quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Desagregação mundial. Palestina amaeçada

Quando a estupidez se sobrepõe à diplomacia

Os mais velhos se lembram que um diplomata brasileiro fez o gesto simbólico de coordenar a votação na ONU, em 1948, da criação do Estado de Israel.

O mundo pagou a divida do holocausto para com o povo judeu, dando-lhe o direito de ter um País. Um Estado. Um território próprio. Deixando-os de ser "apátridas".

Só que, para que existisse este novo país, foi preciso desalojar um OUTRO POVO, que também há séculos habitava o lugar. Surge daí um impasse e uma nova injustiça. Violência gerou mais violência e até hoje os palestinos estão dispersos e violentados (como os judeus de antigamente).

Por que o governo atual de Israel se recusa 
a reconhecer o direito de os palestinos
também terem o seu País.
O seu Estado e o seu Território?

Para complicar, agora vem o novo presidente dos Estados Unidos a concordar com o governo israelense. Depois falam em PAZ? Em combater imigrantes muçulmanos?

Estamos mais parecendo o tempo anterior a primeira guerra mundial do que à segunda. A barbárie se espalha por todas as regiões. A ONU, como a Liga das Nações, já não tem servido para nada. O próprio governo americano demonstra estar incomodado com sua presença em seu território. Quem sabe esteja na hora de a ONU mudar-se para a Alemanha?

Quando os estúpidos se sobrepõem aos diplomatas,
talvez seja hora de dizermos:

SOMOS TODOS PALESTINOS!

Não haverá PAZ no mundo, 
enquanto os palestinos não tiverem seu País.

A força dos exércitos não derrotam
a força das idéias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário