quarta-feira, 17 de maio de 2017

Delfim Neto e a Reforma Trabalhista

"Já passou da hora de acabar com a CLT",
palavras de Delfim Neto.

Passou Fernando Henrique - o sociólogo
- e fez muito pouco para superar a CLT e as relações de trabalho no Brasil.
Passou Luis Inácio Lula da Silva - o sindicalista - e fez muito pouco para superar a CLT e as relações de trabalho no Brasil.
Passou Dilma Rousseff - a guerrilheira - e fez muito pouco para superar a CLT e as relações de trabalho no Brasil.

Agora vem um golpista,
sem ter sido eleito pelo povo, nem muito menos pela classe trabalhadora e, por motivos escusos, faz um projeto para acabar com a CLT e tudo que este sistema de relações de trabalho representa. O golpista faz isto em conluio com um Congresso Nacional venal, corrupto e desmoralizado perante a sociedade. Verdadeiros vendilhões do templo, muitos deles apoiados por igrejas evangélicas que organizam os segmentos mais pobres da sociedade. Usam os pobres para combater a classe média e a própria classe que fazem parte: a classe operária e camponesa.

O professor e político Delfim Neto
, pessoa que tenho o hábito de ler seus artigos pelas qualidades provocativas, irônicas e cultura teórica sobre economia e governos, hoje, nos jornais, vem propondo que se acabe com a CLT.

A CUT também foi criada em 1983
propondo o fim da CLT e a criação do Contrato Coletivo do Trabalho, realizado por negociações livres e diretas sem interferência dos governos e da Justiça do Trabalho, sem também interferência do Ministério Público, seja ele do trabalho ou não.


Este governo golpista está apresentando ao Congresso Nacional
a extinção da CLT, porque a CUT está contra?


A CUT está contra exatamente
porque as negociações deveriam acontecer entre patrões e empregados, sem interferência dos governos, do legislativo e do judiciário. E é exatamente o que está acontecendo. Os patrões, através das suas entidades nacionais que patrocinaram financeiramente o golpe, mandaram seus consultores e seus advogados, incluindo professores universitários, "elaborar a proposta de reforma trabalhista" como os patrões queriam e querem. E este governo fantoche e ilegítimo está fazendo exatamente isto. Por quantos dinheiros?

Da mesma forma que a CUT defende Eleições Gerais e Nova Constituinte
para restabelecer a normalidade democrática no Brasil, a CUT defende a criação de um fórum nacional de relações do trabalho, com ampla participação dos setores do mundo do trabalho, tanto patronal quanto dos trabalhadores, tendo o governo, o congresso nacional e a justiça do trabalho como moderadores, não como determinadores. E no final de um prazo pre-estabelecido, faz-se um projeto de lei para ser homologado pelos poderes constituídos.

Se a Alemanha tem apenas onze sindicatos
, enquanto no Brasil há quase 20 mil sindicatos de patrões e de empregados, isto se dá porque tanto os governantes, como os empresários NUNCA tiveram a coragem de fazer um acordo nacional para modernizar o Estado e suas instituições. Sempre fomos contra o imposto sindical e o "Sistema S" exclusivo para os patrões. Democracia pressupõe igualdade de direitos. Algo raro no Brasil.

O que ficou claro depois do golpe do impeachment, foi que o golpe não foi apenas para tirar a presidente Dilma Rousseff do governo, o golpe foi para desacreditar o modelo de governo democrático popular do PT e de Lula, e o golpe também serviu para acabar com o Brasil do Bem Estar Social.

Realmente já passou da hora de acabar com a CLT,


também já passou da hora de se garantir o direito de aposentar-se,
também já passou da hora de se garantir o trabalho justo e decente,
também já passou da hora de acabar com os golpes no Brasil,
também já passou da hora de se fazer Eleições Gerais,
também já passou da hora de se fazer Nova Constituinte,
também já passou da hora de se respeitar os direitos da mulheres,
também já passou da hora de se garantir os direitos da Agricultura Familiar,
também já passou da hora de se garantir as Políticas Públicas,
também já passou da hora de se acabar com a corrupção no Brasil,
também já passou da hora de se combater a violência generalizada,
também já passou da hora de se acabar com a violência nos presídios,
também já passou da hora de se garantir formação qualificada para os jovens,
também já passou da hora de se proteger as empresas brasileiras,
também já passou da hora de se proteger e garantir a SOBERANIA NACIONAL,
também já passou da hora de se combater a destruição da Amazônia.

Ah, Delfim, e pensar que você assessora e governa desde 1964?
quanta chance teve para modernizar as relações de trabalho!

Ainda temos tempos para isso, Delfim.

Sempre reconheci seus méritos, mas, por favor,

não defenda apenas os patrões,
defenda os brasileiros e brasileiras,


defenda o Brasil.


Aí estaremos juntos, modernizando o Brasil.
Um país para todos, com todos e para todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário