domingo, 7 de maio de 2017

Os Negros de São Paulo e do Brasil

Um olhar estrangeiro

O brasileiro não gosta de ver seu racismo.
O brasileiro nega que discrime negros e pobres.
O brasileiro gosta de se sentir protegido por Deus...

O jornal a Folha anda publicando artigos sobre os negros no Brasil. De forma cuidadosa, porém, não deixa de ser uma revolução constatar que um jornal da elite paulista resolveu abordar a exclusão dos negros na nossa sociedade.

Além dos artigos nas edições diárias, a Folha resolveu publicar um belo artigo na revista Serafina deste final de semana. Vejam que dados interessantes:

A autora do artigo é ALEXANDRA LORAS, ex-consulesa da França em São Paulo.

O nome do artigo é "São Paulo, cidade mais negra do mundo".

Salvador tem 80% de negros.
São Paulo tem 40% de negros, logo,

se São Paulo tem 12 milhões de habitantes,
40% de 12 é 4,8 milhões de negros.


Segundo o IBGE a população do Brasil é 54% de negros.

Com 4,8 milhões de negros, São Paulo é a cidade mais negra do mundo...

E onde estão os negros de São Paulo?
Por que não os vemos no dia a dia da cidade?

Alexandra diz que "ao chegar ao Brasil
, há quatro anos, eu estava ansiosa pensando que ia encontra aqui a delícia da democracia racial tão falada no exterior. MAS A REALIDADE QUE VI FOI BEM DIFERENTE"

Ao declarar isto, concluímos que Alexandra não seja brasileira de nascença. Não sei se naturalizou-se. Deve ser francesa, além de casada com o ex-cônsul da França, portanto, é da elite francesa e brasileira...

Depois de contar diversas experiências de discriminação racial explícita de brasileiros brancos contra os negros, Alexandra declara:

"Acredito que por meio da inteligência emocional, os brasileiros, com muito mais empatia que os europeus, conseguirão reequilibrar nossa sociedade de uma forma mais justa.

Na linha do líder de movimentos pacíficos, Martin Luther King, meu sonho continua sendo ver 52% de mulheres no Congresso, no Senado, nos boards executivos, como também 54% de negros na liderança e no protagonismo brasileiro.

ISSO SERIA UMA VERDADEIRA DEMOCRACIA!"


Ser negro no Brasil é terrível!
Ser negro e pobre (o que é mais comum),
é ser agredido pela sociedade todos os dias.

Se, ao incluir mais de 40 milhões de pobres na vida brasileira, Lula é diariamente xingado pela imprensa e pelos fascistas brasileiros, imaginem quando alguém começar para valer um movimento no Brasil para que haja quotas para negros em todas as áreas?

Imaginem o Brasil virando uma África do Sul,

onde os negros, que são maioria da população,
começam a ocupar majoritariamente os cargos nas instituições?

Quanto sangue será derramado para isto tornar-se realidade?



Nenhum comentário:

Postar um comentário