quinta-feira, 6 de julho de 2017

Golpistas reconhecem derrota na Reforma da Previdência

Os empresários e seus representantes jogaram a toalha

Com Temer, a reforma da Previdência não passa. Este é um dos motivos para demitir Temer da presidência, após a aprovação ou não da reforma trabalhista. O teste vai ser na próxima semana, nos dias 11 e 12 de julho. Por ser maioria simples, avaliam os golpistas que seja mais palatável e mais barato. Enquanto a reforma da Previdência precisa de muito mais votos, por ser maioria absoluta, isto é, demandar mais de 50% do Congresso.

Vejam o quê diz Miriam Leitão, no Globo de hoje:

Capa: "Crise política adiará a reforma mais urgente" (para eles).

"O agravamento da crise política praticamente
selou o destino da REFORMA DA PREVIDÊNCIA.


No melhor cenário, o que se espera é a aprovação de um projeto fatiado, com apenas a idade mínima, com uma diferença ainda maior para a mulher e entrada em vigor muito gradativa. Em outros países do mundo são feitas reformas sequenciais porque a idade da população está mudando todas as equações."

Já o jornal Valor - também pertencente a Globo - dá destaque na capa que Rodrigo Maia, presidente da Câmara, já negocia com as forças ocultas assumir a presidência com a saída de Temer. Saída aqui leia-se: ou Temer renuncia, ou será demitido. Como diz o ditado popular: "Quem não tem competência, não se estabelece". Temer está dormindo com os inimigos.

Parece romance de Shakespeare...

Uniram-se todos os corruptos, pastores evangélicos, Tiriricas e empresários inescrupulosos para destituir uma presidente difícil no trato, mas eleita por mais de 50 milhões de brasileiros e agora brigam entre si para ver quem ganha mais dinheiro da forma mais rápida possível.

O PSDB, que adora dar golpes, está negociando com Maia, que é do DEM - ex-PFL, ex-Arena, e eterno apoiador da ditadura militar - a melhor forma de se livrar de Temer.

Temer, afinal, virou efetivamente uma temeridade.

Voltando ao que diz o jornal Valor de hoje:

Tem ganhado força que Temer será afastado. Maia assume como interino por seis meses, mantém a coalizão de partidos da base e aprova reforma mínima da Previdência.

Esta solução conta com apoio de empresários e agentes do mercado. Diga-se, apoio dos Bancos, da Folha, da Globo e das grandes empresas nacionais e internacionais.

Não interessa o que o POVO pensa, interessa é o que os empresários querem que seja feito. Por isso que estas reformas estão sendo feitas num governo golpista, corrupto e desmoralizado. Num governo democrático e participativo, o POVO seria o agente principal e o mais consultado tanto durante a elaboração das reformas como na sua aprovação. E pensar que o judiciário tem sido usado para legalizar o golpe e as reformas contra o povo brasileiro.

O Brasil está em crise profunda.

O PSDB, o PMDB, os partidos que apoiaram o golpe do impeachament e mentiram para o povo terão que explicar direitinho nas próximas eleições. Se o povo esperar até lá... Estamos virando uma Argentina... e poderemos virar uma Venezuela.

Eu prefiro ter como modelo a Alemanha ou a França.
Ambas têm parlamentarismo, respeito aos mandatos e ao Povo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário