quarta-feira, 29 de março de 2017

Governo Temer: sem povo, sem legitimidade e sem vergonha

Temer e o golpe no "golpe do golpe"

Já tínhamos visto o golpe do impeachment,
quando derrubaram o governo legítimo de Dilma-Temer.

Depois presenciamos o golpe no golpe,
quando Temer assumiu a presidência, governando para os empresários, para as multinacionais e para os oportunistas. Ignorando que foi eleito com um programa Popular e Democrático. O mesmo aconteceu com a maioria dos golpistas com mandatos de deputados federais e senadores. Traíram seus eleitores e seu programa eleitoral. Perdendo a legitimidade e ficando com uma legalidade enganadora e sustentada por um judiciário também golpista.

Agora estamos vendo a discussão do golpe no "golpe do golpe".

Como Deus escreve certo por linhas tortas, o PSDB entrou com o pedido de impeachment da chapa eleita democraticamente e composta por Dilma e Temer. O PSDB, que de social democrata tem apenas o passado da época de Montoro e Covas, agora é um partido golpista e que está usando o governo Temer para fazer as reformas que nem FHC, no seu governo, teve coragem de fazer. Estão destruindo o Brasil...

Ainda em função da ação movida pelo PSDB contra a chapa Dilma-Temer, o TSE - Tribunal Superior Eleitoral, comandado pelo ministro Gilmar Mendes (também estrategista do PSDB)está dando curso ao processo e terá que julgar Temer, usando as mesmas regras que julgou Dilma. Daí o dilema: Se julgar coerente com a lei, o TSE deve cassar Temer; se julgar conforme a conveniência e a servidão de Temer ao PSDB, o TSE aumentará o desgaste do Judiciário nacional.

Vivemos uma realidade nacional em que o presidente da República não tem legitimidade, o Congresso Nacional está envolvido com a Operação Lava Jato, está refém do Judiciário e ameaçado pela Polícia Federal. O Judiciário extrapola suas funções, deixando até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso constrangido...

Agora, sentindo-se ameaçado pelo julgamento do TSE e pela dubiedade cínica do PSDB, Temer articula depoimentos e entrevistas de "personalidades" que topem defender que "é melhor com Temer do que sem ele". Que sem Temer o substituto será escolhido por um Congresso Nacional mais venal, mais desmoralizado, mais à direita do que seu próprio governo. Seria como na época da ditadura militar e o Colégio Eleitoral onde Maluf seria melhor que um general fardado ou uma Junta Militar. Falácia, tergiversação, embuste e falta de respeito com o Povo Brasileiro.

Já ameaçam até em não fazer eleições em 2018

Delfim Neto e Elio Gaspari saíram na frente, conclamando os empresários e o judiciário a dar sustentação ao governo Temer até o final de 2018. Cabendo ao Congresso Nacional ficar subserviente a Temer como forma de não serem investigados, levados coercitivamente a depor, passar uns meses na cadeia e serem execrados pela imprensa e pelos novos delegados e promotores públicos. Lembra até a Revolução Cultural de Mao Tsé Tung na China.

Se Temer for cassado pelo TSE quem escolhe o interino é o Congresso Nacional? Legalmente é, mas temos o POVO.

As ruas se esvaziaram?

As ruas dos militantes fascistas, da direita e dos inocentes úteis, sim.

As ruas dos trabalhadores do campo e da cidade, que estão perdendo a aposentadoria, perdendo o emprego, sendo terceirizados com salários irrisórios e sem benefícios sociais, as ruas das professoras, dos artistas, dos trabalhadores rurais, dos jovens desesperançados, estas ruas estão cada dia mais cheias. Já vimos isto no dia 15 de março, vamos ter um novo "esquenta" agora no dia 31, sexta-feira e estamos preparando uma Greve Geral com mobilização de todos os setores da sociedade que são contra o governo golpista de Temer e contra este Congresso Nacional cheio de mercenários.

O povo quer um governo legítimo,
que respeito o programa eleitoral,
que fale a verdade para o povo
e que esteja à serviço do povo.

O povo está exigindo FORA TEMER!
O povo está tomando seu destino para si
e está defendendo a soberania nacional.

Fora Temer!
Eleições Gerais, Já!


Que as leis sejam iguais para todos!
A Verdade liberta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário