quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Há um ano o Brasil vendeu sua soberania

Mercenários, entreguistas, enganados:
Todos contra Lula, Dilma e o PT


Nosso colega Andrezinho, sindicalista que está morando em Montevideo, gosta de contar quantos dias já se passaram do golpe do impeachment.

Como hoje é um dia simbólico, 17/08/17, em fiquei pensando se não seria o aniversário do golpe no Brasil e do início da Nova Ditadura brasileira. Depois fiquei sabendo que o aniversário será no próximo dia 31 de agosto, bem no encerramento do Congresso Extraordinário da CUT, que começa no dia 28.

Neste Congresso estarão participando quase 700 delegados nacionais e mais de 70 delegados internacionais. O tem central do congresso é a resistência contra o golpe, a nova ditadura, a reforma trabalhista, a reforma da previdência, o desemprego, o arrocho salarial, o congelamento dos salários, o fim da políticas públicas e as perspectivas para as eleições gerais do ano que vem.

Em apenas um ano
, os golpistas e ditadores fizeram o Brasil retroceder 100 anos. Voltamos a antes de 1930, data da Revolução Tenentista contra os governos da República Velha, corrupta, reacionária, sem perspectiva econômica e social. A partir de Getúlio Vargas o Brasil entrou na era da modernidade industrial e de infraestrutura. Com o fim da segunda guerra mundial o Brasil mudou de patamar...

O Brasil foi melhorando, os pobres, principalmente a população rural foi melhorando de qualidade de vida e isto levou a muita reação dos empresários da época. O resultado foi o golpe militar de 1964. As Reformas de Base foram substituídas pela Reforma Bancária, a industrialização intensiva e a integração nacional militarizada e via TV e rádio, buscando garantir o território nacional e que a esquerda não crescesse no Brasil. Mesmo sem liberdade, o Brasil cresceu economicamente e desenvolveu sua infraestrutura. A ditadura acabou com a democracia e com a liberdade.

Com a crise econômica nos anos 70 e 80
, veio também a liberdade de organização partidária e sindical. O Brasil nunca teve tanta liberdade e tanta democracia como teve a partir de 1985. Era a Primavera Brasileira. Dois fatos marcaram bem esta época: a eleição pela primeira vez de um operário para presidente e a eleição pela primeira vez de uma mulher para presidente. Mais de 40 milhões de brasileiros saíram da pobreza e todos melhoraram de vida no Brasil.

Mas "Narciso acha feio o quê não é espelho"
e a elite paulista, liderada pelo PSDB e pelos Estados Unidos, morrendo de inveja decidiram acabar com a Democracia no Brasil, derrubar um governo eleito e nomear como governo uma quadrilha de corruptos e mercenários.

Enganados pela imprensa, pelo judiciário e pela manipulação mercenária dos parlamentares, tiraram a presidente e nomearam seu vice como novo ditador com a função de vender tudo que fosse possível, privatizando toda a infraestrutura e vendendo as empresas nacionais a empresas internacionais, tudo isso à preço de banana.

Destruíram os direitos dos trabalhadores, querem acabar com a aposentadoria e estão reduzindo a estrutura do Estado a quase nada.

Em apenas um ano destruíram mais do que os 500 anos de nossa história. São mercenários, predadores e entreguistas. E querem fazer uma reforma política para impedir que os partidos vinculados aos trabalhadores voltem a ganhar eleições.

Com o desemprego levando o povo ao desespero a mobilização contra o governo reflui mas não acaba e vai voltar a crescer a partir dos locais de trabalho e das comunidades.

Os chineses costumam perguntar:

O que é um ano perto de 8 mil anos de história chinesa?

Nós afirmamos:
O que é um ano perto 100 anos de luta de classe?

Venceremos!
Pode durar várias Primaveras, mas Venceremos!



Nenhum comentário:

Postar um comentário