quarta-feira, 21 de junho de 2017

Quando se perde a confiança na Justiça

Os quatro golpes e o vexame jurídico

A cada dia, o Brasil cai no ridículo. Tanto internamente,
como mundialmente. Dá até vergonha dizer que é brasileiro.

1 - Tivemos o primeiro golpe, que foi o do impeachment sob pretextos falsos que depois foram desmascarados;

2 - Veio o segundo golpe, que foi a mudança de orientação política e econômica, deixando de ser um governo desenvolvimentista e independente, para ser um governo neoliberal, entreguista, dependente dos Estados Unidos, tendo como principal gestor o PSDB;

3 - O terceiro golpe foi o que mostrou a verdadeira intenção dos golpistas. Os empresários, que pagaram aos deputados e senadores pelo golpe do impeachment, exigiram as Reformas e as Privatizações, incluindo a perda da Soberania Nacional. Os golpistas estão fazendo o Brasil retroceder a antes de 1930, acabando com a aposentadoria, o emprego permanente, as férias e o 13o. salário. Venderam o Pré-Sal a preço de banana e criaram uma lei que impede as políticas públicas como saúde, educação, transporte e segurança. Reclamavam de que o Brasil tinha 10 milhões de desempregados, mas hoje o Brasil tem mais de 14 milhões de desempregados;

4 - O quarto golpe veio com a explicitação da corrupção em todos os níveis, a começar pela presidência da República, ampliando-se para setores do funcionalismo público e até mesmo o judiciário. Ante a possibilidade e necessidade de se afastar ou destituir o presidente da República, os golpistas não querem que novas eleições diretas sejam realizadas e ainda defendem a manutenção de um presidente corrupto e desmoralizado.

Que fazer?

Quando se imaginava que a Odebrecht era o maior caso de corrupção do Brasil, surge a delação da JBS envolvendo 1829 políticos, 28 partidos políticos, dezenas de governadores e senadores. E o dono da JBS ainda declara que Temer é o principal chefe da quadrilha e que Temer e Kassab pegaram dinheiro da empresa para uso próprio. Os 500 milhões pagos pela JBS eram para campanhas eleitorais e parte deles foram repassados em notas fiscais "frias", ilegais, e outra parte em espécie, isto é, em dinheiro vivo para não ser identificado. Até juiz do STF recebeu dinheiro, através de suas empresas...

Se o presidente Temer ser denunciado como corrupto foi humilhante para os milhões de brasileiros que apoiaram a derrubada do governo Dilma, imaginem a vergonha que passaram os 51 milhões de pessoas que votaram em Aécio Neves para presidente, além do fato de ele ser presidente do PSDB e ter declarado que tinha entrado com o processo de impugnação da chapa Dilma/Temer "só para encher o saco do PT"?

Quando se imaginava que o STF fosse restabelecer a ordem no Brasil, os juízes começam a voltar atrás em suas posições e começam a soltar os presos envolvidos nos escândalos e mantiveram o presidente Temer no cargo, desacreditando o judiciário brasileiro. Não é por acaso que cresce na população o desejo de um outro golpe, desta vez um golpe militar para acabar com a baderna que tomou conta da política e do judiciário. Vivemos um verdadeiro vexame do Judiciário. Em quem acreditar? Em quem confiar?

Como alternativa aos caos político e jurídico, além de resistência ao golpe militar, cresce em todo o Brasil o clamor por Eleições Diretas Já, restabelecendo o poder ao povo brasileiro, restabelecendo o poder soberano das urnas e da Democracia direta. Junto com as Diretas Já, cresce também o clamor por Eleições Gerais para eleger novos deputados e senadores, igual foi feito na França. Por último e não menos importante, o Brasil precisa de uma NOVA CONSTITUIÇÃO.

Afinal, o Brasil merece respeito!
A Democracia deve ser para o povo e com o povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário