domingo, 13 de agosto de 2017

Brasil, México e Venezuela como parte da globalização

Golpes, ditaduras, guerras e Democracias

O mundo passa por profundas mudanças econômicas, políticas e sociais.

Materialmente a qualidade de vida quantitativamente tem melhorado para bilhões de pessoas. Que comprovem os chineses, indianos, iranianos, turcos e russos. Mas não podemos afirmar que a democracia e a liberdade fazem parte destas melhoras...

Na África, por mais que os africanos tenham acesso aos telefones celulares e a TV a cabo para assistir jogos do Barcelona e dos demais times europeus, a qualidade de vida e de sobrevivência dos africanos ainda é muito baixa e perigosa.

Aparentemente, o mesmo que está acontecendo na África também acontece no Oriente Médio. A diferença é que na África as tribos ainda ditam regras, onde os Estados Nacionais ainda são frágeis, enquanto no Oriente Médio, foram as invasões do Ocidente, lideradas pelos Estados Unidos, que desorganizaram os Estados Nacionais e generalizou o terrorismo de Estado e de organizações.

Enquanto a África e o Oriente Médio se desmanchavam, a América Latina parecia que flanava numa Primavera Latino-Americana, com eleições diretas, as esquerdas aceitando as regras das democracias liberais e governando mantendo os pilares neoliberais de controle da inflação, controle do câmbio, economia de mercado e, até muitos delas, fazendo privatizações e arrocho salarial...

Esta Primavera Latino-Americano,
com o fortalecimento do Mercosul em detrimento da ALCA - Associação de Livre Comércio da Centro-América, controlada pelos Estados Unidos, e o fortalecimento dos BRICS - bloco do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, tudo isso combinado com a inclusão de milhões de pessoas no mundo escolar, de consumo e do conhecimento internacional, assustou o Big Brother, que começou reagindo educadamente e depois passou a patrocinar nova leva de golpes, ditaduras e agora ameaça com guerras diretas, aplicando o famoso e histórico Big Stick - o Porrete Democrático.

Curiosamente, além dos golpes e ameças militares,
também voltam a usar pesquisas de mercado, consulta a "especialistas" e reportagens com a "imprensa livre" para condenar governos e candidatos que não sigam a cartilha neoliberal e as ordens do Big Brother.

Democracia de Conveniência


O Estadão de hoje,
jornal que virou porta-voz da direita radical e neoliberal brasileira, destaca em letras grandes que "94% dos eleitores não se veem representados por políticos". Na página A4, a manchete é "Classe política enfrenta rejeição generalizada".

Só faltou mandar fechar o Congresso Nacional, fechar os Partidos Políticos e governar por decretos, como já aconteceu no pós Golpe Militar de 1964...

Tudo isso na mesma semana que Trump, o louco líder do Big Brother, ameaçou invadir militarmente a Venezuela.


Já o sério jornal New York Times,

talvez sem perceber a rapidez ação dos golpistas liderados pelo "mercado financeiro internacional" e pelo Big Brother, publicou no último dia 11 de agosto de 2017, uma interessante reportagem sobre o MÉXICO, com o título:

"Mexican Democracy is looking a Little Bit Fragile",

que em tradução simples pode ser
"A democracia mexicana está parecendo um pouco fraca."

Neste artigos dos articulistas Max Fisher e Amanda Taub há frases como:


- O país está atravessando a mais violenta crise em anos e estamos aqui para analisar a forma como a sociedade está respondendo. Há algo significativo acontecendo na política que é difícil de ignorar.

- A democracia mexicana está mostrando todos os sinais de aviso para um populista ganhar... Estes sinais são semelhantes aos sinais de alerta que você viu, por exemplo, na VENEZUELA, apenas antes de Hugo Chavez ganhar o poder.

- A desconfiança nas instituições está crescendo. Assim como a indignação contra a corrupção.

- As pesquisas mostram crescente insatisfação com a democracia mexicana. Os mexicanos sentem que a sua democracia se vira contra eles.

- Esta indignação muitas vezes incide mais sobre a corrupção do que sobre a violência.

- Em tais situações, um populista outsider pode surfar na onde de poder, prometendo limpar o sistema corrupto de cima até em baixo.

- Há uma diferença importante entre as dolorosas mas pragmáticas reformas - que o México necessita - e declarar a guerra contra as instituições que defendem a democracia.

"And History shows that the former can guickly give way to the latter."

- Os analistas e cientistas políticos estão preocupados pela mensagem de o candidato populista, Sr. Lopez Obrador, que o sistema é ilegítimo. Os primeiros indícios de desconfiança na democracia, num momento em que a fé nas instituiões está já em colalpso e está a desabar, podem ser perigosos..."

- As Instituições mexicanas têm problemas reais... E se o Sr. Lopez disputar a eleição e perder a votação, ele pode convencer o seu movimento que a democracia é falsa, isto pode causar danos reais.

- Legitimidade democrática, afinal, é uma questão de percepção tanto como de procedimento. e quando os eleitores percebem que o seu governo é ILEGÍTIMO, a instabilidade tende a seguir...

- O perigo aqui não é o Sr. Lopez perder honradamente ou ganhar e governar com responsabilidade, o perigo é que a democracia mexicana seja vulnerável. Seja frágil e débil exatamente nas formas que permitam um populista vir com promessa de esmagar as elites corruptas. Isto pode acontecer tanto com um candidato populista como com outro qualquer que venha para explorar as fragilidades da democracia mexicana.


Observação:


Agora vocês percebem que a imprensa golpista brasileira faz parte da mesma rede internacional?

Não acho que o jornal NYTimes seja golpista e cínico como é a imprensa brasileira, mas que eles precisam prestar mais cuidado com que escrevem, isto eles precisam...

Hitler foi eleito pelo povo alemão para botar ordem no caos.

E o caos criado por ele quase acabou com o planeta Terra, além de ter servido para redesenhar o mundo, depois de mais de 60 milhões de mortos, feridos, exilados e dispersos pelos continentes.

Isto os especialistas da época não previram e não foram capazes de evitar...






Nenhum comentário:

Postar um comentário