assim todos ajudam a criar o Brasil de todos,
com todos e para todos.


Isto é DEMOCRACIA.

Fora isto:

ainda temos Paris, Nova York, Roma Istambul, Londres, Barcelona, Tel Aviv, Rio de Janeiro e todas as cidades profanas, cultas, que vivem 24 horas sem dormir e sem parar de cantar e sonhar.

O tempo passa,
e as Primaveras voltam.


As time goes by... com o sorriso lindo de Ingrid Bergman.

Nenhum comentário:

Postar um comentário