sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Judiciário e Imprensa iludem os brasileiros

Informações manipuladas

Há um clamor nacional e mundial para que os governos e as relações sociais sejam TRANSPARENTES e que os Direitos Sejam Iguais.

Os poderes no Brasil e nos países subdesenvolvidos sempre foram exercidos conforme as conveniências de quem estava no poder. Nos países ricos e democráticos, a corrupção e a violência, também existem mas estão sob maior controle da sociedade, portanto em menor proporção.

Porque no Brasil o Judiciário e a Imprensa passaram a ter mais importância do que o Legislativo e os Executivos?

Com as vitórias de Lula e do PT, eleitoralmente foi ficando muito difícil de derrotá-los. Os adversários de Lula e do PT tentaram várias maneiras políticas de desacreditá-los mas não deram resultados práticos.

Como a coligação governamental do PT envolvia mais de dez partidos políticos, herdeiros das práticas do vale tudo, juntando ao fato de que a presidente Dilma Roussef não tinha a mesma habilidade no trato pessoal que Lula tem, tudo isso somado a crise econômica internacional que refletia no Brasil e ao erro em colocar Joaquim Levy - neoliberal assumido - no comando do Ministério da Fazenda, abriu-se uma grande oportunidade de criar um clima de ingovernabilidade. Abrindo a porta para o golpe do impeachment.

A bala de prata surgiu quando as disputas internas na Petrobrás contaminaram as relações dentro do próprio governo Dilma. Como o PSDB, principal interessado em derrubar o governo Dilma, conhecia as entranhas da Petrobrás e da governabilidade, em função de o PT ter copiado a concepção e prática de governabilidade de FHC, só ficava faltando descobrir uma forma jurídica de desgastar o PT e o próprio Lula, a maior liderança de massa que o Brasil já teve, para justificar perante a povo que o golpe era necessário para "moralizar o Brasil".

Alguns motivos levaram parcelas significativas do funcionalismo público, e especialmente do Judiciário e da PF, a se sentir à vontade para ficarem hostis publicamente ao governo Dilma e ao PT. Daí para se aliarem ao PSDB e criarem um modus operandi político-judiciário foi um pulo. O Judiciário selecionava as informações, passava para a imprensa e esta "editava o assunto", ou manipulava as informações, conforme a conveniência do momento. Até porque, a imprensa vinha se irritando com Dilma há bom tempo.

Como lidar com o fato de que,
tanto o Judiciário como a Imprensa,
só denunciavam corrupções no PT e seus aliados,
e escondiam às corrupções no PSDB e seus aliados?

A resposta veio através da ideia do "foco processual". 
Isto é, O objeto de investigação é só o PT e não a corrupção como um todo. Aí, como gosta de dizer o Boechat na rádio Bandeirantes, "como nunca se apurou corrupção no Brasil, pelo menos agora está se apurando no PT e nos empresários que deram dinheiro ao PT, quem sabe, mais tarde, se chegue aos demais partidos, às empresas e ao Brasil como um todo". Só que, como o cachimbo deixa a boca torta, a Rede Bandeirantes virou a maior defensora do Governo Temer. E aí a verdade ficou ainda mais secundarizada. Incluindo nas opiniões de Boechat.

Omitir é mentir?
Esta é a pergunta do momento.

Pior do que mentir,
é entregar o Brasil aos estrangeiros a preço de banana,
como está fazendo este governo ilegítimo e mercenário.
Isso está acontecendo com o apoio ostensivo
da Imprensa e do Judiciário.

Um país sem caráter?
Ou,
Um país enganado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário