quinta-feira, 31 de agosto de 2017

A festa dos Jasmins

Beleza e Perfume durante todo o dia

Um mar de flores perfumadas. As fotos são de ontem. Dia 30 de agosto.




Um ano do golpe, uma nova ditadura

A ditadura envergonhada

Hoje a imprensa deveria estar falando sobre o fato de completar um ano do golpe do impeachment em 31 de agosto de 2016. No entanto, não vi nenhuma referência na Folha, não vi nada no Estadão e não vi na olhada que dei no jornal Valor.

Será que os golpistas estão envergonhados?


Com certeza, uma parcela sim. A parcela dos que foram para as ruas, estimulados pela imprensa e pelo judiciário;

Os verdadeiros golpistas, que sabiam o que estavam fazendo, como a imprensa, os políticos e o judiciário, estes só comemoram o golpe nos salões fechados, regados à champanhe, muita bebida e muito pó...

Já o povo em geral, sofre.


Sofre o desemprego,
sofre o arrocho salarial,
sofre o fim das políticas públicas,
sofre o corte de verbas nas escolas e nos hospitais,
sofre a venda das estatais a preço de bananas,
sofre ao ver tanta corrupção,
sofre ao ver a destruição da Petrobras,
sofre ao ver a destruição da Amazônia,
sofre ao ver o fim dos programas de inclusão social,

sofre ao ver a venda da Soberania Nacional.


Um golpe de Estado, geralmente é visto como uma medida emergencial tomada para superar um impasse ou uma emergência pontual, para, logo em seguida ser restabelecida a normalidade democrática. Os golpes de Estado acontecem desde o pós segunda guerra mundial, como forma de alinhamento e subordinação, fosse imposto pelos Estados Unidos ou estimulados pela União Soviética. Estes golpes sempre eram seguidos por regimes ditatoriais com o fim das liberdades democráticas e do Estado de Direito.

Com o fim da União Soviética, os russos perderam o poder de estimular golpes de Estado, mas os Estados Unidos, como o único grande império superpoderoso, achou-se com direito a poder derrubar governos, eleitos ou não, tanto no Oriente Médio, como na Europa, na África e, principalmente, na América Latina, considerada seu quintal... A China, embora poderosa em todos os sentidos, fez acordo com os Estados Unidos para não se meter na política internacional. A China só faz negócios, tornando-se o centro industrial produtivo do mundo.

Assim, depois de várias vitórias de partidos de centro-esquerda na América Latina, os Estados Unidos partiram para a intervenção aberta e camuflada, estimulando as direitas subservientes a derrubar os governos locais, pelo voto, por golpes civis ou, se necessário, por golpes militares.

No caso do Brasil, o PSDB, a imprensa e o judiciário, cooptaram ou compraram os parlamentares dos demais partidos conservadores e, além de dar o golpe do impeachment, agora, além de reformas constitucionais, estão mudando tudo que for necessário para acabar com o Estado de bem estar social e implantarem uma ditadura de classe, uma ditadura neoliberal onde o povo sirva apenas como consumidores e mão de obra barata. Por eles, o Brasil será governado pelos ricos, pelo mercado e pelo judiciário servil aos novos governantes.

Por enquanto, vivemos sob uma nova ditadura.


Enquanto o golpe de 31 de março de 1964 só consolidou-se como ditadura em 1968 com o AI-5,
o novo golpe de 31 de agosto de 1916, ainda não se consolidou como ditadura, mas tentam fazer seu AI-5, através de reformas constitucionais terríveis e pretendem garantir sua permanência através de uma Reforma Política de cartas marcadas, como fez o general Geisel com seu Pacote de Abril e como os subservientes aos Estados Unidos fizeram com Getúlio Vargas, impedindo-o que governasse.

Lula sempre defendeu o povo brasileiro e as regras democráticas.

Como os golpistas e novos ditadores não têm o apoio do povo e não são democráticos, eles usarão tudo que for necessário para impedir que Lula seja eleito presidente da república.

Só falta combinar com o povo.

Como dizia nosso saudoso Mané Garricha.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Democracia instável e ameaçada

Vejam três notícias interessantes

1 - Cristina Kirchner ganha do candidato de Macri
na disputa para vaga no senado.


Depois de duas semanas de apuração, a Justiça Eleitoral argentina concluiu a contagem de votos nas eleições primárias para o Senado na província de Buenos Aires.

Cristina Kirchner ganhou de Esteban Bullrich, candidato neoliberal apoiado por Macri. Este ganhou as eleições prometendo o céu e a terra e na verdade está sendo uma decepção.

O povo vota num dia a favor e no outro dia vota contra. Esta é a importância da democracia. O povo não perdoa, cobra. (Esta notícia está no Estadão de hoje).


2 - MAIORIA DOS FRANCESES NÃO CONFIA EM MACRON

A maioria dos eleitores franceses (54%) não acredita que o presidente Emmanuel Macron levará o país na direção certa, mostrou pesquisa do Instituto Harris Interactive divulgada ontem.

A queda contínua no apoio à agenda de reformas de Macron coincide com o momento em que o líder de 39 anos se prepara para anunciar reformas cruciais o mercado de trabalho.

A queda acentuada faz dele o presidente francês mais impopular em décadas ao completar seus primeiros 100 dias no cargo. (Notícia do Estadão de hoje).


3 - Algo misterioso aconteceu esta noite nos Estados Unidos...


Alguém nos Estados Unidos, ou algo mais poderoso que "alguém", acessou este blog 3388 vezes apenas numa noite. Isto é, este blog foi acessado por algo nos Estados Unidos três mil, trezentos e oitenta e oito vezes numa única noite.

Não sei se fico alegre ou fico triste.


Ou estou sendo prestigiado ou
estou sendo vigiado pelo Big Brother...

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Desemprego aumenta o sofrimento

Famílias inteiras desempregadas

No segundo trimestre deste ano, o Brasil tinha 15,2 milhões de famílias onde ninguém trabalhava. Famílias aqui que moram sozinhas. Cada família uma casa. Não são ""LARES" como deu manchete o jornal Valor.

ISTO É TEMER.

perverso, destruidor de um governo legítimo que gerou pleno emprego, distribuição de renda e inclusão social.

Agora é só notícia ruim.

A população sem trabalho superaria 60 milhões...
Esse número,porem, não pode ser confundido com o de desempregados no Brasil. Que são 13,5 milhões segundo o IBGE.

A crise colocou muitos chefes de família, cônjuge e filhos fora do mercado de trabalho.

A crise foi mais cruel para as famílias mais pobres.

Quando o chefe da família tinha o ensino fundamental incompleto, a proporção era de 32%, cinco pontos percentuais maior que em 2014.

Palavras do Valor.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

28 de agosto: aniversário da CUT

Central realiza Plenária com caráter de Congresso extraordinário

Vejam a saudação de abertura do presidente Vagner Freitas

Lutar e Resistir é a nossa marca.


Hoje, comemoramos 34 anos de fundação da CUT, o maior instrumento de luta que a classe trabalhadora construiu ao longo desses anos de redemocratização do Brasil.

E é com a mesma disposição dos nossos companheiros e companheiras que fundaram a CUT em 1983 de lutar de forma intransigente pelos direitos da classe trabalhadora, que abrimos esse Congresso Extraordinário e Exclusivo dispostos a lutar incansavelmente contra o retrocesso e o golpismo que vêm destruindo a nossa democracia e atacando os nossos direitos.

Não queremos apenas resgatar as lutas históricas, como a primeira greve geral do Brasil realizada em 1917, há cem anos, nem a greve geral de 28 de abril deste ano, a maior da história.

Neste Congresso, vamos deliberar estratégias de enfrentamento para esse novo momento que estamos vivendo.

Ninguém aqui tem a menor dúvida de que o Brasil vive um estado de exceção.

NINGUÉM AQUI TEM DÚVIDA DE QUE A GRANDE MÍDIA E
PARTE DO JUDICIÁRIO CONSPIRAM, CONTRA A DEMOCRACIA.


E QUE, JUNTOS COM OS EMPRESÁRIOS, PARLAMENTARES CONSERVADORES E O GOLPISTA E ILEGÍTIMO TEMER TRAMAM O DESMONTE DAS INSTITUIÇÕES.

Os golpistas neoliberais querem a qualquer custo implantar o Estado mínimo, indiferentes ao aumento da desigualdade e da pobreza. Essa é a natureza do capital: garantir e aumentar a riqueza dos ricos, mesmo que seja à custa do aumento da fome, da miséria, do desemprego

As conquistas das gestões do PT, como os programas de proteção social, fortalecimento da agricultura familiar; e proteção ao meio ambiente e ao trabalho estão sendo destruídas pelo ilegítimo Temer, que está pagando a conta do golpe para os empresários, capitaneados pela CNI.

É isso mesmo. Ninguém aqui tem dúvida de que os empresários apoiaram o golpe em troca da aprovação de suas propostas que retiram os direitos da classe trabalhadora.

Após mais de 100 anos de lutas, resistência, mobilização e pressão organizada da classe trabalhadora, conseguimos viabilizar, a partir de 2003, com a eleição de Lula, um projeto democrático e popular antagônico ao da elite que impôs a miséria e excluiu os negros, as mulheres, os índios e as minorias.

Em 13 anos, os governos do PT fizeram mais pelo povo brasileiro do que nos 500 anos de governos entreguistas e mercenários.

Para nós, o que resolve conflitos é a democracia participativa, com redistribuição da renda, inclusão, justiça e igualdade social.
E isso ficou comprovado nos governos de Lula e Dilma, quando, com essas políticas, tivemos geração de emprego e crescimento econômico com justiça e inclusão social.

O golpe está atacando todas essas conquistas. Não há mais dúvida de que o golpe sempre foi contra os brasileiros, contra a classe trabalhadora e contra a soberania nacional

Dia após dia, vemos e sentimos o golpe nas ações e medidas que o governo ilegítimo adota.

A disputa deles é pelos principais ativos nacionais - pré-sal, água, energia, minerais, alimentos e a terra – que Temer quer entregar a preço de banana para grandes corporações e grupos financeiros nacionais e internacionais.

ESSE É O REAL OBJETIVO DO GOLPE.


Se o capital não respeita a democracia, à classe trabalhadora resta rearticular um amplo movimento de unidade da esquerda no plano internacional e nacional que combine as lutas contra o neoliberalismo, manutenção e ampliação dos direitos, distribuição de riqueza e justiça social, com aquelas por reconhecimento de raça, geracional, orientação sexual, identidade de gênero e cultural.

Esse combate precisa ser feito com ampla mobilização da militância e participação de toda a sociedade brasileira.

É importante lembrar sempre que, com as lutas dos sindicatos, da CUT, das organizações da sociedade civil e dos movimentos sociais, que souberam combinar as reivindicações econômicas e específicas conseguimos mostrar que é possível fortalecer a democracia e melhorar a qualidade de vida da classe trabalhadora e da população mais pobre do Brasil.

É POR ISSO QUE A DIREITA DEU O GOLPE.


NA REGRA DEMOCRÁTICA, OS TRABALHADORES CONQUISTAM MAIS.

Nesse Congresso Extraordinário da CUT, precisamos definir algumas diretrizes de ações contundentes e assumidas por todos nós, homens e mulheres, que sonham e lutam por um mundo melhor.


Temos de sair daqui conscientes de que é necessário:


- fazer uma profunda rediscussão da concepção e da prática sindical;

- de novas formas de organização;

- da importância dos sindicatos, federações, confederações e das CUTs dialogarem para além das nossas bases;

- dialogar também com aqueles que são usuários dos serviços prestados por nossos trabalhadores, como os pais dos alunos da rede pública de Educação e de outros serviços públicos, além de conhecer em profundidade quem são e o que pensam as novas categorias de trabalhadores/as, seus sonhos, seus anseios.


O momento exige de nós a maior unidade possível. Impõe construirmos uma agenda comum, capaz de enfrentar essa situação, a exemplo do que vem sendo construído nas frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e no âmbito da Jornada Continental por Democracia e Contra o Neoliberalismo.


UM OUTRO BRASIL É POSSÍVEL. LULA MOSTROU ISSO.


E temos de ser agentes diretos da transformação.

Junto com o povo vamos retomar aquele Brasil com desenvolvimento sustentável, crescimento com distribuição de renda, igualdade, inclusão, justiça social e emprego decente.

Lutar e resistir é a nossa marca. E, juntos, somos muito fortes.


Viva a CUT!!!!!



domingo, 27 de agosto de 2017

A crise da Esquerda é profunda e da Direita é que ela desistiu da Democracia

Sem Democracia, qual será o futuro da humanidade?

Peguei o Estadão e a Folha para ler. Curiosamente, os melhores artigos estavam nos cadernos culturais. a Folha tinha três páginas sobre as músicas de Chico Buarque, enquanto que o Estadão tinha toda a capa do caderno Aliás sobre Borges. Optei por ler os artigos sobre dois livros sobre Borges, mas antes folheei o caderno para ver as outras matérias.

Na página 3 achei dois artigos sobre temas que me mobilizam muito. O primeiro sobre a Guerra Civil americana, fato mais importante ocorrido no final do século 18 junto com a Revolução Francesa. Estas duas revoluções mudaram a história da humanidade. O segundo artigo é:

"O Futuro da Democracia em Debate".

O maior tema da atualidade.

Em artigo assinado por Vitor Marques, ele entrevista o professor José Arthur Giannotti. Como todos sabem, Giannotti é amigo de Fernando Henrique e teórico do PSDB. Mas sempre foi um bom professor e bom debatedor. Gosto de ler suas entrevistas...

O curioso desta entrevista é que, em nenhum momento, o professor não aborda o fato de o PSDB ser um dos líderes do golpe e das reformas que estão destruindo o Estado do Bem Estar Social e implantando o neoliberalismo radical no Brasil. Ele fala do governo Temer como se fosse um governo legítimo e eleito pelo povo para fazer o que está fazendo. Não fala de Aécio Neves e suas falcatruas que sujaram a imagem do PSDB, etc.

Giannotti diz que há uma crise de representação e depois ela se transforma em uma CRISE DE ESTADO. Também concordo que haja uma profunda crise em relação ao papel dos partidos políticos e seu monopólio do Poder Legislativo. Considero este sistema superado no Brasil e no mundo.

Giannotti repete que "a grande vantagem do governo Temer é que a oposição está em crise. a crise da esquerda é profunda."

Diz também que "a candidatura Lula atrapalha a esquerda (????). Porque impede a esquerda de tomar consciência de suas tarefas atuais de enfrentar o capitalismo tal como ele é não tal como ele foi pensado no século 19. Não adianta nada ter um racha no PT e ter o PSOL, porque aí você tem esquerdistas falantes e mais nada."

"O que importa é como vão funcionar os partidos e como os partidos vão encontrar suas identidades."

Insiste:
"Enquanto não tivermos uma esquerda renovada, não teremos uma direita renovada."


Será que, para ele, esquerda renovada só existe se Lula for impedido de candidatar-se?

Inocentemente Giannotti afirma que: "A Lava Jato nasceu de um pequeno processo de denúncia e de repente a denúncia se mostrou contra os maiores próceres do Estado brasileiro."

Há um silêncio mortal sobre o golpe e sua busca de legitimar-se como nova hegemonia neoliberal e sem abrir espaço para repetir experiência como os governos de Lula e do PT. Experiência que abriram espaços para ampla participação popular, melhorar a qualidade de vida de mais de 40 milhões de brasileiros e que dificultava que o PSDB ganhasse eleições presidenciais.

Realmente há uma crise na Esquerda.
Desde uma crise ética como também uma crise de concepção e prática política.
Mas, nem Lula nem o PT NUNCA pensaram em acabar com a Democracia no Brasil.
Fato que o PSDB e seus aliados abriram mão da democracia e
praticaram um golpe de Estado e estão buscando criar
a ditadura da meritocracia neoliberal e o povo que se vire...

A direita,composto pelo Mercado, pela Imprensa, pelo Judiciário, pelos Evangélicos e pelos partidos conservadores, desistiu da Democracia em nome de preservar sua hegemonia neoliberal e mercenária. Isto aconteceu no Egito, no Brasil, poderá acontecer no México, sem contar os países europeus oriundos do bloco soviéticos.

Estas crises de representação, afinal, são tão velhas quanto a história da humanidade. Na história de Ben Hur, os ricos já aparecem fazendo jogo sujo na hora da corrida e os pobres aparecem praticando a democracia direta na escolha entre Jesus e Barrabás... Mas,a História mostra a evolução da democracia e a participação dos pobres no processo de escolha de seus representantes.

A insistência dos neliberais em constituírem governos antidemocráticos, como fizeram no Egito e no Brasil, tenderá a levar os países a confrontos de massa e também armados, como aconteceu na Ucrânia, está acontecendo na Venezuela e agita-se na Argentina. No Egito os militares tomaram o poder com o apoio dos países ocidentais. Na Ucrânia a oposição armada tomou o poder também com amplo apoio ocidental.

No Brasil, os militares ainda estão nos quarteis. Giannotti comemora que ainda não tenha havido uma intervenção militar. Mas esta ainda não foi necessária porque o lado que o professor apoia está vencendo o jogo e fazendo as reformas neoliberais, sem o povo. Nem sempre os militares ficarão a favor dos empresários e contra o povo.

Sem Democracia, voltaremos à Guerra Fria. Ou à Guerra Convencional.
Sem Povo não tem Democracia.
E, é preferível os ricos aceitarem conviver com os pobres, democraticamente, do que correr o risco de quando os pobres ganharem a guerra, acabarem com os ricos violentamente.

Ainda não descobriram nenhum modelo de governo melhor do que a Democracia com garantia constitucionais e Estado de Direitos definidos diretamente pelo Povo.

O jornal Estadão também apoiou o golpe e vem apoiando esta nova ditadura civil e mercenária. Mas não consegue acabar com a liberdade de informação e de organização do povo brasileiro. Afinal, a imprensa, as universidades, o judiciário e as organizações sociais, todas elas precisam das garantias constitucionais para praticarem a Democracia e a Liberdade.

Para isto tivemos a Guerra da Independência Americana e a Revolução Francesa. Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Com governos com o Povo, para o Povo e do Povo. Isto é Democracia!

Mais flores do jasmim

Vejam o jasmim cheio de flores. Mesmo antes do sol...





Está foto sem o sol foi tirada às 7:58h.

sábado, 26 de agosto de 2017

Depois do golpe, a busca da consolidação do poder

Centrão e PMDB não sobrevivem sem o PSDB

Quem liderou o golpe não foi o PMDB, muito menos o Centrão fisiológico e cheio de evangélicos.
Quem bancou, liderou, organizou, planejou e deu a roupagem de necessidade econômica e política foi o PSDB.

Nesta semana, presenciamos uma briga por baixo do pano, entre os líderes do PMDB e parte do PSDB. O pessoal tucano mais ligado a Aécio joga pela direita explícita. O pessoal mais ligado ao senador do Ceará e a FHC buscam manter as aparências do partido. Não querem passar a imagem de donos desta tragédia chamada governo Temer.

Como negócio, o golpe foi um grande lance para o mercado, para os neoliberais e para os entreguistas. Como política, o golpe está se mostrando uma tragédia. Impopular, explicitamente operado por corruptos e inescrupulosos, nem o judiciário consegue agir com lisura e com a força da lei.

O único setor golpista que ainda consegue manter as aparências é a imprensa. Mesmo assim, muito mais pela ação da Rede Globo do que pela Folha e os outros veículos. A Folha continua com a imagem de líder do golpe e do projeto neoliberal apresentado pelo PSDB. Portanto, um jornal a serviço do PSDB e do neoliberalismo.

Ainda por orientação dos tucanos, os golpistas no governo e no congresso querem aproveitar a cumplicidade do judiciário e da imprensa, para fazer uma reforma política que garanta a reeleição da corja de políticos golpistas e corruptos.

Como será possível isto?
Inventando um parlamentarismo que nem os militares em 1964 tiveram coragem de fazer.

Vai chegar uma hora que, nem a imprensa nem o judiciário, conseguirão continuar enganando o povo. Além dos abusos políticos, os golpistas estão aproveitando para vender tudo que for possível, provavelmente ganhando comissões no Brasil e no exterior. Tudo combinado antes com os compradores. Isto já deu certo com as privatizações de FHC e agora está ainda mais fácil, com o golpe tudo ficou justificável. E não precisa do povo.

Estão vendendo o Brasil. Mesmo que seja para a China Comunista...

Estes golpistas, além de mercenários, são estúpidos!

Uma ditadura da classe patronal ou, uma ditadura de uma quadrilha?

A busca da consolidação do poder na mão dos golpistas tem a ver com a tentativa de se fazer uma consolidação hegemônica de uma parcela mais mercenária do empresariado brasileiro, aliada à burocracia corrupta e moralista, liderados pela imprensa entreguista e neoliberal. É uma ditadura cucaracha e bananeira...

Se a economia melhorar, como diz Meirelles, até ele pode ser candidato a presidente pelo partido dos evangélicos, se a economia continuar esta terra arrasada, estes golpistas serão expulsos do poder pelo povo de forma violenta e desordenadamente. Estamos caminhando para virar uma Venezuela?

Ainda temos Lula com a sua liderança inconteste.
O problema é segurar os entreguistas de toga. Este processo do triplex é a maior palhaçada que já vi na vida. Todos os advogados de confiança que consultei sobre o processo, disseram que não há nenhum documento formal que prove que Lula ou sua família tenha sido proprietária do imóvel. Como não contam com os militares para usurparem o poder por muito tempo, cooptaram o judiciário para fazer o serviço sujo.

O problema não é de ser verdade ou não.
O problema é que os golpistas não querem aceitar a candidatura de Lula para presidente.
Além de corruptos, são covardes.

Temem o Povo.

Poderão matar algumas primaveras,

mas não impedirão o Povo de usufruir das flores
e das riquezas do Brasil.

Não aceitamos a venda da Soberania Nacional!

A chegada das flores

Jasmins e primaveras 

Vejam a evolução das flores.
Com sol elas ficam mais bonitas...
Vejam as pequenas flores de Jasmim



Que surgem das centenas de pequenos botões cor de rosa.




E o perfume do jasmim combina com a leveza das cores.



Tudo isto, regado com o lindo canto do Sabiá.
A Vila Madalena ainda tem estas coisas.

Por quanto tempo?

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

A melhor notícia do dia: O novo disco de Chico

A alma brasileira representada por Chico Buarque

Passam os governos, as ditaduras,
passam as gravadoras, os carnavais.

Passam as brincadeiras de criança,
passam os casais e ficam os netos.

Passam as viagens e as mudanças,
passam as músicas sobre as Helenas.

Estes corruptos e entreguistas também passarão...

Mas, Chico demorará a passar.

Nos anos sessenta fazíamos filas
para ver Chico cantar,
nas lojas para seu disco comprar,
e também para ouvir as mulheres
ficarem emocionadas com Chico.

Os namorados e os maridos, dele não tinham ciúmes,
Afinal, quem não se emocionava com Chico?

Hoje será o lançamento de um novo disco de Chico.
Novo? Talvez novas sejam as letras, mas
os temas serão antigos,
apenas versados em novas melodias.

Todos os comentaristas falam de seu novo dueto.
O antigo foi com Nara Leão.
E nós, que sempre gostamos de Chico e de Nara,
por ter apenas uma filha, esta ficou com nome de Nara.
Provavelmente se tivesse mais um menino
este seria chamado de Francisco ou Chico mesmo.

Chico Buarque, Chico de Oliveira, o nosso seria:
Chico Yamane Carneiro dos Santos
ou Chico Yamane dos Santos...

Nestes tempos sombrios,
quem não gosta de ouvir:

"Com açúcar e com afeto"...?
ou mesmo sua nova música
"Alguém me disse que tu não me queres...?

Nós todos queremos curtir as músicas,
os livros, as histórias e os sorrisos
de Chico Buarque de Holanda!

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

O Brasil em liquidação geral

Vende-se tudo para mudança

Ontem a noticia era que o governo corrupto e ilegítimo de Temer quer vender a preço de banana mais de 50 empresas estatais, incluindo a Casa da Moeda e a Eletrobras.

Reduzindo o Estado brasileiro a mero pagador de serviços e devedor da Dívida Pública.

Nunca na História do Brasil se viu um governo tão mercenário e tão corrupto.

Hoje no final do dia, leio a matéria no jornal Valor:

"Ceratti é vendida para a americana Hormel Foods"


Para quem não sabe o que é Ceratti, esta marca simboliza a melhor mortadela que existe em São Paulo. A empresa foi vendida por 104 milhões de dólares...

Aqui vende-se tudo: Universidades, Hospitais, Rede de Saúde, empresas aéreas, empresas de alimentação, de transporte, bancos, mineradoras, empresas de água, de luz, de telefone,vende-se jogadores, vende-se mandatos de parlamentares, pareceres jurídicos, vende-se notícias e reportagens, vende-se dízimos para entrar no Céu ou ter seus pecados perdoados.

Enfim, o Brasil virou um país sem auto-estima e sem dignidade.


Enquanto se vende tudo, o desemprego cresce, além dos pobres, a classe média está sendo destruída pelo desemprego e pelo custo de vida. Como pagar escolas caras, como pagar prestações de casas e de carros, como pagar os serviços básicos como telefone, água e luz?

Está ficando muito difícil viver no Brasil.

Até quando aceitaremos conviver com esta baderna?

O Brasil merece respeito!


Não podemos aceitar que se venda a Soberania Nacional.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

A Morte do Direito

A Direita mata o Direito

Conforme o New York Time, o Ocidente decidiu que:

"Vale a pena sacrificar a Democracia,
se esta for a única forma de proteger
os valores do capitalismo liberal".

Isto valeu para o Egito, valeu para o Brasil e vai ser aplicado onde for necessário proteger o capitalismo neoliberal. A direita cresceu na Europa apoiada pelo neoliberalismo e aproveitando-se do fim da União Soviética.

O maior concorrente internacional aos Estados Unidos é a China.

Além de conseguir distribuir pelo mundo produtos a baixo custo, representando verdadeiros dumping, os chineses são os maiores credores dos Estados Unidos, a China tem o maior Exército do mundo e agora estão comprando empresas em todos os continentes.

E ninguém questiona o fato de a China não ser uma democracia nos moldes ocidentais. Lá quem manda em tudo é o Partido Comunista.

O ocidente está matando o Direito em todos os países que são governados por dissidentes ou oposicionistas do neoliberalismo. Onde se consegue manter a fachada de Democracia com governantes subservientes, estes governos são mantidos. Mas, se houver resistência ao neoliberalismo, aplicam todos os mecanismos de mídia, de mobilizações, de boicotes, do judiciário, do parlamento e, em ultimo caso, das Forças Armadas.

É a guerra invisível transformando-se em guerra visível.

O Brasil passou por um golpe, derrubando o governo eleito, comprando-se os parlamentares, como mercenários corruptos, e entregando a economia nacional aos interesses internacionais. Vendendo tudo a preço de banana.

Vendendo inclusive a Soberania Nacional.

A Venezuela também é aqui...

E agora vem esta ex-procuradora geral da Venezuela dizer que o governo venezuelano está acabando com o Direito. A Venezuela tem problemas de todos os tipos, principalmente boicote ostensivo dos empresários que desabastecem o país como forma de mobilizar a população contra o governo. Já o governo, além das grosserias políticas, não consegue garantir o abastecimento para o povo. E o povo sem comida e material em geral não consegue defender o governo. Forças Armadas não são para matar pessoas, mas para proteger o povo. E a melhor forma de proteger o povo é garantir abastecimento. Sem comida e sem segurança, não há governo que sobreviva.

Podemos afirmar que, o correto é afirmar:

A direita está matando o Direito.


E com isto, a direita está acabando com as Democracias. Dando início a novo período da história em que o absolutismo, o fascismo e as ditaduras estão bloqueando a liberdade e destruindo as democracias. O mundo passou por isto antes da Segunda Guerra Mundial, depois repetiu o fascismo e as ditaduras no pós-guerra, na guerra-fria, e depois de bom período com a Democracia e a Liberdade crescendo nos países pobres, a direita volta a crescer e a combater a liberdade para todos.

Mesmo no deserto, as flores também nascem.
As Primaveras voltarão
e o povo voltará a sorrir...

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Violência: Medo, Humilhação e Ódio

A Pedagogia da Violência

Os brancos que moram protegidos da violência dos bandidos e dos policiais só tomam conhecimento do significado da violência, ou quando são vítimas eventuais ou quando vê as imagens na imprensa.

Ao ouvir o noticiário sobre a violência no Rio de Janeiro no dia de ontem, ao ver o as imagens das crianças sem aulas, milhares delas, e ao ver a fotografia abaixo, com as crianças sendo revistas pela polícia, como se elas fossem perigosas, que pudessem estar transportando armas,bombas ou outros instrumentos usados pelos bandidos e traficantes do Rio de Janeiro, fiquei travado durante todo o dia desta terça-feira.



Será isto Pedagogia?

Pedagogia do Oprimido?
Pedagogia do Opressor?
Pedagogia da Libertação?
Pedagogia da Inclusão Social?
Pedagogia do Big Stick?
Pedagogia do Perdão?

ou é Pedagogia da Violência?


O trauma que fica na vida destas crianças e suas consequências são imponderáveis.

Talvez no primeiro momento tenham Medo de serem confundidos por bandidos, principalmente se eles souberem onde os bandidos moram e trabalham, ou ainda se tiverem algum parente que faça parte do tráfico...

Talvez no segundo momento sintam-se Humilhados, sintam-se envergonhados porque os colegas, vizinhos e parentes saberão que eles foram Revistados pela Polícia...

Talvez no terceiro momento estas crianças tenham muito Ódio e sintam-se motivados a se juntarem aos traficantes para se vingar do Medo, da Humilhação e da Violência...

Não culpo os policiais que estão na foto. Culpo os governantes, os empresários e as pessoas como um todo. Precisamos buscar soluções...

Durante o dia conversei com muitas pessoas sobre a foto e cada pessoa falava uma coisa diferente. Mas todas tinham pena das crianças. Ao serem perguntadas o quê poderíamos fazer para acabar com este tipo de violência, ninguém sabia responder de forma tranquilizadora. Afinal, a violência tomou conta do Brasil. A corrupção tornou-se pública e cínica. A mentira passou a fazer parte do nosso quotidiano e a falta de esperança está contaminando nossa vida.

É preciso pensar nas Crianças do Brasil.

É preciso fazer alguma coisa pelo Brasil.

O Brasil merece respeito e

nossas crianças merecem um futuro decente.

As pessoas podem errar, mas não podem se omitir.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Golpe no Egito serviu de modelo para o Brasil

Em vez de militares, usaram juízes e procuradores

O golpe no Brasil e a tentativa de transformá-lo numa "ditadura do mercado", ou ditadura dos patrões contra o povo tem levado as pessoas a se perguntarem se o golpe foi espontâneo ou se foi planejado. O jornalista Nassif tem publicado vários estudos interessantes. Eu tenho insistido que tudo que aconteceu no Brasil faz parte de uma articulação internacional para conter as conquistas democráticas, baratear a mão de obra para competir com os chineses e diminuir o poder dos governos, consolidando assim o poder neoliberal das multinacionais. Lembram das "Companhias das Índias Ocidentais"?

Fiz a tradução capenga de um bom artigo publicado no New York Times, sobre a Democracia e os golpes militares no Egito. Vejam como parece com o Brasil. A diferença é que lá usaram os militares, aqui usaram juízes e procuradores. Lá usam fardas, aqui usam togas. Mas todos vivem dos impostos pagos pelo povo.

Leiam o artigo do New York Times...

O Egito pode nos ensinar muito sobre fragilidade na democracia

The New York Times - Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017 - por Max Fisher e Amanda Taub

Como a nascente democracia do Egito morreu e qual lição ficou para o resto do mundo.

Esta semana é o quarto aniversário do massacre de Rabaa em 2013 no Cairo, em que as tropas do governo atiraram em mais de 800 pessoas que estavam protestando contra a remoção de Mohamed Morsi, o presidente democraticamente eleito.

Que triste marco nos põe a pensar sobre uma questão mais profunda que tenha relevância para muitos outros países hoje.
O que acontece quando o liberalismo e a democracia se tornam forças opostas no mesmo país?
Ou colocado mais amplamente, o que acontece quando as pessoas sentem necessidade de escolher entre a necessidade de escolher entre os seus valores fundamentais ou proteger a própria democracia?

Depois dos protestos que derrubaram o velho ditador Hosni Mubarak do Egipto em 2011, havia a esperança de que o país poderia se tornar uma democracia liberal. As primeiras fases foram promissoras. Após um breve período em que um conselho militar serviu como um governo interino, o país realizou eleições democráticas. Sr Morsi, o candidato da Irmandade Muçulmana islâmica, ganha com estreita vitória.

Mas enquanto a eleição de Morsi foi democrática, seus impulsos para governar tornaram-se, ao longo do tempo, iliberal – contrário ao neoliberalismo. Restou da antiga ordem em que é algumas vezes conhecido como o estado interventor, incluindo em matéria judicial e os serviços de segurança, minaram a ele a cada turno. Como ele lutou contra eles, Sr Morsi tomou medidas cada vez mais extremas que eventualmente orientava mais do que seus inimigos internos, real e perceptível. Ele empurrou através de uma nova constituição de orientação islâmica, hostilizava e ameaçava os críticos e os líderes da oposição, e tentou fazer seus próprios decretos presidenciais imunes de revisão.

Isto abriu um fosso profundo entre os apoiadores de Morsi Sr e pessoas que tinha esperado que a democracia trouxesse uma constituição liberal e leis que regulamentasse o novo sistema. Esta divisão foi profunda, devemos notar, por problemas econômicos durante esse período, o que aumentou o descontentamento com políticas da Morsi .

A situação criou uma questão política que poucos tinham pensado em perguntar antes da Revolução:

Vale a pena sacrificar a democracia se parece ser a única forma de proteger os valores liberais?
Para muitos egípcios, a resposta foi sim.

Cerca de um ano após o Sr Morsi ter tomado posse, dezenas de milhares de pessoas voltaram à Praça Tahrir, desta vez protestando contra um presidente eleito cujo governo viram como pouco melhor do que a ditadura do Sr Mubarak.
Os manifestantes chamaram o exército para remover Sr Morsi, como eles tinham removido Sr Mubarak apenas alguns anos antes.
O exército aceitou esse convite.

Em primeiro lugar, muitos esperavam que o golpe que destituiu o Sr Morsi seria uma espécie de botão de reiniciar a revolução de 2011 - outra oportunidade de eleger um governo que protegeria os valores importantes.

John Kerry, o então Secretário de Estado dos Estados Unidos, disse que os militares tinham vindo "restaurar a democracia" quando depuseram o Sr Morsi, acrescentando que "os militares não assumiram, para o melhor do nosso julgamento - até agora."
Esse julgamento revelou-se incorreto.

Tendo considerado que o apoio público para a democracia foi volúvel, Abdel-Fattah Geral el-Sisi o regime militar rapidamente decidiu permanecer no poder.

Suas forças detiveram Sr Morsi, prenderam ativistas da oposição em massa e reprimiu dissidentes. E quando milhares de apoiadores da Irmandade Muçulmana acampados na praça Rabaa se recusaram a se dispersar, as forças de segurança egípcias começaram uma sangrenta disputa, matando ao menos 800 pessoas e ferindo muitos mais.

A experiência do Egito foi radical.

Sua revolução era recente, o seu exército é poderoso e havia poucas instituições locais para apoiar a sua transição democrática.
Mas o Egito é parte de uma ampla questão. Como temos escrito antes, muitas vezes democracias morrem porque o público, ou uma grande parte dele, apóia outros princípios ou interesses como mais importantes do que o processo da própria democracia.

Na Venezuela foi baseado em uma identidade de classe; na Rússia, na segurança e na estabilidade; na Turquia parece, uma combinação de identidade e de preocupações de natureza econômica.

Pesquisa de Milan Svolik, da Universidade de Yale, mostra que não é que os cidadãos não valorizam a democracia, mas que estão dispostos a colocá-la em segundo plano a fim de proteger o que eles valorizam mais.

É fácil assumir, a partir do conforto de países democráticos estáveis, que gostaríamos de trabalhar sempre para preservar as regras e normas democráticas. Mas o senhor Morsi, com seu breve mandato, é um lembrete de como pode ser difícil fazer isto.

Mensagem ao amigo Boulos

Imprensa golpista não é democrática

Pela segunda vez a Folha publica algo envolvendo Guilherme Bolos,
e este precisa soltar Nota de Esclarecimento,
por se sentir prejudicado pelo jornal.

Sou leitor da Folha desde os anos 70.
Neste período podemos identificar três fases distintas do jornal.


Nos anos 70, o jornal apoiava a ditadura militar, cedia infra-estrutura e, principalmente, tinha a Folha da Tarde como porta-voz dos órgãos de repressão. Noticiava sobre assassinados e prisões realizados pela Operação Bandeirantes, pelo DEOPS e pelas Forças Armadas, incluindo a Polícia Federal. Tudo isto em nome da guerra-fria, da luta do capitalismo contra o comunismo, etc...

No final dos anos 70 e na década de 80, a Folha resolveu investir na Redemocratização do Brasil, transformando-se no principal jornal brasileiro e no líder da Campanha das Diretas. Deixou de ser um jornal paulista e provinciano para ser um jornal nacional, com referência internacional e a contratar ótimos jornalistas. Parecia que a Família Frias tinha se libertado da visão autoritária das ditaduras.

Parecia que tinham feito a opção pela Democracia e as disputas onde o Povo seria o árbitro. O jornal ajudou a criar o seu partido - o PSDB - e investiu tudo no crescimento e consolidação de interlocutores como parte do projeto nacional. Isto é, o Brasil deveria ser um país capitalista, alinhado e subordinado aos interesses americanos. A Folha, como os tucanos,não acredita que o Brasil possa ter um projeto próprio e ser um país soberano.

Mas no meio do caminho tinha uma pedra...

tinha um sapo barbudo.

Quando tudo sorria para os interesses da Folha, quando a Folha elegeu "um príncipe" e ampliou seu parque gráfico e seu projeto de poder, depois de tanto sucesso neoliberal com os tucanos, eis que LULA foi eleito presidente do Brasil.

A imprensa e o mercado acharam que Lula tinha duas opções: Ou seguia a cartilha neoliberal, como fez Pallocci na Fazenda, ou seria um verdadeiro fracasso, facilitando a volta dos neoliberais tucanos ao governo.

Acontece que Lula foi um sucesso!


Quando talvez nem Lula achasse que daria tão certo, eis que a China com suas importações bilionárias, puxou a economia para cima, Lula distribuiu renda, abriu escolas, universidades, gerou milhões de empregos e até trouxe a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Mesmo na crise de 2008, Lula errou ao chamá-la de marolinha, mas acabou acertando quando pediu para os brasileiros consumirem mais, gerando emprego e usando os bancos públicos para emprestar dinheiro e estimular a produção. Keynes baixou em Lula e o Brasil superou a crise.

Onde Lula errou, facilitando as coisas para os neoliberais?


Lula e o PT erraram quando insistiram em manter a candidatura de Dilma para o segundo mandato. Dilma, além de não ser o Lula, começou a querer enfrentar o sistema financeiro e a enfrentar políticos conservadores. Tudo isto somado a uma personalidade autoritária e inadequada para a política de coalização com os políticos fisiológicos.

A porta estava aberta para derrotar Dilma e o PT eleitoralmente.
Mas Dilma ainda tinha Lula e seu legado como principal cabo eleitoral. Aécio e sua quadrilha ainda tentou forçar as forças ocultas para virar as pesquisas e criar condições para derrotar Dilma. Mas o Nordeste deu um banho de votos e Dilma ganhou por pouco, mas ganhou com mais de 54 milhões de votos.

Que fazer?


Esperar mais quatro anos ou derrubar o governo da primeira mulher eleita presidente do Brasil?
A imprensa, liderada pela Folha, optou derrubar o governo. Aliou-se com os empresários, mandou Gilmar Mendes articular o judiciário e buscou apoiou operacional dos Estados Unidos. Lembram da frase de Obama: "Este é o cara!"? Depois do episódio do Irã, o governo Obama virou as costas contra Lula e Dilma. O golpe foi questão de tempo...

Derrubado o governo e instituído o novo centro de poder neoliberal e vassalo dos Estados Unidos, os novos ditadores agora precisam LEGITIMAR SEU PODER. Para isto é preciso fazer uma reforma política onde as novas regras sejam feitas para impedir a volta de Lula e do PT. É o jogo das cartas marcadas, como foi feito no Governo Geisel.

Para impedir a volta de Lula, além do uso abusivo do judiciário e da imprensa, é preciso apoiar projetos de centro-esquerda que possam tirar votos do PT. Para isso, vale fazer parcerias formais e informais com intelectuais, lideranças populares e sindicais, estimulando-os a criarem novos partidos, novas candidaturas e novos sonhos... Marina é o melhor exemplo disto.

Em São Paulo, o melhor nome surgido até agora é Guilherme Boulos.

Mais conhecido como Boulos. A Folha tem procurado dar espaço no jornal promovendo a divulgação de suas ideias e de seu movimento. Acontece que a Folha toda vez "força a mão", criando um constrangimento para Boulos e obrigando-o a emitir Nota de Esclarecimento. Hoje, ironicamente, ao sentar em frente do computador para escrever um texto para o blog elogiando a entrevista de Danilo Miranda, diretor geral do SESC-SP, publicada no caderno Ilustrada da Folha, recebi a mensagem de Boulos falando da sua nova nota para a Folha.

Eu acredito em Boulos.

Confio nele e o conheço há anos. Temos trabalhado juntos e sei que ele não é agente duplo nem está à serviço da Folha. Minha preocupação é que a Folha resolva declarar guerra a Boulos por considera-lo rebelde ou inconveniente.

Tenho certeza que Boulos não se dobrará à Folha.


Boulos lidera um movimento chamado "Povo Sem Medo",
que é muito bem organizado e militante. No entanto, para que o Povo brasileiro crie coragem para enfrentar esta nova ditadura que tomou conta do Brasil, é preciso muito mais do que "Perder o Medo", é preciso entender o que está acontecendo, é preciso criar uma Frente Ampla em Defesa do Brasil, em defesa do emprego, do salário, da economia nacional e da nossa Soberania.

Lula ainda é a maior liderança popular do Brasil! Lula ainda representa a Esperança de o Brasil voltar a ser respeitado internacionalmente. Lula ainda simboliza o melhor presidente que o Brasil já teve. O povo sabe disto. Os golpistas sabem disto, por isto que eles querem inviabilizar a candidatura de Lula de qualquer jeito.

Bolos é uma nova liderança, que, somada com líderes como Lula, podem agilizar a nossa vitória.

Com Boulos e com Lula podemos afirmar:


SEM MEDO DE SER FELIZ! - Lula lá!




domingo, 20 de agosto de 2017

As boas notícias da Bahia...

Vejam quatro boas notícias

1 - A primeira grande notícia foi a vitória do Vitória sobre o Corinthians, que estava invicto, era o maior sucesso do Brasileirão e o jogo ainda foi na Arena Corinthians! Foi a mais importante vitória no futebol brasileiro neste ano.
Parabéns a toda imensa torcida do Vitória. Só precisa sair da zona de rebaixamento;


2 - A
segunda grande notícia foi a goleada do Bahia no Vasc. O Bahia está fora da zona de rebaixamento e volta e meia ganha bem uma partida. Vamos torcer para os dois times baianos continuarem na primeira divisão no ano que vem.

3 - A terceira boa notícia foi o aniversário de nosso pai hoje, 20 de agosto. Completou 93 anos de vida e de muitas histórias. Morando em Serrinha e comemorando nosso futebol.

4 - A quarta boa notícia da Bahia foi o sucesso da Caravana de Lula na Bahia. Sucesso absoluto de Público e de crítica. Ninguém consegue fazer o sucesso que Lula teve na Bahia. Os golpistas que se preparem... Lula está presente. E a Bahia também está com Lula.

sábado, 19 de agosto de 2017

O Centro de São Paulo vivo 24 horas

Apesar do abandono dos prefeitos,
o Centro de São Paulo sobrevive


Trabalho no Centro de São Paulo desde janeiro de 1970.
Já faço parte do folclore e da história do Centro.

Comecei trabalhando na Rua Nova Cantareira,
depois fui para Líbero Badaró, 158 num grande
escritório de advocacia: "Moura, Teixeira, Gouvea e Silva",

mais tarde fui paro o City Bank na praça Antonio Prado
para depois ir para o BEG - Banco do Estado da Guanabara,
que virou Banerj e depois foi dado ao Itaú como parte
das privatizações esdrúxulas de FHC.

Além de trabalhar no Centro,
a luta pela redemocratização do Brasil
levou-me às ruas nas passeatas,
algumas prisões no DEOPS e
depois ao sindicalismo.

Tudo isto no Centro.

Quando presidente do Sindicato dos Bancários,
compramos os andares térreos do Prédio Martinelli,
transformando parte dele em centro cultural e
de lazer. Os bancários e o Martinelli, tudo a ver.

Trouxemos também a CUT para o andar mais bonito
do Prédio Martinelli, o 7o. andar.
Transformamos um grande cofre blindado, que
era do Banco Itaú, em Biblioteca e CEDOC.

Atuei também durante vários anos
na Associação Viva o Centro,
quando participamos da inauguração
da Sala São Paulo e outros eventos culturais.

Hoje, para nossa alegria, está sendo inaugurado
O SESC 24 de Maio. No antigo prédio da Mesbla.


Um dos prazeres que tenho, ao caminhar pelo Centro,
é contar as histórias do prédios e lojas do Centro.

Mesbla, Mappin, Comind, Unibanco...
tudo parte de um passado brilhante.
Um passado econômico que pode virar um presente cultural.

Centro Cultural Banco do Brasil
Centro Cultural da CEF
Teatro Municipal

E agora SESC 24 de Maio.


O Centro bem que pode ser uma grande área
de lazer, cultura e gastronomia durante 24 horas.

O pessoal pode reclamar da segurança. Resolve-se!
O pessoal pode reclamar da quantidade de moradores de rua.
Resolve-se!
O pessoal pode reclamar da sujeira. Resolve-se!
O pessoal pode reclamar do transporte na madrugada. Resolve-se!

Como se resolve tudo isto?
Vontade coletiva e respeito pela nossa cidade.
A cidade que mudou a história do Brasil.
São Paulo merece respeito!

Parabéns a todos que contribuiram para fazer o SESC 24 de Maio.
Parabéns a nossa maravilhosa Fernanda Montenegro,
pela sua presença na abertura do SESC 24 de Maio.

Pena que Cauby Peixoto não esteja mais entre nós.

Seria uma grande alegria ouvir Cauby cantar:

"Conceição, eu me lembro muito bem..."

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Why Barcelona?

Por quê o terrorismo atacou Barcelona?

A Espanha não está em guerra contra os países muçulmanos.
Barcelona acolhe os turistas e os migrantes de forma acolhedora.

No entanto,
resolveram fazer terrorismo contra Barcelona!


Muitos brasileiros já estiveram em Barcelona.
Neymar consagrou-se no Barcelona.
Muitos outros brasileiros trabalham em Barcelona.

Quando ouvi a notícia ontem do atentado,
lembrei-me da música de Cole Porter, "I love Paris".
Esta música talvez seja a maior homenagem
de um estrangeiro à Paris.

Quem a ouve curtindo apenas a melodia e a principal frase,
"I love Paris", demora a perceber que no final da música
Cole Porter pergunta:

Why, oh why do I love Paris?

Fiz esta mesma pergunta "Why Barcelona?"
se todos amam Barcelona?


Hoje, vendo as fotos dos mortos e feridos,
fiquei mais triste ainda...

Precisamos ser solidários com Barcelona.

Mesmo com toda sua beleza e simpatia,
três fatos relevantes aconteceram nos últimos dias:

1 - Neymar saiu do Barcelona;
2 - O Barcelona perdeu feio duas vezes para o Real Madri;
3 - E agora vem este terrorismo terrível.

Apesar disto tudo, WE LOVE BARCELONA!

A pequena flor de jasmim

Centenas de flores de jasmim

Quando abrimos o portão da garagem para sair com o carro, uma pequena flor de jasmim nos dava bom dia.
Como eu queria destacar o contraste da pequena flor branca, usei a capa do celular, que é preta, para mostrar a beleza da flor. Provavelmente se não existissem os celulares não existiriam os blogs. Ou talvez as imagens nas redes não seriam tão bonitas.





Da escada e mesmo da janela já é possível ver centenas ou milhares de pontos avermelhados, que são os botões de flores de jasmim. Tudo indica que neste ano vamos ter mais flores de jasmim do que da Primavera.

O bonito é que, apesar do frio e da chuvinha, as flores continuarão aparecendo.



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Há um ano o Brasil vendeu sua soberania

Mercenários, entreguistas, enganados:
Todos contra Lula, Dilma e o PT


Nosso colega Andrezinho, sindicalista que está morando em Montevideo, gosta de contar quantos dias já se passaram do golpe do impeachment.

Como hoje é um dia simbólico, 17/08/17, em fiquei pensando se não seria o aniversário do golpe no Brasil e do início da Nova Ditadura brasileira. Depois fiquei sabendo que o aniversário será no próximo dia 31 de agosto, bem no encerramento do Congresso Extraordinário da CUT, que começa no dia 28.

Neste Congresso estarão participando quase 700 delegados nacionais e mais de 70 delegados internacionais. O tem central do congresso é a resistência contra o golpe, a nova ditadura, a reforma trabalhista, a reforma da previdência, o desemprego, o arrocho salarial, o congelamento dos salários, o fim da políticas públicas e as perspectivas para as eleições gerais do ano que vem.

Em apenas um ano
, os golpistas e ditadores fizeram o Brasil retroceder 100 anos. Voltamos a antes de 1930, data da Revolução Tenentista contra os governos da República Velha, corrupta, reacionária, sem perspectiva econômica e social. A partir de Getúlio Vargas o Brasil entrou na era da modernidade industrial e de infraestrutura. Com o fim da segunda guerra mundial o Brasil mudou de patamar...

O Brasil foi melhorando, os pobres, principalmente a população rural foi melhorando de qualidade de vida e isto levou a muita reação dos empresários da época. O resultado foi o golpe militar de 1964. As Reformas de Base foram substituídas pela Reforma Bancária, a industrialização intensiva e a integração nacional militarizada e via TV e rádio, buscando garantir o território nacional e que a esquerda não crescesse no Brasil. Mesmo sem liberdade, o Brasil cresceu economicamente e desenvolveu sua infraestrutura. A ditadura acabou com a democracia e com a liberdade.

Com a crise econômica nos anos 70 e 80
, veio também a liberdade de organização partidária e sindical. O Brasil nunca teve tanta liberdade e tanta democracia como teve a partir de 1985. Era a Primavera Brasileira. Dois fatos marcaram bem esta época: a eleição pela primeira vez de um operário para presidente e a eleição pela primeira vez de uma mulher para presidente. Mais de 40 milhões de brasileiros saíram da pobreza e todos melhoraram de vida no Brasil.

Mas "Narciso acha feio o quê não é espelho"
e a elite paulista, liderada pelo PSDB e pelos Estados Unidos, morrendo de inveja decidiram acabar com a Democracia no Brasil, derrubar um governo eleito e nomear como governo uma quadrilha de corruptos e mercenários.

Enganados pela imprensa, pelo judiciário e pela manipulação mercenária dos parlamentares, tiraram a presidente e nomearam seu vice como novo ditador com a função de vender tudo que fosse possível, privatizando toda a infraestrutura e vendendo as empresas nacionais a empresas internacionais, tudo isso à preço de banana.

Destruíram os direitos dos trabalhadores, querem acabar com a aposentadoria e estão reduzindo a estrutura do Estado a quase nada.

Em apenas um ano destruíram mais do que os 500 anos de nossa história. São mercenários, predadores e entreguistas. E querem fazer uma reforma política para impedir que os partidos vinculados aos trabalhadores voltem a ganhar eleições.

Com o desemprego levando o povo ao desespero a mobilização contra o governo reflui mas não acaba e vai voltar a crescer a partir dos locais de trabalho e das comunidades.

Os chineses costumam perguntar:

O que é um ano perto de 8 mil anos de história chinesa?

Nós afirmamos:
O que é um ano perto 100 anos de luta de classe?

Venceremos!
Pode durar várias Primaveras, mas Venceremos!



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Os jasmins estão florindo...

Mesmo com o frio, as flores brancas do jasmim

Quando saí hoje cedo de casa, fiquei surpreso com a quantidade de botões de jasmins.

Algumas flores já abriram, mas teremos muito mais flores neste ano. 




Também já temos flores da Primavera e os ipês amarelos da rua já começaram a florir.
Quem anda muito sequinho é o pé de Lágrimas de Cristo. Esta foto é do auge das flores...



O inverno vai acabando e logo logo voltaremos a ter mais vida e mais alegria.


terça-feira, 15 de agosto de 2017

A nova ditadura no Brasil e seus reflexos

A destruição da qualidade de vida no Brasil

O discurso principal dos golpistas era que eles prometiam "pão e mel" para o povo brasileiro. As promessas foram desmascaradas uma por uma e o povo brasileiro passou a amargar o desemprego, a perda de direitos, o arrocho salarial, o aumento do custo de vida e a piora do humor da população.

Mesmo com a inflação baixa, a qualidade de vida no Brasil está piorando. O que mostra que controlar a inflação é insuficiente para melhorar a economia. É como se você tivesse dinheiro para comprar um carro, mas não tivesse recursos para pagar gasolina, estacionamento, seguro, etc.

Há uma concentração no debate político, mas é imprescindível que também se discuta a economia.
Já que, como afirma o professor Juarez Guimarães:

"O golpe em curso no Brasil
se insere no processo internacional da
contrarrevolução NEOLIBERAL,
que está construindo
Estados Constitucionais NÃO DEMOCRÁTICOS pelo mundo inteiro".

"Este conceito parte da ideia de que, para pensar a conjuntura brasileira na sua imprevisibilidade e elevado grau de arbítrio, é preciso recorrer à história longa, ao processo inacabado e interrompido de construção de um república democrática no Brasil e aos impasses históricos dessa construção. O que queremos é identificar uma reiteração de sentido, isto é,

A INCAPACIDADE DAS CLASSES DOMINANTES BRASILEIRAS DE CONVIVER COM A DEMOCRACIA, naquilo que ela tem de substantivo,
como a distribuição de poder e riqueza e de alargamento de sua base social".

As classes dominantes brasileira optaram historicamente por conjugar capitalismo com AUTOCRACIA, e essa é a História da DITADURA MILITAR. O sentido do gole de 64 está sendo reiterado agora, com uma grande diferença. O fato de a economia brasileira ser hoje muito mais associada ao capitalismo internacional do que era em 1964, temos uma mudança epocal da tradição liberal.

O neoliberalismo já tem uma história e já há uma literatura especializada que estuda esse fenômeno epocal e suas consequências no sentido de desconstruir o princípio da soberania popular nas democracias ocidentais.

Estamos neste século vivendo uma terceira fase do neoliberalismo,
uma fase mais predatória,
onde suas dimensões antidemocráticas ficam mais evidentes.

A partir de 2008, quando as dívidas financeiras foram estatizadas,
a contradição entre a gestão pública e as democracias vai para o primeiro plano.

Vemos, então, essa dimensão antidemocrática do neoliberalismo irromper de forma mais evidente.
O golpe no Brasil se insere nesta narrativa de uma contrarrevolução neoliberal
que está construindo estados constitucionais não democráticos.
(Ainda)Não são militarizados, como na época da guerra fria,
mas estados constitucionais não democráticos."

Os reflexos políticos já estão explicitados tanto pelos governos, como pelo Judiciário. Os reflexos econômicos e sociais estão aparecendo e contaminando o humor da população, levando os novos ditadores a mudar a legislação eleitoral como forma de impedir que os partidos voltados para o povo voltem a ganhar as eleições de que se aproximam.

O desemprego e o aperto salarial aumentam a cada dia, obrigando a classe média a tirar os filhos das escolas privadas e também a voltar a andar de ônibus, em vez de automóveis. Os pobres sentem a falta de dinheiro e suas famílias procuram emprego em vão.

E os golpistas ainda querem aprovar o fim da aposentadoria até o mês de setembro.
Vamos ver se conseguirão...



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Juiz ganhando meio milhão? É legal e legítimo?

Será que O globo enlouqueceu?

Juiz de MT recebe contracheque de quase meio milhão de reais


Pagamento teve aval do CNJ. Magistrado diz que valor é justo e não liga para polêmica

POR JUSSARA SOARES – O GLOBO
14/08/2017 18:48 / ATUALIZADO 14/08/2017 21:04

SÃO PAULO - Em meio a ações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que contestam os altos valores pagos aos magistrados, um juiz de Mato Grosso surpreendeu ao ter revelado o valor de seu contracheque do mês passado: cerca de meio milhão de reais.

Titular da 6ª Vara de Sinop, a 477 quilômetros de Cuiabá, o juiz Mirko Vicenzo Giannotte recebeu, em valores brutos,
R$ 503.928,79. Com descontos, o rendimento foi de R$ 415.693.02. Em conversa com o GLOBO, ele disse que o pagamento é justo e que não está "nem aí" para a polêmica.

A remuneração foi autorizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e, de acordo com o Tribunal de Justiça do Mato Grosso (TJ-MT), é resultado do ressarcimento de um passivo referente ao período de 2004 a 2009. Nesses anos, o magistrado foi designado para atuar em uma entrância superior, ou seja, uma comarca de maior porte, e seguiu recebendo o salário de uma posição abaixo na estrutura judiciária.

O valor, segundo o Portal da Transparência, foi resultado da soma de R$ 300.283,27 em salário, R$ 137.522,61 em indenizações, além de R$ 40.342,96 em vantagens eventuais e mais R$ 25.779,25 em gratificações.


O rendimento de julho, em valores brutos, é quase oito vezes maior do que recebido pelo magistrado no mês anterior: R$ 65.872,83. Os dados foram revelados pelo site do jornal “O Estado de S. Paulo”.

O pedido de pagamento foi feito pela Associação dos Magistrados do Mato Grosso e teve aval do CNJ.

Em entrevista ao GLOBO, o juiz Giannotte afirmou que o valor é a "justa reparação" pelos anos em que trabalhou em comarcas superiores, mas seguiu recebendo o salário como juiz de primeira entrância.

— Eu não 'tô' nem aí (sobre a polêmica). Eu estou dentro da lei e estava recebendo a menos. Eu cumpro a lei e quero que cumpram comigo — disse o magistrado.

Segundo Giannotte, ele aguarda receber outros passivos estimados em R$ 750 mil, referente ao acúmulo de varas.

— O valor será uma vez e meio o que eu recebi em julho. E quando isso acontecer eu mesmo vou colocar no Facebook — disse o juiz, que afirma ser "famoso" por trabalhar até de madrugada.

A única surpresa para o magistrado foi a quantia milionária ter sido depositada no dia 20 de julho, data em que completou 47 anos.

— Foi um belo presente, uma coincidência —, disse Giannotte, que não revelou como vai investir a bolada. — É uma coisa pessoal, mas antes de receber eu sempre fiz minhas doações.

O juiz é o mesmo que determinou que a Universidade de São Paulo (USP) fornecesse a substância fosfoetanolamina sintética, conhecida como a pílula que câncer, para um morador de Sinop.


Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/juiz-de-mt-recebe-contracheque-de-quase-meio-milhao-de-reais-21705474#ixzz4pmPAJ7DW
stest

Veja também
Procuradores recuam e desistem de reajuste salarial de 16,7%
STF aprova orçamento de 2018 sem aumento para juízes
Associações de juízes pedem que Cármen Lúcia inclua previsão de reajuste de 16,38%
Janot e Raquel Dodge voltam a divergir sobre cortes no orçamento e aumento de salários

Folha insiste na criação de novos partidos de esquerda

Vale tudo para impedir a vitória de Lula


O PT surgiu ainda na época da ditadura militar e já contava com questionamentos dos partidos de esquerda tradicionais como o PCB e o PC do B, que existiam na clandestinidade há dezenas de anos.

A luta pela redemocratização do Brasil, o apoio dos movimentos sociais ligados à Igreja Católica – Teologia da Libertação, os exilados, os acadêmicos como Sérgio Buarque de Holanda e Antonio Candido, artistas como Chico Buarque e o movimento sindical foram fundamentais para que o PT surgisse como um partido de massa, democrático, a favor da economia de mercado e das liberdades partidárias, religiosas e de informação.

Crescemos anos após anos, ganhando prefeituras, elegendo vereadores, deputados estaduais, federais, senadores e, finalmente, elegendo presidente da República. Tudo isso fazia parte da Primavera Latino-Americana.

No governo, mais acertou do que errou. Mas, a cada eleição majoritária, a imprensa sempre apoiou candidatos de esquerda como forma de diminuir os votos do PT e impedir suas vitórias. Apoio em vão. Lula sempre ganhou.

O PT está sangrando ante tanta agressão midiática, jurídica e política. Mas, Lula continua na frente de todos os candidatos da direita e da esquerda. Se as eleições forem democráticas, Lula com certeza será nosso presidente.

Para as eleições de 2018, a imprensa está estimulando que as duas Frentes existentes, se transformem em partidos políticos e disputem contra Lula e quem Lula apoiar. É claro que a CUT e o PT, que fazem parte das duas frentes, não estimularão a migração de seus filiados para outros partidos. Mas, há muitos candidatos a “inocentes úteis”.

Vejam a “inocente” matéria da Folha na UOL...

Grupos de esquerda iniciam debates pelo país e lançam site

REYNALDO TUROLLO JR. de BRASÍLIA - 14/08/2017 02h00 UOL

Diversos grupos e integrantes de partidos de esquerda anunciarão nesta semana um movimento para discutir projetos para o país e o futuro dessa corrente de pensamento.

Segundo organizadores, o debate não será pautado pelo calendário eleitoral. Porém, ele deve traçar cenários para 2018, com e sem a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Não consta da pauta a formação de um novo partido,
mas essa opção não está descartada.

Haverá uma série de debates em praças, transmitidos online por um site que permitirá a participação de internautas. O primeiro debate está previsto para 26 de agosto em São Paulo. Já há outros programados em Belém, Recife, Rio, Porto Alegre, Fortaleza e Belo Horizonte.

O site, batizado de Vamos!, entra no ar nesta segunda (14), desenvolvido pelo coletivo Mídia Ninja. A ideia se baseia no movimento que originou o partido Podemos, na Espanha, que tem como um dos pilares a horizontalidade.

"O que está colocado é discutir projeto para o próximo período, de 10, 20 anos. Nós temos uma crise do país e da esquerda, precisamos de uma discussão honesta, sem tabus, com espírito crítico", diz Guilherme Boulos, do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), que passou uma temporada na Espanha a convite do Podemos.

A articulação partiu da Frente Povo Sem Medo, da qual o MTST faz parte, e terá integrantes de PSOL, PT, PCB, UNE, Uneafro, CUT, Intersindical, MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) e outros.

Segundo Boulos, foram convidados intelectuais como Laura Carvalho, colunista da Folha, e Raquel Rolnik, ambas da USP, o português Boaventura de Sousa Santos e líderes como Sônia Guajajara, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Do mundo político virão representantes do Podemos espanhol, os petistas Tarso Genro e Lindbergh Farias, Luíza Erundina e Chico Alencar, do PSOL, e outros. Segundo a organização, os convites foram para as pessoas, não para os partidos.

"A ideia é assegurar uma participação que não seja restrita a militantes. Essa ferramenta de rede permite que mais gente participe, pessoas que às vezes não têm o costume de se organizar e atuar em movimentos de rua", diz Boulos.
"A gente entende que há uma demanda de participação política na sociedade, em especial na juventude, e que isso tem se expressado muito por rede social."

FATOR LULA

Em junho, integrantes de PSOL e PT que estão no Vamos! já haviam se reunido para uma primeira conversa sobre os rumos da esquerda. Como a Folha noticiou à época, o diálogo causou irritação no ex-presidente Lula, que soube dele pela imprensa.

A articulação de agora é vista por alguns grupos como uma forma de pensar a esquerda "além de Lula" – um dos cenários para 2018 é que ele esteja inelegível, caso sua condenação no caso do tríplex de Guarujá (SP) seja mantida em segunda instância.

Boulos ressalta que há consenso entre os organizadores que o petista é vítima de perseguição e que há uma tentativa de tirá-lo do páreo "no tapetão". Por isso, pessoas do círculo de influência de Lula, como o presidente da CUT, Vagner Freitas, também deverão estar no debate.

domingo, 13 de agosto de 2017

A postagem número 3.000 precisa ser uma flor

Com 128 países e 560 mil acessos



Uma orquídea, 
Um quadro de Volpi
E um abajur de Istambul.

Brasil, México e Venezuela como parte da globalização

Golpes, ditaduras, guerras e Democracias

O mundo passa por profundas mudanças econômicas, políticas e sociais.

Materialmente a qualidade de vida quantitativamente tem melhorado para bilhões de pessoas. Que comprovem os chineses, indianos, iranianos, turcos e russos. Mas não podemos afirmar que a democracia e a liberdade fazem parte destas melhoras...

Na África, por mais que os africanos tenham acesso aos telefones celulares e a TV a cabo para assistir jogos do Barcelona e dos demais times europeus, a qualidade de vida e de sobrevivência dos africanos ainda é muito baixa e perigosa.

Aparentemente, o mesmo que está acontecendo na África também acontece no Oriente Médio. A diferença é que na África as tribos ainda ditam regras, onde os Estados Nacionais ainda são frágeis, enquanto no Oriente Médio, foram as invasões do Ocidente, lideradas pelos Estados Unidos, que desorganizaram os Estados Nacionais e generalizou o terrorismo de Estado e de organizações.

Enquanto a África e o Oriente Médio se desmanchavam, a América Latina parecia que flanava numa Primavera Latino-Americana, com eleições diretas, as esquerdas aceitando as regras das democracias liberais e governando mantendo os pilares neoliberais de controle da inflação, controle do câmbio, economia de mercado e, até muitos delas, fazendo privatizações e arrocho salarial...

Esta Primavera Latino-Americano,
com o fortalecimento do Mercosul em detrimento da ALCA - Associação de Livre Comércio da Centro-América, controlada pelos Estados Unidos, e o fortalecimento dos BRICS - bloco do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, tudo isso combinado com a inclusão de milhões de pessoas no mundo escolar, de consumo e do conhecimento internacional, assustou o Big Brother, que começou reagindo educadamente e depois passou a patrocinar nova leva de golpes, ditaduras e agora ameaça com guerras diretas, aplicando o famoso e histórico Big Stick - o Porrete Democrático.

Curiosamente, além dos golpes e ameças militares,
também voltam a usar pesquisas de mercado, consulta a "especialistas" e reportagens com a "imprensa livre" para condenar governos e candidatos que não sigam a cartilha neoliberal e as ordens do Big Brother.

Democracia de Conveniência


O Estadão de hoje,
jornal que virou porta-voz da direita radical e neoliberal brasileira, destaca em letras grandes que "94% dos eleitores não se veem representados por políticos". Na página A4, a manchete é "Classe política enfrenta rejeição generalizada".

Só faltou mandar fechar o Congresso Nacional, fechar os Partidos Políticos e governar por decretos, como já aconteceu no pós Golpe Militar de 1964...

Tudo isso na mesma semana que Trump, o louco líder do Big Brother, ameaçou invadir militarmente a Venezuela.


Já o sério jornal New York Times,

talvez sem perceber a rapidez ação dos golpistas liderados pelo "mercado financeiro internacional" e pelo Big Brother, publicou no último dia 11 de agosto de 2017, uma interessante reportagem sobre o MÉXICO, com o título:

"Mexican Democracy is looking a Little Bit Fragile",

que em tradução simples pode ser
"A democracia mexicana está parecendo um pouco fraca."

Neste artigos dos articulistas Max Fisher e Amanda Taub há frases como:


- O país está atravessando a mais violenta crise em anos e estamos aqui para analisar a forma como a sociedade está respondendo. Há algo significativo acontecendo na política que é difícil de ignorar.

- A democracia mexicana está mostrando todos os sinais de aviso para um populista ganhar... Estes sinais são semelhantes aos sinais de alerta que você viu, por exemplo, na VENEZUELA, apenas antes de Hugo Chavez ganhar o poder.

- A desconfiança nas instituições está crescendo. Assim como a indignação contra a corrupção.

- As pesquisas mostram crescente insatisfação com a democracia mexicana. Os mexicanos sentem que a sua democracia se vira contra eles.

- Esta indignação muitas vezes incide mais sobre a corrupção do que sobre a violência.

- Em tais situações, um populista outsider pode surfar na onde de poder, prometendo limpar o sistema corrupto de cima até em baixo.

- Há uma diferença importante entre as dolorosas mas pragmáticas reformas - que o México necessita - e declarar a guerra contra as instituições que defendem a democracia.

"And History shows that the former can guickly give way to the latter."

- Os analistas e cientistas políticos estão preocupados pela mensagem de o candidato populista, Sr. Lopez Obrador, que o sistema é ilegítimo. Os primeiros indícios de desconfiança na democracia, num momento em que a fé nas instituiões está já em colalpso e está a desabar, podem ser perigosos..."

- As Instituições mexicanas têm problemas reais... E se o Sr. Lopez disputar a eleição e perder a votação, ele pode convencer o seu movimento que a democracia é falsa, isto pode causar danos reais.

- Legitimidade democrática, afinal, é uma questão de percepção tanto como de procedimento. e quando os eleitores percebem que o seu governo é ILEGÍTIMO, a instabilidade tende a seguir...

- O perigo aqui não é o Sr. Lopez perder honradamente ou ganhar e governar com responsabilidade, o perigo é que a democracia mexicana seja vulnerável. Seja frágil e débil exatamente nas formas que permitam um populista vir com promessa de esmagar as elites corruptas. Isto pode acontecer tanto com um candidato populista como com outro qualquer que venha para explorar as fragilidades da democracia mexicana.


Observação:


Agora vocês percebem que a imprensa golpista brasileira faz parte da mesma rede internacional?

Não acho que o jornal NYTimes seja golpista e cínico como é a imprensa brasileira, mas que eles precisam prestar mais cuidado com que escrevem, isto eles precisam...

Hitler foi eleito pelo povo alemão para botar ordem no caos.

E o caos criado por ele quase acabou com o planeta Terra, além de ter servido para redesenhar o mundo, depois de mais de 60 milhões de mortos, feridos, exilados e dispersos pelos continentes.

Isto os especialistas da época não previram e não foram capazes de evitar...






sábado, 12 de agosto de 2017

Trump, o louco, e a tragédia anunciada

O Rei está Nu

Além da destruição que os Estados Unidos causaram no Oriente Médio, agora ameaçam expandir a violência para a Coreia, onde um outro bando de loucos governa,e ,nesta semana, novamente o louco americano resolveu sair ameaçando todo mundo com a proposta de invadir a Venezuela.

É só o que faltava!


Os Estados Unidos estão por trás das campanhas de desobediência civil que vem acontecendo na América Latina e no mundo. Sempre bancaram a oposição venezuelana e agora sinaliza que pode invadir diretamente o país, como fez no Panamá, no Chile de Pinochet e em tantos outros países.

Aqui no Brasil eles não precisaram botar a tropa na rua, os golpistas locais deram conta do recado e acabaram com a Primavera Brasileira, implantaram Nova Ditadura, aumentaram o desemprego, arrocharam salários, acabaram com as leis trabalhistas e pretendem acabar com a aposentadoria.

O povo paga o pato sem reagir nas ruas, como deveria.
O povo sofre de ceticismo e de desconfiança.
O povo não tem em quem confiar...

Como os ditadores e neoliberais não ganham eleições democráticas, eles tendem a criar leis que os protejam e que facilitem reeleições. Fora desta manipulação, a solução para a direita neoliberal é sempre chamar as Forças Armadas para reprimir o povo.

Os Estados Unidos estão perdendo a hegemonia para a China e para a Alemanha. A Europa vai ter que rever sua legislação da União Europeia e repensar o Euro como instrumento de controle monetário e inflacionário.

O mundo está passando por transformações radicais. Os partidos políticos já não podem mais representarem o povo, governarem e legislarem sem a participação direta do povo. O sistema parlamentar pós Revolução Francesa exauriu-se, acabou socialmente...

É preciso criar um novo mundo, com novas formas participativas e comunitárias. O louco americano não tem condições de liderar este desafio, precisará vir da Europa e das outras regiões do mundo.

Lamentavelmente, o Rei está Nu!

Os Estados Unidos já não tem a importância do Século passado.

No Século XXI, precisamos construir o novo mundo.
Plural, diferente, com equidade, com mais saúde,
mais educação e mais respeito à Terra.

Um Japão que existe no Brasil

Apesar da distância entre os dois países

Esta mensagem é antiga mas merece ser atualizada...

O lugar do mundo que tem mais japonês sem ser no Japão é o Brasil. E no Brasil, onde tem mais japonês é em São Paulo. Antigamente era também no bairro da Liberdade. Em 1970 eu vim morar em São Paulo e, por acaso, fui estudar no Colégio Estadual Presidente Roosevelt, na Rua São Joaquim, bem no coração da Liberdade e em frente ao Bunka, Centro Cultural Brasil Japão.

De lá para cá são mais de quarenta anos e são muitas histórias. Mas, neste Natal eu recebi um cartão de Boas Festas, enviado por uma brasileira, amiga também de muitos anos, mas a figura é uma ilustração japonesa. Talvez ela estivesse sensibilizada com a capacidade japonesa de recuperação depois do violento terremoto que atingiu o Japão.

Vejam que figura bonita e significativa.


Guardei cópia da ilustração e comentei com meu irmão, que morou dez anos no Japão, casou e teve filha lá, e vai passar férias com a família em fevereiro próximo, em Nagoia. Ficamos lembrando também do tempo do Roosevelt e quando começamos a fazer amizade com os alunos japoneses. Foi um processo lento e gradual mas que gerou muitas amizades que duram até hoje.

Naquela época o pessoal japonês já tinha uma vida cultural ativa. Eles eram de Ibiuna, Oswaldo Cruz, Pompéia, Marília, Londrina, muitos já viviam na capital há várias gerações. E muitos cantavam músicas de Koyanagi Rumiko, que fazia muito sucesso na comunidade.

Aproveitando o clima de final de ano e o recebimento do cartão de Natal da nossa amiga, resolvi mostrar as duas coisas. O cartão muito significativo e uma música de Koyanagi Rumiko, que quem não é japonês não vai entender nada, só a melodia. Sei que fez um sucesso muito grande na época.

Ouçam Koyanagi Rumiko cantando “Seto no Hanayome” acompanhada por um coral de senhoras.



Esta história é para mostrar que o Brasil também tem um grande Japão entre nós e temos muitos brasileiros morando e trabalhando no Japão, já foram mais de trezentos mil. Uma colega nossa está indo visitar o filho e o ex-marido que trabalham lá há vários anos.

Vamos começar o Ano Novo fazendo origami e cantando músicas da nossa infância ou adolescência, isto faz bem à saúde e estimula a solidariedade.
Que a amizade entre os povos continue e que o imigrantes sejam respeitados e valorizados.
O mundo é nossa Pátria!
Banzai!



Hoje, 12 de agosto de 2017, ao ir fazer feira na Vila Madalena e parar na barraca de peixe, vi uma cerejeira Florida na casa onde acomprando peixe. Tirei algumas fotos, mas o que me chamou mais a atenção foi o contraste entre as cerejeiras, o prédio de luxo que vai destruindo a velha Vila Madalena e também vi os grafiteiros pintando a garagem do morador.

O feio, o luxo e a necessidade de fechar tudo contra invasores, não tirou a beleza das cerejeiras que aparecem sobre os muros, a sujeira.







sexta-feira, 11 de agosto de 2017

A quem beneficia a destruição do BNDES?

Tirem as patas do BNDES!

Cada vez que leio um artigo nos jornais criticando o BNDES, eu o leio para ver se tem consistência. A grande maioria das críticas são feitas sem consistência, demonstrando má-fé do autor do artigo.

O Estadão de hoje, que tem assumido o lugar da extrema-direita neoliberal, hoje apresenta um artigo com declaração de um membro do TCU, como se este participante do TCU fosse a maior autoridade no assunto. O TCU já ficou desautorizado com as denuncias contra a presidente Dilma encomendadas pelos golpistas e que não serviram para provar motivo para o impeachment, serviram como pretexto.

Tudo leva a crer que esta nova denúncia contra o BNDES faz parte das "forças ocultas" para tomar o mercado para algum banco brasileiro que apoiou o golpe do impeachment e está mandando no governo.

Os golpistas estão vendendo as empresas a preço de bananas, pretendem destruir a Petrobras e vender o pré-sal e agora estão investindo contra o BNDES.

Se o banco merece respeito, os funcionários merecem muito mais.

São concursado, são conhecedores das suas funções e nunca vi exemplo de corrupção no banco. Vejam que quando aparecem denuncias envolvendo o banco, sempre são de atividades fora do banco. Falo isso com a experiência de ter sido durante seis anos membro do Conselho de Administração do BNDES. Se tiverem dúvida perguntem aos presidentes que foram nomeados por FHC durante seu mandato. Recomendo especial consulta a Luiz Carlos Mendonça de Barros, com quem convivi mais tempo.

O BNDES merece respeito!
O BNDES é o maior banco de investimento das Américas!

Os funcionários do BNDES merecem respeito!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O quê falar da situação de Vaccari?

Da tragédia humana à tragédia nacional

Ontem, pela segunda vez fomos à Curitiba com a expectativa de que Vaccari fosse libertado e voltasse para a vida familiar e a trabalhar com os amigos que ele tanto preza.

Ontem, pela segunda vez, voltamos frustrados de Curitiba. Como diz o Dr. Elias Mattar Assado, do escritório local que defende Vaccari: "Há gente em Curitiba que esquece que no Brasil existe uma República Federativa e quer criar uma república local acima do Brasil. Existe sim uma República Federativa do Brasil. A república de Curitiba não existe".

Se da primeira vez, o juiz Moro recusou-se a reconhecer o caráter isonômico da ABSOLVIÇÃO de Vaccari, recusa apresentada à oitava turma do TRF-4ª. Região com longa explicação; na segunda vez ficou evidente que houve uma combinação de subserviência aos argumentos do juiz Moro.

Juridicamente, todos os advogados ouvidos tinham certeza absoluta de que Vaccari seria libertado ante os argumentos e os fatos apresentados no recurso e no Habeas Corpus. Aos poucos os advogados vão percebendo que estamos vivendo no Brasil um “Estado de Exceção”, onde as leis são interpretadas conforme a conveniência política dos novos ditadores. Vivemos numa sociedade onde tudo é relativo...

Politicamente, a pressão sobre Lula serviu de pretexto para manter Vaccari preso. Afinal, tudo que está acontecendo na política e na economia tem a ver com o fato de os empresários, unidos com o aparelho do Judiciário e liderados pela imprensa, terem dado mais um golpe de Estado, desta vez sem a participação das Forças Armadas, sendo portanto uma ditadura civil, onde o executor do golpe foi o Congresso Nacional e parte do Judiciário. Temos que reconhecer que os erros e as dificuldades do governo Dilma facilitaram a ousadia dos golpistas.

A direita saiu do armário, por não conseguir ganhar as eleições, organizou grandes manifestações e criou mentiras jurídicas para justificar o golpe político.

Tudo foi ficando claro com o tempo.

Ao tirar Dilma e reagrupar os parlamentares como um blocão de mercenários corruptos que vendem votos e projetos, esta nova direita neoliberal e golpista começou a mudar completamente a razão de ser do Estado Brasileiro.

A direita neoliberal e entreguista, liderada pelo PSDB, comprou o PMDB e os demais partidos que tinham feito parte da Coligação com Dilma e este bloco entreguista começou a aprovar a Reforma do Estado, destruindo seu caráter de Bem Estar Social, para transformá-lo num Estado neoliberal, mínimo, sem políticas públicas e sem autonomia em relação aos Estados Unidos e seus aliados. Estes mercenários venderam barato a nossa Soberania Nacional.

Sofro em ver o Brasil voltar a ser governado por uma ditadura;
sofro em ver o Brasil não poder contar com a Constituição de 1988;
sofro em não poder acreditar no que a imprensa divulga;
sofro em ver a tentativa feroz de destruição de Lula e do PT;
sofro em ver o Vaccari ficar preso há mais de dois anos somente por ter sido Tesoureiro do PT;
sofro em ver sua esposa, filha e netos sofrerem diariamente ante tanta violência;
sofro em ver seus amigos e colegas sofrendo ante tanta agressão jurídica, política e midiática;
sofro por me sentir sem condições de sozinho, quixotescamente, enfrentar estas quadrilhas...

Dediquei minha juventude à luta contra a ditadura militar
,
depois, dediquei meus mais de quarenta anos de trabalho na construção
de um novo sindicalismo, uma nova experiência política partidária
e uma nova visão de cidadania e liberdade.

Nunca tive vergonha do que fiz e do que faço
pela consciência da classe trabalhadora e
pela transformação do Brasil numa grande Nação livre e soberana.

Quando pensava que teria uma aposentadoria feliz por ver nosso país ser reconhecido internacionalmente como a grande esperança do mundo, feliz por ver milhões de brasileiros serem integrados como cidadãos; feliz por ver nossa filha e a filha de Vaccari se formarem em medicina e construírem novas famílias, eis que surge mais um golpe e mais uma ditadura.

Nossos empresários não estavam e não estão preparados para a Democracia e para a Liberdade.
Precisamos voltar à resistência, a enfrentar prisões, espionagem, intimidações e agressões.
Precisamos voltar a nos unir pelas Liberdades Democráticas, pelas liberdades de informação e comunicação, pelo ir e vir. Enfim pelo direito de nossos filhos serem livres e conscientes. Precisamos lutar pela nossa Soberania Nacional.


Ao ser perguntado como me sentia com o resultado do três a zero no julgamento, respondi para as pessoas que me sentia como os milhares de palmeirenses que viram seu time perder em casa ou como um cachorro molhado que caiu do caminhão de mudança.

Não conseguia falar, não conseguia escrever.
Hoje cedo falei de flores e da Primavera.
Somente agora, no final do dia consigo escrever este desabafo.

Vaccari um dia será libertado.
E todos nós, parentes e amigos de Vaccari, teremos orgulho de dizer que Vaccari foi o mais digno preso político desta nova ditadura de merda. Desta nova ditadura corrupta e entreguista das riquezas nacionais e da Soberania do Brasil.

Como dizia o Profeta:
Passarão o Céu e a Terra, mas nossas palavras não passarão...

Vaccari continua presente nos nossos dias e nas nossas orações.
Mandela ficou mais tempo preso, mas, ao sair,
fez mais pela África do Sul em poucos anos,
do que todos seus adversários brancos durante vários séculos.

Liberdade e Dignidade não se ganha, CONQUISTA-SE!

As flores estão chegando. O sabiá também.

Apesar das tragédias brasileiras

Hoje, quando abrimos as janelas dos quartos, descobrimos que o Jasmim e a Primavera da frente de casa começaram a florir...



Ao mesmo tempo, quando fui comprar pão no mercadinho, vi que o pé de Ipê amarelo da nossa rua também começou a florir. E o Sabiá voltou a cantar, compartilhando sua alegria com o bem-te-vi, que cantava na ponta de um poste de luz.



A cidade com flores fica mais bonita.
Mesmo quando ouvimos a vizinha contar que teve o vidro de seu carro quebrado e sua bolsa levada com tudo dentro. Ela estava no bairro de Pinheiros e esperava o farol abrir.

Precisamos contribuir para nossa cidade voltar a ter alegria e solidariedade.



As flores do jasmim ainda são poucas, mas o perfume já é grande.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O Brasil desacreditado

É a pior situação

Partindo para mais um desafio: acompanhar um julgamento sem poder acreditar muito na Justiça.

Hoje é o julgamento do recurso de Vacari solicitando sua liberdade em função de os processos até agora não terem nada que comprove erro de Vacari. O único motivo que aparece até agora foi o fato de ele ter sido tesoureiro do PT. Mesmo nesta função, tudo que ele fez foi dentro da legalidade. E tudo está comprovado.

Então, por que estão mantendo Vacari preso?

Porque o processo é politico. As razões são políticas. E os fins justificam os meios... muito triste tudo isso.

Este mesmo descrédito acontece em relação aos governantes e à imprensa. Não está dando para acreditar em ninguém.

Para restabelecer a confiança nas instituições, precisamos de uma Nova Constituinte, seguida de Eleições Gerais. O Brasil precisa de novas regras e de um novo sistema eleitoral.

O Brasil precisa de transparência.
O Brasil merece respeito.

O povo precisa ser respeitado e
Ser a última palavra.
Na Democracia, quem decide é o povo.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

O Brasil sob ataque de nervos

Onde falta dinheiro, falta alegria

O governo está conseguindo deixar o Brasil sob ataque de nervos.
A economia continua travada, o desemprego continua grande,
a violência cresce e a corrupção fica cada vez mais exposta.

Este clima afeta a saúde e o emocional das pessoas.

Os pobres já vinham reclamando muito,
agora a classe média começa a chegar no seu limite.
A crise atinge a todos, independente de quem foi a favor
ou contra o golpe do impeachment.

O Brasil está sendo vendido a preço de banana,
estão acabando com a soberania nacional.
As Universidades estão fechando
e os estudantes perdendo os empregos.

E, em vez de resolver os problemas econômicos,
os governantes só falam em eleições.

Parecem abutres se apropriando dos recursos do povo.
O Judiciário vai perdendo a seriedade, brigando entre si.
A imprensa disputa quem consegue mais entrevistas
com os políticos corruptos e traidores do povo.

Resistir é preciso!
Tanto para preservar a saúde,
como para preservar a vida familiar.