segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Mensagem ao amigo Boulos

Imprensa golpista não é democrática

Pela segunda vez a Folha publica algo envolvendo Guilherme Bolos,
e este precisa soltar Nota de Esclarecimento,
por se sentir prejudicado pelo jornal.

Sou leitor da Folha desde os anos 70.
Neste período podemos identificar três fases distintas do jornal.


Nos anos 70, o jornal apoiava a ditadura militar, cedia infra-estrutura e, principalmente, tinha a Folha da Tarde como porta-voz dos órgãos de repressão. Noticiava sobre assassinados e prisões realizados pela Operação Bandeirantes, pelo DEOPS e pelas Forças Armadas, incluindo a Polícia Federal. Tudo isto em nome da guerra-fria, da luta do capitalismo contra o comunismo, etc...

No final dos anos 70 e na década de 80, a Folha resolveu investir na Redemocratização do Brasil, transformando-se no principal jornal brasileiro e no líder da Campanha das Diretas. Deixou de ser um jornal paulista e provinciano para ser um jornal nacional, com referência internacional e a contratar ótimos jornalistas. Parecia que a Família Frias tinha se libertado da visão autoritária das ditaduras.

Parecia que tinham feito a opção pela Democracia e as disputas onde o Povo seria o árbitro. O jornal ajudou a criar o seu partido - o PSDB - e investiu tudo no crescimento e consolidação de interlocutores como parte do projeto nacional. Isto é, o Brasil deveria ser um país capitalista, alinhado e subordinado aos interesses americanos. A Folha, como os tucanos,não acredita que o Brasil possa ter um projeto próprio e ser um país soberano.

Mas no meio do caminho tinha uma pedra...

tinha um sapo barbudo.

Quando tudo sorria para os interesses da Folha, quando a Folha elegeu "um príncipe" e ampliou seu parque gráfico e seu projeto de poder, depois de tanto sucesso neoliberal com os tucanos, eis que LULA foi eleito presidente do Brasil.

A imprensa e o mercado acharam que Lula tinha duas opções: Ou seguia a cartilha neoliberal, como fez Pallocci na Fazenda, ou seria um verdadeiro fracasso, facilitando a volta dos neoliberais tucanos ao governo.

Acontece que Lula foi um sucesso!


Quando talvez nem Lula achasse que daria tão certo, eis que a China com suas importações bilionárias, puxou a economia para cima, Lula distribuiu renda, abriu escolas, universidades, gerou milhões de empregos e até trouxe a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Mesmo na crise de 2008, Lula errou ao chamá-la de marolinha, mas acabou acertando quando pediu para os brasileiros consumirem mais, gerando emprego e usando os bancos públicos para emprestar dinheiro e estimular a produção. Keynes baixou em Lula e o Brasil superou a crise.

Onde Lula errou, facilitando as coisas para os neoliberais?


Lula e o PT erraram quando insistiram em manter a candidatura de Dilma para o segundo mandato. Dilma, além de não ser o Lula, começou a querer enfrentar o sistema financeiro e a enfrentar políticos conservadores. Tudo isto somado a uma personalidade autoritária e inadequada para a política de coalização com os políticos fisiológicos.

A porta estava aberta para derrotar Dilma e o PT eleitoralmente.
Mas Dilma ainda tinha Lula e seu legado como principal cabo eleitoral. Aécio e sua quadrilha ainda tentou forçar as forças ocultas para virar as pesquisas e criar condições para derrotar Dilma. Mas o Nordeste deu um banho de votos e Dilma ganhou por pouco, mas ganhou com mais de 54 milhões de votos.

Que fazer?


Esperar mais quatro anos ou derrubar o governo da primeira mulher eleita presidente do Brasil?
A imprensa, liderada pela Folha, optou derrubar o governo. Aliou-se com os empresários, mandou Gilmar Mendes articular o judiciário e buscou apoiou operacional dos Estados Unidos. Lembram da frase de Obama: "Este é o cara!"? Depois do episódio do Irã, o governo Obama virou as costas contra Lula e Dilma. O golpe foi questão de tempo...

Derrubado o governo e instituído o novo centro de poder neoliberal e vassalo dos Estados Unidos, os novos ditadores agora precisam LEGITIMAR SEU PODER. Para isto é preciso fazer uma reforma política onde as novas regras sejam feitas para impedir a volta de Lula e do PT. É o jogo das cartas marcadas, como foi feito no Governo Geisel.

Para impedir a volta de Lula, além do uso abusivo do judiciário e da imprensa, é preciso apoiar projetos de centro-esquerda que possam tirar votos do PT. Para isso, vale fazer parcerias formais e informais com intelectuais, lideranças populares e sindicais, estimulando-os a criarem novos partidos, novas candidaturas e novos sonhos... Marina é o melhor exemplo disto.

Em São Paulo, o melhor nome surgido até agora é Guilherme Boulos.

Mais conhecido como Boulos. A Folha tem procurado dar espaço no jornal promovendo a divulgação de suas ideias e de seu movimento. Acontece que a Folha toda vez "força a mão", criando um constrangimento para Boulos e obrigando-o a emitir Nota de Esclarecimento. Hoje, ironicamente, ao sentar em frente do computador para escrever um texto para o blog elogiando a entrevista de Danilo Miranda, diretor geral do SESC-SP, publicada no caderno Ilustrada da Folha, recebi a mensagem de Boulos falando da sua nova nota para a Folha.

Eu acredito em Boulos.

Confio nele e o conheço há anos. Temos trabalhado juntos e sei que ele não é agente duplo nem está à serviço da Folha. Minha preocupação é que a Folha resolva declarar guerra a Boulos por considera-lo rebelde ou inconveniente.

Tenho certeza que Boulos não se dobrará à Folha.


Boulos lidera um movimento chamado "Povo Sem Medo",
que é muito bem organizado e militante. No entanto, para que o Povo brasileiro crie coragem para enfrentar esta nova ditadura que tomou conta do Brasil, é preciso muito mais do que "Perder o Medo", é preciso entender o que está acontecendo, é preciso criar uma Frente Ampla em Defesa do Brasil, em defesa do emprego, do salário, da economia nacional e da nossa Soberania.

Lula ainda é a maior liderança popular do Brasil! Lula ainda representa a Esperança de o Brasil voltar a ser respeitado internacionalmente. Lula ainda simboliza o melhor presidente que o Brasil já teve. O povo sabe disto. Os golpistas sabem disto, por isto que eles querem inviabilizar a candidatura de Lula de qualquer jeito.

Bolos é uma nova liderança, que, somada com líderes como Lula, podem agilizar a nossa vitória.

Com Boulos e com Lula podemos afirmar:


SEM MEDO DE SER FELIZ! - Lula lá!




Um comentário:

  1. Muito lucidez e competência neste texto amigo e grande dirigente Gilmar Carneiro. Seu texto ajuda a manter as chamas da esperança acesas. A criação de uma frente ampla de esquerda e com um bom programa de Governo e com LULA nesta liderança vamos ganhar estas próximas eleições. Avelino Ganzer

    ResponderExcluir